The importance of interview in psychological evaluation in the transit context

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i13.21600

Keywords:

Traffic Psychologycal; Psychological Assessment;; Psychological interview.

Abstract

This article aims to verify the importance of the interview in the process of psychological assessment in the context of traffic. Therefore, a qualitative study was performed with a narrative literature review of articles found in the electronic databases BVS-Psi, Scielo and Google Scholar, and normative resolutions of the Federal Council of Psychology that addressed the theme of Traffic Psychology and Psychological Assessment. Traffic Psychology in Brazil emerged from the need to understand and assess the behavior of drivers in order to contribute to safer traffic. In this sense, psychological assessment became mandatory in the drivers license process and, as a historical consequence, it became the priority activity of traffic psychologists. There is, however, a confusion on the part of many people, including psychologists, between psychological assessment and psychological testing, as many professionals use only psychological tests in the assessment process. It was found that conducting the interview provides more efficiency to the process and greater security of results, supporting the professional's decision-making and making the work ethical, which contributes to transit in the country. It is through the interview that there is the possibility of a broader assessment and greater reliability in the data obtained of the candidate or driver. Thus, it is necessary to constantly update and train the psychologist with regard to the technique and procedures of psychological assessment, so as not to reduce the assessment in testing, so as not to cause harm to the people evaluated or to society.

References

Amorim, M. C., & Cardoso, H. F. (2015). Entrevista psicológica na avaliação pericial em Psicologia do Trânsito: uma análise crítica. Psicologia Revista, 24(1), 107-120. <https://revistas.pucsp.br/psicorevista/article/view/24231>.

Araújo, E. C. C. de. (2019). Avaliação Psicológica no contexto do trânsito sob a ótica dos motoristas. Base de dados de TCCs do Unipê. https://bdtcc.unipe.edu.br/wp-content/uploads/2019/08/TCC-ELISABETH-CRISTINA.pdf

Conselho Federal de Psicologia. (1986). Psicologia do trânsito. Psicologia: Ciência e Profissão, 6(2). 18.

Conselho Federal de Psicologia. (2000a). Caderno de psicologia do trânsito e compromisso social. Brasília, DF. <https://goo.gl/5LH84f>.

Conselho Federal de Psicologia. (2011a). Ano da avaliação psicológica: textos geradores. Brasília. <https://goo.gl/Rov8qT>.

Conselho Federal de Psicologia. (2018). Centro de Referências Técnicas Em Psicologia e Políticas Públicas – CREPOP. Referências Técnicas para atuação de psicólogas(os) em políticas públicas de mobilidade humana e trânsito. Conselho Federal de Psicologia. Brasília.

Cordeiro, A. M., Oliveira, G. M. de, Renteria, J. M., & Guimarães, C. A. (2007). Revisão sistemática: uma revisão narrativa. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões. 34(6), 428-431. <https://doi.org/10.1590/S0100-69912007000600012>.

Dolens, L. dos R. C., Tomé, A. M., & Formiga, N. S. (2020). A importância da avaliação psicológica e suas contribuições no contexto do trânsito. Psicologia.pt. https://www.psicologia.pt/artigos/textos/A1399.pdf

Decreto-lei nº 8.324, de 27 de outubro de 1910. (1910). Aprova o regulamento para o serviço subvencionado de transportes por automóveis. Diário Oficial, Rio de Janeiro. <https://goo.gl/fg6LWq>

Decreto-Lei nº 2.994, de 28 de janeiro de 1941. (1941). Código Nacional de Trânsito. Diário Oficial, Rio de Janeiro. https://goo.gl/PJefy8

Decreto-lei n. 3.651, de 11 de setembro de 1941. (1941). Dá nova redação ao Código Nacional de Trânsito. Diário Oficial. <https://goo.gl/DpUJ8z>.

Decreto-lei n. 9.545, de 05 de agosto de 1946. (1946). Dispõe sobre a habilitação e exercício da atividade de condutor de veículos automotores. Diário Oficial, Rio de Janeiro. <https://goo.gl/hPNy8J>.

Decreto nº 62.127, de 16 de janeiro de 1968. (1968). Instituiu o Regulamento do Código Nacional de Trânsito. Diário Oficial, Brasília, DF. <https://goo.gl/z1TRhx>.

Dolens, L. dos R. C., Tomé, A. M., & Formiga, N. S. (2020). A importância da avaliação psicológica e suas contribuições no contexto do trânsito. Psicologia.pt. https://www.psicologia.pt/artigos/textos/A1399.pdf

Elias, C. de S. R., Silva, L. A. da, Martins, M. T. de S. L., Ramos, N. A. P., Souza, M. das G. G. de, & Hipólito, R. L. (2012). Quando chega o fim? uma revisão narrativa sobre terminalidade do período escolar para alunos deficientes mentais. SMAD. Revista eletrônica saúde mental álcool e drogas, 8(1), 48-53. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-69762012000100008&lng=pt&tlng=pt.

Lei n. 4.119, de 27 de agosto de 1962. (1962). Dispõe sobre os cursos de formação em psicologia e regulamenta a profissão de psicólogo. Diário Oficial, Brasília, DF. <https://goo.gl/PxxPJa>.

Lei nº 5.108, de 21 de setembro de 1966. (1966). Institui o Código Nacional de Trânsito. Diário Oficial, Brasília, DF. <https://goo.gl/o5zUVV>.

Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997. (1997). Institui o Código de Trânsito Brasileiro. Diário Oficial, Brasília, DF. <https://goo.gl/oC93fx>.

Lei nº 9.602, de 21 de janeiro de 1998. (1998). Dispõe sobre legislação de trânsito e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília. <https://goo.gl/kSNfyo>.

Maffini, G. & Cassel, PA (2020). O processo de avaliação psicológica: estudo de caso. Research, Society and Development, 9 (5), e15952575. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i5.2575

Organização Mundial da Saúde. (2018). Relatório mundial de saúde sobre o Estado da Segurança Viária 2018. Brasília, DF: Ministério da Saúde, OMS. https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5818:relatorio-da-oms-destaca-progressos-insuficientes-para-enfrentar-falta-de-seguranca-nas-vias-do-mundo&Itemid=839.

Resolução nº 51, de 21 de maio de 1998 do Conselho Nacional de Trânsito. (1998). Dispõe sobre os exames de aptidão física e mental e os exames de avaliação psicológica a que se refere o inciso I, do art. 147 do Código de Trânsito Brasileiro e os §§ 3ºe 4º do art. 2º da Lei 9.602/98. Diário Oficial, Brasília, DF. <https://goo.gl/P5NY5n>.

Resolução nº 80, de 19 de novembro de 1998 do Conselho Nacional de Trânsito. (1998). Altera os Anexos I e II da Res. no 51/98-CONTRAN, que dispõe sobre os exames de aptidão física e mental e os exames de avaliação psicológica. Diário Oficial, Brasília, DF. <https://goo.gl/NZZ5tc>.

Resolução nº 012, de 20 de dezembro de 2000 do Conselho Federal de Psicologia. (2000b). Institui o Manual para Avaliação Psicológica de candidatos à Carteira Nacional de Habilitação e condutores de veículos automotores. Diário Oficial, Brasília, DF. <https://goo.gl/58i1Ey>.

Resolução nº 267, de 15 de fevereiro de 2008 do Conselho Nacional de Trânsito. (2008). Dispõe sobre o exame de aptidão física e mental, a avaliação psicológica e o credenciamento das entidades públicas e privadas de que tratam o art. 147, I e §§ 1º a 4º e o art. 148 do Código de Trânsito Brasileiro. Diário Oficial, Brasília, DF. <https://goo.gl/b7rhge>.

Resolução nº 07, de 29 de julho de 2009 do Conselho Federal de Psicologia. (2009). Revoga a Resolução CFP nº 012/2000, publicada no DOU do dia 22 de dezembro de 2000, Seção I, e institui normas e procedimentos para a avaliação psicológica no contexto do Trânsito. Diário Oficial, Brasília, DF. <https://goo.gl/GMSFDw>.

Resolução nº 09, de 19 de maio de 2011 do Conselho Federal de Psicologia. (2011b). Altera a Resolução CFP nº 007/2009, publicada no DOU, Seção 1, do dia 31 de julho de 2009. Diário Oficial, Brasília, DF. https://site.cfp.org.br/wpcontent/uploads/2011/05/resolucao2011_009.pdf.

Resolução nº 425, de 27 de novembro de 2012 do Conselho Nacional de Trânsito. (2012). Dispõe sobre o exame de aptidão física e mental, a avaliação psicológica e o credenciamento das entidades públicas e privadas de que tratam o art. 147, I e §§ 1º a 4º e o art. 148 do Código de Trânsito Brasileiro. Diário Oficial, Brasília, DF. <https://goo.gl/87ibhJ>.

Resolução nº 01, de 07 de fevereiro de 2019 do Conselho Federal de Psicologia. (2019). Institui normas e procedimentos para a perícia psicológica no contexto do trânsito e revoga as Resoluções CFP nº 007/2009 e 009/2011. Brasília. https://www.in.gov.br/materia//asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/629 76927/do1-2019-02-12-resolucao-n-1-de-7-de-fevereiro-de-2019-62976886.

Rozestraten, R. J. A. (1988) Psicologia do trânsito: Conceitos e processos básicos. EPU.

Silva, F. H. V. de C. & Alchiere, J. C. (2008). Revisão das pesquisas brasileiras em avaliação psicológica de habilidades e inteligência de condutores. Estud. psicol. (Natal), 13(1), 57-64. <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-294X2008000100007&lng=en&nrm=iso>..

Silva, F. H. V. de C. & Gunther, H. (2009) Psicologia do trânsito no Brasil: de onde veio e para onde caminha? Temas psicologia, 17(1),163-175. <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2009000100014&lng=pt&nrm=iso>.

Silva, F. H. V. de C. (2012). A Psicologia do trânsito e os 50 anos de profissão no Brasil. Psicol. cienc. prof. Brasília, 32, 176-193. <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932012000500013&lng=en&nrm=iso>.

Tavares, M. (2002). A entrevista clínica. In: J. A. Cunha, Psicodiagnóstico - V (5a ed.), Artmed.

Vosgerau, D. S. A. R. & Romanowski, J. P. (2014) Estudos de revisão: implicações conceituais e metodológicas. Revista de Diálogo Educacional, (14)41, 165-189. https://periodicos.pucpr.br/index.php/dialogoeducacional/article/view/2317.

Published

22/10/2021

How to Cite

MORAIS, M. R. R.; GONTIJO, R. A. G. The importance of interview in psychological evaluation in the transit context . Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 13, p. e593101321600, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i13.21600. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21600. Acesso em: 8 dec. 2021.

Issue

Section

Human and Social Sciences