Construction of a mobile application prototype for the renal patient's nursing process

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.13226

Keywords:

Technology; Systematization of nursing care; Mobile apps.

Abstract

The use of technology systems at the health area has been an excellent tool in improving the care assistance to the patient/client, as it allows the professional to collect, record data and communicate with the multiprofessional team more quickly and effectively. This is a descriptive type methodological study, with the objective of showing the development of a prototype of a mobile application of medium fidelity for the Nursing Process of the renal patient. The prototype is composed by 29 screens and was built with the intention of offering a hospital service the application of the Nursing Process quickly, accurately and safely. In general, the construction of the screens was divided into categories: home screen, login menu, hospital registration, hospital menu, collaborative registration, collaborative login, patient menu, patient registration, process options, nursing history, physical examination, suggested diagnoses, selected diagnoses, care plan, expected results, implementation, evaluation, complications, patient's destination and previous records. From this study, it became feasible to build a mobile application prototype to perform the nursing process focused on the chronic kidney patient, this prototype will serve as an instrument for further studies, with the necessary adjustments to achieve the desired result.

References

Aquino, P. S. et al. (2010). Análise do conceito de tecnologia na enfermagem segundo o método evolucionário. Acta Paulista de Enfermagem, v. 23, n. 5, p. 690-696. https://www.scielo.br/pdf/ape/v23n5/17.pdf

Araújo, F. A. C. et al. (2018). Elaboração de software para tomada de decisões clínicas em enfermagem na prevenção de quedas em pediatria. CIAIQ2018. https://www.researchgate.net/publication/326305640_ELABORACAO_DE_SOFTWARE_PARA_TOMADA_DE_DECISOES_CLINICAS_EM_ENFERMAGEM_NA_PREVENCAO_DE_QUEDAS_EM_PEDIATRIA

Bordinhão, R. C. &Almeida, M. A. (2012). Instrumento de coleta de dados para pacientes críticos fundamentado no modelo das necessidades humanas básicas de horta. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 33, n. 2, p. 125-131. https://www.scielo.br/pdf/rgenf/v33n2/18.pdf

Conselho Federal de Enfermagem – Cofen. Resolução COFEN-358/2009. [Internet]. 2009 [cited 2017 Apr 11]. http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.html

Crestani Filho, V. J. & Rodrigues, R. A. C. (2013). Progressão da doença renal crônica: experiência ambulatorial em Santarém-Pará. Brazilian Journal of Nephrology, v. 35, n. 2, p. 99-106. https://bjnephrology.org/en/article/progression-of-chronic-kidney-disease-ambulatory-experience-in-santarem-para/

Cunha, S. M. B. & Barros, A. L. B. L. (2005). Análise da implementação da Sistematização da Assistência de Enfermagem, segundo o Modelo Conceitual de Horta. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 58, n. 5, p. 568-572. https://doi.org/10.1590/S0034-71672005000500013.

Almeida, O. A. E., et al. (2019). Engaging people with chronic kidney disease in their own care an integrative review. Ciência & Saúde Coletiva, vol. 24, no. 5. Gale Academic OneFile, https://link-gale.ez16.periodicos.capes.gov.br/apps/doc/A593352842/AONE?u=capes&sid=AONE&xid=717f532e.

Carvalho, E. C. & Bachion, M. M. (2009). Processo de enfermagem e sistematização da assistência de enfermagem–intenção de uso por profissionais de enfermagem. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 11, n. 3. https://doi.org/10.5216/ree.v11.47056

De Oliveira, A. P. C. et al. (2012). Sistematização da assistência de enfermagem: implementação em uma Unidade de Terapia Intensiva. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, v. 13, n. 3, p. 601-612. https://www.redalyc.org/pdf/3240/324027982013.pdf

De Oliveira, A. R. F. & De Menezes Alencar, M. S. (2017). O uso de aplicativos de saúde para dispositivos móveis como fontes de informação e educação em saúde. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 15, n. 1, p. 234-245. https://doi.org/10.20396/rdbci.v15i1.8648137

Domingos, C. S. et al. (2017). A aplicação do processo de enfermagem informatizado: revisão integrativa. Enfermería Global, v. 16, n. 4, p. 603-652. http://dx.doi.org/10.6018/eglobal.16.4.278061

Dos Santos Barros, W. C. T. et al. (2019).Aplicativo para avaliação do nível de consciência em adultos: produção tecnológica em enfermagem. Cogitare Enfermagem, v. 24. https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/60338

Dos Santos, W. N. et al. (2014). Sistematização da Assistência de Enfermagem: o contexto histórico, o processo e obstáculos da implantação. JMPHC| Journal of Management & Primary Health Care. ISSN 2179-6750, v. 5, n. 2, p. 153-158. https://doi.org/10.14295/jmphc.v5i2.210

Fassbinder, T. R. C. et al. (2015). Capacidade funcional e qualidade de vida de pacientes com doença renal crônica pré-dialítica e em hemodiálise–um estudo transversal. J. Bras. Nefrol., v. 37, n. 1, p. 47-54. http://dx.doi.org/10.5935/0101-2800.20150008

Fonseca De Oliveira, A. R. & Alencar, M. S. De M. (2017). O uso de aplicativos de saúde para dispositivos móveis como fontes de informação e educação em saúde. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 15, n. 1, p. 234-245. https://doi.org/10.20396/rdbci.v15i1.8648137

Fortes, V. L. F. et al. (2013). O itinerário da doença renal crônica: do prenúncio à descoberta. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, v. 14, n. 3, p. 531-540. https://www.redalyc.org/pdf/3240/324027991009.pdf

George, J. B. (1993). Teorias de enfermagem: os fundamentos para a prática profissional. In: Teorias de enfermagem: os fundamentos para a prática profissional. p. 338-338. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/bde-5292

Lima, J. J. de; Vieira, L. G. D. & Nunes, M. M. (2018). Proceso de enfermería informatizado: construcción de tecnología móvil para uso en neonatos. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 71, p. 1273-1280. https://www.scielo.br/pdf/reben/v71s3/pt_0034-7167-reben-71-s3-1273.pdf

Lopez, Priscila Suman et al. (2014). Could the type of treatment for chronic kidney disease affect the auditory system?: O tratamento da doença renal crônica pode afetar a audição?. Brazilian Journal of Otorhinolaryngology, v. 80, n. 1, p. 54-59. http://www.bjorl.org/pt-o-tratamento-da-doenca-renal-articulo-X2530053914746537

Martins, M. C. T. & Chianca, T. C. M. (2016). Construção de um software com o com o Processo de Enfermagem em Terapia Intensiva. Journal of Health Informatics, v. 8, n. 4. http://www.jhi-sbis.saude.ws/ojs-jhi/index.php/jhi-sbis/article/view/420

Merhy, E. E. & Chakkour, M. (1997). Em busca de ferramentas analisadoras das tecnologias em saúde: a informação e o dia a dia de um serviço, interrogando e gerindo trabalho em saúde. https://digitalrepository.unm.edu/lasm_pt/326/

Moffatt, K. et al. (2003). Participatory designwith aphasic individuals. http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.83.9901&rep=rep1&type=pdf

Morsch, C. & Veronese, F. J. V. (2011). Doença renal crônica: definição e complicações. Clinical & Biomedical Research, v. 31, n. 1. https://seer.ufrgs.br/hcpa/article/view/20014

Neves, R. de S. (2006). Sistematização da assistência de enfermagem em unidade de reabilitação segundo o modelo conceitual de Horta. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 59, n. 4, p. 556-559. https://doi.org/10.1590/S0034-71672006000400016

Palomares M. L. E. & Marques I. R. (2010). Contribuições dos sistemas computacionais na implantação da sistematização da assistência de enfermagem. J Health Inform [Internet]. http://www.jhi-sbis.saude.ws/ojs-jhi/ index.php/jhi-sbis/article/view/94/34

Pagliuca, L. M. F. (1993). Os princípios da teoria das necessidades humanas básicas e sua aplicabilidade para o paciente com indicação de transplante de córnea. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 46, n. 1, p. 21-31. https://doi.org/10.1590/S0034-71671993000100003

Pereira, A. S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM. https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1.

Pimpão, F. D. et al. (2010). Percepção da equipe de enfermagem sobre seus registros: buscando a sistematização da assistência de enfermagem. Repositório Institucional da Universidade de Rio Grande do Norte. http://repositorio.furg.br/handle/1/1570

Pissaia, L. F. et al. (2018). Impacto de tecnologias na implementação da sistematização da assistência de enfermagem hospitalar: uma revisão integrativa. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, v. 8, n. 1, p. 92-100. http://dx.doi.org/10.1758/reci.vlil.8953

Polit, D. F.; Beck, C. T. (2011). Fundamentos de pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática da enfermagem. Artmed Editora.

Polit, D. F.; Hungler, B. P. (1995). Fundamentos de pesquisa em enfermagem. In: Fundamentos de pesquisa em enfermagem. p. 391-391.

Pressman, R.; Maxim, B. (2016). Engenharia de Software-8ª Edição. McGraw Hill Brasil.

Reppetto, M. Â. & Souza, M. F. de. (2009). Avaliação da realização e do registro da sistematização da assistência de enfermagem (SAE) em um hospital universitário. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 58, n. 3, p. 325-329. https://doi.org/10.1590/S0034-71672005000300014

Rezende, L. C. M.; Santos, S. R. dos & Medeiros, A. L. (2016). Avaliação de um protótipo para Sistematização da Assistência de Enfermagem em dispositivo móvel. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 24, e2714. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692016000100343&lng=en&nrm=iso

Rocha, P. K. et al. (2008). Cuidado e tecnologia: aproximações através do Modelo de Cuidado. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 61, n. 1, p. 113-116, 2008. http: //dx.doi.org/10.17058/reci.v1i1.8953

Sabino, L. M. M. de et al. (2016). Uso de tecnologia leve-dura nas práticas de enfermagem: análise de conceito. http://www.scielo.org.co/scielo.php?pid=S1657-59972016000200010&script=sci_abstract&tlng=pt#:~:text=A%20tecnologia%20leve%2Ddura%20ultrapassa,v%C3%ADnculo%20entre%20profissional%20e%20cliente.

Santos, Z. M. S. A. (2016). Tecnologia em Saúde–Aspectos teórico-conceituais. Tecnologias em saúde: da abordagem teórica à construção e aplicação no cenário do cuidado. Fortaleza: EdUECE, p. 12-22. http://www.scielo.org.co/scielo.php?pid=S1657-59972016000200010&script=sci_abstract&tlng=pt

Soares, C. R.; Peres, H. H. C. & De Oliveira, N. B. (2018). Processo de Enfermagem: revisão integrativa sobre as contribuições da informática. Journal of Health Informatics, v. 10, n. 4. http://www.jhi-sbis.saude.ws/ojs-jhi/index.php/jhi-sbis/article/view/550

Sommerville, I. (2007). Engenharia de Software. 8. ed. Pearson Education do Brasil, São Paulo.

Souza, J. S. de et al. (2018). Percepção dos profissionais de enfermagem sobre a sistematização da assistência de enfermagem informatizada em um hospital universitário. https://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/23851/1/PercepcaoProfissionaisEnfermagem.pdf

Tibes, C. M. dos S. et al. (2015). Aplicativo móvel para prevenção e classificação de úlceras por pressão. Universidade Federal de São Carlos. https://repositorio.ufscar.br/bitstream/handle/ufscar/3287/6796.pdf?sequence=1

Trepichio, P. B. et al. (2013). Perfil de los pacientes y carga de trabajo de enfermería en la unidad de nefrología. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 34, n. 2, p. 133-139. https://doi.org/10.1590/S1983-14472013000200017

Zhang, Haiyan et al. (2019). Modular construction for interacting with software. U.S. Patent n. 10,188,939. https://scholar.google.com.tw/citations?user=6NAxXqsAAAAJ&hl=zh-TW

Published

14/03/2021

How to Cite

OLIVEIRA, M. C. de P. .; MOURA, A. K. de .; LIMA, K. M. O. .; MEDEIROS, M. C. W. C. de .; LIRA, M. N. .; LIMA, J. R. de. Construction of a mobile application prototype for the renal patient’s nursing process . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 3, p. e21810313226, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i3.13226. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13226. Acesso em: 13 apr. 2021.

Issue

Section

Health Sciences