Physiological parameters of smokers in treatment in Paraíba

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.17799

Keywords:

Pharmaceutical attention; Smoking; Bioimpedance; Health promotion.

Abstract

Smoking is a pandemic in addition that beyond nicotine involves other substances, resulting in morbidity and mortality. This way, the objective of this study was to evaluate the physiological parameters of smokers undergoing treatment in Paraíba. This is a descriptive study with 100 smokers, of both sexes and over the age of 18, volunteers for treatment in the Multidisciplinary Program for the Treatment of Smokers at the Federal University of Campina Grande, Paraíba, from April to September 2018. In the first stage, smokers attended lectures about the role of all teams in the treatment (Medicine, Pharmacy, Psychology, Nutrition, Physical Education, and Dentistry). Subsequently, the pharmacy team conducted the Pharmaceutical Consultation (socioeconomic profile and physiological parameters). Of those assisted, 65 and 35% were female and male, respectively. The prevalent age group was between 46-60 years old (54%). As for physiological parameters: 47% were pre-hypertensive; casual plasma glucose of 87% was less than 200 mg/dL; 9% of the public had a circumference-hip ratio greater than 0.90 cm and 20% of the female public above 0.85 cm; the level of visceral fat in 59% of those assisted was normal. The results of the smokers’ physiological parameters showed serious risks, especially in relation to blood vessels, understanding that the practice of smoking leads to alterations and stiffening of the structures in the arteries, which can make it difficult to pump blood, with a great risk of heart disease and development of diabetes and cancer. In addition, this study contributed to the promotion of smoker’s health by minimizing the risks of problems related to tobacco using physiological parameters such as the north of pharmaceutical care. 

References

Alessi, A., Feitosa, A. D. & Coelho, E. B (2016) 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial: Capítulo 2 - Diagnóstico e Classificação. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, 107, 7

Aires, I. O., Sousa, L. L. C. de, Sousa, D. J. M. de, Araújo, D. S. C. de, Oliveira, I. K. F., & Alencar, M. do S. S. (2019). Consumo alimentar, estilo de vida e sua influência no processo de envelhecimento. Research, Society and Development, 8(11)

Alves, H.N.P. (2006). Tabagismo: Tratado de Clínica Médica. Roca, p. 2501-2504.

Balbani, A., & Montovani, J. (2005). Métodos para abandono do tabagismo e tratamento da dependência da nicotina. Revista Brasileira De Otorrinolaringologia , 71 (6), 820-827. https://doi.org/10.1590/s0034-72992005000600021

Bazotti, A., Finokiet, M, Conti, I.L., França, M.T.A. & Waquil, P.D. (2016). Tabagismo e pobreza no Brasil: uma análise do perfil da população tabagista a partir da POF 2008-2009. Ciência e Saúde coletiva, 21 (1), 45-52.

Benowitz, N. L. (2001). Tabaco: Tratado de Medicina Interna. (21a ed.), Guanabara-Koogan S.A, 39-43.

Bittencourt, C. P., Abreu, M. C., Souza, T. de F., Hot, A. D., Partata, A. K. (2017). Tabagismo e sua relação com o desenvolvimento de câncer. Revista Científica do ITPAC, 10 (1).

Bup: cloridrato de bupropiona: comprimidos 150mg. (2017). (Pereira, M. B., Farmacêutica). Eurofarma.

Caram, L. M. O., Ferrari R., Tanni S. E., Coelho L. S., Godoy I., Martin R. S. S. & Godoy l. (2009). Perfil de fumantes atendidos em serviço público para tratamento do tabagismo. Jornal Brasileiro de Pneumologia, 35, 980-985

Clair, C., Chiolero, A., Faeh, D., Cornuz, J., Marques-Vidal, P., Paccaud, F., Mooser, V., Waeber, G., Vollenweider, P. (2011, janeiro 11). Dose-dependent positive association between cigarette smoking, abdominal obesity and body fat: cross-sectional data from a population-based survey. BMC Public Health 11, n. 23.

Chatkin, R. & Chatkin, J. M. (2007). Tabagismo e variação ponderal: a fisiopatologia e genética podem explicar esta associação? Jornal Brasileiro de Pneumologia. 1-6.

De Souza Leal, A., Silveira, A., Coelho Fiqueira Freire, A., Soares Santos, A., Ramos, D., & Cipulo Ramos, E. et al. (2017). Características sóciodemográficas e padrão de consumo tabagístico de sexo que procuram atendimento em programas de cessação. O Mundo Da Saúde, 41 (2), 163-169. https://doi.org/10.15343/0104-7809.20174102163169

Faria, C. S., Botelho, C., Silva, R. M. V. G. & Ferreira, M. G. (2012). Tabagismo e obesidade abdominal em doadores de sangue. Jornal Brasileiro de Pneumologia, 38 (3) , 356-363 .

Ferraz, L., Busato M. A., Teo, C. R. P. A., Matos T. & Lieshout, B. (2015). Tabagismo: Motivos da cessação e da recaída na população de um Nasf. Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, Hygeia, 127-137.

Ferreira, A., Borba, L., Capistrano, F., Czarnobay, J., & Maftum, M. (2015). Fatores Que Interferem Na Conformidade Do Paciente Com Tratamento De Dependência Química: Percepções De Profissionais De Saúde. REME: Revista Mineira De Enfermagem, 19 (2). https://doi.org/10.5935/1415-2762.20150032

Gama, G. G. G., Mussi, F. C., Mendes, A.S. & Guimarães, A. C. (2010). (Des)controle de parâmetros clínicos e antropométricos em indivíduos com doença arterial coronária. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 624-631

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. (5a ed.), Atlas.

Han, T. S., Sattar, N., Lean, M. (2006). ABC of obesity Assessment of obesity and its clinical implications. BMJ (Clinical research ed.), 333, 695.

Instituto Nacional de Câncer. (2020). Quais os derivados do tabaco mais agressivos à saúde e como agem? https://www.inca.gov.br/perguntas-frequentes/quais-os-derivados-tabaco-mais-agressivos-saude-e-como-agem.

Instituto Nacional de Câncer. (2021). Tabagimo. Causas e Prevenção. https://www.inca.gov.br/tabagismo.

Ministério da Saúde. (2019). Secretária de Vigilância em Saúde. Vigitel Brasil 2018: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico.

Ministério da Saúde. (2011). Instituto Nacional de Câncer José de Alencar Gomes da Silva. A Situação do Tabagismo no Brasil. 76p.

Ministério da Saúde. (2018). Instituto Nacional de Câncer José de Alencar Gomes da Silva. Estudo associa fumar a aumento da circunferência abdominal entre adolescentes brasileiros. https://www.inca.gov.br/noticias/estudo-associa-fumar-aumento-da-circunferencia-abdominal-entre-adolescentes-brasileiros#:~:text= Tam b%C3%A9m%20foi%20lan%C3%A7ada%20a%20campanha,que%20entre%20os%20n%C3%A3o%20fumantes. Acesso em out. 2020.

Ministério da Saúde. (2020). Instituto Nacional de Câncer José de Alencar Gomes da Silva. Programa Nacional de Controle do Tabagismo. INCA, 2020. https://www.inca.gov.br/programa-nacional-de-controle-do-tabagismo/tabagismo.

Moreno, R., Moreno, D., & Soares, M. (1999). Psicofarmacologia de antidepressivos. Revista Brasileira De Psiquiatria, 21(1), 24-40. https://doi.org/10.1590/s1516-44461999000500006

Kawada, T. M. D. (2016). Tabagismo, pressão arterial sistólica, glicose plasmática em jejum e progressão da aterosclerose carotídea. Nicotine & Tobacco Research, 18, 1680

Kong, C. et al., Smoking is associated with increased hepatic lipase activity, insulin resistance, dyslipidaemia and early atherosclerosis in Type 2 diabetes. Atherosclerosis. 156, 373

Kumar, V., Abbas, A. K., Fausto, N. & Aster, J. C (2010). Bases Patológicas das Doenças. (8a ed.), Elsevier. 1458p.

Laranjeira, R. & Alves, A. G. H. Tratamento da Dependência da Nicotina. Centro de Estudos. Departamento de psiquiatria - UNIFESP/EPM. 34. http://www2.unifesp.br/dpsiq/polbr/ppm/atu1_02.htm

Pereira, C. F. & Vargas, D. (2015). Perfil de mulheres que realizaram tratamento para cessação do tabagismo: revisão sistemática. Revista de Saúde Pública, 39, 1-6.

Pessoa, D. L. R., Santos, K. F. dos., Rodrigues, K. P., Dias, A. M. C., Souza, I. B. J. de., Gouveia, D. M. de., Ramos, A. S. M. B. . (2020). Reflexões sobre a associação entre o tabagismo e COVID – 19: revisão de literatura. Research, Society and Development, 9(9).

Pinto, M. F. T., Riviere, A. P., Biz, A., Schluckbier, L. & Araújo, A. (2012) Carga das doenças tabaco-relacionadas para o Brasil. Relatório final. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, 41 p.

Santos, C. B., Scortegagna, S. A., Franco, R. R. C. & Wibelinger, L. M. (2019, agosto 28). Variáveis clínicas e razões para busca de tratamento de pacientes tabagistas. Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas (Edição em Português), 15, 77-86

Sarmento, K. K. F., Medeiros, K. M. de, Brito, Y. J. V. de, Medeiros, K. M. de, & Lima, C. A. P. de. (2019, 20 de Novembro). O consumo de cigarros causando a dependência de nicotina. [Sessão de pôsteres] I Congresso Internacional de Meio Ambiente e Sociedade, Campina Grande.

Silvano, F. N. (2012). Tabagismo: Um Problema à Saúde Econômica da Sociedade. TCC (Graduação) - Curso de Economia e Relações Internacionais da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. https://necat.paginas.ufsc.br/files/2011/10/Fernanda-Nadir-Silvano.pdf

Sousa, M. G. (2015). Tabagismo e Hipertensão arterial: como o tabaco eleva a pressão. Revista Brasileira de Hipertensão, 22, 78-83.

Tabagismo. INCA - Instituto Nacional de Câncer. (2021). https://www.inca.gov.br/tabagismo.

Tabagismo passivo. INCA - Instituto Nacional de Câncer. (2021). https://www.inca.gov.br/tabagismo/tabagismo-passivo.

Tratamento do tabagismo. INCA - Instituto Nacional do Câncer. (2021). https://www.inca.gov.br/en/node/1483.

Violante, L. M. D. (2011). O tabagismo e o peso corporal. 2011. 62 f. TCC (Graduação) - Curso de Medicina, Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, Coimbra. https://estudogeral.uc.pt/bitstream/10316/80760/1/O%20TABAGISMO%20E%20O%20PESO%20CORPORAL%20final.pdf.

Vold, M. L., Aasebo, U. & Melbye, H. Baixo FEV1, história de tabagismo e obesidade são fatores associados à diminuição da saturação de oxigênio em uma coorte da população adulta. Jornal Internacional de Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica, 9, 1225-1233

Published

25/07/2021

How to Cite

MANIÇOBA, M. G. P. .; BARBOSA, F. G. de L.; LIMA, M. A. de S. .; PACHÚ, C. O. . Physiological parameters of smokers in treatment in Paraíba. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e23510917799, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.17799. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/17799. Acesso em: 23 sep. 2021.

Issue

Section

Health Sciences