Understanding the factors that influence the supply of food for children from zero to five years from the mother's perspective

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i9.18533

Keywords:

Breastfeeding; Child obesity; Infant food; Nutritional status.

Abstract

Objective: to understand the factors that influence the provision of food to children aged zero to five years from the perspective of mothers. Method: a descriptive and exploratory study was carried out, with a qualitative approach, involving 16 mothers. The data resulting from the interviews were organized using the Atlas ti software and submitted to content analysis. Results: Among the mothers in the study, 62.5% received information in prenatal care about the importance of breastfeeding; 56.2% said they had not participated in lectures on breastfeeding and 75% responded that the child did not breastfeed in the 1st hour of life. The meanings of the messages and concepts learned were organized into three categories: Breastfeeding - its particularities and its determinants; Beginning of Complementary Food and its modalities; and The Covid-19 pandemic, as an influence on children's eating routine. Conclusion: there was a multiplicity of factors that determine the diet of children aged 0 to 5 years. Mothers express the desire to breastfeed, but this is not a fixed social role, requiring many adjustments to reality, ranging from maternal and child problems, context and legal issues, health professionals' attitude and organization of services and even more as broad as the Covid pandemic 19. As these are diverse situations and constant changes, mothers must be supported in the process of breastfeeding/feeding their children by a team of prepared professionals, which implies the need that basic health units have to be certified in the Amamenta Alimenta Brasil Strategy.

Author Biographies

Emmanuela Lira Pereira, Universidade Estadual da Paraíba

Mestre em Saúde Pública pela Universidade Estadual da Paraíba – UEPB. Graduada em Enfermagem pelo Centro Universitário UNIFACISA. Especialista em enfermagem obstétrica, pediatria e neonatologia pela Faculdade Nossa Senhora de Lourdes. Atualmente é membro do Núcleo de Pesquisas e Pesquisas Epidemiológicas da Universidade Estadual da Paraíba (NEPE).

Carla Campos Muniz Medeiros, Universidade Estadual da Paraíba

Graduação em Medicina pela Universidade Estadual de Pernambuco (1986-1991), residência médica em pediatria e endocrinologia pediátrica pela FCM-UNICAMP (1992- 1996), mestrado(1998) e doutorado(2005) em Saúde da Criança e do Adolescente pela FCM-UNICAMP), especialização em Nutrologia pela Santa Casa de Misericórdia (2012). Foi Preceptora da residência médica em pediatria e endocrinologia geral da Universidade Federal de Campina Grande (2003-2007). Atualmente é professora Associada A da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Orientadora dos Programas de Pós-Graduação do mestrado em Saúde Pública da UEPB e do mestrado associado em enfermagem UPE/UEPB. Possui os títulos de Especialista em Pediatria pela SBP e em Endocrinologia Pediátrica pela SBP e SBEM. Pesquisadora do Núcleo de Estudos em Pesquisas Epidemiológias (NEPE) e líder do Grupo de pesquisa em Doenças Metabólicas (GEDOM). É coordenadora do Centro de Obesidade Infantil, serviço de referência em atendimentos a crianças e adolescentes com sobrepeso ou obesidade. Revisora da Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, Genes and Nutrition e do Journal of Nursing UFPE online. Membro associado da Sociedade Brasileira de Pediatria, Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Associação Brasileira de Estudos para Obesidade e da Síndrome Metabólica. Desenvolve estudos nas linhas de pesquisas obesidade e suas co-morbidades, síndrome metabólica, risco cardiovascular.

Ricardo Alves de Olinda, Universidade Estadual da Paraíba

Possui graduação em Estatística pela Universidade Estadual da Paraíba, mestrado em Estatística e Experimentação Agropecuária pela Universidade Federal de Lavras (2008) e doutorado em Estatística e Experimentação Agronômica pela Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" (2012). Atualmente é professor associado do Departamento de Estatística, professor do quadro permanente do Mestrado em Saúde Pública da Universidade Estadual da Paraíba, professor do quadro permanente do Mestrado em Gestão e Tecnologia Ambiental da Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT, Câmpus de Rondonópolis, foi membro do Grupo de Estudos em Seguros e Riscos GESER da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, atuou no núcleo de modelagem quantitativa. Revisor dos periódicos: Revista Ciência Agronômica (UFC. On-line), Revista de Economia e Sociologia Rural (Impresso), Revista Agroambiente (UFRR. On-line), Revista Brasileira de Parasitologia Veterinária (RBPV), Revista Ciência e Natura, Revista Principia e Revista Brasileira de Biometria (RBB). Líder do grupo de pesquisa estatística aplicada e computacional da Universidade Estadual da Paraíba. Tem experiência na área de Probabilidade e Estatística, com ênfase em Estatística Aplicada, atuando principalmente nos temas de estatística espacial, extremos espaciais, teoria de valores extremos, planejamento e análise estatística de experimentos e estatística multivariada.

Danielle Franklin de Carvalho, Universidade Estadual da Paraíba

Farmacêutica graduada pela Universidade Estadual da Paraíba - UEPB (2001) com habilitação em Análises Clínicas (2002) e Mestre em Saúde Coletiva (2006) pela mesma Instituição. Doutora em Saúde da Criança e do Adolescente pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE (2011), onde foi professora do Departamento de Medicina Social (2010-2011). Atualmente, na UEPB, é professora Doutora nível D; coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública; coordenadora e pesquisadora do Núcleo de Estudos, Extensão e Pesquisas em Epidemiologia (NEPE); professora do Mestrado Profissionalizante em Saúde da Família (em parceria com a FIOCRUZ) e membro do Grupo de Estudos em Doenças Metabólicas (GEDOM), vinculado ao Centro de Obesidade Infantojuvenil (COI), criado por parceria entre a UEPB e a Secretaria de Saúde do Município de Campina Grande-PB. É, ainda, membro da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (ABRASCO) e pesquisadora do "Grupo de Estudos e Pesquisas em Políticas e Gestão de Serviços de Saúde (GEPPGESS)", vinculado à Universidade Federal de Campina Grande. Atua como revisora da Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil (IMIP), do Jornal de Pediatria, da Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, da Revista Paulista de Pediatria, da Scientia Plena e do British Journal of Pharmaceutical Research; e como consultora ad hoc do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico/Ministério da Saúde (CNPq/MS) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Tocantins. Já desempenhou atividades profissionais como farmacêutica, analista clínica e docente de cursos técnicos na área de saúde, bem como prestou consultoria ao Departamento de Ciência e Tecnologia (DECIT) - Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) e Ministério da Saúde (MS)

Maria Cidney da Silva Soares, Faculdade de Ciências Médicas de Campina Grande

Possui Doutorado e Mestrado em Enfermagem pelo Programa de Pós graduação em Enfermagem da Universidade Federal da Paraíba (PPGENF/UFPB). Especialização em Docência do ensino superior, Saúde Pública, Ginecologia, Obstetrícia e Saúde do adulto. Graduada e Licenciada pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Atualmente é coordenadora e professora do curso de enfermagem do Centro Universitário UNIFACISA Campina Grande. Enfermeira uteísta da Secretaria de Saúde do estado de Pernambuco (atuando na Maternidade Jesus Nazareno no centro cirúrgico e SRPA obstétrico). Atuando nas seguintes áreas: Semiologia e Semiotécnica em Enfermagem, Centro Cirúrgico e SRPA, Obstetricia e Violência contra mulher.

Cláudia Santos Martiniano, Universidade Estadual da Paraíba

Possui graduação em Enfermagem (Bacharelado e Licenciatura) pela Universidade Estadual da Paraíba (1994). Especialista em Saúde da Família (UEPB). Especialista em Pediatria e Puericultura (UEPB). Mestrado em Saúde Coletiva (UEPB/2006). Doutorado em Ciências da Saúde pela Universidade do Rio Grande do Norte. É professora efetiva do Departamento de Enfermagem da UEPB. É uma das líderes do Grupo de Pesquisa, Estudos e Assessoria em Políticas e Programas de Saúde e pesquisadora do Grupo de Estudos em Saúde Coletiva (UFRN). É Professora efetiva do Mestrado em Saúde Pública da UEPB e do Programa Associado de Pós-Graduação em Enfermagem UPE/UEPB. Participou como pesquisadora na Avaliação Externa do Programa de Melhoria do Acesso e da Qualidade na Atenção Básica (PMAQ-AB/UFRN 2012-2019), do Ministério da Saúde, nos Estados do Rio Grande do Norte e Ceará e no Programa Nacional de Avaliação dos Serviços de Saúde (PNASS- UFRN) em estados do nordeste brasileiro. Atuou como Chefe do departamento de Enfermagem/UEPB de 2018 a 2021. Atualmente é Diretora Adjunta do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS/UEPB). Atua principalmente nos seguintes temas: política social, saúde coletiva, Saúde da Família, avaliação de programas de saúde e com as questões relacionadas à formação/profissão da Enfermagem, prescrição de medicamentos por enfermeiros.

Mônica Oliveira da Silva Simões, Universidade Estadual da Paraíba

Possui graduação em Farmácia e Bioquímica pela Universidade Estadual da Paraíba (1986), graduação em Licenciatura Plena Em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual da Paraíba (1990), mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos pela Universidade Federal da Paraíba (1996), doutorado em Produtos Naturais e Sintéticos Bioativos pela Universidade Federal da Paraíba (2003) e Pós-Doutorado na Universidade de São Paulo, USP (2014), nas grandes áreas: ciências da saúde, grande área: ciências biológicas / área: farmacologia, grande área:ciências biológicas / área: bioquímica. Atualmente é professor Doutor Associado nível B da Universidade Estadual da Paraíba, nas disciplinas de bioquímica básica e bioquímica metabólica na graduação e políticas públicas no mestrado de Saúde Pública e farmacocinética avançada no mestrado de Ciências Farmacêuticas. Líder do grupo de pesquisa em Assistência Farmacêutica. Tem experiência na área de Farmácia, com ênfase em Farmácia, atuando principalmente nos seguintes temas: reações adversas,bioensaios farmacológicos, controle de qualidade, uso racional de medicamentos, desenvolvimento de medicamentos e plantas medicinais, farmacovigilância , interações medicamentosas, assistência farmacêutica, medicamentos essenciais na atenção básica. Na área da Saúde Coletiva, tem experiência em Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCTN), Pesquisadora do Núcleo de Estudos em Pesquisas Epidemiológias (NEPE) e pesquisadora do Grupo de pesquisa em Doenças Metabólicas (GEDOM).

References

Abarca, G. L., Abdeen, Z. A., Hamid, Z. A., Abu-Rmeileh, N. M., Acosta-Cazares, B., Acuin, C., & Cho, Y. (2017). Worldwide trends in body-mass index, underweight, overweight, and obesity from 1975 to 2016: a pooled analysis of 2416 population-based measurement studies in 128· 9 million children, adolescents, and adults. The lancet, 390(10113), 2627-2642.

Alpino, T. D. M. A., Santos, C. R. B., Barros, D. C. D., & Freitas, C. M. D. (2020). COVID-19 e (in) segurança alimentar e nutricional: ações do Governo Federal brasileiro na pandemia frente aos desmontes orçamentários e institucionais. Cadernos de Saúde Pública, 36, e00161320.

Barbosa, D. J., Vasconcelos, T. C., & Gomes, M. P. (2020). Fatores que interferem no aleitamento materno exclusivo durante os primeiros seis meses de vida do bebê. Revista Pró-UniverSUS, 11(1), 80-87.

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. Tradução: Luiz Antero Beto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edição 70.

Benvindo, V. V., Dutra, Á. A., de Souza Menenguci, M. A., Almeida, N. A. V., Rodrigues, A. H., & Cardoso, P. C. (2019). Indicadores de saúde e nutrição de crianças menores de dois anos de idade: uma realidade para a implantação da Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil na atenção básica de Governador Valadares-MG. Demetra: Alimentação, Nutrição & Saúde, 14, 43464.

Bogea, E. G., Martins, M. L. B., Carvalho, W. R. C., Arruda, S. P. M., França, A. K. T. D. C., & Silva, A. A. M. D. (2019). Padrões alimentares de crianças de 13 a 35 meses de idade e associação com características maternas. Cadernos de Saúde Pública, 35, e00072618.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Promoção da Saúde. (2019). Guia alimentar para crianças brasileiras menores de dois anos. Brasília: Ministério da Saúde. http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/guia_da_crianca_2019.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva do Conselho Nacional de Saúde. Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. (2021). Ofício Circular Nº 2/2021. Brasília. http://conselho.saude.gov.br/images/Oficio_Circular_2_24fev2021.pdf.

Carvalho, C. A. D., Fonseca, P. C. D. A., Nobre, L. N., Silva, M. A., Pessoa, M. C., Ribeiro, A. Q., ... & Franceschini, S. (2020). Fatores associados aos padrões alimentares no segundo semestre de vida. Ciência & Saúde Coletiva, 25, 449-459.

ENANI. (2019). https://enani.nutricao.ufrj.br/

Fernandes, R. C., & Höfelmann, D. A. (2020). Intenção de amamentar entre gestantes: associação com trabalho, fumo e experiência prévia de amamentação. Ciência & Saúde Coletiva, 25, 1061-1072.

Florencio, A., Sand, I. C. P. V. D., Cabral, F. B., Colomé, I. C. D. S., & Girardon-Perlini, N. M. O. (2012). Sexualidade e amamentação: concepções e abordagens de profissionais de enfermagem da atenção primária em saúde. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 46, 1320-1326.

Fontanella, B. J. B., Ricas, J., & Turato, E. R. (2008). Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cadernos de saúde pública, 24, 17-27.

Giesta, J. M., Zoche, E., Corrêa, R. D. S., & Bosa, V. L. (2019). Associated factors with early introduction of ultra-processed foods in feeding of children under two years old. Ciência & Saúde Coletiva, 24, 2387-2397.

Giordani, R. C. F., Piccoli, D., Bezerra, I., & Almeida, C. C. B. (2018). Maternity and breastfeeding: identity, body and gender. Ciência & Saúde Coletiva, 23, 2731-2739.

Gurgel, A. D. M., Santos, C. C. S. D., Alves, K. P. D. S., Araujo, J. M. D., & Leal, V. S. (2020). Estratégias governamentais para a garantia do direito humano à alimentação adequada e saudável no enfrentamento à pandemia de Covid-19 no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 25, 4945-4956.

Leite, G. D. O., Martins, F. D. P., França, M. S. D., Ângelo, B. H. D. B., Vasconcelos, M. G. L. D., & Pontes, C. M. (2016). Women's social representations of the smell of breast milk. Escola Anna Nery, 20.

Lopes, W. C., Pinho, L. D., Caldeira, A. P., & Lessa, A. D. C. (2020). Consumption of ultra-processed foods by children under 24 months of age and associated factors. Revista Paulista de Pediatria, 38.

Melo, N. K. L., do Carmo Antonio, R. S., Passos, L. S. F., & Furlan, R. M. M. M. (2021). Aspectos influenciadores da introdução alimentar infantil. Distúrbios da Comunicação, 33(1), 14-24.

Minayo, M. C. S. (Org). (2011). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 19. Petrópolis: Vozes.

Nóbrega, V. C. F. D., Melo, R. H. V. D., Diniz, A. L. T. M., & Vilar, R. L. A. D. (2019). As redes sociais de apoio para o Aleitamento Materno: uma pesquisa-ação. Saúde em Debate, 43, 429-440.

Strapasson, M. R. (2018). Associações entre aleitamento materno e hipertensão gestacional. Tese (Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Medicina. Porto Alegre – RS.

Vandevijvere, S., De Ridder, K., Fiolet, T., Bel, S., & Tafforeau, J. (2019). Consumption of ultra-processed food products and diet quality among children, adolescents and adults in Belgium. European journal of nutrition, 58(8), 3267-3278.

Verticchio, D. F. R., & de Melo Verticchio, N. (2020). The impacts of social isolation about changes of eating behavior and weight gain during the COVID-19 pandemic in Belo Horizonte and metropolitan region, State of Minas Gerais, Brazil. Research, Society and Development, 9(9), e460997206-e460997206.

Viuniski. N. (2019). Obesidade Infantil: guia prático. 3. Porto Alegre: Criação Humana.

Wagner, L.P.B., Mazza, V.A., Souza, R. R. K., Chiesa, K., Lacerda, M. R., & Soares, L. (2020). Strengthening and weakening factors for breastfeeding from the perspective of the nursing mother and her family. Rev. Esc. Enferm. USP. 54.

WHO. (2019). Guideline development group meeting on complementary feeding of infants and children. https://www.who.int/news-room/events/detail/2019/12/02/default-calendar/who-guideline-development-group-meeting-on-complementary-feeding-of-infants-and-children

Published

01/08/2021

How to Cite

PEREIRA, E. L. .; MEDEIROS, C. C. M. .; OLINDA, R. A. de; CARVALHO, D. F. de; SOARES, M. C. da S. .; MARTINIANO, C. S. .; SIMÕES, M. O. da S. Understanding the factors that influence the supply of food for children from zero to five years from the mother’s perspective. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 9, p. e56210918533, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i9.18533. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18533. Acesso em: 26 sep. 2021.

Issue

Section

Health Sciences