Floristic and phytosociological composition in a High Altitude Wetland Spring

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.13900

Keywords:

Species diversity; Vegetation of the atlantic forest; Montane rainforest.

Abstract

The Atlantic Forest is one of the main Brazilian biomes that extends from Rio Grande do Norte to Rio Grande do Sul. Within this ecosystem, stands out the formations of semi-deciduous seasonal forest Montana (marshes of altitudes). Therefore, the objective of the study was to investigate the floristic and phytosociological composition in a section of riparian forest of a fragment of Atlantic Forest in Ihumas, located in the municipality of Garanhuns - PE. The study was developed in a section of Mata Ciliar in the rural community of Inhumas, municipality of Garanhuns-PE. The area was delimited in 07 plots of 10 x 10 m, containing 0.07 ha of the total sampled area. In each plot were sampled all live arboreal individuals, with DAP 5 cm. In the fragment of Mata Ciliar in the Community of Inhumas, 257 tree individuals were found distributed in 14 families, 18 genera and 23 species. The families with the highest number of species richness were: Fabaceae (five ssp.), Sapindaceae (three ssp.) Myrtaceae and Melastomataceae (two ssp). The species Byrsonima sericea DC., Myrcia bela Cambess., Cupania impressinervia and Casearia sylvestris Sw. with an absolute frequency of 100%, 44% of the species classified as initial secondary and 73% have zoochoric dispersion. The area has high floristic richness being in the early phase of the successive development, being the species Cupania impressinervia Acev.-Rodr. the most represented in the sociological position of the arboreal vertical extract, occupying the three extracts.

Author Biographies

Débora Teresa da Rocha Gomes Ferreira de Almeida, Faculdade de Enfermagem Nova Esperança

Profa. Dra do Curso de Agronomia

Horasa Maria Lima da Silva Andrade, Universidade Federal do Agreste de Pernambuco

Profa. Dra do Curso de Agronomia

References

Apac. (2018). Histório Pluviométrico. Website da Agência Pernambucana de Águas e Climas - APAC. www.apac.pe.gov.br/meteorologia/

Araújo, H. H. R., Souza, F. B. M., Pio, R., Freire, A. I., Pereira, A. M., Cruz, R. R. P., Pimentel, R. M., Melo, C. C. V. & Souza, A. J. M. Levantamento fitossociológico das plantas daninhas em diferentes frutíferas de clima temperado no Município de Lavras – MG. Research, Society and Development, 9(8), e964986553 DOI: 10.33448/rsd-v9i8.6553

Araujo, T. G., QueirozI, A. B. & Lopes, S. F. (2019). Fitossociologia de um brejo de altitude no semiárido brasileiro: variação das espécies dominantes ao longo do gradiente altitudinal. Ciências Florestais. 29(2), 779-794. DOI: https://doi.org/10.5902/1980509821231

Azevedo, A. D., Francelino, M. R., Camara, R., Pereira, M. G. & Leles, P. S. S. (2018). Estoque de carbono em áreas de restauração Florestal da Mata Atlântica. Floresta, 48(2), 183-194. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rf.v48i2.54447

Brito, A., Ferreira, M. Z., Mello, J. M., Soares Scolforo, J. R., Donizette de Oliveira, A. & Weimar Acerbi, F. (2007). Comparação Entre os Métodos de Quadrantes e PRODAN para Análises Florística, Fitossociológica e Volumétrica. Revista Cerne, 13(4), 399–405.

Carvalho, F. (2019). Cálculos da Estrutura Horizontal e Vertical. Website Mata Nativa. https://www.matanativa.com.br/calculos-da-estrutura-horizontal-e-vertical/#:~:text=A%20estrutura%20horizontal%20%C3%A9%20a,cobertura%20de%20cada%20esp%C3%A9cie%20amostrada.

Cunha, M. C. L. & Silva Júnior, M. C. (2014). Flora e estrutura de floresta estacional semidecidual montana nos estados da Paraíba e Pernambuco. Nativa, 2(2), 95-102. DOI: 10.31413/nativa.v2i2.1554

Cunha, M. C. L., Júnior, M. C. S. & Lima, R. B. (2013). Fitossociologia do estrato lenhoso de uma floresta estacional semidecidual montana na Paraíba, Brasil. Cerne. 19(2), 271-280. https://doi.org/10.1590/S0104-77602013000200011

Dunley, B. S. (2006). Biologia reprodutiva de Byrsonima sericea(Malpighiaceae), em fragmentos de diferentes tamanhos na Restinga de Massambaba, Arraial do Cabo, Rio de Janeiro (Dissertação de Mestrado). Instituto de Pesquisa Jardim Botânico do Rio de Janeiro. RJ. Brasil.

Durães, M. C. O., Sales, N. L P., Neto, S. D. & Figueiredo, M. A. P. (2014). Levantamento florístico do estrato arbóreo de três fragmentos de floresta ciliar como subsídio à recomposição da vegetação do rio cedro, Montes Claros – MG. Ciência Florestal, 24(1), 47-58. https://doi.org/10.5902/1980509813322

Flora do Brasil. (2020). Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Website do Jardim botânico do Rio de Janeiro. http://floradobrasil.jbrj.gov.br/.

Francener, A. (2021). Byrsonima in Flora do Brasil 2020. Website Jardim Botânico do Rio de Janeiro. http://reflora.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB8845

Galindo Leal, C. E. & Câmara, I. G. (2005). Mata Atlântica: Biodiversidade, Ameaças e Perspectivas. Conservação Internacional.

Góes, G. B. (2011). Propagação do Tamarindeiro (Tamarindus indica L.) e da Pitombeira (Talisia esculentaRaldk) por enxertia (Dissertação Mestrado). Universidade Federal Rural do Semiárido, RN, Brasil.

Gomes, A. R. (2018). Monitoramento e avaliação da qualidade da água bruta da barragem inhumas e sua influência na qualidade da água tratada (Trabalho de Conclusão de Curso). Universidade Federal Rural de Pernambuco, PE, Brasil.

Gomes, L. C. (2018). Síndromes de dispersão do estrato arbóreo-arbustivo em dois fragmentos florestais do Pantanal Sul, MS. Biodiversidade. 17(2), 139-149.

Google. (2018), Google Earth website. Website http://earth.google.com/.

Hosokawa, R. T., Moura, J. B. & Cunha, U. S. (2008). Introdução ao Manejo e Economia de Florestas. UFPR.

Lamprecht, H. (1990). Ensayo sobre unos metodos para el análisis estructural de los bosques tropicales. Acta Cientifica Venezolana, 13(2), 57-65.

Leão, F. M., Dionisio, L. F. S., Silva, N. G. E., Oliveira, M. H. S., D’arace, L. M. B., Lobato, R. & Neves, P. (2017). Fitossociologia em sistemas agroflorestais com diferentes idades de implantação no município de Medicilândia, PA. Revista Agroambiente, 11(1), 71-81. DOI: http://dx.doi.org/10.18227/1982-8470ragro.v11i1.3402

Lima, R. B. A., Marangon, L. C., Freire, F. J., Feliciano, A. L. P. & Silva, R. K. S. (2017a). Potencial regenerativo de espécies arbóreas em fragmento de Mata Atlântica, Pernambuco, Brasil. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 12(4), 666-673.

Lima, R. B. A., Silva, R. K. S., Paula, M. D., Guimarães, E. T. R. & Braga, E. C. B. (2017b). Estrutura fitossociológica e diamétrica de um fragmento de mata atlântica, Pernambuco, Brasil. Revista Desafios, 4(4), 143-153. DOI: https://doi.org/10.20873/uft.2359-3652.2017v4n4p143

Lorenzi, H. & Lacerda, M. (2006). Frutas Brasileiras e exóticas cultivadas (de consumo in natura). Instituto Plantarum.

Lorenzi, H. (2008). Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Instituto Plantarum.

Lorenzoni-Paschoa, L. S., Abreu, K. M. P., Silva, G. F., Dias, H. M., Machado, L. A. & Silva, R. D. (2019). Estágio sucessional de uma floresta estacional semidecidual secundária com distintos históricos de uso do solo no sul do Espírito Santo. Rodriguésia, 70, 1-18. https://doi.org/10.1590/2175-7860201970028

Marangon, L. C., Soares, J. J. & Feliciano, A. L. P. (2003). Florística arbórea da mata da pedreira, município de viçosa, Minas Gerais. Revista Árvore. 27(2), 207-215.

Meira-Neto, J. A. A. & Martins, F. R. (2002). Composição florística de uma floresta estacional semidecidual montana no município de Viçosa-MG. Revista Árvore, 26(4), 437-446. https://doi.org/10.1590/S0100-67622002000400006

Melo, J. I. M. & Radal, M. J. N. (2003) Levantamento Florístico de um Trecho de Floresta Serrana no Planalto de Garanhuns, Estado de Pernambuco. Departamento de Biologia, Universidade Federal Rural de Pernambuco, 25(1), 173-178. DOI: 10.4025/actascibiolsci.v25i1.2120

MMA. (2002) Avaliação e Identificação de Áreas e Ações Prioritárias Para a Conservação, Utilização Sustentável e Repartição dos Benefícios da Biodiversidade nos Biomas Brasileiros. Ministério de Meio Ambiente.

Morais, L. M. F., Conceição, G. M. & Nascimento, J. M. (2014). Família Myrtaceae: análise morfológica e distribuição geográfica de uma coleção botânica. Agrarian Academy, 1(1), 317-346.

Mueller Dombois, D. & Ellenberg, H. (1974). Aims and methods of vegetation ecology. John Wiley.

Oestreich Filho, E. (2014). Fitossociologia, Diversidade e Similaridade entre Fragmentos de Cerrado Strict Sensu sobre neossolos quartzarênicos órticos, nos município de Cuiabá e Chapada dos Guimarães, Estado de Mato Grosso, Brasil (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Mato Grosso, MG, Brasil.

Paula, A. L., Silva, A. F., Marco Junior, P., Santos, F. A. M. & Souza, A. L. (2004). Sucessão ecológica da vegetação arbórea em uma Floresta Estacional Semidecidual. Acta Botanica Brasilica, 18(3), 407-423. https://doi.org/10.1590/S0102-33062004000300002

Peixoto, A. L. & Maia, L. C. (2013). Manual para procedimentos em herbário. Editora universitária.

Pereira, L. A., Amorim, B. S., Alves, M., Somner, G. V. & Barbosa, M. R. V. (2016). Flora da Usina São José, Igarassu, Pernambuco: Sapindaceae. Rodriguésia, 67(4), 1047-1059. https://doi.org/10.1590/2175-7860201667414.

Pinto, M. S. C., Sampaio, E. V. S. B. & Nascimento, L. M. (2012). Florística e Estrutura da Vegetação de um Brejo de Altitude em Pesqueira, PE, Brasil. Revista Nordestina de Biologia, 21(1), 47-79. https://doi.org/10.5902/1980509821231

Porto, K. C., Cabral, J. J. P. & Tabarelli, M. (2004). Brejos de altitude em Pernambuco e Paraíba: história natural, ecologia e conservação. Ministério do Meio Ambiente.

Prance, G. T. (1987), Biogeography of neotropical plants. America Claredon Press, 175-196.

Ribeiro, M. S., Rezende, S. L. & Bernasol, W. P. (2011). Estrutura espacial e deposição de sementes de Hymenaea courbaril L. em um fragmento florestal no sudoeste goiano. Acta Scientiarum Biological Sciencs. 33(1), 41-47. DOI: 10.4025/actascibiolsci.v33i1.5881

Rodal, M. J. N., Sales, M. F., Silva, M. J. & SILVA, A. G. (2005). Flora de um brejo de altitude na escarpa oriental do planalto da Borborema, PE, Brasil. Acta Botanica Brasilica, 19(4), 843-858. https://doi.org/10.1590/S0102-33062005000400020

Rodrigues, E. M., Queiroz, R. T., Silva, L. P., Monteiro, F. K. S & Melo, J. I. M. Fabaceae em um afloramento rochoso no Semiárido brasileiro. Rodriguésia 71, 1-25. https://doi.org/10.1590/2175-7860202071025.

Schorn, L. A. S. (2012). Fitossociologia. Centro de Ciências Tecnológicas. Departamento de Engenharia Florestal. Universidade Regional de Blumenau.

Silva, A. F., Oliveira, R. V., Santos, N. R. L. & Paula, A. (2003). Composição florística e grupos ecológicos das espécies de um trecho de floresta semidecídua submontana da fazenda são geraldo, Viçosa-MG. Revista árvore, 27(3), 311-319. https://doi.org/10.1590/S0100-67622003000300006.

Silva, I. S., Pinto, A. V. F., Almeida, C. A. C., Leite, M. J. H. & Paes, R. A. (2020a). Levantamento das espécies arbóreas da Praça Centenário do município de Maceió, Alagoas. Acta Biológica Catarinense, 7(1), 29-36.

Silva, J. M. & Moura, C. H. R. (2021). Análise da vegetação de um remanescente de Floresta Atlântica: subsídios para o projeto paisagístico. Revista Brasileira de Meio Ambiente, 9(1), 2-24.

Silva, L. A. (2001). Levantamento florístico e estrutura fitossociológica do estrato arbóreo de um fragmento de floresta estacional semidecidual no município de São Carlos – SP (Tese de Doutorado). Universidade Federal de São Carlos, SP, Brasil.

Silva, L. G., Brandão, C. F. L. S., Lana, M. D., Silva, A. F., Santos, A. A. L., Silva, N. L., Vieira, A. C. S. & Pinto, A. V. F. (2020b). Florística, fitossociologia e caracterização ecológica numa área de capoeirão de Cabo de Santo Agostinho, Pernambuco. Brazilian Journal of Development. 6(6), 34519-34540. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-118

Silva, N. R. S., Martins, S. V., Neto, J. A. A. M. & Souza, A. L. (2004). Composição florística e estrutura de uma floresta estacional semidecidual montana em Viçosa, MG. Revista Árvore, 28(3), 397-405. https://doi.org/10.1590/S0100-67622004000300011

Silva, R. K. S., Feliciano, A. L. P., Marangon, L. C., Lima, R. B. A. & Santos, W. B. (2012). Estrutura e síndromes de dispersão de espécies arbóreas em um trecho de mata ciliar, Sirinhaém, Pernambuco, Brasil. Pesquisa Florestal Brasileira. 32(69), 1-11.

Silva, R. K. S., Feliciano, A. L. P., Rosiva,l L.C. M. & Lima, B. A. (2010). Florística e sucessão ecológica da vegetação arbórea em área de nascente de um fragmento de Mata Atlântica, Pernambuco. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, 5(4), 550-559.

Silva, R. K. S., Lima, R. B. A., Feliciano, A. L. P., Marangon, L. C. & Silva, J. P. G. (2013). Grupos Ecológicos de Espécies Arbóreas, Sirinhaém, website da VIII Jornada de Ensino, Pesquisa e Extensão. Universidade Federal Rural de Pernambuco, http://www.eventosufrpe.com.br/2013/cd/resumos/R0431-3.pdf

Souza, V. C. & Lorenzi, H. (2012). Botânica Sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de Fanerógramas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG III. Instituto Plantarum.

Stefanello, D., Ivanauskas, N. M., Martins, S. V., Silva, E. & Kunz, S. H. (2010). Síndromes de dispersão de diásporos das espécies de trechos de vegetação ciliar do rio das Pacas, Querência – MT. ACTA Amazônica, 40(1), 14–50. https://doi.org/10.1590/S0044-59672010000100018.

Tabarelli, M. & Mantovani, W. (1999). A regeneração de uma floresta tropical montana após corte e queima. Revista Brasileira de Biologia, 59, 239-250. https://doi.org/10.1590/S0034-71081999000200008

Tabarelli, M. & Santos, A. M. M. (2004) Uma Breve Descrição Sobre a História Natural dos Brejos Nordestinos. Ministério do Meio Ambiente.

Torres, C. M. M. E., Jacovine, L. A. G., Neto, S. N. O., Souza, A. L., Campos, R. A. & Schettini, B. L. S. (2017). Análise Fitossociológica e Valor de Importância em Carbono para uma Floresta Estacional Semidecidual. Floresta e Ambient, 24, 1-10. https://doi.org/10.1590/2179-8087.099714

Published

01/04/2021

How to Cite

JANSEN, D. de S.; GONÇALVES, E. P.; VIANA, J. S.; BORGES, J. P. G. da S. . .; ALMEIDA, D. T. da R. G. F. de .; ANDRADE, H. M. L. da S.; SILVA, M. A. D. da. Floristic and phytosociological composition in a High Altitude Wetland Spring . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e10910413900, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i4.13900. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/13900. Acesso em: 20 apr. 2021.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences