Quantitative losses and quality of cotton: influence of delayed harvest and insertion of the boll on the plant

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i10.18781

Keywords:

Fiber yield; Fiber strength; Micronaire index; Preharvest losses.

Abstract

The harvest is one of the most important processes in the cotton production chain, since it is the period of greatest exposure to bad weather, dust, and deposition of leaf particles and other materials, which can cause a reduction in fiber quality and lead to lint loss if harvesting is delayed. Thus, the objective of this study was to evaluate the quantitative pre-harvest losses and the fiber quality of two cotton cultivars (FM 944GL e TMG 81 WS), as a function of the delay in harvest and the position of the boll on the plant. The pre-harvest losses were measured in three stages, the first at the moment considered ideal for harvesting, followed by two other harvest stages later, configuring delays. The fiber quality was determined according to the insertion of the boll on the plant: upper, middle, and lower thirds. The analyses of the fiber characteristics were performed at COOAMI's Fiber Classification Laboratory using the HVI apparatus. Delayed harvesting increased quantitative losses in soil during pre-harvest and of impurity particles in the fiber, and reduced elongation, micronaire index, and color grade. The cultivar FM 944GL showed better performance in most of the fiber quality characteristics. Finally, the upper third on the plant showed better quality.

References

ADVFN (2019). Algodão. https://br.advfn.com/commodities/algodao.html

ANEA, Associação nacional dos exportadores de algodão. (2018). Tabela de Ágio e Deságio. http://www.aneacotton.com.br/pt-br/servicos/agio-e-desagio.

Bachelier, B., & Gourlot, J. P. (2018). A fibra de algodão: origem, estrutura, composição e caracterização. In Bélot, J. L., Manual de qualidade da fibra da Ampa. (p. 28-57). IMAmt, AMPA.

BASF. FM 944GL, 2019. https://agriculture.basf.com/br/pt/protecao-de-cultivos-e-sementes/produtos/fibermax/variedades-fibermax/FM-944GL.html

Bélot, J. L., Vilela, P. M. C. A., Galbieri, R., & Dutra, S. (2017). Variedades comerciais e pré-comerciais de algodão para o Mato Grosso: síntese de resultados agronômicos e de qualidade de fibra obtidos pelo IMAmt até a safra 2015/16. Circular Técnica 28, 1-24. http://sites.unoeste.br/gea/wp-content/uploads/2018/09/28-Qualidade-da-fibra-e-produtividade-cultivares-15-16.pdf

Bélot, J. L., & Marquié, C. (2006). Novos usos podem aumentar importância do caroço. Revista Visão Agrícola, 6, 112-114.

Brasil. (2009). Regras para análise de sementes. Brasília, Brasil: Ministério da Agricultura. Departamento Nacional de Produção Vegetal.

Brasil. (2002). Instrução Normativa nº 63, de 5 de dezembro de 2002. Aprova o Regulamento técnico de Identidade e de Qualidade para a Classificação do Algodão em Pluma. DOU, 6/12/2012, Seção 1, 6-8.

Carvalho, L. P., Farias, F. J. C., Morello, C. L., Rodrigues, J. I. S., & Teodoro, P. E. (2015). Agronomic and technical fibers traits in elite genotypes of cotton herbaceous. African Journal of Agricultural Research, 10, 4882-4887. 10.5897/AJAR2015.10515

Carvalho, J. T. (2013). Colheita: operação eficaz para qualidade de fibra. Amipa. Informativo Técnico 22.

CONAB (2021). Tabela de dados-Produção e balanço de oferta e demanda de grãos. https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/graos

Costa, J. N., Santana, J. C. F., Rivero, M. J., Andrade, W. J. E. O. & Sobrinho, R. E. (2006). Padrões Universais para Classificação do Algodão. EMBRAPA ALGODÃO. 22p. (Documentos, 151).

Cordão Sobrinho, F. P., Guerra, H. O., Araújo, W. P., Pereira, J. R., Zonta, J. H., & Bezerra, J. R. (2015). Fiber quality of upland cotton under different irrigation depths. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 19(11), 1057-1063. https://doi.org/10.1590/1807-1929/agriambi.v19n11p1057-1063

Cordeiro, C. F. dos S., Peres, V. J. S., & Echer, F. R. (2016). Produtividade de cultivares de algodão no Oeste Paulista. Colloquium Agrariae, 12, 68-74. 10.5747/ca.2016.v12.nesp.000173

Coutinho, C. R., Andrade, J. A. S., & Pegoraro, R. F. (2015). Produtividade e qualidade de fibra de cultivares de algodoeiro (Gossypium hirsutum L.) na região do semiárido mineiro. Essentia, 16(2), 62-82.

Echer, F., Rosolem, C. A., & Raphael, J. P. A. (2018). Desenvolvimento da planta e qualidade da fibra. In: Bélot, J. L., Manual de qualidade da fibra da Ampa. (p. 206-237). IMAmt, AMPA.

Farias, F. J. C., Silva Filho, J. L., Morello, C. de L., Suassuna, N. D., Pedrosa, M. B., Lamas, F. M., & Ribeiro, J. L. (2015). Resultados do ensaio nacional de cultivares do algodoeiro herbáceo nas condições do Cerrado - safra 2013/2014. Embrapa Algodão. Documentos, 257.

Ferronato, A., Pereira, L. C., Júnior, L. D. S., Bezerra, E. L., Bassan, R. C., & Borges, D. C. (2002). Avaliação e análise de perdas na colheita da cultura do algodão na região sudeste do Estado de Mato Grosso. Congresso Brasileiro de Algodão, 1-5. http://www.cnpa.embrapa.br/produtos/algodao/p ublicacoes/trabalhos_cba4/202.pdf

Fiedler, H. A. (2007). Tecnologia e qualidade do algodão para exportação. In Farias, F. J. C. et al. Tecnologia para o algodoeiro no cerrado do Mato Grosso. (p.111-118). Embrapa Algodão.

Fonseca, R. G. & Santana, J. C. F. (2002). Resultados de ensaio HVI e suas interpretações (ASTM D-4605). Embrapa Algodão. Circular Técnica, 66.

Freire, E. C. (2015). Algodão no cerrado do Brasil. Gráfica e Editora Positiva.

INMET (2020). Histórico de dados meteorológicos. https://portal.inmet.gov.br/dadoshistoricos.

Köppen, W., & Geiger, R. (1936). Classificação climática de Köppen-Geiger. https://portais.ufg.br/up/68/o/Classifica____o_Clim__tica_Koppen.pdf

Lama, S. F. M., & Chitarra, L. G. (2014). Diagnóstico dos sistemas de produção de algodão em Mato Grosso. Dourados, MS: Embrapa Agropecuária Oeste, Campina Grande, PB: Embrapa Algodão.

Leite, L. A. I., & Nuss, A. (2017). Prejuízos decorrentes de perdas na colheita do algodão com diferentes tipos de colhedoras. Revista de Agricultura Neotropical, 4(4), 70-76. https://doi.org/10.32404/rean.v4i4.1669

Lima, R. W., Araújo, W. P., Pereira, J. R., Cordão, M. A., Ferreira, F. N., & Zonta, J. H. (2018). Fibras de algodoeiro herbáceo sob déficit hídrico. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 13(4), 427-436. http://dx.doi.org/10.18378/rvads.v13i4.5940

Lima, J. J., & Bélot, J. L. (2015). A fibra de algodão: qualidade e classificação. In Bélot, J. L., Manual de boas práticas de manejo do algodoeiro em Mato Grosso (p. 280-295). IMAmt, AMPA.

Mion, R. L., Bélot, J. L., Dutra, S. G., & Bassini, R. T. (2014). Preservação da qualidade da fibra: recomendações para o manejo da umidade durante a colheita. IMAmt, Nota técnica, 3.

