The use of vegetable and animal protein-based supplements in strength training

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21225

Keywords:

Supplementation; Vegetable and animal protein; Strength training.

Abstract

Introduction: Nutritional protein supplementation is an important need when it comes to strength training, and it is important to know about the use of these supplements in consideration of their origin, whether animal or vegetable. Objective: This study aimed to analyze, through bibliographic findings, the importance of using animal and vegetable proteins in strength training. Methodology: With the bibliographical survey, it was possible to identify that the market currently has a very diversified range of protein supplements, both of animal and vegetable origin, the first being the most prominent in quantity and variety. Results and Discussion: When comparing the results found with regard to strength training and individuals who use protein supplements of animal and vegetable origin, the studies analyzed did not show a significant difference between both supplements, which indicates that the two types of supplements Proteins are effective as expected in strength training. Conclusion: there is no significant difference in strength training results considering both supplements, requiring further research in this field.

References

Almeida, C. A. N., & Fernandes, G. (2011). A importância do porcionamento na alimentação balanceada. International Journal of Nutrology, 4(03), 018-023.

Assis, L. O., et al. (2017). Determinação da atividade inibitória de enzimas digestivas em suplementos vendidos no comercio internacional à base de proteína vegetal. RBNE-Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 11(67), 925-933.

Becker, L. K., et al. (2016). Efeitos da suplementação nutricional sobre a composição corporal e o desempenho de atletas: uma revisão. RBNE-Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 10(55), 93-111.

Bezerra, C. C., & Macedo, E. M. C. (2013). Consumo de suplementos a base de proteína e o conhecimento sobre alimentos proteicos por praticantes de musculação. RBNE-Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 7(40).

Brasil. Constituição Federal da República Federativa do Brasil. Brasília: Casa Civil, 1988.

Bueno Jr, Carlos Roberto. (2011). Suplementação nutricional em praticantes de atividade física: mitos e verdades. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 5(26), 97-99.

Burity, V., et al. (2010). Direito humano à alimentação adequada no contexto da segurança alimentar e nutricional. Brasília: Abrandh.

Camargo, L., Doneda, D. D., & Oliveira, V. R. (2019). A utilização do whey protein na suplementação de idosos. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento Humano, 16(2), 46-46.

Cardoso, K. F., & Leonhardt, V. (2017). Avaliação do consumo de suplementos proteicos por praticantes de musculação em uma academia de Planaltina-DF. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 11(68), 1083-1091

Carreira, R. L., et al. (2011). Perfil peptídico de hidrolisados proteicos da farinha de trigo. Pesquisa Agropecuária Tropical, 41, 481-489.

Cordeiro, S. A., et al. (2018). Efeitos da Suplementação de Creatina no Treinamento de Força. International Journal of Nutrology, 11(S 01), Trab345.

Corrêa, D. B., & Navarro, A. C. (2014). Distribuição de resposta dos praticantes de atividade física com relação à utilização de suplementos alimentares e o acompanhamento nutricional em uma academia de Natal/RN. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 8(43), 5.

Crivelin, V. X., et al. (2018). Suplementos alimentares: perfil do consumidor e composição química. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 12(69), 30-36.

Faria, Dayane Pêdra Batista. (2018). Suplementação de creatina no ganho de força e hipertrofia muscular em praticantes de treinamento de força: uma breve revisão narrativa. Revista Eletrônica Acervo Saúde/Electronic Journal Collection Health ISSN, 2178, 2091.

Fernandes, Alan Lins. (2017). Efeitos da suplementação de proteína de soja versus proteína do soro de leite em idosos com pré-fragilidade e fragilidade submetidos a um programa de treinamento de força. Tese (Doutorado) Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo, 124f.

FILHO, A. D., et al. (2012). Efeitos de um produto termogênico sobre parâmetros bioquímicos e morfológicos relacionados à saúde: um estudo de caso. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 6(33), 1.

Fleck, S. J., & Kraemer, W. J. (2017). Fundamentos do treinamento de força muscular. Artmed Editora.

Fontenele, M. L., & Luna, G. I. Regulamentação da Suplementação Nutricional no Brasil. Acta de Ciências e Saúde, v. 1, n. 2, p. 82-94, 2013.

Freitas, H. R., et al. (2015). Avaliação da rotulagem e informação nutricional de suplementos proteicos importados no Brasil. RBNE-Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 9(49), 14-24.

Gil, Antônio Carlos. (2017). Como elaborar projetos de pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas.

Gomes, C. V., Frinhani, F. M. D. (2017). Alimentação saudável como direito humano à saúde: uma análise das normas regulamentadoras da produção de alimentos orgânicos. Leopoldianum, 43(121), 22-22.

Gomes, R. M., Da Silva Triani, F., & Da Silva, C. A. F. (2017). Conhecimento nutricional de praticantes de treinamento de força. RBNE-Revista Brasileira De Nutrição Esportiva, 11(65), 610-617.

Lakatos, E. M., & Marconi, M. A. Fundamentos da metodologia científica. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2017

Leitzke, P. S. O., et al. (2017). Whey protein como alternativa de suplemento proteico para indivíduos intolerantes à lactose. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 11(67), 851-855.

Lessa, B. S. B., et al. (2020). Avaliação do consumo de suplementação protéica em desportistas com foco em hipertrofia. RBNE-Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 14(88), 445-453.

Limberg, B. C., et al. (2021). Desenvolvimento de uma goma proteica vegetal. Fag Journal Of Health (FJH), 3(1), 34-37.

Lucchese, R., et al. (2014). Aconselhamento nutricional como forma de prevenção ao abuso de álcool pós cirurgia bariátrica: um estudo de caso. Enciclopédia Biosfera, 10(19).

Luzano, J. P., & Dos Santos Quaresma, M. V. L. (2021). Efeitos da suplementação proteica sobre a força e a massa muscular de idosos: uma revisão narrativa da literatura. Brazilian Journal of Development, 7(5), 52102-52111.

Macedo, A. S., et al. (2020). O uso de suplementos alimentares por praticantes de atividade física no município de Juiz de Fora-MG e análise renal. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 45, e2950-e2950.

Maia, A. V., et al. (2018). Ingestão dietética de macro e micronutrientes em atletas de powerlifting pré-completicação. RBNE-Revista Brasileira De Nutrição Esportiva, 12(74), 715-723.

Marques, N. F., et al. (2015). Consumo alimentar e conhecimento nutricional de praticantes de musculação do município de Itaqui-RS. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 9(52), 288-297.

Martins, A., et al. (2017). Força muscular em mulheres praticantes de treinamento de força e de treinamento concorrente: um estudo descritivo comparativo. Revista de Educação Física/Journal of Physical Education, 86(2).

Materko, W., & Hallehandre, L. (2018). Efeito placebo no desempenho da força muscular em homens experientes em treinamento de força. RBNE-Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 12(71), 374-379.

Medeiros, A., Daronco, L. S. E., & Balsan, L. A. G. (2019). Uso de suplementos por praticantes de musculação em academias. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 13(80), 601-608.

Molin, T. R. D., et al. (2019). Marco regulatório dos suplementos alimentares e o desafio à saúde pública. Revista de Saúde Pública, 53.

ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos. (1998). Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948. Brasília: UNESCO.

Peruchi, R. F. P., et al. (2017). Suplementação Nutricional Em Idosos (Aminoácidos, Proteínas, Pufas, Vitamina De Zinco) Com Ênfase Em Sarcopenia: Uma Revisão Sistemática. Revista UNINGÁ Review, 30(3).

Pontes, C., Pereira, H. C., & Ferreira, J. C. (2021). A importância da suplementação proteica no paciente bariátrico. Revista Ibero-Americana de Humanidades, Ciências e Educação, 7(5), 450-461.

Ribas, M. R., et al. (2015). Ingestão de macro e micronutrientes de praticantes de musculação de ambos os sexos. RBNE-Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 9(49), 91-99.

Santos, J. F. C., Maciel, F. H. S., Menegetti, D. (2011). Consumo de suplementos proteicos e expressão da raiva em praticantes de musculação. Revista da Educação Física/UEM, 22, 623-635.

Santos, J. P. C., Martins, G. H., & Ferreira, J. C. (2021). O uso da creatina no treinamento de força e na melhoria do desempenho físico. Research, Society and Development, 10(11), e59101119410-e59101119410.

Santos, L. G. C., et al. Efeitos da associação entre atividade física e suplementação de proteína na capacidade funcional de idosos: uma revisão. Brazilian Journal of Health Review, v. 3, n. 2, p. 3609-3621, 2020.

Santos, P. C. (2017). Efeitos do treinamento de força associado à suplementação de proteína e carboidrato na força e hipertrofia muscular de homens jovens destreinados. Dissertação (Mestrado) Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. Faculdade de Ciências Farmacêuticas. Programa de Pós Graduação em Alimentos e Nutrição, 41f.

Santos, S. S. (2018). A suplementação com proteína da soja para a hipertrofia muscular. Revela, 2, 183 -206.

Scarlato, R. C., et al. (2016). Determinação do teor de proteínas e carboidratos totais em suplementos tipo Whey Protein. Revista do Instituto Adolfo Lutz, 75, 01-07.

Silva, F. R., et al. (2018). Perfil nutricional e uso de suplementos alimentares: estudo com adultos praticantes de musculação. Motricidade, 14(1), 271-278.

Silva, L. V., & De Souza, S. V. C. Qualidade de suplementos proteicos: avaliação da composição e rotulagem. Revista do Instituto Adolfo Lutz, v. 75, p. 01-17, 2016.

Silveira, M. G., et al. (2019). Conhecimentos de acadêmicos de Nutrição sobre alimentação saudável e Nutrição Esportiva. RBNE-Revista Brasileira De Nutrição Esportiva, 13(78), 227-235.

Sousa, B. A., Drummond, M. G. (2018). O impacto da suplementação proteica na hipertrofia muscular de desportistas. Revista Brasileira de Ciências da Vida, 6(05), 129-144.

SOUZA, Guilherme Silva Freire et al. Efeitos da Suplementação de Creatina no Treinamento de Força. International Journal of Nutrology, v. 11, n. S 01, p. Trab346, 2018.

Souza, I. R., Cargnin-Carvalho, A. (2018). Consumo de suplementos nutricionais nas academias da cidade de Braço do Norte-SC. RBNE-Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 12(70), 213-221.

Souza, R. P., et al. (2020). Investigação da rotulagem e informação nutricional de suplementos protéicos voltados para atletas veganos. Research, Society and Development, 9(8), p. e106985398-e106985398.

Tavano, O. L., et al. (2017). Composição e digestibilidade proteica de suplementos alimentícios contendo proteína de soro de leite (whey protein). Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, 72(3), 131-138.

Tavares Filho, José Henrique da Costa. (2020). Estudo de dois padrões de distribuição proteica sobre hipertrofia e força muscular em homens jovens treinados submetidos a treinamento de força. Dissertação (Mestrado em Nutrição) - Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Verde, S. M. M. L., & Olinda, Q. B. (2010). Educação nutricional: uma ferramenta para alimentação saudável. Rev. bras. promoç. saúde (Impr.).

Zambão, J. L., Rocco, C. S., & Von Der Heyde, M. E. D. (2015). Relação entre a suplementação de proteína do soro do leite e hipertrofia muscular: uma revisão. RBNE-Revista Brasileira de Nutrição Esportiva, 9(50), 179-192.

Published

06/10/2021

How to Cite

VERÍSIMO, A. P.; SANTOS, M. A. .; OLIVEIRA, T. .; FERREIRA, J. C. de S.; FIGUEIREDO, R. S. . The use of vegetable and animal protein-based supplements in strength training. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 13, p. e117101321225, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i13.21225. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21225. Acesso em: 3 dec. 2021.

Issue

Section

Review Article