Nurses’ conceptions of safe care for women during pregnancy and childbirth

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.13360

Keywords:

Obstetric nursing; Patient safety; Quality of health care.

Abstract

Objective: to describe nurses' conceptions about safe care for women during pregnancy and childbirth. Method: this is a qualitative, descriptive study, carried out in a public maternity hospital in the city of Rio de Janeiro. Nurses working in prenatal care and in assisting normal birth were interviewed. Thematic content analysis was used. Results: 11 nurses participated in the study. The content analysis gave rise to two thematic categories, called “Safe obstetric care in the nurses' conception” and “The promotion of safe care for nurses”. Nurses consider that the security of obstetric care is obtained through the use of protocols and technical standards recommended by the Ministry of Health, seeking to provide assistance free of errors and damages, without unnecessary interventions and through humanized care, with trained and qualified professionals. appropriate infrastructure. The promotion of safety occurs when there is the prevention of risks, the valorization of the role of women and respect for the physiology of childbirth, through individualized assistance. Conclusion: in the nurses' conceptions, safe assistance to women during pregnancy and childbirth, is when there is a humanized and individualized care, without unnecessary interventions, through adherence to technical recommendations, with trained professionals and an adequate infrastructure, in order to minimize errors and damages. Nurses highlight the importance of encouraging women's autonomy, through a welcoming and trained team, which provides the necessary information and guidance, contributing to women's safety.

Author Biography

Deise Breder dos Santos Batista, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Enfermeira especializada em Enfermagem em Clínica Cirúrgica. Mestranda pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

References

Azevedo, L. S., Costa, S., Donaduzzi, D. S. S., Fettermann, F. A., Bordignon, J., & Rosa, A. B. (2020). Conhecimento de enfermeiras obstétricas em relação aos métodos não farmacológicos para o alívio da dor no trabalho de parto. Revista Vivências, 16(30), 115-125. http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:L7OgPV4g-o4J:revistas.uri.br/index.php/vivencias/article/view/118/93+&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br

Backes, M. T. S., Ribeiro, L. N., Amorin, T. S., Vieira, B. C., Souza, J., Dias, H. H. Z. R. & Zampieri, M. F. M. (2017). Desafios da gestão do cuidado de enfermagem para a qualidade da atenção obstétrica e neonatal em maternidades públicas brasileiras. Investigação Qualitativa em Saúde. 2, 411-420. http://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2017/article/view/1232/1193

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. Edições 70.

Brasil. (2014). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Serviços de atenção materna e neonatal: segurança e qualidade. Brasília: ANVISA, 103 – (Tecnologia em serviços de saúde). https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/publicacoes/item/servicos-de-atencao-materna-e-neonatal-seguranca-e-qualidade

Brasil. (2020). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Brasil reduziu 8,4% a razão de mortalidade materna e investe em ações com foco na saúde da mulher. https://aps.saude.gov.br/noticia/8736#:~:text=O%20Brasil%20conseguiu%20reduzir%20em,anterior%20era%20de%2064%2C5.

Brasil. (2011). Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: Princípios e Diretrizes. Editora do Ministério da Saúde. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_mulher_principios_diretrizes.pdf

Carvalho, E. M. P., Göttems, L. B. D. & Pires, M. R. G. M. (2015). Adesão às boas práticas na atenção ao parto normal: construção e validação de instrumento. Revista Escola de Enfermagem da USP, 49(6), 890-898. http://www.revistas.usp.br/reeusp/article/view/108367

Castro, C. M., Narchi NZ, Lopes G. A., Macedo C. M., & Souza A. C. (2017). Entre o ideal e o possível: experiências iniciais das obstetrizes no Sistema Único de Saúde de São Paulo. Saúde Soc. 26(1), 312-323. http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v26n1/1984-0470-sausoc-26-01-00312.pdf

De Bortoli, C. de F. C., Prates, L. A., Perez, R. de V., Champe, T. da S., Wilhelm, L. A., & Ressel, L. B. (2020). A consulta de enfermagem: contribuições na atenção pré-natal. Research, Society and Development, 9(8), e458985236. http://doi.org/10.33448/rsd-v9i8.5236

Dias, J. D., Mekaro, K. S., Tibes, C. M. S., & Zem-Mascarenhas, S. H. (2014). Compreensão de enfermeiros sobre segurança do paciente e erros de medicação. Revista Mineira de enfermagem, 18(4), 866-873. http:// http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/969

Gomes, A. R. M, Pontes, D. S., & Pereira, C. C. A., Brasil, A. O. M., & Moraes, L. C. A. (2014). Assistência de enfermagem obstétrica na humanização do parto normal. Revista Recien, 4(11), 23-27. http://www.recien.com.br/index.php/Recien/article/view/73/137

Guida, N. F. B., Pereira, A. L. F., Lima, G. P. V., Zveiter, M., Araújo, C. L. F., & Moura, M. A. V. (2017). Conformidade das práticas assistenciais de enfermagem com as recomendações técnicas para o parto normal. Revista Rene, 18(4), 543-550. http://www.periodicos.ufc.br/rene/article/view/20286/30818

Marcolin, A. C. (2015). Qualidade e segurança: caminhos para o sucesso do redesenho do modelo de cuidado obstétrico. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 37(10), 441- 445. http://www.scielo.br/pdf/rbgo/v37n10/0100-7203-rbgo-37-10-00441.pdf

Minuzzi, A. P., Salum, N. C., Locks, M. O. H., Amante, L. N., & Matos, E. (2016). Contribuições da equipe de saúde visando à promoção da segurança do paciente no cuidado intensivo. Escola Anna Nery, 20(1),121-129. http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20160017

Peripolli, L. O., Rabelo, M.; Souza, S. R. R. K., Wall, M. L., Trigueiro, T. H., & Godarth, K.M. (2019). Assistência ao parto sob a ótica de enfermeiras obstétricas. Revista Família, Ciclos de Vida e Saúde no Contexto Social REFACS, v.7, n.3, p.275-283, 2019. http://doi.org/10.18554/refacs.v7i3.3749

Piler, A. A., Wall, M. L., Aldrighi, J. D., Benedet, D. C. F., Silva, L. R. & Szpin, C. C. (2019). Protocolo de boas práticas obstétricas para os cuidados de enfermagem no processo de parturição. Revista Mineira de Enfermagem, 23:e-1254, 1-8. http://doi.org/10.5935/1415-2762.20190102

Prata, J. A., Ares, L. P. M., Vargens, O. M. C., Reis, C. S. C., Pereira, A. L. F., & Progianti, J. M. (2019). Tecnologias não invasivas de cuidado: contribuições das enfermeiras para a desmedicalização do cuidado na maternidade de alto risco. Escola Anna Nery, 23(2):e20180259, 1-8. http://doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2018-0259

Rocha, A. C. & Andrade, G. S. (2017). Atenção da equipe de enfermagem durante o pré-natal: percepção das gestantes atendidas na rede básica de Itapuranga – GO em diferentes contextos sociais. Revista Enfermagem Contemporânea, 6(1), 30-41. http://dx.doi.org/10.17267/2317-3378rec.v6i1.1153

Rodrigues, G. T., Pereira, A. L. F., Pessanha, P. S. A., & Penna, L. H. G. (2021). Incidentes na assistência das parturientes e recém-nascidos: perspectivas das enfermeiras e médicos. Escola Anna Nery, .25 (2), e20200075. http://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2020-0075.

Sabino, V. G. R. S., Costa, N. S., Bracarense, C. R., Duarte, J. M. G., & Simões, A. L. A. (2017). A percepção das puérperas sobre a assistência recebida durante o parto. Revista de Enfermagem da UFPE On-line. 11(10), 3913-9. http://doi.org/10.5205/reuol.12834-30982-1-SM.1110201728

Santos, H. F. L., & Araújo, M. M. (2016). Políticas de Humanização ao pré-natal e parto: uma revisão de literatura. Revista Científica FacMais, 4(2), 54-64. http://revistacientifica.facmais.com.br/wp-content/uploads/2016/07/Artigo-6-POL%C3%8DTICAS-DE-HUMANIZA%C3%87%C3%83O-AO-PR%C3%89-NATAL-E-PARTO.pdf.

Silva, A. L. S., Nascimento, E. R., & Coelho, E. A. C. (2015). Práticas de enfermeiras para promoção da dignificação, participação e autonomia de mulheres no parto normal. Escola Anna Nery, 19(3), 424-431. http://doi.org/10.5935/1414-8145.20150056

Sousa, A. M. M, Souza, K. V., Rezende, E. M., Martins, E. F., Campos, D., & Lansky, S. (2016). Práticas na assistência ao parto em maternidades com inserção de enfermeiras obstétricas, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Escola Anna Nery, 20(2), 324-331. http://doi.org/10.5935/1414-8145.20160044

Vargens, O. M. C., Silva, A. C. V., & Progiant, J. M. (2017). Contribuição de enfermeiras obstétricas para consolidação do parto humanizado em maternidades no Rio de Janeiro-Brasil. Esc Anna Nery, 21(1), 1-8. http://doi.org/10.5935/1414-8145.20170015

Vieira, M. J O., Santos, A. A. P., Silva, J. M. O., & Sanches, M. E. T. L. (2016). Assistência de enfermagem obstétrica baseada em boas práticas: do acolhimento ao parto. Revista Eletrônica De Enfermagem, 18:e1166. http://doi.org/10.5216/ree.v18.36714

Vogt, S. E., Silva, K. S., & Dias, M. A. B. (2014). Comparação de modelos de assistência ao parto em hospitais públicos. Revista de Saúde Pública, 48(2), 304-313. http://doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048004633

World Health Organization. (2018). WHO recommendations: intrapartum care for a positive childbirth experience [Internet]. Geneva: WHO; http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/260178/1/9789241550215-eng.pdf?ua=1

Published

19/03/2021

How to Cite

BATISTA, D. B. dos S.; GUIMARÃES, J. C. N.; ALFREDO, Y. M.; PEREIRA, A. L. de F. . Nurses’ conceptions of safe care for women during pregnancy and childbirth. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 3, p. e37910313360, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i3.13360. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13360. Acesso em: 13 apr. 2021.

Issue

Section

Health Sciences