Morello, C. L., Pedrosa, M. B., Suassuna, N. D., Farias, F. J. C., Silva Filho, J. L., Perina, F. J., Freire, E. C., Alencar, A. R., Tavare, S, J. A., & Oliveira, W. P. (2015). Desempenho de Cultivares de Algodoeiro no Cerrado do Estado da Bahia, Safra 2013/2014. Campina Grande: Embrapa Algodão. Documento, 253.

Pereira A. S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. UFSM. 5.3)

Ribas, P. V. (2014). Colheita do algodão, armazenagem e transporte. In Chanselme, J. L., Manual de beneficiamento do algodão. (p. 29-49). IMAmt.

Santana, J. C. F., Wanderley, M. J. R., Beltrão, N. E. M., Azevedo, D. M. P., Leão, A. B., & Vieira, D. J. (2008). Características da fibra e do fio do algodão: análise e interpretação dos resultados. In: Beltrão, N. E. M., Azevedo, D. M. P. O agronegócio do algodão no Brasil. Embrapa Informação Tecnológica 2.

Santana, J. C. F., Santana, J. C. S., & Beltrão, N. E. M. (2004). Fibras do algodão. In Algodão: 500 perguntas / 500 respostas. (p. 213-219) Embrapa algodão. from https://mais500p500r.sct.embrapa.br/view/pdfs/90000001-ebook-pdf.pdf

Santos, S. R., Soares, A. A., Kondo, M. K., Matos, A. T., & Maia, V. M. (2016). Indicadores de produção e qualidade da fibra do algodoeiro fertirrigado com água residuária sanitária. Engenharia Agrícola, 36(3), 525-536. http://dx.doi.org/10.1590/1809-4430-Eng.Agric.v36n3p525-536/2016

Silva, A. E. F., Procópio, D. P., Cardoso, H. Q., Gozzi, G., & Dambrós, F. S. (2019). Análise comparativa da cotonicultura no estado de Mato Grosso. Research, Society and Development, 9(3), 01-19. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i3.2313

Silva, R. P., Ferreira, I. C., & Cassia, M. T. (2011). Perdas na colheita mecanizada de algodão. Scientia Agropecuaria. 2(1), 07-12. https://doi.org/10.17268/sci.agropecu.2011.01.01

Silva Filho, J. L., Pedrosa, M. B., Suassuna, N. D., Morello, C. L., Farias, F. J. C., & Perina, F. J. (2017). Avaliação de cultivares de algodoeiro no Cerrado da Bahia, safra 2015/2016. Embrapa Algodão (Documentos, 269).

TMG, Cultivares: TMG 81 WS, 2016. https://www.tmg.agr.br/ptbr/cultivar/tmg-81-ws

Vasconcelos, W. S. (2016). Análise genética para caracteres de fibras em genótipos de algodoeiro submetidos a estresse hídrico. Dissertação (Mestrado em Ciências Agrárias) – UFGC/PB.

Vilela, P. M. C. A., & Bélot, J. L. (2015). Variedades comerciais e pré-comerciais de algodão para o Mato Grosso. Resultados agronômicos e de tecnologia de fibra da rede de difusão de cultivares e de ensaios do IMAmt -Safra 2014/15. Instituto Mato-Grossense do Algodão, Circular Técnica, 22.

Viotto, G. F. V., Vale, W. G., Silva Júnior, A. N., Ruffato S., & Gravina, G. A. (2018). Avaliação das perdas na colheita do algodão em diferentes velocidades. Scientific Electronic Archives. 11(4), 48-55. https://doi.org/10.36560/1142018543

Published

15/08/2021

How to Cite

SOUZA, E. C. M. de .; SOUZA, Ícaro P. de .; RUFFATO, S. Quantitative losses and quality of cotton: influence of delayed harvest and insertion of the boll on the plant . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 10, p. e423101018781, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i10.18781. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/18781. Acesso em: 24 oct. 2021.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences