Background study on the prevalence of bovine rabies in the State of Rondonia and its distribution between 2009 and 2018

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.18038

Keywords:

Bovine rabies; Rondônia; Restrospective study; Neurological disease; Desmodus rotundus; Direct immunofluorescence.

Abstract

Herbivore rabies, mainly disseminated by the hematophagous bat Desmodus rotundus, which transmits through the bite the virus Rhabdoviridae, is one of the most affected neurological diseases in the Brazilian cattle herd. However, this article aims to carry out a retrospective study of rabies in herbivores in the state of Rondônia, Brazil, evaluating the data provided by the health defense agency os state from 2009 to 2018, in this period of time. direct immunofluorescence tests 1,005 animals, 47 of them positive results, equivalent to about 4.7% of the total cattle verified. Over time, it became clear that the number of animals tested was decreasing along with the number of positive animals for pathology, where in 2009 there were 15 cases with 106 tests and already in the next 3 years with out of 321 tests resulted in only 10 confirmations. This demonstrates the effectiveness of application of the national herbivore rabies control program.

References

Alves, A. L. et al. (2020). Raiva bovina: revisão. PUBVET, 14(7): 1-3.

Babboni, S. D. & Modolo, J. R. Raiva: Origem, Importância e Aspectos Históricos. UNOPAR Cientifica. Ciências Biológicas e da Saúde 2011;13(Esp):349-56.

Barroso, R. M. V. et al. (2018). Ocorrência de casos positivos de raiva em herbívoros na região rural de Colatina-Brasil nos anos de 2013 a 2015. REDVET, 19(1).

Brasil. (2002). Instrução Normativa n° 5, de 1° de março de 2002. Aprova as normas técnicas para o controle de raiva dos herbívoros domésticos, em conformidade com o anexo a esta instrução normativa. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, n. 42, Seção 1, 2002.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. (2010). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia de Vigilância Epidemiológica. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2018). Pecuária. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2018. Disponível em: <https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ro/pesquisa/18/16459>.

Carvalho, J. A. et al. (2009). Doenças Emergentes: uma Análise Sobre a Relação do Homem com o seu Ambiente. Revista Práxis, 1: 19-23.

Laredo, G. (2015) Morcego que dá raiva. Revista Globo rural. 2015. Disponível: <http://revistagloborural.globo.com/GloboRural/0,6993,EEC550250-2584,00.html>.

Lopes, A. G. (2010). Incidência da Raiva dos Herbívoros em Bovinos no Estado do Tocantins. In: VI SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFT. Palmas-TO. Anais. Palmas: UFT. 1 CDROM.

MAPA. (2009). Programa Nacional de Controle da Raiva dos Herbívoros. Manual de Legislação – Programas Nacionais de saúde animal do Brasil, 2009. p. 144. Disponível em: .

Megid, J. et al. (2016). Doenças infecciosas em animais de produção e de companhia. Rio de Janeiro: Roca. 799-821 p.

Monike S. O. et al. (2013). FREQUÊNCIA DA RAIVA EM HERBÍVOROS E HUMANOS NO ESTADO DO TOCANTINS DE 1999 A 2010: RELATÓRIO TÉCNICO. Acta Veterinaria Brasilica, 7(3): 180-183.

OIE. Organização Mundial de Saúde Animal. Disponível em: <http://www.oie.int.>. Acesso em: 12 de agosto de 2019.

Rondônia (2017). Rebanho bovino ultrapassa 14 milhões de cabeças em Rondônia. Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril, 2017. Disponível em: <http://www.rondonia.ro.gov.br/rebanho-bovino-ultrapassa-14-milhoes-de-cabecas-em-rondonia/>.

Ribeiro, T. M. P. et al. (2018). Casos notificados de raiva em bovinos na região norte no período de 2005-2017. Jornal Interdisciplinar de Biociências, 3(1).

Ribeiro, T. M. P. (2017). Casos e Focos de Raiva e Brucelose em Bovinos (Bos taurus) registrados em Roraima no Período 2008-2016. Bol. Mus. Int. de Roraima., 11(2): 49-54.

Santos, G. B. (2018). RAIVA BOVINA: REVISÃO DE LITERATURA. 24f. Dissertação para conclusão de curso. Universidade Federal do Rio Grande do Sul – Faculdade de Veterinária, Porto Alegre.

Silva, E. M. C. et al. (2019). Estudo retrospectivo da raivia em herbívoros e animais silvestres no estado do Maranhão. ARS VETERINARIA, 35(2): 056¬¬–062.

Teixeira, L. H. M. et al. (2015). DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DOS DIAGNÓSTICOS LABORATORIAIS DA RAIVA ANIMAL. Cienc. anim. bras. 16(1): 144-157.

Tocantins. (2011). Agência de Defesa Agropecuária do Tocantins. Portaria n.94, de 13 de abril de 2011. Torna recomendável a vacinação contra raiva nos municípios de maior risco no Tocantins a partir de maio de 2011. Diário Oficial do Estado do Tocantins, Palmas, TO, n. 3.363 de 15/04/2011, p. 63.

Published

28/07/2021

How to Cite

LOPES, T. V. .; SOUZA, J. G. da S. G. de .; URTIGA, D. G. C. .; COSTA, L. B. da S. .; VIRGOLINO, M. S. .; SCHONS, S. de V. .; SOUZA, F. A. . Background study on the prevalence of bovine rabies in the State of Rondonia and its distribution between 2009 and 2018. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e35510918038, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.18038. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18038. Acesso em: 28 oct. 2021.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences