Actions and impacts in reducing fetal deaths: Perception of members of the mortality committee

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.12964

Keywords:

Fetal Death; Pregnancy; Protocols; Professional Training; Prenatal care.

Abstract

Objective: to unveil the actions developed in health services and their impacts on the reduction of fetal deaths, in the perception of members of a Mortality Committee in the South of Brazil. Method: a descriptive study, with a qualitative approach, involving seven health professionals, members of the Mortality Committee of a municipality in Paraná. Semi-structured interviews were carried out, which were transcribed and analyzed according to the content analysis. Results: Vaginal and/or urinary infections were identified as the main causes for the prevention of fetal deaths. Among the difficulties faced, there was the lack of qualification and turnover of professionals, as well as the lack of adherence to prenatal care. For that, several strategies were established: elaboration of protocols, training of professionals, acquisition of tests, medication and monitoring of the maternity records. Conclusion: the identification of weaknesses and subsequent implementation of actions contributed to the reduction of fetal deaths in the municipality, with the greatest impact involved the qualification of professionals for prenatal care.

Author Biographies

Maraisa Manorov, Prefeitura Municipal de Araucária

Enfermeira de Unidade Estratégia Saúde da Família da Prefeitura Municipal de Araucária (PR)

Alessandra Paiz, Universidade Federal do Paraná

Enfermeira. Residente em Saúde da Família pelo Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Família pela Universidade Federal do Paraná - UFPR.

Jeane Barros de Souza, Universidade Federal da Fronteira Sul

Enfermeira. Doutora. Professora do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Federal da Fronteira Sul/UFFS, Chapecó (SC), Brasil.

Laura Christina Macedo, Universidade Federal do Paraná

Enfermeira. Doutora. Professora do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Paraná/UFPR, Curitiba (PR), Brasil

References

Bardin L (2011). Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, LDA.

Barros, P. S., Aquino, E. C. & Souza, M. R. (2019, janeiro 31). Mortalidade fetal e os desafios para a atenção à saúde da mulher no Brasil. Revista de Saúde Pública, 53(12). Recuperado em 5 junho, 2020, de https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2019053000714

Bernis, L., Kinney, M. V., Stones W., Hoope-Bender, P., Vivio, D., Leisher, S. H., Bhutta, Z. A., Gülmezoglu, M., Mathai, M., Belizán, J. M., Franco, L., McDougall L., Zeitlin, J., Malata, A., Kim E & Dickson, J. E. L. (2016). Stillbirths: ending preventable deaths by 2030. Lancet, 387 (10019), 703-16. PubMed PMID: 26794079. Recuperado em 5 junho, 2020, de http://dx.doi.org/10.1016/S0140-6736(15)00954-X

Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas & Saúde da Criança e Aleitamento Materno (2009). Manual de vigilância do óbito infantil e fetal e do Comitê de prevenção do óbito infantil e fetal. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado em 10 junho, 2020, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_obito_infantil_fetal_2ed.pdf

Brasil, Ministério da Saúde, Portaria nº 72, de 11 de janeiro de 2010. Estabelece que a vigilância do óbito infantil e fetal é obrigatória nos serviços de saúde (públicos e privados) que integram o Sistema Único de Saúde (SUS). Recuperado em 10 junho, 2020, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2010/prt0072_11_01_2010.html

Brasil, Ministério da Saúde & Departamento de Ciência e Tecnologia (2012). Síntese de evidências para políticas de saúde: mortalidade perinatal. Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado em 10 junho, 2020, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/sintese_evidencias_mortalidade_perinatal.pdf

Brasil, Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde & Departamento de Atenção Básica (2013). Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília: 1 ed. rev. Recuperado em 10 junho, 2020, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_pre_natal_baixo_risco.pdf

Calixto, A. C. V., Meleipe, J. G. G., Bacelar, M. C. P., Gonçalves, P. G., Jardim, P. H. M. & Esteves, A. P. V. S. (2019). Infecção urinária na gravidez. Revista Caderno de Medicina, 2(1). Recuperado em 06 agosto, 2020, de http://www.revista.unifeso.edu.br/index.php/cadernosdemedicinaunifeso/article/download/1289/574

Campos, A. A. S., Leite, A. P. L., Lisboa, C. V. F., Andrade, C. C., Bezerra, A. F., Mattar, R. & Souza, E. (2012 May). Estudo comparativo entre o teste do pH e do KOH versus escore de Nugent para diagnóstico da vaginose bacteriana em gestantes. Rev. Bras. Ginecol. Obstet., 34(5): 209-14. Recuperado em 06 agosto, 2020, de https://doi.org/10.1590/S0100-72032012000500004

Fernández, M. A., Roo, J. P., Irigoyen, A. C., Blanco, S. L., Edward, A. B. & Juárez, V. T. (2016). Os Sistemas de Referência e Contra-Referência de pacientes na América Latina: Mecanismos de Coordenação Assistencial e papel da Medicina de Família e Comunidade. Rev Bras Med Fam Comunidade, 11(Suppl 2): 37-45. Recuperado em 06 agosto, 2020, de http://dx.doi.org/10.5712/rbmfc11(0)1384

Martins, M. S., Matos, E. & Salum, N. C. (2019, February 14). Rotatividade dos trabalhadores de enfermagem em uma unidade de emergência adulto. Texto & Contexto - Enfermagem, 28(e20160069). Recuperado em 06 agosto, 2020, de https://dx.doi.org/10.1590/1980-265x-tce-2016-0069

Menezzi, A. M. E. D., Figueiredo, I. D., Lima, E. W. B., Almeida, J. C., Marques, F. K. S., Oliveira, C. F., Barreto, N. A. P. & Pinho, L. (2016). Vigilância do óbito fetal: estudo das principais causas. O Mundo da Saúde, São Paulo, 40(2): 208-12. Recuperado em 06 agosto, 2020, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/periodicos/mundo_saude_artigos/vigilancia_obito_fetal.pdf

Moura B. L. A., Alencar, G. P., Silva Z. P. & Almeida M. F. (2018). Internações por complicações obstétricas na gestação e desfechos maternos e perinatais, em uma coorte de gestantes no Sistema Único de Saúde no Município de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública, 34(1): e00188016. Recuperado em 15 agosto, 2020, de https://doi.org/10.1590/0102-311x00188016.

Nunes J. T., Gomes K. R. O., Rodrigues M. T. P. & Mascarenhas M. D. M. (2016). Qualidade da assistência pré-natal no Brasil: revisão de artigos publicados de 2005 a 2015. Cad. Saúde Colet., 24(2): 252-61. Recuperado em 15 agosto, 2020, de https://www.scielo.br/pdf/cadsc/v24n2/1414-462X-cadsc-24-2-252.pdf

Pereira, D. O., Ferreira, T. L. S., Araújo, D.V., Melo, K. D. F. & Andrade, F. B. (2018, Apr 22). Avaliação das consultas de pré-natal: adesão do pré-natal e complicações na saúde materno-infantil. Revista Ciência Plural, 3(3): 2-15. Recuperado em 15 agosto, 2020, de https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/view/12891

Pereira, A. S., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J. & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM. Recuperado em 24 fevereiro, 2021 de https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1

Ribeiro, B. C. O., Souza, R. G. & Silva, R. M. (2019). A importância da educação continuada e educação permanente em unidade de terapia intensiva – revisão de literatura. Rev Inic Cient e Ext. 2(3): 167-75. Recuperado em 25 janeiro, 2020, de https://revistasfacesa.senaaires.com.br/index.php/iniciacaocientifica/article/view/253/193

Rocha, I. M. S., Barbosa, V. S. S. & Lima, A. L. S. (2017). Fatores que influenciam a não adesão ao programa de pré-natal. Revista Recien, 7(21): 21-9. Recuperado em 20 agosto, 2020, de https://doi.org/10.24276/rrecien2358-3088.2017.7.21.21-29

Ruoff, A. B., Andrade S. R. & Schmitt M. D. (2017, Mar 7). Atividades desenvolvidas pelos comitês de prevenção do óbito infantil e fetal: revisão integrativa. Rev Gaúcha Enferm, 38(1): e67342. Recuperado em 15 agosto, 2020, de http://dx.doi. org/10.1590/1983-1447.2017.01.67342

Serrano, F.. Centeno, M. & Ramalho, C. (2018). Estudo das situações de morte fetal após as 24 semanas. Acta Obstétrica e Ginecológica Portuguesa, 12(3), 240-244. Recuperado em 12 setembro, 2020, de http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1646-58302018000300015&lng=pt&tlng=p

Silva, V. M. C., Tavares, N. H. F., Silva, M. B., Silva, I. C., Rêgo, T. C., Silva, D. F. S., Silva, T. R. S., Dias, M. C. J., Barros, K. V. M., Silva, A. C. F. A., Andreto, L. M., Silva, E. V., Sales, C. C. S., Almeida, S. T. & Machado, S. P. C. (2019). Fatores associados ao óbito fetal na gestação de alto risco: Assistência de enfermagem no pré-natal. REAS/EJCH, 37(e1884). Recuperado em 15 agosto, 2020, de https://doi.org/10.25248/reas.e1884.2019

Souza, M. C. T., Viana, M. M. L., Leite, D. P., Silva, M. K. N., Bessa, F. C., Bento, D. A. B. & Santos, R. L. S. (2019). A Importância do Vínculo Profissional Atribuída por Gestante. Rev.Mult. Psic., 13(46), 938-45. Recuperado em 25 janeiro, 2021, de https://idonline.emnuvens.com.br/id/article/view/1941

Tonelli, B. Q., Leal, A. P. R., Tonelli, W. F. Q., Veloso, D. C. M. D., Gonçalves, D.P. & Tonelli, S. Q. (2018, May/Aug). Rotatividade de profissionais da Estratégia Saúde da Família no município de Montes Claros, Minas Gerais, Brasil. RFO UPF, 23(2): 180-85. Recuperado em 25 janeiro, 2021, de http://dx.doi.org/10.5335/rfo.v23i2.8314

Published

04/03/2021

How to Cite

MANOROV, M.; PAIZ, A.; SOUZA, J. B. de .; MACEDO, L. C. Actions and impacts in reducing fetal deaths: Perception of members of the mortality committee. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 3, p. e4610312964, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i3.12964. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/12964. Acesso em: 13 apr. 2021.

Issue

Section

Health Sciences