Occupational risks of/on the reel driver and its impacts on health and safety management

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21218

Keywords:

Drivers; Ergonomics; Ergology; Occupational Risks; Worker's health.

Abstract

The paper intends to reveal the work activity of truck drivers in order to understand how the organization of work impacts on the possibility of regularization of workers. The theoretical contribution of Ergonomics and Ergology was used in a cross-sectional descriptive study, developed in three stages: application of questionnaire, declared semi-structured and a cross self-confrontation, by remote way. The results show that there is an absence/deficiency in the management of health and safety at work, which is complex because it involves several companies for which drivers provide services. It is necessary to work on this management in all sectors, create a field of regulation for the driver, who works under the pressure of production, with excessive working hours, difficult for loading and unloading, and it is necessary to offer adequate support and better working conditions, with efficient logistics and adequate service, in order to avoid the risk of illness.

References

ANTT (2015). Registro Nacional de Transportes Rodoviários de Carga. Brasil, 2014. Agência Nacional De Transportes Terrestres. http://www.antt.gov.br/index.php/content/view/4929/RNTRC___Registro_Nacional_de_Transportadores_Rodoviarios_de_Cargas.html.

Bezerra, K. A. (2013) Significados atribuídos ao trabalho por caminhoneiros dos setores formal e informal da cidade de Parnaíba-PI. Monografia (Graduação em Psicologia), Universidade Federal do Piauí, p. 20-57. http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/19340/1/2016_dis_kabezerra.pdf.

Brasil. (1990). Lei Nº 8.080. Lei Orgânica da Saúde – Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm.

Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego (2002). Classificação Brasileira de Ocupações, Brasília, DF. http://portal.mte.gov.br/portal-mte/.

Brasil. (2015). Departamento Nacional de Infraestrutura de transportes. Brasília, DF, Brasil. http://www.transportes.gov.br.

Brasil. Ministério Do Trabalho. (1978). Norma regulamentadora nº 17 – Ergonomia. http://www.guiatrabalhista.com.br/legislacao/nr/nr17.htm. Aprovada pela portaria 3.214 de 08 de junho de 1978.

Cavagioni, L. C. (2006). Perfil dos riscos cardiovasculares em motoristas profissionais de transporte de cargas da Rodovia BR-116 no trecho Paulista-Régis Bittencourt. Tese (Mestrado em Enfermagem na Saúde do Adulto) - Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, São Paulo, p. 1267-1271. https://teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7139/tde-15012007-150411/publico/Luciane_Cesira.pdf.

Camelo, Silvia Helena Henriques, Angerami, Emília Luigia Saporiti. Riscos psicossociais no trabalho que podem levar ao estresse: uma análise da literatura. (2008). Rev. Ciência, Cuidado e Saúde, Ribeirão Preto-SP, v. 2, n. 7, p. 232-240. http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/5010/3246.

CNT. (2019). Confederação Nacional de Transporte. Pesquisa CNT de Rodovias. https://pesquisarodovias.cnt.org.br/downloads/ultimaversao/resumo_de_imprensa.pdf.

Daniellou, F., Simard, M. E Boissières, I. (2010). Fatores Humanos e Organizacionais da Segurança Industrial: um estado da arte. Traduzido do original Facteurs Humains et Organisationnels de la Sécurité Industrielle por Rocha, R., Lima, F. e Duarte, F. Cadernos da Segurança Industrial, ICSI, Toulouse, França (ISNN 2100-3874), p. 9-85. http://www.icsi-eu.org.

Durrive, Louis. (2011). A atividade humana, simultaneamente intelectual e vital: esclarecimentos complementares de Pierre Pastré e Yves Schwartz. Rev. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v.9, supl.1, p. 46-67. https://www.scielo.br/pdf/tes/v9s1/03.pdf.

Estrela, C. (2018). Metodologia Científica: Ciência, Ensino, Pesquisa. Editora Artes Médicas.

EU-OSHA (2020). Riscos psicossociais e estresse no trabalho. Agência Europeia Para A Segurança E Saúde No Trabalho, EU-OSHA. https://osha.europa.eu/pt/themes/psychosocial-risks-and-stress.

Fernandes, Cláudia, Pereira, Anabela. (2016). Exposição a fatores de risco psicossocial em contexto de trabalho: revisão sistemática. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 50, n. 24, p. 2-11.

Fonseca, M. L. F., Mendes, J. C. L., Moraes, G. F. S., Mendes, D. P. Estratégias individuais e coletivas de gestão dos serviços de higienização e limpeza no setor de hemodiálise de um hospital de referência macrorregional. Research, Society And Development, v. 10, 2021, p. 7.

Girotto, Edmarlon et al. (2020). Comportamentos alimentares de risco à saúde e fatores associados entre motoristas de caminhão. Rev. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 25, n. 3, p. 1011-1023. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232020000301011&lng=en&nrm=iso.

Guérin, F., Laville, A., Daniellou, F., Duraffourg, J., Kerguelen, A. (2001). Compreender o trabalho para transformá-lo: A prática da Ergonomia. Fundação Vanzolini, Edgard Blücher, São Paulo, p. 1-175.

Holz, Edvalter Becker, Bianco, Mônica de Fátima. (2014). Ergologia: uma abordagem possível para os estudos organizacionais sobre trabalho. Cad. EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 12, Edição Especial, artigo 6, Rio de Janeiro, p. 494–512.

Lopes, Gabriela, Russo, Lêda Chaves Pacheco, Fiorini, Ana Cláudia. (2007). Estudo da audição e da qualidade de vida em motoristas de caminhão. Rev. CEFAC, São Paulo, v. 9, n. 4, p. 532-542.

Morais, M. S. S., Borges, E. M. F. (2017). Uma análise sobre os riscos ocupacionais dos motoristas de caminhão. Rev. Científica FacMais, Volume. IX, Número 2, p. 199-225.

Organização Mundial Da Saúde (OMS). (1946). Constituição da Organização Mundial da Saúde. Biblioteca virtual. http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/OMS-Organiza%C3%A7%C3%A3o-Mundial-da-Sa%C3%BAde/constituicao-da-organizacao-mundial-da-saude-omswho.html.

Penteado, R. Z., Gonçalves, C. G. O., Costa, D. D., Marques, J. M. (2008). Trabalho e Saúde em Motoristas de Caminhão no Interior de São Paulo. Rev. Saúde e Sociedade, São Paulo, v.17, n.4, p. 35-45.

Pereira, A., Mendes, D., & Moraes, G. (2017). Do prescrito ao real: a imprevisibilidade e a importância do trabaho coletivo em um centro de usinagem de uma empresa metal-mecânica do interior do Estado de Minas Gerais. Laboreal, 13 (1), 24-38. http://dx.doi.org/10.15667/laborealxiii0117ep.

Silva, L. F., Mendes, R. (2005). Exposição combinada entre ruído e vibração e seus efeitos sobre a audição de trabalhadores. Rev. de Saúde Pública, São Paulo, v. 39, n. 1, p. 9-17.

Schwartz, Yves. (2010). A experiência é formadora?. Rev. Educação & Realidade, Porto Alegre, v.35, n.1, p. 35-48. https://core.ac.uk/download/pdf/303969355.pdf.

Schwartz, Y., Durrive, L. (Orgs.). (2010). Trabalho e ergologia: conversas sobre a atividade humana. Niterói: Ed.UFF.

Schwartz, Y. (2000). Trabalho e uso de si. Rev. Pro-Posições, v. 11, n. 2, p. 34-50.

Trinquet, Pierre. (2010) Trabalho e Educação: o método ergológico. Rev. HISTEDBR On-Line, Campinas, n. especial, p. 93-113. https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8639753/7318.

Ulhoa, Melissa Araújo et al. (2010). Distúrbios psíquicos menores e condições de trabalho em motoristas de caminhão. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 44, n. 6, p. 1130-1136. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003489102010000600019&lng=en&nrm=iso.

Published

15/10/2021

How to Cite

GOMES, C. de O.; MORAES, G. F. de S.; SILVA, L. F.; MENDES, D. P. Occupational risks of/on the reel driver and its impacts on health and safety management . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 13, p. e327101321218, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i13.21218. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21218. Acesso em: 4 dec. 2021.

Issue

Section

Engineerings