Physical therapy intervention in the treatment of stress urinary incontinence

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i12.20568

Keywords:

physical Therapy Specialty; Nocturnal Enuresis; Health promotion.

Abstract

Urinary incontinence (UI) can have several causes for its manifestation in the body, such as different anatomical characteristics, neuromuscular problems and psychological problems, which exacerbate women's health. Stress incontinence is the most affected by women in different age groups. In relation to this, it happens because there is still no way to avoid daily physical or physiological efforts by the body. In this context, stress urinary incontinence is defined as any non-voluntary loss of urine during moments of coughing, physical activities, sneezing, as well as exercises that promote rapid movement of position. The objective of this work is to discuss the importance of the role of the professional physiotherapist in the care of women with stress urinary incontinence. The physical therapy resource such as kinesiotherapy is a positive treatment, as it enables the development and improvement of patients' quality of life. Another resource is the electrical stimulation that promotes, depending on its parameters suitable for the pathology, a significant improvement in the involuntary loss of urine. With this, the three resources being biofeedback, vaginal cones and electrostimulation become allies in the treatment and strengthening of the entire region and pelvic muscles. Finally, it is understood that the physiotherapist and its resources have a fundamental role in helping the treatment of patients with urinary incontinence, mainly to improve the quality of life and strengthen the pelvic floor, and bring back the comfort to be able to perform the tasks daily.

References

Almeida, A. C., Santos, A. F. C. (2009). Prevalência e Implicações Clínicas da Incontinência Urinária em Mulheres de uma Unidade Básica de Saúde em Belém do Pará. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Centro de Ciências Biológicas, curso de Fisioterapia, Universidade da Amazônia, Belém do Pará.

Almeida, F. & Marsal, A. S. (2015). Importância das Disfunções Miccionais na Urologia. Visão Universitária. (3) 109-28. http://www.visaouniversitaria. com.br/ojs/index.php/home/article/viewFile/59/51

Arruda R. M. et al (2007). Hiperatividade do detrusor: comparação entre oxibutinina, eletroestimulação funcional do assoalho pélvico e exercícios perineais. Estudo randomizado. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 29(9), 452-458.

Beuttenmüller, L. et al. (2011). Contração muscular do assoalho pélvico de mulheres com incontinência urinária de esforço submetidas a exercícios e eletroterapia: um estudo randomizado. Fisioterapia e Pesquisa, 18(3).

Benvenutti C. (1987). Reductive treatment of female genuine stress incontinence. Jounal of medical.

Burgio K. L. et al (1991). Prevalence, incidence and correlates of urinary incontinence in healthy, middle-aged women. O Journal of Urology, 146(5), 1255-1259.

Brasil D. M. et al. (2018). Incontinência urinária e função sexual feminina: revisão integrativa de questionários validados. Acta Paulista Enfermagem, 31(5):558-63.

Caetano, A. S. & Tavares, M. C. G. C. F. (2004). Proposta de atividades físicas para mulheres com incontinência urinária de esforço. Revista Digital. Buenos Aires, 10(76), 1.

Carvalho, M. Â. C. R & Freitas, M. M. S. (2011). Aspectos conceituais da incontinência urinária de esforço, incontinência urinária de urgência e incontinência urinária mista. In: Ferreira, C. H. J. (Org.) Fisioterapia na Saúde da Mulher: teoria e prática. Editora Guanabara Koogan, 9(1), 60-63.

Castro A. P. et al (2010). Eficácia do biofeedback para o tratamento da incontinência urinária de esforço: uma revisão sistemática. Science Translational Medicine., 20(3), 257-263.

Castro, R. de A. et al. (2008). Fisioterapia e incontinência urinária de esforço: revisão e análise crítica. Revista Femina, 36(12), 737-742.

Delarmelindo R. C. A. et al (2013). Estratégias de enfrentamento da incontinência urinária por mulheres. Revista da escola de Enfermagem da USP, 47(2), 296-303.

Felicíssimo M.F. et al (2007). Fatores limitadores à reabilitação da musculatura do assoalho pélvico em pacientes com incontinência urinária de esforço. Acta Fisiátrica, 14(4), 233-236.

Filho et al. (2013). Análise dos recursos para reabilitação da musculatura do assoalho pélvico em mulheres com prolapso e incontinência urinária. Fisioterapia Pesquisa, 20(1), 90-96.

Fitz F. et al (2012). Efeito da adição do biofeedback ao treinamento dos músculos do assoalho pélvico para tratamento da incontinência urinária de esforço. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, 34(11),505-10.

Fitz et al. (2012). Impacto do treinamento dos músculos do assoalho pélvico na qualidade de vida em mulheres com incontinência urinária. Revista de Associação Medica Brasileira ,58(2), 155-159.

Franco et al. (2011). Avaliação da qualidade de vida e da perda urinária de mulheres com bexiga hiperativa tratadas com eletroestimulação transvaginal ou do nervo tibial. Fisioterapia e Pesquisa, 18(2), 145-50.

Galhardo, C. & Katayama, M. (2007). Anatomia e fisiologia do trato urinário inferior feminino. In: Chiarapa, T. R.; Cacho, D. P.; Alves, A. F. D. (Org.) Incontinência Urinária Feminina: assistência fisioterapêutica e multidisciplinar. Livraria Médica Paulista, 1(1), 8-25.

Gomes, P. A. G. P. N. (2010) Incontinência Urinária. Revista da Associação Médica Brasileira, 56(6).

Impey, L. (2007). Patologias do trato urinário: Obstetrícia e Ginecologia.: Editora Tecmedd.

Lopes M. H. B. M. et al (2017). Pelvic floor rehabilitation program: report of 10 years ofexperience. Revista Brasileira de Enfermagem, 70(1), 219-23.

Marques, A. de A. & Ferreira, N. de O. (2011). Fisiologia da micção e fisiopatologia da incontinência urinária. In: Marques, A. de A.; Silva, M. P. e; Amaral, T. P. do. (Org.) Tratado de Fisioterapia em Saúde da Mulher. Editora Roca, 25(1), 269-270.

Matheus, L. M. et al. (2006). Influência dos exercícios perineais e dos cones vaginais, associados à correção postural, no tratamento da incontinência urinária feminina. Revista Brasileira de Fisioterapia, 10(4), 387-392.

Menezes G. M. D. et al. (2011) Queixa de perda urinária: um problema silente pelas mulheres. Revista Gaúcha de Enfermagem., Porto Alegre (RS);33(1):100-8.

Monteiro, M. V. de C. & Silva Filho, A. L. (2007). Incontinência urinária. In: Baracho, E. (Org.) Fisioterapia Aplicada à Obstetrícia, Uroginecologia e Aspectos de Mastologia. Editora Guanabara Koogan, 4(26), 288.

Moreno, A. L. (2004). cinesioterapia do assoalho pélvico. Fisioterapia em Uroginecologia. Editora Manole.

Moreno, A. L. (2009). cinesioterapia funcional do assoalho pélvico. Fisioterapia em Uroginecologia. Editora Manole.

Nunes, P. L. & Resplande, J. (2009). Fisiopatologia da incontinência urinária feminina. In: Palma, P. C. R. (Org.) Urofisioterapia: aplicações clínicas das técnicas fisioterapêuticas nas disfunções miccionais e do assoalho pélvico. Personal Link Comunicações, 1(4), 65.

Oliveira J.R & Garcia R.R. (2011). Cinesioterapia no tratamento da incontinência urinária em mulheres idosas. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia., 14(2), 343-351.

Peattie, A.B et al. (1988) Vaginal cones: a conservative method of treating genuine stress incontinence. Brit. Revista de obstetrícia e Ginecologia, 95,1049.

Pinheiro B.F et al. (2012). Fisioterapia para consciência perineal: uma comparação entre as cinesioterapias com toque digital e com auxílio do biofeedback. Fisioterapia do. Movimento, 25(3), 639-648.

Polden M. & Mantle J. (2002). Fisioterapia em Ginecologia e Obstetrícia. Editora Santos.

Portugal, H. S. P. & Palma, P. C. R. (2009). Anatomia do assoalho pélvico. In: Palma, P. C. R. (Org.) Urofisioterapia: aplicações clínicas das técnicas fisioterapêuticas nas disfunções miccionais e do assoalho pélvico. Personal Link Comunicações, 1(1), 27.

Ramos, L. (2014). RPA: reabilitação perineal ativa. Editora Scribd, 1, 1-87.

Rizzi, S. (2012). Incontinência Urinária de Urgência.

Rother, E. T. (2017). Revisão sistemática X revisão narrativa. Acta Paulista de Enfermagem, 20(2), 5-6.

Rubinstein, I. et al. (2000). Urologia Feminina. Editora BYK.

Smeltzer, S. C. & Bare, B. G. (2005). Histórico das funções renal e urinária. Brunner & Suddarth, Tratado de Enfermagem Medico-Cirúrgica. 2 vols. Editora Guanabara Koogan.

Spence, a. P. (1991). Sistema Urinário. Anatomia Humana Básica. Editora Manole.

Published

22/09/2021

How to Cite

OLIVETTO, M. M. S. .; LIMA, B. E. da S. .; ALENCAR, I. de . Physical therapy intervention in the treatment of stress urinary incontinence. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 12, p. e319101220568, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i12.20568. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/20568. Acesso em: 3 mar. 2024.

Issue

Section

Health Sciences