Study of storage on seed germination of Chresta sphaerocephala DC. – Asteraceae

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.17893

Keywords:

Seed Analysis; High-Altitude Fields; Southern Minas Gerais.

Abstract

High-altitude fields have been subjected to an intense anthropization process. Due to this, studies on germination, seed storage and propagation of species that compose this plant formation become fundamental. Among such species is the Chresta sphaerocephala DC., Asteraceae. The purpose of this work was to study different temperatures for germination and storage of this species. Four germination temperatures (15°C, 20°C, 25°C and 30°C) and two storage temperatures (-5°C and +5°C) were tested. In order to assess seed vigor, the germination speed index (GSI) and average seed germination time were calculated. ANOVA and Tukey's test were performed at a 5% significance level. In addition, a morphological difference was observed in the analyzed Chresta sphaerocephala seeds, with these being classified as C1 (small seeds), C2 (long thin seeds), C3 (thicker seeds) and C4 (dark colored seeds). As for the storage temperature, 5°C was shown to be the best. When correlated with the germination temperature, 20°C resulted in a statistically higher number of germinated seeds.

Author Biographies

Amanda Domingas Ediodato de Sousa, Universidade Federal de Alfenas

Mestranda em Ciências Ambientais, turma de 2020/01, pela Unifal-MG. Bacharela em Ciências e Tecnologias pela Universidade Federal de Alfenas - Campus Poços de Caldas. Bacharela em Engenharia Ambiental na Universidade Federal de Alfenas - Campus Poços de Caldas. Durante a graduação, participou da II Jornada Científica do Instituto de Ciências e Tecnologia, II Encontro de BI, Oficina de Biodiesel, na I Semana da Engenharia Ambiental, II Semana de Estudos da Engenharia de Minas. Realizou monitoria na Semana Nacional de Ciências e Tecnologia 2013, aplicou monitoria voluntária de Química Experimental I para a turma 2014/01. Além disso, aplicou monitoria voluntária em Processos e Operações Unitárias da Engenharia Ambiental para a turma 2017/02, e foi duas vezes seguidas monitora remunerada de Produção de Mudas de Espécies Nativas, para as turmas 2018/01 e 2018/02. Atuo como voluntária na ONG Movimento das Patinhas, atuando como protetora dos animais abandonados, e recentemente participou como voluntária na ação social, Unindo Vidas: transformando a comunidade.
Realizou mini curso na área de Química Forense, Fundamentos de Logísticas, Segurança e Saúde no Trabalho e Marketing Pessoal. Na área acadêmica desenvolveu a pesquisa Influência da Altitude e Longitude nos Dados de Precipitações em Minas Gerais, na área de meteorologia. Realizou estágio não obrigatória no Cii Educacional, e estágio obrigatório no Jardim Botânico de Poços de Caldas, onde teve a oportunidade de estudar a espécie Chresta sphaerocephala DC., espécie predominante em campos de altitude. Com isso, pode desenvolver o Estudo da Morfologia e Germinação das Sementes de Chresta sphaerocephala DC. Apresentando o mesmo como trabalho de conclusão de curso e iniciação científica voluntária.

Luciana Botezelli, Universidade Federal de Alfenas

Instituto de Ciência e Tecnologia - ICT/UNIFAL, Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (PPGCA/UNIFAL).

Graduação em Engenharia Florestal pela Universidade Federal de Lavras (UFLA); mestrado em Engenharia Florestal (Manejo Ambiental); especialização em Ecoturismo e Planejamento de Atividades em Áreas Naturais; doutorado em Engenharia Florestal (Ciências Florestais) também pela UFLA.

Atuando em: Conservação da Natureza, Unidades de Conservação, Educação Ambiental, Planejamento Ambiental Urbano e Sustentabilidade

Patrícia Neves Mendes, Universidade Federal de Alfenas

 

 

References

Almeida, V. G., Moura, E. N. de & Vieira, G. T. (2019). Espécies vegetais utilizadas em áreas degradadas pela mineração. Research, Society and Development, 8 (3), 001-015. doi: 10.33448/rsd-v8i3.710.

Botezelli, L., Davide, A. C. & Malavasi, M. M. (2000). Características dos frutos e sementes de quatro procedências de Dipteryx alata Vogel (Baru). Cerne, 6 (1), 009-018.

Brasil. (2009). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília: Mapa/ACS. 1ed., 399p.

Brasil. (2010). CONAMA – Conselho Nacional de Meio Ambiente. Resolução nº 423, de 12 de abril de 2010. Dispõe sobre parâmetros básicos para identificação e análise da vegetação primária e dos estágios sucessionais da vegetação secundária nos Campos de Altitude associados ou abrangidos pela Mata Atlântica. Diário Oficial da União, Brasília, 13 abr. 2010.

Cássero, L. Z., Pastorini, L. H. & Souza, L. A. (2018). Anatomia e germinação de diásporos de Chrysolaena cognate (Less.) Dematt. (Asteraceae). Neotropical Biology and Conservation, 13 (2), 154-160. doi: 10.4013/nbc.2018.132.07

Cetnarski Filho, R. & Carvalho, R. I. N. (2009). Massa da amostra, substrato e temperatura para teste de germinação de sementes de Eucalyptus dunnii Maiden. Ciência Florestal, 19(3), 257-265.

Cury, G., Novembre, A. D. L. C. & Gloria, B. A. (2010). Seed germination of :DC. and Lessingianthus bardanoides (Less.) H. Rob. (Asteraceae) from Cerrado. Arquivos Brasileiros de Biologia e Tecnologia, 53 (6), 1299-1308. doi: 10.1590/S1516-89132010000600006

CNCFLORA. (2013). Livro vermelho da flora do Brasil / texto e organização Gustavo Martinelli, Miguel Ávila Moraes; tradução Flávia Anderson, Chris Hieatt. - 1. ed. 1100 p. - Rio de Janeiro: Andrea Jakobsson: Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Dantas, J. A. da S., Rodrigues, A. C. do C., Alves, L. B., Queires, L. C. S., Orge, M. D. R., Santos, E. L., Oliveira, C. R. M. de, Luz, L. de S. & Silva, W. S. (2021). Avaliação do potencial de germinação de sementes de duas espécies, exótica e nativa, de Fabaceae como estratégia de colonização em ambiente degradado. Research, Society and Development, 10 (8), 001-009. doi: 10.33448/rsd-v10i8.16038.

Ferraz, G. X. L., Silva, M. A. D. da, Alves, R. M., Freire, E., Alves, R. J. R. & Ferraz, E. X. L. (2020). Germinação de sementes de Amburana cearensis (Allemao) A. C. Sm. submetidas a diferentes substratos. Research, Society and Development, 9 (10), p. 001-011. doi: 10.33448/rsd-v9i10.9005.

Ferreira, J. C. & Patino, C. M. (2015). What does the p value really mean? Jornal Brasileiro de Pneumologia, 41 (5), 485-485. doi: 10.1590/S1806-37132015000000215.

Ferreira, D.F. (2010). Sisvar versão 5.3 (Biud 75). Sistemas de análise de variância para dados balanceados: Programa de análise e planejamento de experimentos. Lavras, Universidade Federal de Lavras.

Godinho, M. A. S., Mantovani-Alvarenga, E. & Faria, M. V. (2011). Germinação e qualidade de sementes de Adenostemma brasilianum (Pers.) Cass., Asteraceae nativa de sub-bosque de Floresta Atlântica. Revista Árvore, 35(6), 1199-1205. doi: 10.1590/S0100-67622011000700006.

Gomes, V. & Fernandes, G. W. (2002). Germinação de aquênios de Baccharis dracunculifolia D.C. (Asteraceae). Acta Botanica Brasilica, 16 (4), 421-427. doi: 10.1590/S0102-33062002000400005.

Lopes, J. C. (1990). Germinação de sementes de Phaseolus vulgaris após diversos períodos e condições de armazenamento. Tese de Doutorado em Ciências – Instituto de Biologia, UNICAMP, Campinas, SP, Brasil.

Maluf, A.M. (1993). Efeito da temperatura e luz na germinação de sementes de duas populações de Vernonia polyanthes (Asteraceae). Hoehnea, 20: 133-137.

Maluf, A. M. & Wizentier, B. (1998). Aspectos fenológicos e germinação de sementes de quatro populações de Eupatorium vauthierianum DC. (Asteraceae). Brazilian Journal of Botany, 21 (3), 247-251. doi: 10.1590/S0100-84041998000300002.

Martinotto, C., Paiva, R., Santos, B. R., Soares, F. P, Nogueira, R. C. & Silva, A. A. N. (2007). Efeito da escarificação e luminosidade na germinação in vitro de sementes de cagaiteira (Eugenia dysenterica DC.). Ciências e Agrotecnologia, 31(6), 1668-1671. doi: 10.1590/S1413-70542007000600010.

Pereira, C. E., Von Pinho, E. V. R., Oliveira, D. F. & Kikuti, A. L. P. (2002). Determinação de inibidores da germinação no espermoderma de sementes de café (Coffea arabica L.). Revista Brasileira de Sementes, 24 (1), 306-311. doi: 10.1590/S0101-31222002000100042.

Pereira, J. A. A. & Fontes, M. A. L. (2009). Plano de Manejo do Parque Municipal da Serra de São Domingos. Lavras: UFLA, vol.2, encarte 3.

Löbler, L, Rocha, B. N., Bertê, R.; Lucho, S. R., Fernandes, T. S., Soriani, H. H. & Paranhos, J. T. (2016). Comportamento germinativo das sementes de Solidago chilensis Meyen (Asteraceae). Iheringia, Série Botânica, 71(1), 43-48. Retrieved 15 jun 2021, from https://isb.emnuvens.com.br/iheringia/article/view/486.

Velten, S. B. & Garcia, Q. S. (2005). Efeitos da luz e da temperatura na germinação de sementes de Eremanthus (Asteraceae), ocorrentes na Serra do Cipó, MG, Brasil. Acta Botanica Brasilica, 19 (4), 753-761. doi: 10.1590/S0102-33062005000400010.

Walters C. (1998). Understanding the mechanisms and kinetics of seed aging. Seed Science Research, 8 (2), 223-244. doi: 10.1017/S096025850000413X.

Downloads

Published

01/08/2021

How to Cite

SOUSA, A. D. E. de; BOTEZELLI, L.; MENDES, P. N. . Study of storage on seed germination of Chresta sphaerocephala DC. – Asteraceae . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e50110917893, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.17893. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/17893. Acesso em: 20 sep. 2021.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences