The idea of variant nature in the light of the eliasian conception: the need for (re)adaptation of slum communities

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21443

Keywords:

Established State; Parallel State; Class struggle; Rio de Janeiro.

Abstract

The theoretical essay aims to construct the variant nature idea, considering the concept of second nature as a major factor in this vein. For this purpose, the text was subdivided into four paragraphs. In the first one, a brief introduction is used, which aims to present the social landscape of residents domiciled in subnormal agglomerates. In the second paragraph, we seek to understand and reverberate the figuration of emotions self-control from the perspective of Eliasian procedural sociology. In the third, the theoretical perspective on the poor-black-slumdweller psychogenesis is emphasized. Finally, in the fourth paragraph, the need for (re)adaptation of slum groups are discussed. Briefly, the essay focuses on grounding a kind of social knowledge, distinctive from the poor-black-slumdweller population, resulting from the mutability and dynamics of interpersonal relationships, which, incorporated within the marginalized communities of Rio de Janeiro city, act to model a unique nature, variant. In other words, an extremely particular collective ego derivative from the imponderability of conflagrated subsistence.

Author Biographies

Carlos Eduardo Rafael de Andrade Ferrari, Universidade do Porto

Carlos Ferrari é doutor, aprovado por unanimidade, nota máxima, membro pesquisador do Centro de Investigação, Formação, Inovação e Intervenção em Desporto, pela Universidade do Porto (UP / FADEUP / PORTUGAL); mestre em Ciências da Atividade Física, membro pesquisador do Programa de Pós-graduação em Ciências da Atividade Física, pela Universidade Salgado de Oliveira (UNIVERSO / PPGCAF / BRASIL); especialista em Ciências do Desporto, especialidade de Desporto, Educação e Cultura, pela Faculdade de Desporto da Universidade do Porto (UP / FADEUP / PORTUGAL); bacharel em Educação Física, com prêmio de dignidade acadêmica no grau Summa cum laude, pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM / BRASIL); licenciado em Educação Física, com prêmio de dignidade acadêmica no grau Cum laude, pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM / BRASIL). Carlos Ferrari é um dos idealizadores do Projeto Educação nos Valores Olímpicos, aprovado pela Direção-Geral da Educação (DGE), que conta com o apoio do Comité Olímpico de Portugal (COP), da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto (FADEUP), Teach for Portugal e do Centro de Formação de Associação de Escolas (CFAE) Guilhermina Suggia. (Decreto-Lei n.º 55/2018 - Portaria n.º 181/2019 de 11 de junho). Carlos Ferrari tem experiência na área de Educação Física, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Física escolar (EFe); projetos - esportivos - sociais; esporte educacional e inclusão; processo ensino-aprendizagem; docência; discência; violência e Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). Produções: capítulos de livros nacionais e internacionais (10); artigos completos publicados em periódicos nacionais e internacionais (7); resumos expandidos publicados em anais de congressos (2); resumos publicados em anais de congressos (3); trabalhos apresentados em eventos (11); participação em bancas de trabalhos de conclusão de curso (37); demais tipos de produção técnica (3); produção artística / cultural (1). E-mail: ceraferrari@yahoo.com.br / Facebook: https://www.facebook.com/carlos.ferrari01 / Instagram: @prof.dr.carlosferrari / Contato: (21) 97567-6538 (Texto informado pelo autor)

Roberto Ferreira dos Santos, Universidade Salgado de Oliveira

Possui graduação em Licenciatura Plena em Educação Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1975), Mestrado em Educação pela Universidade Federal Fluminense (1990) e Doutorado em Ciências do Desporto e Educação Física pela Universidade do Porto (1996) onde apresentou tese intitulada "A violência no futebol português: uma interpretação sociológica baseada na concepção teórica de processo civilizacional". Atuou como professor do Instituto de Educação Física da UERJ de 1978 até 2003, além de ter sido Chefe do Departamento de Esportes Individuais durante alguns anos.Foi Técnico de Atletismo e Professor de Educação Física da Escola Naval/Ministério da Marinha de 1974 até 1985 e Técnico de Atletismo do Fluminense de 1976 até 1991. De 1998 até 2006 foi Professor Titular e Diretor do Curso de Educação Física e Diretor da Escola de Saúde e do Desporto do Centro Universitário da Cidade do Rio de Janeiro- UNIVERCIDADE. Durante todos esses anos lecionou disciplinas tais como Atletismo, Metodologia do Ensino do Atletismo, Prática de Ensino, Fundamentos Pedagógicos, tendo também orientado cerca 60 trabalhos de conclusão de curso e 15 dissertações de Mestrado.Atualmente é professor Titular da Universidade Salgado de Oliveira no Programa Mestrado em Ciências da Atividade Física no qual ministra a disciplina Seminário de Pesquisa e Disciplina Eletiva sobre Esporte e Violências Nesse programa está inserido da Linha de Pesquisa Aspectos Socioculturais da Atividade Física.

Estêvão Rios Monteiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestre e Doutorando em Educação Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (EEFD/UFRJ). Bacharel em Educação Física pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM). Graduando em Fisioterapia pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM). Membro do Grupo de Pesquisa do Departamento de Ginástica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (EEFD/UFRJ). Coordenador do curso de Pós-Graduação em Avaliação e Prescrição de Exercícios Para Grupos Especiais no Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM). Professor universitário no Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM) e no Instituto Brasileiro de Medicina de Reabilitação (IBMR). Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Treinamento de Força, Treinamento Desportivo, e no desenvolvimento de pesquisas científicas, atuando principalmente nos seguintes temas: Treinamento de Força, Terapias Manuais, Alongamento, Cinesiologia Aplicada ao Esporte, e Pressão Arterial. (Texto informado pelo autor)

Rafael Mocarzel, Universidade Federal do Rio de Janeiro; Universidade de Vassouras

Dupla nacionalidade: brasileiro e português. Doutorado em Ciências do Desporto na Universidade do Porto (UP / Portugal) onde integra o Centro de Investigação, Formação, Inovação e Intervenção em Desporto da Universidade do Porto (CIFI2D). Integra ainda o Grupo de Psicofisiologia e Performance em Esportes & Combates (UFRJ). Mestrado em Ciências da Atividade Física e Licenciatura Plena em Educação Física (UNIVERSO / Brasil). Membro da Câmara de Lutas e Artes Marciais e da Comissão de Professores de Niterói e Adjacências do CREF-1. Fundador e Ex-Presidente da Associação de Kung-Fu Shaolin de Niterói (AKSN). Ex-Diretor da Federação de Kung-Fu do Estado do Rio de Janeiro (FKFERJ). Professor (Faixa Preta) em 6 estilos de Kung-Fu (Garra de Águia, Tai Chi Chuan, Shuai Jiao, Sanda/Sanshou e Wushu Moderno - Norte & Sul). É professor de cursos de Licenciatura e Bacharel em Educação Física presencial e EAD em universidades no Estado do Rio de Janeiro. Estuda as Artes Marciais em suas diversas áreas de atuação, os Jogos Olímpicos (Olimpismo), a Filosofia e Sociologia dos Esportes incluindo seus valores éticos, morais, estéticos e educacionais, Jogos e Recreação Lúdica, História do Desporto, Terapias Holísticas, Massagens e Meditações. Instrutor de Pilates e Dança. Atua também com Terapias Holísticas e Massagens. Hoje cursa especialização (Lato Sensu) em Acupuntura (ANHANGUERA). Autor de 3 livros. Organizou 4 livros. Recebeu 21 prêmios e/ou homenagens. Ministrou 76 cursos de curta duração (extensão). Escreveu 10 capítulos de livros. Publicou 14 artigos (nacionais e internacionais). Revisor de 10 periódicos científicos.

References

Alves, M. H. M., & Evanson, P. (2013). Vivendo no fogo cruzado: moradores de favela, traficantes de droga e violência policial no Rio de Janeiro. São Paulo: Unesp.

Barbosa, R. P. (2015). Resenha do livro – Elias, N. Introdução à Sociologia. (M. L. R. Ferreira, Trad.). Revista Educação: Teoria e Prática. Rio Branco, 25(48), 390-395.

Barbosa, S. S. R. (2005). A psicogênese e a sociogênese nas obras de Norbert Elias e a sua relação com a educação no processo civilizatório. IX Simpósio Internacional – Processo Civilizador, Ponta Grossa, PR, Brasil, 1-13. Recuperado em: 24 ago. 2021. De: http://www.uel.br/grupo-estudo/processoscivilizadores/portugues/sitesanais/anais9/artigos/workshop/art21.pdf.

Barreto, B. (Diretor) (2008). Última parada 174 [Filme]. Brasil: Globo Filmes.

Bauman, Z. (2007). Tempos líquidos. (C. A. Medeiros, Trad.). Rio de Janeiro: Zahar.

Bourdieu, P. (2012). O poder simbólico. (16ª. ed.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Cameron, J. (Diretor) (1997). Titanic [Filme]. Inglaterra: Boxtree.

Da Silva, G. C., Portella, A., Pereira, G. da S. (2017). O legado de megaeventos esportivos e a contextualização das remoções. Revista Projetar – Projeto e Percepção do Ambiente, 1(2), 81-91. Recuperado em: 24 ago. 2021. De: https://periodicos.ufrn.br/revprojetar/article/view/16651.

Dutra, L. G. (2017). As (re)ações, incertezas e perspectivas dos “invadidos” com a política de “pacificação” do Complexo da Mangueirinha. Dissertação de mestrado. Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil – CPDOC, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Elias, N. (2001). A sociedade de corte: investigação sobre a sociologia da realeza e da aristocracia de corte. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Elias, N. (1999). Introdução à sociologia. Lisboa: Edições 70.

Elias, N. (1939a). O Processo civilizador – uma história dos Costumes. (Vol. 1). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Elias, N. (1939b). O Processo civilizador – formação do Estado e Civilização. (Vol. 2). Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Ferrari, C. E. R. de. A. (2014) Asfalto, favela e violência: o processo ensino aprendizagem no cenário da educação física escolar - um estudo de caso. Dissertação de mestrado. Universidade Salgado de Oliveira. Niterói. RJ, Brasil.

Ferrari, C. E. R. de. A. (2020). O lugar da Educação Física na Escola Cultural: estudo elaborado a partir da realidade de duas escolas sui generis do Porto e do Rio de Janeiro. Tese de Doutoramento. Faculdade de Desporto da Universidade do Porto. Porto, Portugal.

Fundação Getúlio Vargas. (2017). Educação em alvo: os efeitos da violência armada nas salas de aula. Recuperado em: 24 ago. 2021. De em: http://dapp.fgv.br/educacao-em-alvo-os-efeitos-da-violencia-armada-nas-salas-de-aula/.

Grupo de Estudos dos Novos Ilegalismos da Universidade Federal Fluminense. (2019). Mapa dos Grupos Armados do Rio de Janeiro 2019. Recuperado em: 24 ago. 2021. De: https://atualprodutora.com/wp-content/uploads/2020/10/Apresentac%CC%A7a%CC%83o-ao-mapa-dos-grupos-armados-do-Rio-de-Janeiro_final_final.pdf.

Grunennvaldt, J. T. (2008). O esporte na visão do mestre das figurações. XI Simpósio Internacional – Processo Civilizador, Buenos Aires, Argentina, 237-247. Recuperado em: 24 ago. 2021. De: http://www.uel.br/grupo-estudo/processoscivilizadores/portugues/sitesanais/anais11/artigos/26%20-%20Grunennvaldt.pdf.

Honorato, T. (2017). Pesquisas com Norbert Elias em História da Educação. Revista Comunicações, 24(3), 107-127.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2020). Aglomerados Subnormais 2019: Classificação preliminar e informações de saúde para o enfrentamento à COVID-19. Recuperado em: 24 ago. 2021. De: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101717_notas_tecnicas.pdf.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2020). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua: Educação 2019 (PNAD-Contínua). Recuperado em: 24 ago. 2021. De: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101736_informativo.pdf.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2020). Síntese de Indicadores Sociais: uma Análise das Condições de Vida da População Brasileira 2020. Recuperado em: 24 ago. 2021. De em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101760.pdf.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2019). Programa Internacional de Avaliação de Estudantes PISA 2018. Recuperado em: 24 ago. 2021. De: http://portal.mec.gov.br/images/03.12.2019_Pisa-apresentacao-coletiva.pdf.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. (2019). Atlas da violência 2019. Recuperado em: 24 ago. 2021. De: https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/relatorio_institucional/190605_atlas_da_violencia_2019.pdf.

Kaplan, C. V. (2012). A juventude como condição estigmatizante: relações entre desigualdade, violência e experiência escolar. Revista Linhas Críticas, 18(37), 599-616.

Kirschner, T. C. (2014). História e Sociologia: a contribuição de Norbert Elias. Revista História e Cultura, 3(3) (Especial), 53-65.

Koury, M. G. P. (2013). Emoções e sociedade: um passeio na obra de Norbert Elias. História: Questões & Debates, 59(2), 79-98.

Landini, T. S. (2005). A Sociologia Processual de Norbert Elias. IX Simpósio Internacional – Processo Civilizador, Ponta Grossa, PR, Brasil: 1-9. Recuperado em: 24 ago. 2021. De: http://www.uel.br/grupo-estudo/processoscivilizadores/portugues/sitesanais/anais9/artigos/mesa_debates/art27.pdf.

Landini, T. S. (2007). Jogos Habituais – Sobre a Noção de Habitus em Pierre Bourdieu e Norbert Elias. X Simpósio Internacional – Processo Civilizador, Campinas, SP, Brasil. 1-10. Recuperado em: 24 ago. 2021. De: http://www.uel.br/grupo-estudo/processoscivilizadores/portugues/sitesanais/anais10/Artigos_PDF/Tatiana_Landini.pdf.

Marchi Júnior, W. (2015). A teoria do jogo de Norbert Elias e as interdependências sociais: um exercício de aproximação e envolvimento. Revista Conexões, 1(1), 101–113.

Meirelles, F. (Diretor) (2002). Cidade de Deus [Filme]. Brasil: Globo Filmes.

Montuori, B. F. (2018). Design, favela e ativismos: experiências e aprendizados com a Redes da Maré no Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Murad, M. (2009). Sociologia e educação física: diálogos, linguagens do corpo, esportes. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas – FGV.

MV Bill (Diretor). (2006). Falcão – meninos do tráfico [Documentário]. Brasil: Central Única das Favelas.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. (2015). Relatório de Monitoramento Global de EPT: Educação para todos 2000-2015 – Progressos e Desafios. Recuperado em: 24 ago. 2021. De: http://unesdoc.unesco.org/images/0023/002325/232565por.pdf.

Padilha, J. (Diretor) (2007). Tropa de Elite [Filme]. Brasil: Zanzen Produções.

Padilha, J. (Diretor) (2010). Tropa de Elite 2 [Filme]. Brasil: Zanzen Produções

Patrício, M. F. (1993). Lições de axiologia educacional. Lisboa: Universidade Aberta.

Pimentel, R., Batista., A., & Soares, L. E. (2006). Elite da Tropa. Rio de Janeiro: Objetiva.

Sennett, R. (2011). A corrosão do caráter: as consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. (M. Santarrita, Trad.). Rio de Janeiro: Record.

Silva, J. A., & Cerri, L. F. (2013). Norbert Elias e Pierre Bourdieu: biografia, conceitos e influências na pesquisa educacional. Revista Linhas, 14(26), 171-198.

Silva, O. M. da., Silva, C. A. F. da. Boxe e Rede Solidária no Morro do Vidigal. (2013). In: C. F. L. Costa & C. A. F. da SILVA,. (Orgs.). FavelaSport. Estudos sobre o fenômeno esportivo em comunidades do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ: SUAM.

Trajan, A. de.A., Ferrari, C. E. R. de. A., & Silva, C. A. F. da. Legado ou Negado? Primeiros impactos dos Jogos Olímpicos de 2016: desrespeito ao direito à moradia na Vila do Autódromo. (2013). In: C. F. L. COSTA & C. A. F. da SILVA (Orgs.). FavelaSport. Estudos sobre o fenômeno esportivo em comunidades do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ: SUAM.

Ventura, Z. (1994). Cidade Partida. São Paulo: Companhia das Letras.

Wouters, C. (2012). Como continuaram os processos civilizadores: rumo a uma informalização dos comportamentos e a uma personalidade de terceira natureza. Revista Sociedade e Estado, 27(3), 546-570. Recuperado em: 24 ago. 2021. De: https://www.scielo.br/pdf/se/v27n3/06.pdf.

Published

19/10/2021

How to Cite

FERRARI, C. E. R. de A. .; SANTOS, R. F. dos .; MONTEIRO, E. R. .; MOCARZEL, R. The idea of variant nature in the light of the eliasian conception: the need for (re)adaptation of slum communities. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 13, p. e490101321443, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i13.21443. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21443. Acesso em: 7 dec. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences