High school students from public schools in Fortaleza-CE and the interest in Botany

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.13660

Keywords:

Biology; Botany Teaching; Basic education.

Abstract

Botany studies and classifies plants considering their forms, structures, and composition; its knowledge is closely associated with people's daily lives. However, its presence is almost always ignored, so that, in Basic Education, it is seen as a very theoretical, descriptive, and discouraging content. Therefore, it is important to know the student's opinion about the subject and try to promote improvements in this area. Thus, this study aimed to investigate the interest in Botany of high school students from two public schools in Fortaleza. To this end, a questionnaire was applied to 71 2nd year high school students from two public high schools in Fortaleza, composed of seven questions, asking them about the difficulties they encounter, the way their teachers share the content, suggestions to improve their understanding of the subject, among others. The Biology teachers of the respective classes also participated in the research, to find out their opinion on the subject and their performance in the classroom. It was verified that most students are interested in Botany and find it relevant to know about the subject, however, they present some difficulties, especially regarding nomenclature, so that the teacher has a fundamental role in facilitating the understanding of this content.

Author Biographies

Juliana Alves da Silva, Universidade Estadual do Ceará

Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Ceará (2014). Professora da rede estadual básica de ensino de Fortaleza-CE. Tem experiência na área de ensino de botânica.

Thaíla Vieira Alves dos Santos, Universidade Estadual de Feira de Santana

Graduação em Licenciatura em Ciências Biológicas (2013) pela Universidade Estadual da Bahia. Mestrado (2016) em Botânica com ênfase Morfologia Vegetal, pela Universidade Estadual de Feira de Santana, estudou a aplicação de caracteres micromorfológicos como subsidio a taxonomia no gênero Portulaca, no Brasil. Doutorado (em andamento) em Botânica com ênfase com ênfase Morfologia Vegetal, pela UEFS, onde desenvolve estudos taxonômicos e ontogenéticos de estruturas florais na família Portulacaceae. Produção científica centrada em Sistemática e Anatomia de Plantas Vasculares. Temas de interesse: Micromorfologia, Taxonomia, Anatomia ecológica, Vegetação de ambientes áridos, Plantas suculentas, História Botânica, Plantas medicinais.

Eliseu Marlônio Pereira de Lucena, Universidade Estadual do Ceará

Engenheiro Agrônomo pela Universidade Federal do Ceará (1993), Mestre em Fitotecnia (Produção Vegetal) pela Universidade Federal de Viçosa (1995), Doutor em Agronomia (Fitotecnia) pela Universidade Federal do Ceará (2006) e Pós-Doutor em Botânica Aplicada (Plantas Bioativas e Bioprocessos) pela Texas A&M University (2014). Foi Professor Visitante da Universidade Regional do Cariri em 1996. Foi Diretor Regional do Centro de Ensino Tecnológico (CENTEC) do Cariri de 1997 a 2002. Desde 2004 é Professor do Curso de Ciências Biológicas (CCB) do Centro de Ciências da Saúde (CCS) da Universidade Estadual do Ceará (UECE), onde ministra aulas de Botânica e orienta alunos de Iniciação Científica, Monitoria Acadêmica e Trabalhos de Conclusão de Curso, sendo atualmente professor Associado. Foi Coordenador do CCB/CCS de 2009 a 2013. É professor do Curso de Ciências Biológicas EaD da UECE desde 2010. Foi Presidente do 62° Congresso Nacional de Botânica em Fortaleza-CE (2011). É coordenador do Laboratório de Ecofisiologia Vegetal desde 2012. Foi conselheiro do Centro de Ciências da Saúde (CONCEN) de 2007 a 2009, Conselheiro do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) de 2009 a 2012, Conselheiro do Conselho Universitário (CONSU) de 2012 a 2018 e novamente Conselheiro do CEPE desde 2018. Em 2013 ingressou como Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciências Naturais da UECE, orientando alunos de Mestrado e Doutorado. Desenvolve pesquisas sobre Ensino de Botânica, Botânica Aplicada, Etnobotânica, Fisiologia Vegetal, Ecofisiologia Vegetal, Fisiologia de Sementes, Fisiologia Pós-Colheita, Florística, Morfologia Vegetal, Anatomia Vegetal, Plantas Alimentícias Não Convencionais, Plantas Bioativas e Bioprocessos, tendo escrito livros e publicado regularmente estudos em periódicos de circulação nacional e internacional.

Oriel Herrera Bonilla, Universidade Estadual do Ceará

Possui graduação em Engenharia Florestal pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (1983), graduação em Licenciatura Agrícola pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (1992), mestrado em Botânica pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (1991), doutorado em Ciências Naturais (Ecologia) na Alemanha pela Bielefeld Universität (1997) e pós-doutorado em Engenharia Agrícola (Ecologia de Halófitas em Ambientes Irrigados) pela Universidade Federal do Ceará (2019). Atualmente é professor Associado da Universidade Estadual do Ceará, junto ao Curso de Ciências Biológicas. Coordena o Laboratório de Ecologia da instituição. É membro do corpo docente do Mestrado Acadêmico em Ciências Naturais. Tem experiências na área de Ecologia da Restauração e Conservacionismo, com ênfase em Ecossistemas, atuando principalmente nos seguintes temas: Ecofisiologia de halófitas, salinidade do solo, permacultura, biodiversidade do semiárido, bioprospecção com plantas da Caatinga, aproveitamento de recursos naturais, Monitoramento e análise de impactos ambientais. Desenvolve pesquisas relacionadas com Bioinvasão e Fitoremediação.

Lydia Dayanne Maia Pantoja, Universidade Estadual do Ceará

Doutora em Engenharia Civil (área de concentração em Saneamento Ambiental) pela Universidade Federal do Ceará - UFC (2016); Mestre em Microbiologia Médica pela Universidade Federal do Ceará (2008) e graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Ceará (Bacharel - 2007 e Licenciatura - 2006). Atua como Professora Assistente Nível D da Universidade Estadual do Ceará. Docente do Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO. Coordena a Pesquisa do Curso de Ciências Biológicas a distância - UECE/UAB. É coordenadora de área do Curso Pré-Universitário UECEVest - Biologia. Tem experiência na área de Microbiologia, com ênfase em Microbiologia Ambiental e Aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: aerobiologia, taxonomia fúngica, fungos anemófilos e compostos orgânicos voláteis microbianos. Bem como, desenvolve trabalhos na área de pesquisa em educação a distância e formação de professores.

Bruno Edson-Chaves, Universidade Estadual do Ceará

Possui graduação em Ciências Biológicas (Licenciatura - 2008; e Bacharelado - 2010) pela Universidade Estadual do Ceará (UECE) e mestrado em Botânica pela Universidade de Brasília (UnB) - 2012; atualmente cursa doutorado em Ciências Biológicas (Botânica) pelo programa de pós-graduação em Botânica da Universidade de São Paulo - USP. É professor de Botânica (Assistente Nível D) pela Universidade Estadual do Ceará na Faculdade de Educação, Ciências e Letras de Iguatu - FECLI, Campus Humberto Teixeira; atuando ainda como tutor/ formador presencial de Botânica pelo curso de Ciências Biológicas UECE/UAB, na modalidade à distância. Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Anatomia Vegetal de Poales/Poaceae, atuando em três principais linhas de pesquisa: 1) Anatomia aplicada a taxonomia, 2) anatomia ecológica, 3) ontogenia de estruturas foliares. Atua ainda na área de ensino de biologia, em particular, ensino de botânica, com foco em estratégias didáticas para o ensino de botânica.

Roselita Maria de Souza Mendes, Universidade Estadual do Ceará

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal do Ceará (1985), mestrado em Agronomia (Fitotecnia) pela Universidade Federal do Ceará (1991) e doutorado em Agronomia (Fitotecnia) pela Universidade Federal do Ceará (2003). Professora Associado da Universidade Estadual do Ceará (UECE). Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Botânica Aplicada, atuando principalmente nos seguintes temas: composição florística, banco de sementes, germinação, sistemática vegetal e ensino de botânica. Coordenadora do Laboratório de Botânica/CCS/UECE. Membro da Comissão Coordenadora de Concurso Docente (CCCD) da UECE. Coordenadora de Tutoria do curso de Licenciatura a distância em Ciências Biológicas UECE/UAB-MEC do Centro de Ciências da Saúde.

References

Amaral, I. A. (1999). Currículo de ciências: das tendências clássicas aos movimentos atuais de renovação. In: Barreto, E. S. S. (Ed.). Os currículos do ensino fundamental para as escolas públicas brasileiras: Autores Associados, 200-232.

Aragão, A. A. S., Silva, J. J. J., & Mendes, S. M. (2019). Ensino de ciências por investigação: o aluno como protagonista do conhecimento. Revista Vivências em Ensino de Ciências, 4(3), 75-84.

Araújo, E. S. N. N. (2009). Ensino de biologia em espaços não formais. In: Caldeira, A. M. A. (Ed.). Introdução à didática da biologia: educação para ciências, (10a. ed.): Escrituras Editora.

Arruda, S. M., & Laburú, C. E. (1996). Considerações sobre função do experimento no ensino de ciências. Pesquisa em Ensino de Ciências e Matemática, 5, 14-24.

Ausubel, D. P. (1966). Cognitive structure and the facilitation of meaningful verbal learning. In: Anderson, R. C., & Ausubel, D. P. (Ed.) Readings in the psychology of cognition: Holt, Rinehart and Winston, p. 98-112.

Batista, L. N., & Araújo, J. N. (2015). A botânica sob o olhar dos alunos do ensino médio. Revista Areté, 8(15), 109-120.

Batista Júnior, J. R., Sato, D. T. B., & Melo, I. F. (2018). Análise de discurso crítica: para linguistas e não linguistas: Parábola, 224 p.

Brasil-Peixoto, S. N. R., Carneiro Júnior, G. R., Morais, C. R. S., Mendes, R. M. S., & Edson-Chaves, B. (2021). Criação de um herbário virtual como recurso didático para ensino de botânica. Research, Society and Development, 10(1) http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i1.11920

Brasil. (2006a). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Biologia: Ensino Médio. (Col. Explorando o ensino). <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article &id=12314&Itemid= 632>.

Brasil. (2006b). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Orientação curricular para o Ensino Médio. MEC/SEB. Cap.01, p.15-51.

Brasil.(2013). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica: MEC, SEB, DICEI, p. 27-29.

Brasil. (2020). Ministério da Cidadania. Secretaria Especial de Desenvolvimento Social. Secretaria Nacional de Renda de Cidadania. Guia para acompanhamento das condicionalidades do Programa Bolsa Família. <http://www.mds.gov.br/ webarquivos/publicacao/ bolsa_ familia/ Guias_Manuais/ Acompanhamento_condicionalidades.pdf>.

Camargo, J. M. (2006). Dívida por educação: efeitos sobre o crescimento e pobreza. <http://www.unesdoc.unesco.org>.

Camargo-Oliveira, R. (2007). Iniciativas para o aprimoramento do ensino de botânica. In: Barbosa, L. M., & Santos Júnior, N. A. (Orgs.). A botânica no Brasil: pesquisa, ensino e políticas públicas ambientais. São Paulo: Sociedade Botânica do Brasil, p. 511-515.

Campos, A. J. M., & Oliveira, M. R. (2005). Práticas de campo como ferramenta didática no ensino de ecologia no ensino médio. Trabalho de Conclusão de Curso (Formação continuada em Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Carlos, J. G. (2007). Interdisciplinaridade no ensino médio: desafios e potencialidades. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) - Universidade de Brasília, Brasília.

Carvalho, A. M. P., Azevedo, M. C. P. S., Nascimento, V. B., Cappechini, M. C. M., Vannuchi, A. I., Castro, R. S., Pietrocola, M., Vianna, D. M., & Araújo, E. R. S. (2009). Ensino de ciências: unindo a pesquisa e a prática: Cengage Learning.

Ceccantini, G. (2006). Os tecidos vegetais têm três dimensões. Revista Brasileira de Botânica, 29(2), 335-337.

Chassot, A. I. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. (3a ed.): Unijuí. 436 p.

Cicillini, G. A. (2002). Conhecimento ciêntifico e conhecimento escolar: aproximações e distanciamentos. In: Cicillini, G. A., & Nogueira, S. V. (Org.) Educação escolar: políticas, saberes e práticas pedagógicas. Uberlândia: Edufu, p. 37-84.

Costa, E. A., Duarte, R. A. F., & Gama, J. A. S. (2019). A gamificação da botânica: uma estratégia para a cura da “cegueira botânica”. Revista Insignare Scientia, 2(4), 79-99.

Dias, F. Y. E. C., Oliveira, R. D., Mendes, R. M. S., Pantoja, L. D. M., Bonilla, O. H., & Edson-Chaves, B. (2020). O papel da Feira de Ciências como estratégia motivadora para ensino de botânica na educação básica. Hoehnea, 47: 1-12. http://dx.doi.org/10.1590/2236-8906-55/2019.

Edson-Chaves, B., Oliveira, R. D., Chikowski, R. S., Mendes, R. M. S., & Medeiros, J. B. L. P. (2015). Ludo vegetal: uma nova alternativa para a aprendizagem de botânica. Revista Brasileira de Biociências, 13(3), 194-200.

Fernandes, H. L. (1998). Um naturalista na sala de aula. Ciência & Ensino, 1(5), 11-12.

Ferreira; M. M. S., Furlan, C. M., & Motta, L. B. (2012). A importância das plantas. In: Furlan, C. M.; Santos, D. Y. A. C., & Chow, F. A botânica do cotidiano: Holos, 240 p.

Ferretti, C. J. (2016). Reformulações do Ensino Médio. Holos, 32(6), 71-91.

Figueiredo, J. A., Coutinho, F. A., & Amaral, F. C. (2012). O ensino de botânica em uma abordagem ciência, tecnologia e sociedade. In: Seminário hispano brasileiro CTS, 2., São Paulo, 2012. Anais... <http://revistapos.cruzeirodosul.edu.br/index.php/rencima/article/viewFile/420/353>.

França, C. (2003). A falta de vontade para estudar. <http://www.eaprender.com.br/tiki-smartpages_view. php?pageld=1113>. ,

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. (5a ed.): Atlas, 206 p.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. (4a ed.): Atlas, 176 p.

Gomes, N. F., Morais, C. R. S., Carneiro Júnior, G. R., Lucena, E. M. P., Edson-Chaves, B., & Mendes, R. M. S. (2021). A botânica nos vestibulares da UECE e do ENEM de 2004-2013. In: Edson-Chaves, B.; Mendes, R. M. S., Bonilla, O. E., & Lucena, E. M. P. (Org.). Contextualizando o ensino de botânica e ecologia. Cap. 3, p.26-6.

Gullich, R. I. C. (2006). As práticas de ensino de botânica e a SBB. In: Congresso Nacional de Botânica, 57., 2006, Porto Alegre. Anais: Sociedade de Botânica do Brasil. p. 756.

Hershey, D. R. (1996). A historical perspective on problems in botany teaching. The American Biology Teacher, 58(6), 340-347.

Hershey, D. (2002). Plant blindness: we have met the enemy and he is us. Plant Science Bulletin, 48, 78-84.

Katon, G. F., & Towata, N. (2016). Por que a botânica é tão chata? In: Silva, F. N., Raimundo, S. G., Saito, L. C., Navarro, B. V., Hidalgo, E. M. P., Moreira, F. A., Gagliano, J., Carvalho, W. R. S., Coutinho Neto, A. A., Dias, D. L. O., & Furlan, C. M. (Org.). VI Botânica no Inverno: Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, Departamento de Botânica, p. 86-91.

Kinoshita, L. S., Torres, R. B., Tamashiro, R. B., & Forni-Martins, E. R. (2006). A botânica no ensino básico: relatos de uma experiência transformadora. São Carlos: RiMa.143 p.

Krasilchik, M. (1987). O professor e o currículo das ciências: EPU/EDUSP, 50 p.

Lemos, V. D. O. T., Lucena, E. M. P., Bonilla, O. H., Mendes, R. M. S., & Edson-Chaves, B. (2018). Paródias como facilitador no processo ensino-aprendizagem de anatomia vegetal no ensino superior. Revista Brasileira de Biociências, 16(2), 53-61.

Lima, R. M. S., Lima, A. N., Silva, R. V., Silva, V. H., & Araújo, M. L. F. (2010). Ensino de biologia em escolas públicas estaduais: um olhar a partir das modalidades didáticas. In: Jornada de ensino, pesquisa e extensão – JEPEX, 10., 2010, Recife. Anais: UFRPE.

Macedo, M., Katon, G. F., Towata, N., & Ursi, S. (2012). Concepções de professores de biologia do ensino médio sobre o ensino-aprendizagem de botânica. In: Encontro Ibero-americano sobre investigação em ensino de ciências, 4., 2012, Porto Alegre. Anais: UFRGS, p. 387-401.

Machado, C. C., & Amaral, M. B. (2015). Memórias ilustradas: aproximações entre formação docente, imagens e personagens botânicos. Alexandria, Revista de Educação em Ciência e Tecnologia, 8(2), 7-20.

Mancuso, S. (2019). Revolução das plantas: Ubu. 192p.

Marinho, L. C., & Valle, M. G. (2020). Práticas em sistemática vegetal em tempos de pandemia: construindo um Herbal em casa. Botânica Pública, 1(1), 21-25.

Masetto, M. T. (2003). Competência pedagógica do professor universitário. Summus. 194 p.

Melo, E. A., Abreu F. F., Andrade, A. B., & Araújo, M. I. O. (2012). A aprendizagem de botânica no ensino fundamental: dificuldades e desafios. Scientia Plena, 8(10), 1-8.

Menezes, L. C. M., Souza, V. C., Nicomedes, M. P., Silva, N. A., Quirino, M. R., Oliveira, A. G., Andrade, R. R. D., & Santos, B.A.C. (2008). Iniciativas para o aprendizado de botânica no ensino médio. In: Encontro de iniciação à docência, 11, 2008, João Pessoa. Anais: UFPB.

Minhoto, M. J. (2002). Breve histórico sobre botânica. <http://www.botanicasp.org.br/educacao/historico.htm>.

Moreira, L. H. L., Feitosa, A. A. F. M. A., & Queiroz, R. T. (2019). Estratégias pedagógicas para o ensino de botânica na educação básica. Experiências em Ensino de Ciências, 14(2), 368 – 384.

Nascimento, B. M., Donato, A. M., Siqueira, A. E., Barroso, C. B., Souza, A. C. T., Lacerda, S. M., & Borim. D. C. D. E. (2017). Propostas pedagógicas para ensino de botânica nas aulas de ciências: diminuindo entraves. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 16(2), 298-315.

Neves, A., Bündchen, M., & Lisboa, C. P. (2019). Cegueira botânica: é possível superá-la a partir da educação? Ciênc. Educ., Bauru, 25(3), 745-762.

Nicola, J. A., & Paniz, C. M. (2016). A importância da utilização de diferentes recursos didáticos no ensino de biologia. Revista NEaD-Unesp, 2(1), 355-381.

Nunes, M. R., & Votto, A. P. S. (2018). A etimologia como ferramenta para a aprendizagem significativa de biologia. Revista Thema, 15(2), 592-602.

Pacheco, D. A. (2000). Experimentação no ensino de ciências. Ciência & Ensino, 10(2), 7.

Paz, I. N., & Souza, J. M. (2016). Utilização de história em quadrinhos como ferramenta de avaliação no processo de ensino- aprendizagem de botânica no Clube de Ciências, Boletim do Museu Integrado de Roraima, 10(1), 10-19.

Pinheiro, L. F., Bonilla, O. H., Mendes, R. M. S., & Lucena, E. M. P. (2021) Percepção dos alunos de ensino médio sobre a botânica. In: Edson-Chaves, B., Mendes, R. M. S., Bonilla, O. E., & Lucena, E. M. P. (Org.). Contextualizando o ensino de botânica e ecologia. Cap. 4, p.37-52.

Possobom, C. C. F., & Okada, F. K. & Diniz, R. E. S. (2003). As atividades práticas de laboratório no ensino de biologia e ciências: relato de uma experiência. Botucatu: UNESP.

Pes, C. D. S. (2019). Conhecimento pedagógico do conteúdo em botânica: desafios para a formação na educação básica. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Matemática). Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática - Universidade Franciscana, Santa Maria.

Salatino, A., & Buckeridge, M. (2016). Mas de que te serve saber botânica? Estudos Avançados, 30(87), 177-196.

Silva, J. R. S., Guimarães, F., & Sano, P. T. (2016). Teaching of botany in higher education: representations and discussions of undergraduate students. Revista Eletronica de Enseñanza de las Ciencias, 15(3), 380-393.

Schneider, E. I., & Schneider, A. B. (2020). Educação em tempos de pandemia. In: Machado, D. P. Educação em tempos de covid-19: reflexões e narrativas de pais e professores: Dialética e Realidade. p. 51-64.

Silva, A. N. F., Almeida Júnior, E. B., & Valle, M. G. (2020). Exsicatas como recurso didático: contribuições para o ensino de botânica/exsicate as didactic resource: support for the teaching of botany. Brazilian Journal of Development, 6(5), 24632-39.

Silva, F. E. M., Silva, S. A., Juca, S. C. S, Monteiro, A. O., Lemos, P. B. S., & Rocha, P. C. S. (2019). Evasão escolar como desafio contemporâneo à Escola de Ensino Médio Luiz Girão, em Maranguape-CE. Research, Society and Development, 8(8), e43881251.

Silva. J. J. L., Cavalvante. F. L. P., Xavier, V. F., & Gouveia, L. F. P. (2019). Produção de exsicatas como auxílio para o ensino de botânica na escola. Conexões Ciência e Tecnologia. 13(1), 30-37. 10.21439/conexoes.v13i1.1488

Silva, L. M., Cavallet, V. J., & Alquini, Y. (2006). O professor, o aluno e o conteúdo no ensino de botânica. Revista Educação, 31(1), 67-80.

Silveira, A. C. M. (2017). As tecnologias da informação e comunicação no ensino de ciências: desenvolvimento de um aplicativo mobile de histologia animal e sua aplicação em sala de aula. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciências Biológicas), Instituto de Biologia Roberto Alcântara Gomes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Sousa, J. C. (2020). Documentários científicos sobre o mundo natural no ensino de biologia. Ciência & Educação, 26, 1-18.

Uno, G. E. (2009). Botanical literacy: what and how should students learn about plants? American Journal of Botany, 96(10), 1753-1759.

Ursi, S., & Macedo, M. (2016). Botânica na escola: uma proposta para o ensino de histologia vegetal. Revista da SBEnBio, 9, 2723-33.

Ursi, S., Barbosa, P. P., Sano, P. T., & Berchez, F. A. S. (2018). Ensino de botânica: conhecimento e encantamento na educação científica. Estudos Avançados, 32(94).

Ursi, S., Freitas, K. C., Vasques, D. T. (2021). Cegueira Botânica e sua mitigação: um objetivo central para o processo de ensino-aprendizagem de Biologia. In: Vasques, D. T., Freitas, K. C., & Ursi, S. (Ed.) Aprendizado ativo no ensino de botânica. São Paulo: Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, Cap. 2, p. 12-30.

Vasques, D. T., Freitas, K. C., & Ursi, S. (2021a). Aprendizado ativo: conceito, história e práticas. In: Vasques, D. T.; Freitas, K. C. & Ursi, S. (Ed.) Aprendizado ativo no ensino de botânica: Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, Cap. 4, p. 52-82.

Vasques, D. T., Freitas, K. C., & Ursi, S. (2021b). Aprendizado ativo no ensino de botânica: Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo.

Wandersee, J. H., & Schussler, E. E. (2001). Towards a theory of plant blindness. Plant Science Bulletin, 47(1), 2-9.

Published

04/04/2021

How to Cite

SILVA, J. A. da .; SANTOS, T. V. A. dos .; LUCENA, E. M. P. de .; BONILLA, O. H. .; PANTOJA, L. D. M.; EDSON-CHAVES, B.; MENDES, R. M. de S. . High school students from public schools in Fortaleza-CE and the interest in Botany . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e18110413660, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i4.13660. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13660. Acesso em: 14 apr. 2021.

Issue

Section

Education Sciences