Exploratory analysis of data generated by the official forensic investigation units of the state of Rio de Janeiro: Applications and challenges

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.18327

Keywords:

Criminal forensics; Medical legal expertise; Forensic police; Police metrics; Police investigation.

Abstract

The development of consistent information on the production of forensic exams is essential for the diagnosis and strategic planning of official forensic investigation units. The objective of this work was to outline some methodological strategies for the use of data produced by the forensic investigation units. Through a time series we sought to highlight the bottlenecks that hinder data consolidation. On the other hand, it was intended to point out ways for the construction of indicators that allow the adequate allocation of human and material resources and the integrated analysis of the police investigation with the work of the forensic scientists. The time series of requests for expert examinations were analyzed, as well as the types of exams carried out by the criminal and medical forensic units of the state of Rio de Janeiro from July 2013 to July 2016. These data were compared with official state criminal data. The results indicate the need to adjust the spatial organization of the forensic investigation units in line with the organization established for the other public security units in Rio de Janeiro. In addition, very different spatial and temporal dynamics were observed for the forensic investigations units and between the forensic medical unit and the criminal expertise unit. It was also noted the need to use crime data generated by the police stations to understand the demand for forensic investigations units.

Author Biography

Alexandre Giovanelli, Instituto de Pesquisa e Perícia em Genética Forense

Departamento de Polícia Técnico-Científica / SEPOL / RJ

References

Andrade, F. R. & Antunes, J. L. F. (2019). Tendência do número de vítimas em acidentes de trânsito nas rodovias federais brasileiras antes e depois da Década de Ação pela Segurança no Trânsito. Cad. Saúde Pública, 35(8), e00250218.

Belluco, C. G. (2012). Indicadores de produtividade aplicados à criminalística da Polícia Federal. Dissertação de Mestrado - FGV, RJ, 89p.

Borges, D. & Dirk, R. (2006). Compreendendo os Dados de Violência e Criminalidade. In: Miranda, A. P. M., Teixeira, P. A. S. & Correa, R. M. (organizadores). Polícia e Comunidade: Temas e Desafios na Implantação de Conselhos Comunitários de Segurança. Coleção Instituto de Segurança Pública. Rio de Janeiro: Instituto de Segurança Pública.

Brasil (1941). Código de Processo Penal, “Capítulo II - Do exame do corpo de delito, e das perícias em geral. Decreto-Lei nº 3.689 de 03 de outubro de 1941. Diário Oficial da União. Brasília.

Brasil. SENASP/MJ. (2013). Diagnóstico da Perícia Criminal no Brasil. Figueiredo, I. S. & Pareschi, A. C. C. (Organização e revisão), Brasília: Ministério da Justiça, 124p.

Cano, I. & Duarte, T. L. (2010). A mensuração da Impunidade no Sistema de Justiça Criminal do Rio de Janeiro. Coleção Segurança com Cidadania: Pesquisas Aplicadas em Segurança Pública, SENASP/MJ, 2, 9-44.

Costa; A. T. M. & Oliveira Júnior, A. (2016). Novos padrões de investigação policial no Brasil. Revista Sociedade e Estado, 31(1).

Gil, A.C. (2017). Como elaborar projetos de pesquisa. Editora Atlas S.A.

Giovanelli, A. & Garrido, R. G. (2011). A perícia criminal no Brasil como instância legitimadora de práticas policiais inquisitoriais. Revista LEVS, 7, 5-24.

Giovanelli, A. & Souza, E. R. (2005). Informação da polícia técnica: paradoxo entre a relevância e o descaso. Revista Rio de Janeiro, 12, 39-53.

Hammer, Ø., Harper, D. A. T. & Ryan, P.D. (2001). PAST: Paleontological statistics software package for education and data analysis. Palaeontologia Electronica, 4(1), 1-9.

Kahn, T. (2014). Modelos de estruturação das atividades de polícia técnica e de perícia no Brasil. Rev. Bras. Segurança Pública São Paulo, 8(2), 198-217.

Lima, R. K. & Mouzinho, G. M. P. (2016). Produção e reprodução da tradição inquisitorial no Brasil: Entre delações e confissões premiadas. Revista Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, 9(3), 505-529.

Lima, R. K. (2019). A polícia da cidade do Rio de Janeiro: seus dilemas e paradoxos. ed. Amazon.

Medeiros, F. (2016). “Matar o morto”: uma etnografia do Instituto Médico-Legal do Rio de Janeiro. Niterói: EdUFF, 221p.

Medeiros, F. (2020). Políticas de Perícia Criminal na Garantia dos Direitos Humanos. Relatório sobre a autonomia da Perícia Técnico-Científica no Brasil. Relatório Instituto Vladimir Herzog / Friedrich Ebert Stiftung, 32p.

Miranda, A. P. M., Oliveira, M. B. & Paes, V. F. (2010). A Reinvenção da “Cartorialização”: análise do trabalho policial em registros de ocorrência e inquéritos policiais em “Delegacias Legais” referentes a homicídios dolosos na cidade do Rio de Janeiro. Coleção Segurança com Cidadania: Pesquisas Aplicadas em Segurança Pública, SENASP/MJ, 4, 119-152.

Misse, M. (2010). O inquérito policial no Brasil – Uma pesquisa empirica. Rio de Janeiro, Booklink Publicações Ltda, 474p.

Misse, M., Giovanelli, A., Nepomuceno, D. & Medawar, C. E. (2009). Avaliação da formação e da capacitação profissional dos peritos criminais no Brasil. Coleção Segurança com Cidadania: Pesquisas Aplicadas em Segurança Pública, SENASP/MJ, 1, 127-158.

Misse, M., Silva, K. A., Giovanelli, A., Siqueira, D. S. & Nepomuceno, D. (2013). Fluxo do trabalho de perícia nos processos de homicídio doloso no Rio de Janeiro. Coleção Pensando a Segurança Púbica: Homicídios no Brasil: registro e fluxo de informações, SENASP/MJ, 1, 195-276.

Pereira, A.S., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J., &Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica. UFSM.

Platero, K. A. S. & Vargas, J. D. (2017). Homicídio, suicídio, morte acidental... ´O que foi que aconteceu? Revista Dilemas: Revista de Estudos de Conflito e Controle Social, 10(3), 621-641.

Rangel, V. (2017). Os cinco sentidos da cocaína: saberes, hierarquias e controles sobre o uso e a manipulação do pó entre consumidores e peritos criminais. Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal Fluminense, Niterói.

Ribeiro, L. & Lima, F. M. (2020). Será que vai virar processo? Determinantes da elucidação dos homicídios dolosos em uma cidade brasileira. Opin. Publica, 26(1).

Rodrigues, C. V., & Toledo, J. C. (2017). A medição de desempenho no serviço de Perícia Criminal: proposição e aplicação em uma unidade pericial. Rev. Bras. Segur. Pública, São Paulo, 11(1), 184-206.

Zaverucha, J. (2003). Polícia Civil de Pernambuco: o desafio da reforma. Editora Universitária UFPE.

Published

01/08/2021

How to Cite

GIOVANELLI, A. Exploratory analysis of data generated by the official forensic investigation units of the state of Rio de Janeiro: Applications and challenges. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e49410918327, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.18327. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18327. Acesso em: 25 sep. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences