Practice of street clinic professionals in the context of Primary Health Care in Brazil: A scoping review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.14470

Keywords:

Primary Health Care; Homeless people; Street office; Professional practice.

Abstract

Objective: to map in the national scientific literature the productions related to the performance of the Consultório na Rua (CnaR) professionals in the scope of Primary Health Care (PHC) in Brazil. Method: This is a scope review that followed the recommendations proposed by the Joanna Briggs Institute's Evidence Manual (JBI). The application of the Population, Concept, Context (PCC) strategy culminated in the following research question: "What is known about the performance of CnaR professionals in the context of PHC in Brazil?". The search took place between December 2020 and January 2021, using the descriptor “Consultório na rua”. After applying the eligibility criteria, thirteen studies were selected. In the extraction of data, the instrument proposed by JBI was used. Results: The sample consisted of thirteen studies. For better understanding, the mapped studies were organized into axes, namely: health care; articulation with the devices of the Health Care Networks and Intersectoral Networks; lightweight care technologies; harm reduction; and teamwork. Conclusion: The total number of publications included in this scope review shows that the topic under study has been little discussed. In this context, given the findings, there is a demand for research aimed at elucidating the performance of CnaR professionals. The results of the study promote innovation, dissemination and dissemination of this theme that is of great relevance to public health in Brazil, since it lists and maps the performance of these professionals.

References

Barbiani, R., Nora, C., & Schaefer, R. (2016). Práticas do enfermeiro no contexto da atenção básica: scoping review. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 24(1), 1-12.

Bittencourt, M. N. et al. (2019). Street clinic: the care practices with users of alcohol and other drugs in Macapá. Escola Anna Nery, 23(1), 1–7.

Brasil (2011). Portaria n° 2488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS).

Brasil (2014). Saúde da população em situação de rua: um direito humano. Ministério da Saúde.

Brasil (2013). Portaria n° 2436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

Brasil (2012). Portaria n° 123, de 25 de janeiro de 2012. Define os critérios de cálculo do número máximo de equipes de Consultório na Rua (eCR) por Município.

Brasil (2014). Portaria n° 1029, de 20 de maio de 2014. Amplia o rol das categorias profissionais que podem compor as Equipes de Consultório na Rua em suas diferentes modalidades e dá outras providências.

Cardoso, A. C., et al. (2018). Challenges and potentialities of nursing work in street medical office. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 26, 1-9.

Cervieri, N. B., et al. (2019). O acesso aos serviços de saúde na perspectiva de pessoas em situação de rua. Smad Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas, 15 (4), 1-8.

Duarte, A. H. C. (2019). O Acolhimento em saúde no espaço da rua: estratégias de cuidado do Consultório na Rua. Textos & Contextos (Porto Alegre), 18(2) p.34306.

Engstrom, E. M., et al. (2019). A dimensão do cuidado pelas equipes de Consultório na Rua: desafios da clínica em defesa da vida. Saúde Em Debate, 43(spe7), 50–61.

Engstrom, E. M., & Teixeira, M. B. (2016). Equipe “Consultório na Rua” de Manguinhos, Rio de Janeiro, Brasil: Práticas de cuidado e promoção da saúde em um território vulnerável. Ciencia e Saude Coletiva, 21(6), 1839–1848.

Hallais, J. A. da S., & de Barros, N. F. (2015). Consultório na Rua: Visibilidades, invisibilidades e hipervisibilidade. Cadernos de Saúde Pública, 31(7), 1497–1504.

Hria (2021). Harm Reduction International Association (United Kingdom). Harm reduction. 2021. Disponível em: https://www.hri.global/about. Acesso em: 10 fev de 2021.

Jbi, Joanna Briggs Institute (2020). The Joanna Briggs institute reviewers’ manual 2020: methodology for JBI scoping reviews. South Australia: The Joanna Briggs Institute.

Lima, H. S., & Seidl, E. M. F. (2017). Consultório na Rua: percepção de profissionais e de usuários sobre redução de danos. Revista Psicologia Em Pesquisa, 11(2), 33–41.

Lima, H. S., & Seidl, E. M. F. (2015). Street outreach office: Attention to people on psychoactive drug/substance abuse. Psicologia em Estudo, 20(1), 57–69.

Magalhães, J. A. (2018). Clínica do consultório na rua: Atenção à população em situação de rua no centro da cidade de. Revista de Psicologia da UNESP, 17(1), 14–33.

Medeiros, C. R. S., & Cavalcante, P. (2018). The implementation of the Brazilian health program for the homeless population – Consultório na Rua: Obstacles and advantages. Saúde e Sociedade, 27(3), 754–768.

Merhy, E. E., et al. (2019). Rede Básica, campo de forças e micropolítica: implicações para a gestão e cuidado em saúde. Saúde em Debate, 43(6), p. 70-83.

Paula, H. C. et al. (2018). A implantação do Consultório na Rua na perspectiva do cuidado em saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 71(6), 2843–2847.

Pinto, A. H., et al. (2018). Determinantes sociais, equidade e consultório na rua. Revista de Enfermagem UFPE on Line, 12(12), 3513.

Vale, A. R., & Vecchia, M. D. (2019). The health care of people living in the streets: Possibilities and challenges. Estudos de Psicologia, 24(1), 42–51.

Valle, F. A. A. L., & Farah, B. F. (2020). A saúde de quem está em situação de rua: (in)visibilidades no acesso ao sistema único de saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva, (30) 2, p. 1-21.

Veridiano, A. L., Andrade, L. de, & Gomes, A. H. (2017). Práticas intersetoriais na atenção às pessoas em situação de rua: uma atuação entre “saúde” e “assistência social.” Visão, 6(2), 115–166.

Santos, C. F., & Ceccim, R. B. (2018). Encontros na rua: possibilidades de saúde em um consultório a céu aberto. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 22(67), 1043-1052.

Silva, C. C. da, Cruz, M. M. da, & Vargas, E. P. (2015). Práticas de cuidado e população em situação de rua: o caso do Consultório na Rua. Saúde Em Debate, 39, 246–256.

Silva, B. M., Silva, V. N., & Andrade, E.G.S. (2019). Dificuldades encontradas pelos moradores de rua no acesso à saúde pública. Rev Inic Cient Ext. 2019; 2(2), 280-286.

Silva Junior, D.V. & Belloc, M. M. (2018). Habitar invisível: produção de vida e cuidado na experiência urbana. Interface- Comunicação, Saúde, Educação, 22(67), 1065–1075.

Souza, A. C. C. et al. (2020). Redução de vulnerabilidades como estratégia de cuidados do consultório na rua. Revista do NUFEN, (12)3, 103–115.

Teixeira, M. B. et al. (2019). Os invisibilizados da cidade: o estigma da população em situação de rua no rio de janeiro. Saúde em Debate, (43) 7, 92-101.

Timóteo, A. V. G., et al. (2020). Caracterização do trabalho e ações desenvolvidas pelas equipes do Consultório na Rua de Maceió - AL. Enfermagem Em Foco, 11(1), 126–130.

Published

24/04/2021

How to Cite

ALVES, N. R. .; FERNANDES , S. E. T. .; ALVES, A. S. S. .; TIGRE , H. W. A. .; SANTOS, C. E. B. .; LIMA , J. L. R. de .; OLIVEIRA , E. C. T. . Practice of street clinic professionals in the context of Primary Health Care in Brazil: A scoping review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e59410414470, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i4.14470. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/14470. Acesso em: 11 may. 2021.

Issue

Section

Review Article