Vegetational characterization of the Natural Monument Vale dos Dinosauros in Sousa Paraíba, Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i17.24134

Keywords:

Diversity; Conservation; Riparian forest; Brazilian semiarid.

Abstract

The objective of the present work was to characterize the arboreal vegetation of the riparian forest of Rio do Peixe, in the Natural Monument of Vale dos Dinossauros (MONA), in Sousa-PB. Trees were measured in 20 square sampling units of 400 m², arranged on the banks of the Rio do Peixe, in an equidistant manner. The circumference of the fuste at 1.30 m from the ground and at 0.3 m from the ground of the arboreal individuals with circumference at breast height (1.3 m) greater than or equal to 6 cm were measured with a measuring tape, in addition to the total height of the individuals, with the aid of graduated rod. Were evaluated floristic, diversity, evenness, and horizontal and vertical structures, in addition to diametric distribution. Were identified 919 individuals, 16 botanical families, 32 genera and 35 species. The most representative botanical families in number of individuals were the Fabaceae Linl. a Combretaceae R. Br., Fabaceae being the most representative in number of species. The area presents good floristic diversity and good distribution of individuals per species. The specie more importance and abundance in the area was Combretum leprosum Mart. (mofumbo) with 32% of the individuals sampled and 16.69% of the importance value. The species Cenostigma pyramidale (Tul.) Gagnon & G.P.Lewis., Senegalia bahiensis (Tul.) Gagnon & G.P.Lewis e Pseudobombax marginatum (A.St.-Hil., Juss. & Cambess.) A. Robyns were less abundant, with one individual each. Diametric distribution showed behavior characteristic of natural populations, in inverted-J. There is a strong presence of exotic species in the area, but in was found the sample, the presence of Prosopis juliflora (Sw) DC., Leucaena leucocephala (Lam.) de Wit., Cryptostegia madagascariensis Bojer. e Malpighia glabra L., species that naturally should not exist in the area.

Author Biographies

Francisco das Chagas Vieira Sales, Universidade Federal de Campina Grande

Possui graduação em Engenharia Florestal pela Universidade Federal de Campina Grande (2005), mestrado em Sistemas Agrosilvopastoris no Semi-Arido pela Universidade Federal de Campina Grande (2008) e Doutorado em Ciência Florestal com concentração em Manejo Florestal pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (2013). Tem experiência na área de Recursos Florestais e Engenharia Florestal, com ênfase em Manejo Florestal Sustentável Integrado de Uso Múltiplo, Recursos Naturais, Planejamento e utilização/exploração na Caatinga e desenvolvimento rural participativo. Atuando principalmente nos seguintes temas: Manejo Florestal Sustentável Integrado de Uso Múltiplo, Planejamento e recuperação de áreas degradadas, Produtos florestais madeireiros e não madeireiros em comunidades extrativistas, planejamento e gestão dos recursos naturais em projetos participativos no semi árido.

Maílson Pereira de Souza, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Engenheiro Florestal, Graduado pela Universidade Federal do Piaui (2014); Mestre em Ciências Florestais, pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais da Universidade Federal de Campina (2018), área de concentração Ecologia e Manejo dos Recursos Florestais. Atualmente é doutorandopelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais e Florestais na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Tem experiência na área de Recursos Florestais, com ênfase em Manejo Florestal Sustentável dos recursos naturais do bioma Caatinga, atuando diretamente com inventários florestal, plano de manejo florestal, diversidade, floresta nativa, vegetação, estrutura e diversidade florística. 

Sérvio Túlio Pereira Justino, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Possui graduação em Engenharia Florestal pela Universidade Federal de Campina Grande (2018). Mestre em Ciências florestais pela Universidade Federal de Campina Grande, Campus Patos-PB. Atualmente doutorando em Ciência Florestal pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Faculdade de Ciências Agronômicas - Campus de Botucatu

Gabriela Gomes Ramos, Universidade Federal de Campina Grande

Graduação em Engenharia Florestal pela Universidade Federal de Campina Grande (2015.2) com ênfase em Ecologia, Recuperação de Ecossistemas, Melhoramento Genético e Produção e Biomassa Florestal. Especialização em Ecologia e Educação Ambiental pela UFCG (2017) com ênfase em Etnobotânica como mecanismo de conservação de matas ciliares. Mestrado em Ciências Florestais pela UFCG (2019) com ênfase em Geoprocessamento e Ecologia e Ecossistemas florestais. Pós-graduanda em Engenharia de Segurança do Trabalho pela Universidade Cruzeiro do Sul (2021).

References

Alvares, C. A., Stape, J. L., Sentelhas, P. C., Gonçalves, J. L. M. & Sparovek, G. (2013). Köppen’s climate classification map for Brazil. Meteorologische Zeitschrift, 22 (6), 711–728. 10.1127/0941-2948/2013/0507

APG - Angiosperm Phylogeny Group. (2016). An update of the Angiosperm Phylogentic Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society, 181(1): 1-20. https://.org/10.1111/boj.12385

Azevedo, T., Rosa, M. R., Shimbo, J. Z., Oliveira, M. G. (2021). Relatório Anual do Desmatamento no Brasil 2020. MapBiomas, São Paulo. 93 p. < https://s3.amazonaws.com/alerta.mapbiomas.org/rad2020/RAD2020_MapBiomasAlerta_FINAL.pdf >.

Batista, F. G., Oliveira, B. T., Almeida, M. E. A., Brito, M. S., Melo, R. R. & Alves, A. R. (2019). Florística e fitossociologia de um remanescente florestal da caatinga Caicó-RN, Brasil. Revista Desafios, 6 (3), 118-128. http://dx..org/10.20873/uftv6-7469.

BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1º, incisos I, II, III, e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. <http://www.camara.gov.br/sileg/integras/773285.pdf>.

Calixto Júnior, J. T. & Drumond, M. A. (2011). Estrutura fitossociológica de um fragmento de caatinga sensu stricto 30 anos após corte raso, Petrolina-PE, Brasil. Revista Caatinga, 24 (2), 67-74.

Chaves, A. D. C. G., Santos, R. M. S., Santos, J. O., Fernandes, A. A. & Maracajá, P. B. (2013). A importância dos levantamentos florístico e fitossociológico para a conservação e preservação das florestas. ACSA, 9(2), 43-48. http://revistas.ufcg.edu.br/acsa/index.php/ACSA/article/view/449/pdf.

CNUC - Cadastro Nacional de Unidade de Conservação do Ministério do Meio Ambiente. (2020). Unidades de Conservação por Bioma. https://antigo.mma.gov.br/images/arquivo/80229/CNUC_FEV20%20-%20C_Bio.pdf

Dias, B. F. S. (2001). Demandas Governamentais para o Monitoramento da Diversidade Biológica Brasileira. In: Garay, I. & Dias, B. (Orgs) Conservação da Biodiversidade em Ecossistemas tropicais: avanços conceituais e revisão de novas metodologias de avaliação e monitoramento (pp. 17-28). Editora Vozes.

Farias, R. C., Lacerda, A. V., Gomes, A. C., Barbosa, F. M. & Dornelas, C. S. M. (2017). Riqueza florística em uma área ciliar de Caatinga no Cariri Ocidental da Paraíba, Brasil. Revista Brasileira de Gestão Ambiental e Sustentabilidade. 4(7), 109-118. https://dx..org/10.21438/rbgas.040711

Fernandes, J. D. & Medeiros, A. J. D. (2009). Desertificação no Nordeste: uma aproximação sobre o fenômeno do Rio Grande do Norte. HOLOS, 3(25), 147-161.

Flora do Brasil (2020). Jardim Botânico do Rio de Janeiro. http://floradobrasil.jbrj.gov.br.

Giulietti, A. M., Bocage Neta, A. L., Castro, A. A. J., Rojas, C. F. L. G., Sampaio, E. V. S. B., Virgínio, J. & Harley, R. M. (2004). Diagnóstico da vegetação nativa do bioma Caatinga. (pp. 48-90). In: Silva, J. D., Tabarelli, M., Fonseca, M. D. & Lins, L. V. (Orgs.). Biodiversidade da Caatinga: áreas e ações prioritárias para a conservação. Brasília: Ministério do Meio Ambiente.

Guedes, R. S., Zanella, F. C. V., Costa Junior, J. E. V., Santana, G. M. & Silva, J. A. (2012). Caracterização florístico-fitossociológica do componente lenhoso de um trecho de caatinga no semiárido paraibano. Revista Caatinga, 25(2), 99-108. https://periodicos.ufersa.edu.br/index.php/caatinga/article/view/2231.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Divisão regional do Brasil em regiões geográficas imediatas e regiões geográficas intermediárias. Rio de Janeiro: IBGE, 2017. <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv100600.pdf>

Justino, S. T. P., Silva, R. P. S., Freitas, A. L., Sales, F. C. V., Lima, A. A., Silva, J. L. B. L., Lima, L. V. S., Cavalcante, A. E. Q. M. & Medeiros, F. S. (2019). Floristic and Phytoosociological Survey in a Caatinga Fragment under Extensive Grazing in Patos – PB Municipality. Journal of Experimental Agriculture International, 29(6), 1-12. 10.9734/JEAI/2019/46658.

Lacerda, A. V &, Barbosa, F. M. (2018). Fitossociologia da vegetação arbustivo-arbórea em uma área de mata ciliar no semiárido paraibano, Brasil. Gaia Scientia, 12(2), 34-43. https://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/gaia/article/view/35719/20280

Leal, I. R., Silva, J. M. C., Tabarelli, M. & Lacher Junior, T. E. (2005). Mudando o curso da conservação da biodiversidade na Caatinga do Nordeste do Brasil. Revista Megadiversidade. 1(1), 139-146.

Lima, W. P. (2008). Hidrologia Florestal Aplicada ao Manejo de Bacias Hidrográficas (2 ed.). USP.

Lima, J. R., Silva, R. G., Tomé, M. P., Sousa Neto, E. P., Queiroz, R. T., Branco, M. S. D. & Moro, M. F. (2019). Fitossociologia dos componentes lenhoso e herbáceo em uma área de caatinga no Cariri Paraibano, PB, Brasil. Hoehnea. 46(3), e792018. http://dx..org/10.1590/2236-8906-79/2018.

Marques, F. J., Cabral, A. G. A., Lima, C. R. & França, P. R. C. (2020). Florística e estrutura do componente arbustivo-arbóreo da caatinga nas margens do rio Sucuru em Coxixola, Paraíba: reflexos da antropização. Braz. J. of Develop. 6(4), 20058-20072. 10.34117/bjdv6n4-252

Medeiros, F. S., Souza, M. P., Cerqueira, C. L., Alves, A. R., Souza, M. S. & Borges, C. H. A. (2018). Florística, fitossociologia e modelagem da distribuição diamétrica em um fragmento de Caatinga em São Mamede-PB. ACSA, 14(2), 85-95. http://dx..org/10.30969/acsa.v14i2.900

Medeiros, N. C. G., Sousa, S. M. S., Monteiro, M. M., Azevedo, L. K. S. & Sales, F. C. V. (2021). Levantamento florístico e fitossociológico em remanescente florestal em Patos-PB. Revista Desafios, 8(1), 120-129. http://dx..org/10.20873/uftv8-9968

Moreira, M. M. (2013). Estoque de carbono e nitrogênio em áreas de vegetação nativa e antropizada no município de Irecê-BA. [Dissertação de Mestrado]. Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.

PARAÍBA (2002). Decreto n.º 23.832 de 27 de dezembro de 2002. Cria o Monumento Natural Vale dos Dinossauros e dá outras providências.

Ramos, G. G., Alves, J. B., Araújo, M. F., Ferreira, V. S. G., Pinto, M. G. C., Leite, M. J. H., Vasconcelos, A. D. M. & Ribeiro, I. R. (2020). Levantamento dos impactos ambientais de um trecho de mata ciliar em região de Caatinga no Sertão Paraibano. Braz. J. of Develop., 6(7), 52848-52859. 10.34117/bjdv6n7-798.

RMFC - Rede de Manejo Florestal da Caatinga. (2005). Protocolo de Medições de Parcelas Permanentes. Associação de Plantas do Nordeste.

Rocha, J. G. Modelagem de conhecimento e métricas de paisagem para identificar e analisar padrões espaciais em ambiente de caatinga. 2011. 153 f. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Ciências Geodésicas e Tecnologia da Geoinformação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2011.

Santos, W. S., Souza, M. P., Nóbrega, G. F. Q., Medeiros, F. S., Alves, A. R. & Holanda, A. C. (2017). Caracterização florístico-fitossociológica do componente lenhoso em fragmento de caatinga no município de Upanema-RN. Nativa, 5(2), 85-91. 10.5935/2318-7670.v05n02a02.

Silva, F. G., Silva, R. H., Araújo, R. M., Lucena, M. F. A. & Sousa, J. M. (2015). Levantamento florístico de um trecho de mata ciliar na mesorregião do Sertão Paraibano. Revista Brasileira de Biociência, 13(4), 250-258. http://www.ufrgs.br/seerbio/ojs/index.php/rbb/article/view/3163

Silva, L. S., Alves, A. R., Nunes, A. K. A., Macedo, W. S. & Martins, A. R. (2015). Florística, estrutura e sucessão ecológica de um remanescente de mata ciliar na bacia do Rio Gurguéia-PI. Nativa, 3(3), 156-164. http://dx..org/10.14583/2318-7670.v03n03a02

Silva, A. G. da., Vilar, L. O., Vilar, V. O., Coelho, F. P., Acioli, N. R. dos S., Ramos, R. B. G. A., Moreira, J. G., Diares, T. R., Silva, D. F. da, Cruz, M. S. da, & Moura, R. G. de. (2021). O manejo florestal sustentável da caatinga. Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências e Educação, 7(5), 872–884. https://.org/10.51891/rease.v7i5.1299

Souza, G. F. & Medeiros, J. F. (2013). Fitossociologia e Florística em áreas de caatinga na Microbacia hidrográfica do Riacho Cajazeiras – RN. Revista Biotemas, 3(1), 161-176.

Souza, A. L. & Soares, C. P. B. (2013). Florestas nativas: estrutura, dinâmica e manejo. UFV.

Published

20/12/2021

How to Cite

SALES, F. das C. V.; ALVES, J. B.; SOUZA, M. P. de; JUSTINO, S. T. P.; RAMOS, G. G. Vegetational characterization of the Natural Monument Vale dos Dinosauros in Sousa Paraíba, Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 17, p. e39101724134, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i17.24134. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/24134. Acesso em: 29 may. 2022.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences