Integral education an inclusive school: froom the perspective of the human training cycle

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.18349

Keywords:

Teaching; Teaching, time-space, integral education, right of learning.; Time-space; Integral education; Right of learning.

Abstract

This article consists of an outline of the Master's research of the PPGEn Program, UNIC-IFMT, in a partial process, which addresses the cycle of human formation in the municipal education network of Cuiabá and the relationship with the Common National Curricular Base. The main objective was to understand the fragmentation process and the existing disruptions in the development of teaching-learning practices. In this sense, the study consisted of a participatory research, where an interview script was established, which was used as an instrument for data analysis. The interviews were with teachers from elementary school I. Three schools in Cuiabá were part of the research. The investigation went on to unveil the ruptures and fragments existing within the human formation cycle, in the theoretical and practical aspects, of the teacher's previous knowledge, analyzing the curriculum in relation to the cultural and social reality of the student, within a time-space. Therefore, this research aimed to understand, as the teaching-learning process takes place, in the respective interviewed schools, respecting their right to learning, thus attending an integral education, supported by the BNCC. It is known that this individual is part of a plurality, which must be introduced in the teaching-learning process, making this knowledge meaningful and pleasurable. The partial results of the research show that the teacher's pedagogical practice needs to be better understood in the time-space that the student is inserted in, this process needs a reflection in relation to the different levels in the classroom, respecting the time-space of the subject of the pedagogical action, in an integral construction.

Author Biography

Cilene Maria Lima Antunes Maciel, Universidade de Cuiabá

Coordenadora do mestrado em Ensino da Universidade de Cuiabá

References

Alarcão, I. (2001). Escola reflexiva e nova racionalidade. Artmed.

Arroyo, G. M. (2007). Indagações sobre o currículo: Educandos e Educadores: seus direitos e o currículo. (Org.) Janete B, Sandra D. Pagel, Aricélia do Nascimento. Mistério da Educação, SEB.

Arroyo, G. M. (1999). Ciclo de desenvolvimento humano e formação de educadores. Educação & Sociedade. 20(68), 143-161.

Arroyo, M. G. (2011). Educador em diálogo com nosso tempo. Autêntica.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. Tradução: Luís Augusto Pinheiro. Edições 70.

Bogdan, R. C & Biklen, S. K. (1994). Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto Editora.

Brandão, C. R. (1999). Pesquisa participante. Ed. Brasiliense.

Brasil. (2017). Base Nacional Comum Curricular. Material de Referência Pedagógica: Educação Infantil, e Ensino Fundamental. presidência da república.

Brasil. Lei nº 11.274, de 06 de fevereiro de 2006. Altera a redação dos artigos 29, 30,32 e 87 da lei n. 9.394/1996.Sitehttp//www.planalto.gov.br/ccivil-03/-Ato2011 2014/2013/Lei/L12852.htmAndgt; Acesso em 11 de jan. 2020.

Brasil. (2016) [Constituição (1988) ] Constituição da República Federativa do Brasil: texto 112 constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988. Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas.

Brasil. (2013). Diretrizes Curriculares Nacional da Educação Básica: Material de Referência Pedagógica: Educação Básica. Brasília: MEC.

Capra, F. (2006). O Ponto de Mutação. Tradução: Álvaro Cabral. Cultrix.

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa. Atlas.

Gomes, N. L. (2008). Indagações sobre Currículo: Diversidade e Currículo. (Org.) Janete B, Sandra D. Pagel, Aricélia do Nascimento. Brasília: Mistério da Educação, SEB.

Lima, E S. (1998). Escola em Ciclo de Formação: uma reorganização do tempo escolar.

Mato Grosso, (2000). Escola Ciclada de Mato Grosso: novos tempos e espaços para ensinar- aprender a sentir, ser e fazer. SEDUC.

Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB no 4/2008, de 20 de fevereiro de 2008. Orientação sobre os três anos iniciais do Ensino Fundamental de nove anos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 10 jun. 2008a.

Minayo, M. C. de S. (2011). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Vozes.

Perrenoud, P. (2008). Dez novas competências para ensinar. Tradução: Patrícia Chittoni Ramos. Artmed.

Pimenta, S. G. (2012). Saberes Pedagógicos e Atitudes Docentes. Cortez.

Políticas Educacionais da Secretaria de Educação de Cuiabá. (2019). Escola Cuiabana: cultura, tempos de vida, direitos de aprendizagem e inclusão.

Sacristan, José G. (2017). O currículo: uma reflexão sobre a prática. (Trad. Ernani F. da Fonseca Rosa. Penso.

Tardif, M. (2014). Saberes docentes e Formação Profissional. Vozes

Wallon, H. (2007). A evolução psicológica da criança. Martins Fontes.

Published

03/08/2021

How to Cite

CAMPOS, V. P. S. .; MACIEL, C. M. L. A. . Integral education an inclusive school: froom the perspective of the human training cycle. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e58110918349, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.18349. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18349. Acesso em: 21 oct. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences