Home care: Challenges for the promotion of elderly health

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.13775

Keywords:

Elderly; Home Care Services; Health Services for the Elderly; Primary health care.

Abstract

This article aims to identify the importance of Home Care (HC), together with the challenges of this therapeutic modality in promoting the health of the elderly. The methodology consisted of a literature review in the narrative modality, which has a descriptive-discursive character. The BVS, SciELO and LILACS databases were used as a research source. The occurrence of home care is higher in women, elderly women, with chronic diseases (such as hypertension, diabetes) associated with comorbidities and a history of falls and hospitalization. The results point to a need to change the institutionalized health model, to reduce hospital costs and a need for patient-centered care and its relationship with the living space itself through HC. Concomitant to this, results consign the need to face the challenges that it brings such as the incessant weariness of the caregiver, who has little information and guidance on how to care, besides the own difficulties and barriers of the elderly's territory, making care difficult and making more complex epidemiological picture. It concludes the need to deepen the discussion of several issues that cover HC, and the importance of restructuring access with an emphasis on the integrality of the elderly's health and the important actors in this process: the caregiver, the family and the health team.

Author Biographies

Késia Larissa Brito Coutinho, Universidade Federal do Pará

Tem experiência na área de Medicina. Atualmente no quinto semestre letivo de graduação no curso de medicina. Membro do comitê local da IFMSA (Federação internacional das associações dos estudantes de medicina do Brasil), Membro do Coletivo Negrex (coletivo auto-organizado de estudantes de medicina negros e negras), Monitora voluntária do Eixo Habilidades Médicas e Profissionalismo I (HMP 1) da Faculdade de medicina, Vice-presidente da Liga acadêmica de Saúde Mental e psiquiatria de Altamira, e Membro do atual Movimento estudantil como presidente do Centro Acadêmico da Faculdade de Medicina UFPA Altamira.

Francisco Bruno Teixeira, Universidade Federal do Pará

Mestre em Neurociências e Biologia Celular pela Universidade Federal do Pará e graduado em Bacharelado em Odontologia pela mesma instituição. Atualmente realiza graduação em Medicina pela Universidade do Estado do Pará. Atuou como Professor Assistente da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Pará (Campus Universitário de Altamira) na área de Morfofisiologia e Bioestatística, no qual desenvolveu atividades relacionadas a metodologia ativa do ensino e aprendizagem.

References

Anderle, P., Souza, B. B., Julião, G.G., Millão, L. F., Santos, C. J., & Monteiro, J. A. S. (2013). Perfil dos pacientes assistidos pela residência integrada em saúde: um olhar humanizado na assistência domiciliar. Aletheia, (41), 164-173.

Biscione, F. M., Szuster, D. A. C., Drumond, E. F., Ferreira, G. U. A., Turci, M. A., Lima Júnior, J. F., & Bersan, S. A. L. (2013). Avaliação de efetividade da atenção domiciliar de uma cooperativa médica de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 29(Suppl. 1), s73-s80.

Brasil. Ministério da Saúde. (2006). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC nº 11, de 26 de janeiro de 2006. Dispõe sobre o regulamento técnico de funcionamento de serviços que prestam atenção domiciliar. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. (2012). Caderno de Atenção Domiciliar. Volume 1. Departamento de Atenção Básica, Secretaria de Atenção à Saúde, Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. (2006). Departamento de Atenção Básica. Secretaria de Atenção à Saúde. Envelhecimento e saúde da pessoa idosa – Brasília DF: Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. (2016). Portaria nº 825, de 25 de abril de 2016. Redefine a Atenção Domiciliar no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) e atualiza as equipes habilitadas [internet]. Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Carvalho, V. L., & Pereira, E. M. (2001). Crescendo na diversidade pelo cuidado domiciliar aos idosos: desafios e avanços. Revista Brasileira de Enfermagem,54 (1), 07-17.

Donati, L., Beuter, M., & Schimith, M. D. (2018). Organização do Cuidado ao Idoso Dependente / Organization of Care to the Dependent Elderly. Textos & Contextos (Porto Alegre), 17(1), 115 - 125.

Floriani, C. A. & Schramm, F. R. (2004). Atendimento domiciliar ao idoso: problema ou solução ?. Cadernos de Saúde Pública , 20 (4), 986-994.

Guerra, H. S., Almeida, N. A. M., Souza, M. R. & Minamisava, R. (2017). A sobrecarga do cuidador domiciliar. Rev. bras. promoç. saúde (Impr.) ; 30(2): 179-186

Guimarães, R. M. (2008). O mundo envelhece: é imperativo criar um pacto de solidariedade social. Ciência & Saúde Coletiva, 13 (4), 1115-1117.

Kalache, A. (2008). O mundo envelhece: é imperativo criar um pacto de solidariedade social. Ciência & Saúde Coletiva , 13 (4), 1107-1111.

Lacerda, M. R., Giacomozzi, C. M., Oliniski, S. R., & Truppel, T. C. (2006). Atenção à saúde no domicílio: modalidades que fundamentam sua prática. Saúde e Sociedade, 15(2), 88-95.

Medeiros, K. K. A. S., Pinto Júnior, E. P., Bousquat, A., & Medina, M. G. (2017). O desafio da integralidade no cuidado ao idoso, no âmbito da Atenção Primária à Saúde. Saúde em Debate, 41(spe), 288-295.

Miranda, G. M. D., Mendes, A. C. G. & Silva, A. L. A. (2016). O envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequências sociais atuais e futuras. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 19(3), 507-519.

Muñoz, S. I. S., Takayanagui, A. M. M., Santos, C. B. & Sanchez-Sweatman, O. (2002). Revisão sistemática de literatura e metanálise: noções básicas sobre seu desenho, interpretação e aplicação na área da saúde. Simpósio Brasileiro de comunicação de Enfermagem. Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto – USP.

Moraes, C. L., Apratto Júnior, P. C., & Reichenheim, M. E. (2008). Rompendo o silêncio e suas barreiras: um inquérito domiciliar sobre a violência doméstica contra idosos em área de abrangência do Programa Médico de Família de Niterói, Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 24(10), 2289-2300.

Nishimura, F., Carrara, A. F., & Freitas, C. E. (2019). Efeito do programa Melhor em Casa sobre os gastos hospitalares. Revista de Saúde Pública, 53, 104. Epub December 02, 2019.

Oliveira, S. G., Quintana, A. M., Budó, M. L. D., Kruse, M. H. L., & Beuter, M. (2012). Internação domiciliar e internação hospitalar: semelhanças e diferenças no olhar do cuidador familiar. Texto & Contexto - Enfermagem, 21(3), 591-599.

Padovani, C., Lopes, M. C. L., Higahashi, I. H., Pelloso, S. M., Paiano, M. & Christophoro, R. (2018). Ser cuidador de pessoas com a Doença de Parkinson: situações vivenciadas. Revista Brasileira de Enfermagem, 71(Suppl. 6), 2628-2634.

Rodrigues, N. O. & Neri, A. L. (2012). Vulnerabilidade social, individual e programática em idosos da comunidade: dados do estudo FIBRA, Campinas, SP, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 17(8), 2129-2139.

Santos W. P., Freitas F. B. D., Sousa V. A. G., Oliveira A. M. D., Santos J. M. M. P. & Gouveia B. L. A. (2019). Sobrecarga de cuidadores idosos que cuidam de idosos dependentes. Rev Cuid.10(2): e607.

Schenker, M. & Costa, D. H. (2019). Avanços e desafios da atenção à saúde da população idosa com doenças crônicas na Atenção Primária à Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 24(4), 1369-1380.

Silva, K. L., Sena, R. R., Seixas, C. T., Feuerwerker, L. C. M., & Merhy, E. E. (2010). Atenção domiciliar como mudança do modelo tecnoassistencial. Revista de Saúde Pública, 44(1), 166-176.

Wachs, L. S., Nunes, B. P., Soares, M. U., Facchini, L. A. & Thumé, E. (2016). Prevalência da assistência domiciliar prestada à população idosa brasileira e fatores associados. Cadernos de Saúde Pública, 32(3), e00048515.

Published

27/03/2021

How to Cite

COUTINHO, K. L. B.; TEIXEIRA, F. B. . Home care: Challenges for the promotion of elderly health. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 3, p. e58810313775, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i3.13775. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13775. Acesso em: 18 apr. 2021.

Issue

Section

Review Article