Health and aging of people with Down Syndrome: What workers in primary health care say

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.17901

Keywords:

Health; Aging; Down syndrome; Health worker; Primary health care.

Abstract

To analyze the understanding of Primary Health Care workers about the health and aging condition of people with Down Syndrome. Qualitative-quantitative, exploratory approach, carried out with Primary Health Care workers in a municipality in southern Brazil. The data were collected through interviews, analyzing the Collective Subject Discourse for qualitative and quantitative data, which were treated descriptively. 57 workers participated. There was a predominance of females (82.5%). The general average age, regardless of gender, was 44.8 years. From the analysis of the Collective Subject Discourse, four themes emerged: i) workers' conceptions about people with Down Syndrome; ii) the perception of workers about the health of people with Down Syndrome; iii) comprehensive care for people with Down Syndrome and iv) (re) knowledge of the Multidimensional Rapid Assessment of the Elderly and the prospecting of health care for people with Down Syndrome. It was found that the care of people with Down Syndrome is still strongly linked to specialized services, that is, the relationship between these people and Primary Health Care is fragile, it is linked beyond their physical, cognitive and behavioral differences people.

Author Biographies

Rosane Seeger da Silva, Universidade Federal de Santa Maria

Possui graduação em Curso de Educação Especial pela Universidade Federal de Santa Maria (2006). Especialização em Educação Ambiental (2010) pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental/UFSM. Mestre em Gerontologia (2016) pelo Programa de Pós-Graduação em Gerontologia (PPGERONTO/UFSM). Doutorado em Distúrbios da Comunicação Humana (2020) pelo Programa de Pós-Graduação em Distúrbios da Comunicação Humana (PPGDCH/UFSM).

Fernanda dos Santos Pascotini, Universidade Federal de Santa Maria

Graduação em Fisioterapia pela Universidade Franciscana - UFN (2009), licenciada pelo Programa Especial de Graduação de Professores para a Educação Profissional - PEG - UFSM (2014). Especialização em Reabilitação Físico-Motora pela UFSM (2012) e especialista em Fisioterapia Respiratória pelo Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional - COFFITO (2012). Mestre em Distúrbios da Comunicação Humana - UFSM (2014) e Doutora em Distúrbios da Comunicação Humana - UFSM (2019).

Elenir Fedosse, Universidade Federal de Santa Maria

Graduada em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1984), com Mestrado (2000) e Doutorado (2008) em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Foi professora dos Cursos de Fonoaudiologia da Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP-SP, 1997-2007) e da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP-SP, 2005-2009). Desde 2009, é professora do Curso de Fonoaudiologia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM-RS), do Programa de Pós-graduação em Distúrbios da Comunicação Humana (Mestrado e Doutorado) e do Programa de Residência Multiprofissional Integrada em Sistema Público de Saúde (ênfase Atenção Básica/Vigilância em Saúde) da referida Universidade.

References

American Academy of Pediatrics Task Force on Sudden Infant Death Syndrome. (2005). The changing concept of sudden infant death syndrome: diagnostic coding shifts, controversies regarding the sleeping environment, and new variables to consider in reducing risk. Pediatrics, 116 (5), 1245-1255.

Aranha, M. S. F. (2001). Paradigmas da Relação da Sociedade com Pessoas com Deficiência. Brasília: Revista do Ministério Público do Trabalho, ano XI, 21,160- 173.

Bonamigo, A. W. & Rodrigues, P. V. P. (2009). Aspectos históricos e conceituais do programa saúde da família ao NASF. In: 17º Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 2009; out 21-24; Salvador. Rev Soc Bras Fonoaudiol. Supl Esp, 2382.

Brasil. (1997). Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação de Saúde da Comunidade. Saúde da família: uma estratégia para reorientação do modelo assistencial. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2006). Ministério da Saúde. Portaria nº 2.528 de 19 de outubro de 2006. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa [acesso em 2018 Jun 20]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006 prt2528_19_10_2006.html

Brasil. (2006). Ministério da Saúde. Secretária de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2008). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília. Disponível em: http://portal.mec.gov.br//arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 03/11/2019.

Brasil. (2008). Ministério da Educação. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Saúde da Pessoa Portadora de Deficiência. Série Legislações em Saúde. 1 ed. Editora Ministério da Saúde: Brasília (DF).

Brasil. (2008). Ministério da Saúde. Portaria nº 154 de 24 de janeiro de 2008. Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família - NASF. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2011). Decreto 7612 de 17 de novembro de 2011. Institui o Plano Nacional de Direitos da Pessoa com Deficiência - Plano Viver Sem Limites. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7612.htm. Acesso em:03/11/2019.

Brasil. (2012). Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução Nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2013). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de atenção à pessoa com Síndrome de Down / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – 1. ed., 1. reimp. – Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2015). Lei nº 13. 146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão de Pessoas com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília.

Campos, G. W. S. & Domitti, A. C. (2007). Apoio matricial e equipe de referência: uma metodologia para gestão do trabalho interdisciplinar em saúde. Cadernos de Saúde Pública, v. 23 (2), 339-407.

Canesqui, A. M. & Spinelli, M. A. S. (2006). Saúde da Família do estado do Mato Grosso, Brasil: perfis e julgamentos dos médicos e enfermeiros. Cad. Saúde Pública, 22 (9), 1881-1892.

Carvalho, C. L.; Ardore, M. & Castro, L. R. (2015). Cuidadores Familiares e o Envelhecimento da Pessoa com Deficiência Intelectual: Implicações na prestação de cuidados. Revista Kairós Gerontologia, 18 (3), 333-352.

Casarin, S. (2001). Os vínculos familiares e a identidade da pessoa com Síndrome de Down. Mestrado em Psicologia Clínica/PUC.

Cecílio, L. C. O. (2001). As necessidades de saúde como conceito estruturante na luta pela integralidade e equidade na atenção à saúde. In: Pinheiro, R. & Mattos, R. A (org.). Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: IMS-UERJ-ABRASCO.

Cecílio, L. C. O. & Merhy, E. E. (2003). A integralidade do cuidado como eixo da gestão hospitalar. In: Pinheiro, R. & Mattos, R. A. Construção da integralidade: cotidiano, saberes e práticas em saúde. Rio de Janeiro: IMS/ Abrasco.

Duncan, B. B., Chor, D., Aquino, E. M. L., Bensenor, I. M., Mill, J. G., Schimidt, M. I., Lotufo, P. A., Vigo, A. & Barreto, S. M. (2012). Doenças Crônicas Não Transmissíveis no Brasil: prioridade para enfrentamento e investigação. Rev Saúde Pública, 46 (1), 126-134.

Franco, T. B. & Magalhães Júnior, H. M. (2004). Integralidade na assistência à saúde: a organização das linhas do cuidado. In: MERHY, E. E. et al. (orgs). O trabalho em saúde: olhando e experienciando o SUS no cotidiano. 2. ed. São Paulo: HUCITEC.

Freire, R. C. L., Melo, S. F. & Hazin, I. (2014). Aspectos neurodesenvolvimentais e relacionais do bebê com Síndrome de Down. Av. Psicol. Latinoam, Bogotá, 32 (2), 247-259.

Giaccini, V., Tonial, A. & Mota, H. B. (2013). Aspectos de linguagem e motricidade oral observados em crianças atendidas em um setor de estimulação precoce. Distúrbios da comunicação, 25 (2), 253-265.

Giordani, J. M. A., Cezar, P. K., Campos, G., Kretzmman, F. G. & Kocourek, S. (2015). Características dos profissionais de saúde da família no atendimento de violência contra crianças e adolescentes. Rev. Enferm. UFSM, 5 (2), 316-326.

Girondi, J. B.R. & Santos, S. M. A. (2011). Deficiência física em idosos e acessibilidade na atenção básica em saúde: revisão integrativa da literatura. Rev. gaúcha enferm. Porto Alegre, 31 (2), 378-384.

Glasson, E. J., Dye, D. E. & Bittles, A. H. (2014). Os desafios triplos associados com comorbidades relacionadas à idade na síndrome de Down. J Intellect Disabil Res., 58, 393-398. doi: 10.1111 / jir.12026

Goulart, F. A. A. (2012). Doenças crônicas não transmissíveis: estratégias de controle e desafios e para os sistemas de saúde. Brasília: Ministério da Saúde.

Huber, J., Peres, V. C., Santos, T. J., Beltrão, L. F., Baumont, A. C., Cañedo, A. D., Schaan, B. D. & Pellanda, L. C. (2010). Cardiopatias congênitas em um serviço de referência: Evolução Clínica e Doenças Associadas. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, 94 (3), 333-338. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/abc/v94n3/09.pdf> Acesso em: 02/02/2020.

Lefevre, F. & Lefevre, A. M. C. (2000). Os novos instrumentos no contexto da pesquisa qualitativa. In: Lefèvre, F., Lefèvre, A. M. C. & Teixeira, J. J. V. organizadores. O discurso do sujeito coletivo: uma nova abordagem metodológica em pesquisa qualitativa. Caxias do Sul: EDUCS; 11-35.

Lopes, M. J. M., Soares, J. S. F. & Bohusch, G. (2014). Usuários portadores de deficiência: questões para a atenção primária de saúde. Revista Baiana de Enfermagem. Salvador, 28 (1). Disponível em: < https://portalseer.ufba.br/index.php/enfermagem/article/view/8496/8703>. Acesso em 03/11/2019.

Luiz, F. M. R., Bortoli, P. S., Floria-Santos, M. & Nascimento, L. C. (2008). A inclusão da criança com Síndrome de Down na rede regular de ensino: desafios e possibilidades. Rev. bras. educ. espec, 14 (3), 497-508. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.1590/S1413-65382008000300011.

Mângia, E. F. & Lancman, S. (2008). Núcleos de apoio à saúde da família: integralidade e trabalho em equipe multiprofissional. Rev Ter Ocup. 19 (2), i-i. https://doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v19i2pi-i

Marsiglia, R. M. G. (2011). Perfil dos trabalhadores da Atenção Básica em Saúde no município de São Paulo: região norte e central da cidade. Saúde Soc. São Paulo, 20 (4), 900-911.

Mattos, B. M. & Bellani, F. (2010). A importância da estimulação precoce em bebês portadores de síndrome de down: revisão de literatura. Revista brasileira de terapia e saúde, Curitiba, 1 (1), 51-53.

Mendes, E. V. (2012). O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação de estratégia da saúde da família. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.

Minayo, M. C. S. (2014). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14 ed. São Paulo: Hucitec.

Moeller, M. P., Eiten, L., White, K. & Shister, L. (2006). Strategies for Educating Physicians about Newborn Hearing Screening. Journal of the Academy of Rehabilitative Audiology, 39, 11-32.

Moraes, E. N. (2012). Atenção à saúde do Idoso: Aspectos Conceituais. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.

Neideck, R. L. P. & Queiroz, P. P. (2015). Perspectivas para o ensino de na saúde: do apagão educacional à política de educação permanente. Trabalho Educação e Saúde. Rio de Janeiro, 13 (1), 159-179.

Netto, M. P. & Brito, F. C. (2001). Urgências em Geriatria. Ed. Atheneu.

Nobrega-Therrien, S. M., Almeida, M. I. & Silva, M. G. C. (2008). Ensino de Enfermagem no Ceará de 1942- 1956: memória que projeta o futuro. Revista Brasileira de Enfermagem, 61 (1), 125-130. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script==sci_arttext&pid=S0034-71672008000100021. Acesso em 22/05/2020.

Novell, R., Nadal, M., Smilges, A., Pascual, J. & Pujol, J. (2010). Informe Seneca: Envejecimiento y discapacidad intelectual en Cataluña. Desc. Física. Recuperado em 15 maio, 2016, de: http://sid.usal.es/24881/8-4-2

Pastore, R., Rosa, L. D. & Homem, I. D. (2008). Relações de gênero e poder entre trabalhadores da área da saúde. In: Seminário Internacional Fazendo gênero-Corpo, Violência e Poder, 8. Florianópolis. Disponível em: <http://www.fazendogenero.ufsc.br/8/sts/ST25/Pastore-Rosa-Homem_25.pdf>. Acesso em: 24 jan. 2019.» http://www.fazendogenero.ufsc.br/8/sts/ST25/Pastore-Rosa-Homem_25.pdf

Pikora, T. J., Bourke, J., Bathgate, K., Foley, K.R., Lennox, N. & Leonard, H. (2014). Health conditions and their impact among adolescents and young adults with Down syndrome. PLoS One, 9 (5), e96868. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0096868

Pueschel, S. (2003). Causas da síndrome de Down. In: Pueschel, S. (Org.). Síndrome de Down: guia para pais e educadores. Campinas: Papirus.

Rachidi, N. & Lopes, C. (2008). Mental retardation and associated neurological dysfunctions in Down syndrome. A consequence of dysregulation in critical chromosome 21 genes and associated molecular pathways. European Journal of Paediatric Neurology, 12, 168-182. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1090379807001535

Resende, M. C., Azevedo, E. G. S., Lourenço, L. R., Faria, L. S., Alves, N. F., Farina, N. P., Silva, N. C. & Oliveira, S. L. (2011). Saúde mental e ansiedade em agentes comunitários que atuam em saúde da família em Uberlândia (MG, Brasil). Ciênc Saúde Coletiva, 16 (4), 2115-2122.

Ribeiro, S. F. R. & Martins, S. T. F. (2011). Sofrimento psíquico do trabalhador da saúde da família na organização do trabalho. Psicol Estud, 16 (2), 241-250. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722011000200007

Ribeiro, L. M. A., Jacob, C. M. A., Pastorino, A. C., Kim, C. A. E., Fomin, A. B. F. & Castro, A. P. B. M. (2003). Avaliação dos fatores associados a infecções recorrentes e / ou graves em pacientes com síndrome de Down. Jornal de Pediatria. Rio de Janeiro, 79, (2), 141-148. Disponível em: www.scielo.br/pdf/jped/v79n2/v79n2a09

Roizen, N. J. & Patterson, D. (2003). Down's syndrome. Lancet, 361 (9365), 1281-1289.

Saviani, D. (2009). Escola e Democracia. 41 ed. São Paulo: Autores Associados.

Silva, C. G., Sena, L. B., Rolim, I. L. T. P., Sousa, S. M. A. & Sardinha, A. H. L. (2017). Cuidados de enfermagem a pacientes com condições crônicas de saúde: uma revisão integrativa. Rev Pesqui Cuid Fundam, 9 (2), 599-605.

Sirena, S. A. (2002). Avaliação multidimensional do idoso: uma abordagem em atenção primária à saúde. 99 p. Tese (doutorado) - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002.

Valcarenghi, R. V., Lourenço, L. F. L., Siewert, J. S. & Alvarez, A. M. (2015). Produção científica da Enfermagem sobre promoção de saúde, condição crônica e envelhecimento. Rev Bras Enferm, 68 (4), 705-712.

Vello, L. S., Popim, R. C., Carazzai, E. M. & Pereira, M. A. O. (2014). Saúde do idoso: percepções relacionadas ao atendimento. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 18 (2), 330-335.

Watts, R. & Vyas, H. (2013). An overview of respiratory problems in children with Down's syndrome. Archives of Disease in Childhood, 98 (10), 812-817.

Wermelinger, M., Machado, M. H., Tavares, M. F. L., Oliveira, E. S., Moyses, N. N. & Ferraz, W. (2010). A força de trabalho do setor de saúde no Brasil: focalizando a feminilização. Revista Divulgação em Saúde para Debate, 45, 54-70.

Werneck, C. (2006). Ensaios pedagógicos. Brasília. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. 146p. III Seminário Nacional de Formação de Gestores e Educadores – Educação Inclusiva: direito à diversidade. Disponível em: http://dominiopublico.gov.br/download/texto/me4607.pdf. Acesso em 22/05/2020.

Wiseman, F. K., Al-Janabi, T., Hardy, J., Karmiloff-Smith, A., Nizetic, D., Tybulewicz, V. L. J., Fisher, E. M. C. & Strydom, A. (2015). A genetic cause of Alzheimer disease: Mechanistic insights from Down syndrome. Nature Reviews Neuroscience, 16 (9), 564-574. Doi: 10.1038/nrn3983

Published

24/07/2021

How to Cite

SILVA, R. S. da; PASCOTINI, F. dos S.; FEDOSSE, E. Health and aging of people with Down Syndrome: What workers in primary health care say . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e21510917901, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.17901. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/17901. Acesso em: 25 sep. 2021.

Issue

Section

Health Sciences