Socio Demographic profile of women victims of violence from 2008 to 2017

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.13823

Keywords:

Health Information Systems; Violence against women; Health.

Abstract

Violence against women is any gender-based act that results in, or is likely to result in, physical, sexual, psychological or distress for women. It should be addressed as a health problem where. Interdisciplinary vision is needed for follow-up or solution. It is an ecological study of multiple groups, which aims to describe the sociodemographic profile of violence against women from notifications in the Notifiable Diseases Information System of the city of Rio de Janeiro from January 2008 to 2017. 29,629 cases of violence against women were reported, predominantly in the age group of 20 to 29 years (29.1%), belonging to black/colored ethnicity (35.90%) and complete high school (11.30%). There was a predominance of physical violence with 58.9% of cases in the victim's residence (53.6%). Violence against women is a serious public health problem. Due to the magnitude of the health consequences, its confrontation is challenging, requiring interprofessional and intersectoral actions, planning, applicability and evaluation of public policies.

Author Biographies

Karoline Moreira Duffrayer , Universidade Federal Fluminense

Graduada e Licenciada em Enfermagem pela Universidade Federal Fluminense (2016). Especialista em Enfermagem em Saúde Coletiva, nos moldes de residência, pela Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense (2019). Atualmente trabalha na Divisão de Vigilância em Saúde de uma das áreas programáticas do município do Rio de Janeiro.

Cristina Portela da Mota, Universidade Federal Fluminense

Doutorado em Saúde Pública pela Escola Nacional Sérgio Arouca da Fundação Oswaldo Cruz (2013), Mestrado em Ciências da Saúde pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (2005). Professora Adjunta da Universidade Federal Fluminense. É pesquisadora com experiência nas áreas: Ciências Sociais aplicadas a Saúde, Sexualidade Humana e Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes sub-temas: sexualidade masculina e feminina; sexualidade e gênero; sexualidade e prevenção do HIV/AIDS; sexualidade e religiosidade; saúde sexual e reprodutiva; sexualidade humana e políticas pública de saúde.

Jorge Luiz Lima da Silva, Universidade Federal Fluminense

Docente. Depto. Materno infantil e psiquiatria - Univ. Federal Fluminense- UFF.

Doutor em Saúde Pública - Ensp /Fiocruz.

Programa de Pós-Graduação Strictu Senso em Saúde Coletiva/ UFF. 

Cláudia Maria Messias, Universidade Federal Fluminense

Pós Doutora Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa-EEAC/UFF,Doutora em Enfermagem da Escola de Enfermagem Anna Nery-UFRJ, Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO . Possui Especialização em Centro Cirúrgico, Enfermagem Obstétrica; Docência do Ensino Superior, MBA em Gestão Avançada em Sistema de Saúde e Docência na Saúde. Graduada em Enfermagem e Obstetricia pela Faculdade de Enfermagem e Obstetricia de Barra Mansa - RJ. Atua como avaliadora Ad-Hoc de periódicos científicos na área de Enfermagem e Educação É membro da Red Iberoamericana de Investigación en Educación en Enfermería (RIIEE), vinculada à Organização Pan-Americana da Saúde (OPS). É coordenadora da RIIEE Rio de Janeiro. Membro do Grupo de pesquisa GEPI-LabQualiSeg-Segurança do paciente, Tecnologias e Gestão do cuidado seguro- Segurança do paciente em maternidade, membro do Grupo de Tecnologia de Informação e Comunicação nos processos de Educação em Saúde/CNPq e do Grupo Prática Pedagógica no Ensino Superior de Enfermagem e no cuidado à saúde do Adulto/PRAPEC/EEUSP. Membro efetivo do do Núcleo de Pesquisa em Trabalho, Saúde e Educação/NUPETSE/ UFF. Professor permanente do Mestrado Profissional Ensino na Saúde (MPES) na linha de pesquisa Educação Permanente em Saúde. Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal Fluminense/ EEAAC-UFF, Departamento Materno Infantil e Psiquiatrica atuando principalmente nos seguintes temas: Consulta de Enfermagem, Ensino, Educação Permanente, Tecnologias na Saúde da Mulher e Segurança do paciente em maternidade

Ana Carolina Cardoso Arruda Carvalho de Moura, Universidade Federal Fluminense

Possui graduação em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Anna Nery (UFRJ), concluída em 2009. Tem experiência na área de Saúde Pública. Participou de dois Projetos Pesquisa sendo eles: Projeto de Extensão Universitária:Uma interação entre a Universidade e a Comunidade (desenvolvendo atividades de prevenção de doenças e promoção da saúde da população, em uma Comunidade do Rio de Janeiro) e Núcleo de Atenção Integrada ao Acidentado do Trânsito-NAIAT (desenvolvendo atividades de consultas de enfermagem ao lesado medular, visitas domiciliares, ações educativas em escolas envolvendo o temática álcool e trânsito e pesquisa de dados de mortalidade no trânsito). Possui Residência em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Trabalhou na Vigilância Sanitária do Município do Rio de Janeiro, desenvolvendo atividades de educação, comunicação e inovação em vigilância sanitária. Atualmente trabalha na vigilância epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde.

Vitor Gabriel de França e Silva, Universidade Federal Fluminense

Graduando em Enfermagem na Universidade Federal Fluminense(UFF)

Audrey Vidal Pereira, Universidade Federal Fluminense

Enfermeiro graduado pela Universidade Federal Fluminense (1998). Especialista em Enfermagem Obstétrica pela Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da UFF (2001) e Gestão em Saúde da Família pela Faculdade de Enfermagem e Instituto de Medicina Social da UERJ. Mestre em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (2006) e Doutor em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (2013) . Atualmente está como pesquisador e professor Adjunto na Escola de Enfermagem da Universidade Federal Fluminense. Tem experiência nas áreas de Saúde da Mulher / Enfermagem Obstétrica e Saúde Coletiva / Estratégia de Saúde da Família. Tem atuado em áreas de investigação com os seguintes temas: saúde da mulher, pré-natal, parto/nascimento, puerperio, gênero, vulnerabilidades, educação e trabalho/atividade profissional no âmbito da saúde.

Natália Viana Marcondes da Silva, Universidade Federal Fluminense

Graduanda em Enfermagem na Universidade Federal Fluminense(UFF)

References

Brasil. (2004). Decreto no 5.099, de 3 de junho de 2004. Regulamenta a Lei no. 10.778, de 24 de novembro de 2003, e institui os serviços de referência sentinela. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5099.htm

BRASIL. (2015). Dados nacionais sobre violência contra a mulher. Website Compromisso e Atitude [Internet].

Brasil. (2019). Lei no 13.931, de 10 de dezembro de 2019. Estabelece a notificação compulsória, no território nacional, do caso de violência contra a mulher que for atendida em serviços de saúde públicos ou privados. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2019/Lei/L13931.htm

Carraro, E. M. (2017). Anais do 13. Seminário internacional fazendo gênero 11 e 13 congresso mundial de mulheres. <http://www.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1499431636_ARQUIVO_texto-Elis-fazendo-generosubmeter.pdf>.

Carvalhaes, A. B., & Paes, M. S. (2014). Caracterização da violência contra a mulher no município de Timóteo-MG. Enfermagem Integrada, (7), 1192-1208. <https://www.unileste.edu.br/enfermagemintegrada/artigo/v7/02-caracterizacao-da-violencia-contra-a-mulher-no-municipio-de-timoteo-mg.pdf>.

Costa, M. C. D., Silva, E. B. D., Soares, J. D. S. F., Borth, L. C., & Honnef, F. (2017). Mulheres rurais e situações de violência: fatores que limitam o acesso e a acessibilidade à rede de atenção à saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem, 38(2). http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472017000200416&lng=pt. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2017.02.59553.

Costa, M. S., Serafim, M. L. F., & Nascimento, A. R. S. D. (2015). Violência contra a mulher: descrição das denúncias em um Centro de Referência de Atendimento à Mulher de Cajazeiras, Paraíba, 2010 a 2012. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 24, 551-558. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-96222015000300551&lng=en. https://doi.org/10.5123/S1679-49742015000300022.

Dantas, G. D. S. V., da Silva, P. L., da Silva, J. K., & Rios, M. A. (2017). Caracterização dos casos de violência física contra mulheres notificados na Bahia. Arquivos de Ciências da Saúde, 24(4), 63-68. <http://www.cienciasdasaude.famerp.br/index.php/racs/article/view/878/731>.

de Souza Silva, M. P., Oliveira Santos, B., Batista Ferreira, T., & Santana Lopes, A. O. (2017). Violence And Its Repercussions In The Life Of Contemporary Women. Journal of Nursing UFPE/Revista de Enfermagem UFPE, 11(8).

Federal, S. (2016). Panorama da violência contra as mulheres no Brasil. Brasília: Senado Federal, observatório da mulher contra a violência.

Garcia, L. P., & Silva, G. D. M. D. (2018). Violência por parceiro íntimo: perfil dos atendimentos em serviços de urgência e emergência nas capitais dos estados brasileiros, 2014. Cadernos de Saúde Pública, 34, e00062317. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2018000405004&lng=en. https://doi.org/10.1590/0102-311x00062317.

Lettiere, A., Nakano, A. M. S., & Rodrigues, D. T. (2008). Violência contra a mulher: a visibilidade do problema para um grupo de profissionais de saúde. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 42(3), 467-473. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342008000300008&lng=en. https://doi.org/10.1590/S0080-62342008000300008.

Meneghel, S. N., & Portella, A. P. (2017). Feminicídios: conceitos, tipos e cenários. Ciência & saúde coletiva, 22, 3077-3086. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232017002903077&lng=en. https://doi.org/10.1590/1413-81232017229.11412017.

Ministério da Saúde. (2004). Portaria nº 2.406, de 5 de novembro de 2004. Institui o serviço de notificação compulsória de violência contra a mulher e aprova instrumento e fluxo para notificação, (1), 84. Diário Oficial da União, Brasília (DF).

Ministério da Saúde. (2011). Política Nacional de Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres; Secretaria Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres Secretaria de Políticas para as Mulheres. Brasília.

Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) / OMS. (2017). Folha informativa: Violência contra as mulheres. Atualizada em novembro de 2017. https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5669:folha-informativa-violencia-contra-as-mulheres&Itemid=820

Bernardino, Í. D. M., Barbosa, K. G. N., Nóbrega, L. M. D., Cavalcante, G. M. S., Ferreira, E. F., & d’Avila, S. (2016). Violência contra mulheres em diferentes estágios do ciclo de vida no Brasil: um estudo exploratório. Revista Brasileira de Epidemiologia, 19, 740-752. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2016000400740&lng=pt. https://doi.org/10.1590/1980-5497201600040005.

Schraiber, L. B., d'Oliveira, A. F. P., França-Junior, I., & Pinho, A. A. (2002). Violência contra a mulher: estudo em uma unidade de atenção primária à saúde. Revista de Saúde Pública, 36(4), 470-477. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102002000400013&lng=en. https://doi.org/10.1590/S0034-89102002000400013.

Silva, L. E. L. D., & Oliveira, M. L. C. D. (2016). Características epidemiológicas da violência contra a mulher no Distrito Federal, 2009 a 2012. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 25, 331-342. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-96222016000200331&lng=en. https://doi.org/10.5123/s1679-49742016000200012.

Vale, S. L. D. L., Medeiros, C. M. R., Cavalcanti, C. D. O., Junqueira, C. C. D. S., & Souza, L. C. D. (2013). Repercussões psicoemocionais da violência doméstica: perfil de mulheres na atenção básica. https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=324028459004

Vieira, L. J. E. S., Ferreira, R. C., Moreira, G. A. R., Gondim, A. P. S., Araujo, M. A. L., & Silva, R. M. (2013). Fatores associados à imposição de tipos de violência contra as mulheres informados nos serviços de sentinela. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 21 (4), 920-927. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692013000400013

World Health Organization. (2002). Informe mundial sobre la violencia y la salud: resumen. https://www.who.int/violence_injury_preven tion/violence/world_report/en/summary_es.pdf

Published

15/04/2021

How to Cite

DUFFRAYER , K. M. .; MOTA, C. P. da .; SILVA, J. L. L. da .; MESSIAS, C. M. .; MOURA, A. C. C. A. C. de .; SILVA, V. G. de F. e .; PEREIRA, A. V. .; SILVA, N. V. M. da . Socio Demographic profile of women victims of violence from 2008 to 2017. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e39710413823, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i4.13823. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13823. Acesso em: 16 may. 2021.

Issue

Section

Health Sciences