Perception and experience of nurses about palliative care in the hospital context

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.12208

Keywords:

Palliative care; Nurse; Hospital.

Abstract

The objective was to know the nurses’ perception and experience about palliative care in the hospital context. This is an exploratory and descriptive study with a qualitative approach. The study included nurses and nurses residing in a public hospital in the state of Rio Grande do Sul, totaling nine professionals from the clinical unit. Data were collected through semi-structured interviews in August 2020. Through the analysis of the data two categories emerged, namely: Palliative Care - complex theme, and Heterogeneous experiences about palliative care.In the first category, it is clear that talking about palliative care is to address a complex theme with different approaches. In the second category, several experiences were reported, showing that, despite being a theme that is still discussed, it ends up being part of the routine of many professionals and families. It is concluded that despite the limited view on palliative care of most professionals, the theme is complex because it outlines biopsychosocio-spiritual aspects of people in terminal situations, in particular, and that the experiences happen in heterogeneous ways. In addition, the statements were relevant to demonstrate that there is weakness in relation to the perception of palliative care, which refers to a possible unpreparedness of the topic.

References

Academia Nacional De Cuidados Paliativos [ANCP] (2012). Critérios de Qualidade para Unidades de Cuidados Paliativos. Associação Nacional de Cuidados Paliativos, 2012. 590p.

Andrade, C. G., et al. (2016). Cuidados paliativos e bioética: estudo com enfermeiros assistenciais. Rev. Cuidado é fundamental, 8(4), 4922-28.

Andrade, C. G., Costa, S. F. G., & Lopes, M. E. L. (2013). Cuidados paliativos: a comunicação como estratégia de cuidado para o paciente em fase terminal. Ciência & Saúde Coletiva, 18(9), 2523-30.

Brasil. Conselho Nacional de Saúde. (2012). Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa em seres humanos. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012.

Brasil. (2018). Agenda de Prioridades de Pesquisa do Ministério da Saúde - APPMS/ Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Ciência e Tecnologia. – Brasília: Ministério da Saúde.

Bardin, L. (2012) Análise de Conteúdo.São Paulo: Edições 70.

Cardoso, D. H. et al. (2013). Cuidados paliativos na assistência hospitalar: a vivência de uma equipe multiprofissional. Texto contexto - enferm., 22(4),1134-41.

Carvalho, K. K., et al. (2017). Processo educativo em cuidados paliativos e a reforma do pensamento. Rev. Invest. educ. enferm., 35(1), 17-25.

Conceição, M. V., et al. (2019). Conhecimento sobre cuidados paliativos entre médicos residentes de hospital universitário. Revista Bioética, 27(1), 134-42.

Fernandes, M. A., et. al. (2013). Percepção dos enfermeiros sobre o significado dos cuidados paliativos em pacientes com câncer terminal. Ciência & Saúde Coletiva, 18(9), 2589- 96.

Freitas, N. O., & Pereira, M. V. G. Percepção dos enfermeiros sobre cuidados paliativos e o manejo da dorna UTI. O Mundo da Saúde, 37(4), 450-457.

Hermes, H. R., & Lamarca, I. C. A. (2013) Cuidados paliativos: uma abordagem a partir das categorias profissionais de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 18(9), 2577-88.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. (2006). Estatísticas do Século XX. Brasil, Rio de Janeiro.

Lakatos, E. M., & Marconi, M. A. (2017). Técnicas de Pesquisa. São Paulo: Atlas.

Minayo, M. C (2008). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11. ed. São Paulo: Hucitec.

Minayo, M. C. S (ORG). (2011). Pesquisa Social: Teoria, Método e Criatividade. Petrópolis: ed Vozes.

Morais, E. N., et. al. (2018). Cuidados paliativos: enfrentamento dos enfermeiros de um hospital privado na cidade do Rio de Janeiro-RJ. Rev.Cuidado é Fundamental, 10(2), 318-325.

Organização Mundial de Saúde [OMS]. (2002). National cancer control programmes: policies and managerial guidelines. Geneva: WHO.

Palmeira, H. M., et al. (2011). Cuidados paliativos no Brasil: revisão integrativa da literatura científica. Aletheia, (35-36), 179-189.

Rabow, M.W., et. al. (2010). The intersection of need and opportunity: assessing and capitalizing on opportunities to expand hospital-based palliative care services. J Palliat Med., 13(10), 1205-10.

Santos, B. C., et. al. (2017). A percepção dos enfermeiros de um hospital geral sobre os cuidados paliativos. Rev de Enfermagem, 11(6), 2288-93.

Silva, H. A., et. al. (2018). Intervenção em cuidados paliativos: conhecimento e percepção dos enfermeiros. Rev de Enfermagem,12(5), 1325-30.

Silva, M. M., et. al. (2012). Análise do cuidado de enfermagem e da participação dos familiares na atenção paliativa oncológica. Texto Contexto Enferm, 21(3), 658-66.

Silva, M. M., & Moreira, M. C. (2011). Sistematização da assistência de enfermagem em cuidados paliativos na oncologia: visão dos enfermeiros.Rev.Acta Paulista de Enfermagem, 24(2),172-78.

Silva, C. C. B., et al. (2010). Análise da percepção do enfermeiro sobre a assistência de enfermagem ao paciente em cuidados paliativos. Revista Nursing, 13(146), 411-6.

Vega, M. E. P., & Cibanal, L. J. (2016). Impacto psicosocial en enfermeras que brindan cuidados en fase terminal. Revista Cuidarte,7(1), 1210-18.

Vicensi, M. C. (2016). Reflexão sobre a morte e o morrer na UTI: a perspectiva do profissional. Rev. Bioét., 24(1).

Published

12/04/2021

How to Cite

ALMEIDA, A. P. G. de .; ZAMBERLAN, C. .; RODRIGUES, C. de F. .; ILHA, S. . Perception and experience of nurses about palliative care in the hospital context. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e32510412208, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i4.12208. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/12208. Acesso em: 16 may. 2021.

Issue

Section

Health Sciences