Faith, hoe and Money: the social genesis of solidarity-based rural credit cooperatives in Minas Gerais – Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.13037

Keywords:

Church; Credit union; Solidarity; Rural union.

Abstract

This research is part of a new research and discussion agenda on solidarity rural credit cooperatives, which seeks to reveal the structuring, organization and impact of the insertion of a new cooperative system in the state of minas gerais, brazil. Within this perspective, the general objective of this research is to analyze, from an institutionalist perspective, the institutional origins of solidarity credit cooperatives in minas gerais from a case study and qualitative and descriptive research method. The inflections in the trajectory of the organizations that give rise to solidarity credit cooperatives in minas gerais were not promoted only as a rational strategy to increase financial performance, and an institutional dimension covered this process, conditioned by symbolic, political and faith relations. In this scenario, this organizational model emerges from relationships linked to faith (church), hoe (unions) and money (access to financial services).

References

Alves Júnior, A. (2018). A institucionalização do cooperativismo de crédito solidário em Minas Gerais. Ano de obtenção 2018. 135f. Dissertação (Mestrado em Extensão Rural). Departamento de Economia Rural, Universidade Federal de Viçosa: Viçosa.

Appendini, K., & Nuijten, M. (abril de 2002). El papel de las instituciones los contextos locales. Revista de la Cepal(76), 71-88.

Aquino, J. R., & Schneider, S. (2015). O Pronaf e o desenvolvimento rural brasileiro: avanços, contradições e desafios para o futuro. Em C. Grisa, & S. S. (Org.), Políticas Públicas de Desenvolvimento Rural, UFRGS.

Bervian, P. A., & Cervo, A. L. (2002). Metodologia científica (5a ed.): Prentice Hall.

Brunow, V. O. (2011). Trabalhadores Rurais, Sindicatos, Igreja Católica e Política: Um estudo sobre a atuação do Centro de Estatística Religiosa e Investigações Sociais (CERIS) na década de 1980. XXVI Simpósio Nacional de História.

Búrigo, F. L. (1998). Cooperativa de crédito rural - uma opção para democratizar o financiamento rural. Revista Pensamento e Realidade, 1(2), 65-82.

Búrigo, F. L. (2006). Finanças e solidariedade: uma análise do cooperativismo de crédito rural solidário no Brasil. Ano de obtenção 2006. 317f. Tese (Doutorado em Sociologia Política). Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina: Florianópolis.

Campos, A., & Mendes, F. (2011). Redes sociais, comunidades eclesiais de base e sindicalismo rural a experiência da conquista de terras em conjunto entre agricultores familiares da Zona da Mata Mineira. Ruris, 5, 15-43.

Carvalho, C., Goulart, S., & Vieira, M. (2004). A inflexão conservadora na trajetória histórica da teoria institucional. ENANPAD.

Comerford, J. C. (2003). Como uma família: sociabilidade, territórios de parentesco e sindicalismo rural: Relume Dumará: Núcleo de Antropologia da Política/UFRJ.

CPT. (2018). Comissão Pastoral da Terra: https://www.cptnacional.org.br/sobre-nos/historico

ECOSOL. (2006). Ecosol. https://web.archive.org/web/20061116063916/http://www.ecosol.com.br:80/

Eisenlohr, Z. F. (2008). Agricultura Familiar E Reprodução Social Em Tombos-Mg: Análise De Um Processo Emancipatório. 134f. Dissertação (Mestrado em Extensão Rural). Universidade Federal de Viçosa: Viçosa.

Favareto, A. (out de 2006). Agricultores, Trabalhadores: os trinta anos do novo sindicalismo rural no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 21.

Ferreira, S. M. (2003). Peregrinos da Terra Prometida: Comissão Pastoral da Terra e Trajetória Político-Religiosa. Sacrilegens (Juiz de Fora), 1(1), 123-137.

Fligstein, n. (s.d.). Habilidade social e a teoria dos campos. RAE-Revista de Administração de Empresas, 47(2), 61-80.

Fourez, G. (1995). A Construção das Ciências, Introdução à Filosofia e Ética das Ciências: UNESP.

Frei Betto. (2018). Frei Betto: Comunidades Eclesiais de Base: CEBs. https://leonardoboff.wordpress.com/2018/01/31/frei-betto-comunidades-eclesiais-de-base-cebs/

Freitas, A. F. (2011). A construção social do cooperativismo de crédito rural solidário na Zona da Mata Mineira. Ano de obtenção 2011. 168f. Dissertação (Mestrado em Extensão Rural). Departamento de Economia Rural, Universidade Federal de Viçosa: Viçosa.

Freitas, A. F. (2015). A Dinâmicas Sociais e Desenvolvimento Territorial na Serra do Brigadeiro: Atores, Redes e Instituições. Ano de obtenção 2015. 245f. Tese (Doutorado em Administração). Departamento de Administração, Universidade Federal de Minas Gerais: Belo Horizonte.

Freitas, A. F., & Freitas, A. F. (set de 2013). Os alicerces sociopolíticos do cooperativismo de crédito rural solidário na Zona da Mata de Minas Gerais. Rev. Econ. Sociol. Rural, 51(3), 433-453.

Gawlak, A. (2010). Cooperativismo: primeiras lições / [Albino Gawlak, Fabiane Allage y Ratzke] (4a ed.): Sescoop.

Gonçalves, R. L. (2012). A Atuação Da Comissão Pastoral Da Terra (Cpt) Em Campos Dos Goytacazes, Rj: Uma Análise Do Assentamento Zumbi Dos Palmares. Ano de obtenção 2012. 150f. Dissertação (Mestrado em Extensão Rural). Departamento de Economia Rural, Universidade Federal de Viçosa: Viçosa.

Houtzager, P. P. (2004). Os últimos cidadãos: conflito e modernização no Brasil rural (1964-1995): Editora Globo.

Lemieux, C. (2015). A escrita sociológica. Em S. Paugam, A pesquisa Sociológica: Vozes.

Long, N., & Ploeg, J. V. (2011). Heterogeneidade, ator e estrutura: para a reconstituição do conceito de estrutura. Em S. Schneider, & M. Gazolla, Os atores do desenvolvimento rural: perspectivas teóricas e práticas sociais. (21-48): UFRGS Editora.

Löwy, M. (2016). O que é Cristianismo da Libertação: religião e política na América Latina (2ª ed.): Editora Fundação Perseu Abramo: Expressão Popular.

Martins, M. (2010). O cooperativismo de crédito solidário e as representações sociais da cooperação nos municípios de Araponga e Tombos/MG. 121 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Rural). Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural. Universidade Federal do Rio Grande do Sul: Porto Alegre.

Martins, M. E. (2016). Sujeitos rurais e organizações do cooperativismo de crédito rural solidário: (des)caminhos, (im)possibilidades e (re)invenções. Ano de obtenção 2016. 241f. Tese (Doutorado em Extensão Rural). Departamento de Economia Rural, Universidade Federal de Viçosa: Viçosa.

Mobon. (2018). Movimento Boa Nova: https://www.mobon.org.br/

OCB. (2018). Relatório De Gestão 2017. Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Brasilia.

Paula, E. A., & Silva, M. C. R. (2005). Sindicalismo Rural, Poder Local e ambientalismo na terra de Chico Mendes. XII Congresso Brasileiro de Sociologia: Sociologia e Realidade Pesquisa Social no Sec XXI.

Pinho, D. B. (2004). O Cooperativismo no Brasil: da vertente pioneira à vertente solidária: Saraiva.

Rao, H., Morrill, C., & Zald, M. (2000). Power Plays: How Social Movements and Collective Action Create New Organizational Forms. Research in Organizational Behavior, 22, 237-281.

Regidor, J. R. (1996). Vinte e cinco anos de Teologia da Libertação. Em A Teologia da Libertação: balanço e perspectivas: Ática.

Richardson, R. J. (1985). Pesquisa social: métodos e técnicas: Atlas.

Sartori, S. (2009). Ações para melhoria da satisfação dos clientes em uma cooperativa de crédito. Ano de obtenção 2009. 121f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção). Departamento de Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Maria: Santa Maria.

Schneider, S., & Gazolla, M. (. (2011). Os atores do desenvolvimento rural: perspectivas teóricas e práticas sociais: UFRGS Editora.

Sensato, E. J. (2013). Entre Promessas E Contradições: Dilemas Da Ação Política Na Trajetória Do Sindicato Dos Trabalhadores Rurais De Muriaé-Mg. ano de obtenção: 2013. 83f. (mestrado em Extensão Rural). Departamento de Economia Rural - UFV: Viçosa.

Silva, M. (2010). Políticas públicas de desenvolvimento rural e organizações de agricultura familiar em Espera Feliz – MG. 127f. Dissertação (Mestrado em Extensão Rural). Universidade Federal de Viçosa: Viçosa.

Sucupira, G., & Freitas, A. F. (2011). Cooperativismo de Crédito Solidário: Um Arranjo Institucional em Prol do Desenvolvimento Local. Rede: Revista Eletrônica do Prodema, 23-40.

Vergara, S. C. (1998). Projetos e relatórios de pesquisa em administração (2a ed ): Atlas.

Yin, R. (2010). Estudo de casos: planejamento e métodos: Bookman.

Published

06/03/2021

How to Cite

ALVES JÚNIOR, A.; FREITAS, A. F. de; FREITAS, A. F. de .; SILVA, M. G. da; MOREIRA, I. R. J. . Faith, hoe and Money: the social genesis of solidarity-based rural credit cooperatives in Minas Gerais – Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 3, p. e6110313037, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i3.13037. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13037. Acesso em: 14 apr. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences