Coping strategies during the experience of breast cancer

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i17.24523

Keywords:

Breast cancer; Nursing; Confrontation.

Abstract

Aiming to know the coping of women diagnosed and treated for breast cancer, through life reports, a qualitative study, of the Oral History type, was carried out in 2016 with five women from the interior of Northeastern Brazil. Data collection took place through semi-structured interviews at the participants' homes, after prior contact with the health institution to which they were linked. The interviews were recorded, transcribed and analyzed, according to Bardin's content analysis technique and the help of the Web Qualitative Data Analysis (WebQDA) software. From the reports, the following categories emerged: Self-Control Attitudes and Social Support in Coping with Breast Cancer, and Religious Coping in Breast Cancer. The women in the study expressed self-control, social support and religious coping in coping with the diagnosis and treatment of breast cancer. For the planning of nursing care and the multidisciplinary team, it is important to know the woman's coping during the diagnosis and treatment of breast cancer.

Author Biographies

Tayanne Queiroz Porcinio Cirqueira, Universidade Federal do Maranhão

Graduada em enfermagem pela Universidade Federal do Maranhão (2017), bolsista FAPEMA do projeto de pesquisa : A religiosidade no enfrentamento do câncer de mama, bolsista FAPEMA do projeto de pesquisa: Papo de adolescente: aplicativo sobre sexualidade e prevenção de DST/HIV/AIDS para adolescentes envolvidos na igreja, voluntária no projeto de extensão: Estratégias de incentivo a doação de leite materno no Hospital Regional Materno Infantil de Imperatriz-MA e voluntária do projeto de extensão : Aprendendo a cuidar: curso preparatório para mães principiantes. Pós-graduada em Saúde da familia e Enfermagem do trabalho pelo Instituto de Ensino Superior do Maranhão - IESMA (UNISULMA). Atualmente, coordena o Serviço Residencial Terapêutico - SRT, dispositivo da Rede de Saúde Mental de Imperatriz, é Responsável Técnica pelo Serviço Residencial Terapêutico - SRT e pelo Centro de Atenção Psicossocial Infanto-Juvenil - CAPSi em Imperariz- MA. Preceptora de estágios da Rede de Atenção Psicossocial de Imperatriz -MA pela Universidade CEUMA

Adriana Gomes Nogueira Ferreira, Universidade Federal do Maranhão

Doutora e Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará (UFC) na área de concentração de Promoção da Saúde. Professora Adjunta IV da graduação em Enfermagem (Imperatriz-MA), Mestrado Acadêmico em Enfermagem e Mestrado em Saúde e Tecnologia da Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Especialista em Enfermagem Obstétrica, Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde e Educação Profissional na Área de Saúde. Bolsista Produtividade FAPEMA. Atua nas seguintes áreas: Promoção da Saúde, Educação em Saúde, Tecnologias da Informação e Comunicação e Saúde da Mulher nos diferentes ciclos. Lider do Grupo de Pesquisa: Grupo de Tecnologias Educacionais para Promoção da Saúde (GTEPS). Linhas de pesquisa: 'O Cuidado em Saúde e Enfermagem' e 'Saúde e Sociedade'. Orientadora de Mestrado, Iniciação Científica (IC) e Projetos de Extensão.

Francisco Dimitre Rodrigo Pereira Santos, Universidade Estadual do Tocantins

Francisco Dimitre Rodrigo Pereira Santos, Fisioterapeuta, pela Faculdade Montes Belos-FMB (2012). Especialista em Informática em Saúde pela Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP (2014). Especialista em Fisioterapia Gerontológica e Geriátrica pela Faculdade Unyleya (2018). Mestre em Ciências da Saúde pela Universidade Federal do Tocantins-UFT (2016). Doutorado em andamento em Engenharia Biomédica pela Universidade Anhembi Morumbi. Docente do Instituto de Ensino Superior do Sul do Maranhão - IESMA/UNISULMA e da Universidade Estadual do Tocantins-UNITINS. Membro da comissão de avaliação institucional e avaliação de cursos do Ministério da Educação. Dedica-se ao estudo das seguintes temáticas: informática em saúde, saúde da mulher, biomecânica, Pilates, e dor lombar crônica não-específica, saúde do idoso e fibromialgia.

Ismália Cassandra Costa Maia Dias, Universidade Federal do Maranhão

Possui Licenciatura e Bacharelado em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Ceará (UECE); mestrado e doutorado em Ciências Marinhas Tropicais pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Atualmente, professora do curso de Enfermagem e do Mestrado Acadêmico em Saúde e Tecnologia na Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Campus Imperatriz. Atua em projetos de genética na atenção primária em saúde e saúde ambiental.

Janaina Miranda Bezerra, Universidade Federal do Maranhão

Possui graduação em Farmácia-Bioquímica pelo Centro de Ensino Superior do Pará - CESUPA (2000), Especialização em Análises Clínicas pela UNESP (Universidade Estadual de São Paulo) e mestrado em Ciências (Biologia da Relação Patógeno-Hospedeiro) pela Universidade de São Paulo (2004). Doutorado pelo Departamento de Moléstias infecciosas da Faculdade de Medicina da USP, cujo Titulo da tese foi "DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DO TESTE IMUNOENZIMÁTICO ?ELISA IgG E IgM ? PARA O DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DA HANSENÍASE. Professora associado I da Universidade Federal do Maranhão, sendo responsável pela disciplina de Parasitologia e Imunologia. Tem experiência na área de Imunologia, com ênfase em Padronização de Testes Imunológicos, e na área de epidemiologia das doencas infeciosas e parasitárias. Possui projetos de extensão e projetos de pesquisa, ambos com alunos bolsistas e voluntários. Os projetos de pesquisa atualmente desenvolvidos englobam a epidemiologia de doenças tropicais e avaliação de testes diagnósticos. Coordenadora de Projeto de Pesquisa financiado pelo CNPQ, orientadora de Iniciação Científica PIBIC/UFMA (CNPq, e Voluntário). É membro do Grupo de tecnologias educacionais para a promoção à Saúde (GTPES) da UFMA e do Núcleo de Patologia e Genética Molecular, Biomateriais e Bioprodutos do CCSST/UFMA.

Juliana Gomes Nogueira Ferreira, Instituto Superior de Teologia Aplicada

Especialista em Saúde Publica e Saúde da Família pelo Centro Universitário UNINTA, Graduada em Enfermagem pelo Instituto Superior de Teologia Aplicada (2014). Tem experiência na área de Enfermagem durante a vivencia acadêmica no Estrategia Saúde da Família e Hospital e no Hospital e Maternidade Madalena Nunes em Tianguá (2014). Atuei como preceptora do curso de enfermagem do Centro Universitário UNINTA e Preceptora do Curso técnico de enfermagem. Atualmente na docência em Curso técnico de Enfermagem.

Miguel Henrique da Silva dos Santos, Universidade Federal do Ceará

Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA). Mestrando em Enfermagem pelo programa de pós graduação em enfermagem (PPGENF) da Universidade Federal do Ceará (UFC) na a área de concentração de Promoção da Saúde. Atualmente faz parte do núcleo de pesquisa sobre saúde do Adolescente(PROSAD) da Universidade Federal do Ceará, com trabalhos com ênfase em adolescentes em situação de rua.

References

Alencar, A. P. A., de Matos, J. H. F., de Souza, J. F., Marques, V. M. C., Lira, P. F., Moreira, A. E. A., & da Silva Laurentino, P. A. (2020). Itinerário terapêutico de mulheres com câncer. Brazilian Journal of Development, 6(6), 42023-42035.

Almeida, T. G. D., Comassetto, I., Alves, K. D. M. C., Santos, A. A. P. D., Silva, J. M. D. O., & Trezza, M. C. S. F. (2015). Vivência da mulher jovem com câncer de mama e mastectomizada. Escola Anna Nery, 19, 432-438.

Andrade, A. F. S. M., de Santana Teles, W., da Silva, M. C., Torres, R. C., Debbo, A., Azevedo, M. V. C., ... & Calasans, T. A. S. (2021). Mulher mastectomizada e repercussões em seu cotidiano: verificação supletiva. Research, Society and Development, 10(11).

Bardin L. (2011). Análise de conteúdo. SP: Edições 70.

Conde, C. R., Lemos, T. M. R., Pozati, M. P. S., & MARQUES, M. D. L. D. S. (2016). A repercussão do diagnóstico e tratamento do câncer de mama no contexto familiar. Revista Uningá, 47(1).

Costa, A. P., Linhares, R., & Souza, F. D. (2012). Possibilidades de Análise Qualitativa no webQDA e colaboração entre pesquisadores em educação em comunicação. Anais 3º Simpósio Educação e Comunicação: Infoinclusão possibilidades de ensinar e aprender, 276-286.

Costa, D. T., Silva, D. M. R. D., Cavalcanti, I. D. L., Gomes, E. T., Vasconcelos, J. L. D. A., & Carvalho, M. V. G. D. (2019). Religious/spiritual coping and level of hope in patients with cancer in chemotherapy. Revista brasileira de enfermagem, 72, 640-645.

Bitencourt, J. F. V., & de Oliveira Souza, I. E. (2015). Necessidades de mulheres no enfrentamento do diagnóstico de câncer de mama e do tratamento cirúrgico. Revista de Enfermagem da UFJF, 1(2).

Dias, E. N., & Pais-Ribeiro, J. L. (2019). O modelo de coping de Folkman e Lazarus: aspectos históricos e conceituais. Revista Psicologia e Saúde, 11(2), 55-66.

Fernandes, V. (2016). O impacto do câncer de mama e a importância da atuação da equipe de enfermagem. Recuperado em 11 de março de 2017, Disponível <http://www.enfermeiroaprendiz.com.br/o-impacto-do-cancer-de-mama-e-importancia-da-atuacao-da-equipe-de-enfermagem/>.

Fonseca, A. B. C., Rodrigues, E. S. R. C., Nobrega, M. M., Nobre, J. O. C., França, G. J., & Silva, L. P. (2016). Estimativa para o câncer de mama feminino: e a assistência de enfermagem na prevenção. Rev. Temas e Saúde, 16(4), 14-30.

Gonzalez, P., Nuñez, A., Wang-Letzkus, M., Lim, J. W., Flores, K. F., & Nápoles, A. M. (2016). Coping with breast cancer: Reflections from Chinese American, Korean American, and Mexican American women. Health Psychology, 35(1), 19.

Herdman, T. H. (2018). NANDA-I Diagnosis Keperawatan Definisi dan Klasifikasi 2018-2020.

Instituto Nacional do Câncer (BR). (2021). Controle do Câncer de Mama. Recuperado em 26 de julho de 2021, <https://www.inca.gov.br/mama>.

Lacerda, C. S., Balbino, C. M., Sá, S. P. C., Silvino, Z. R., da Silva Júnior, P. F., Gomes, E. D. N. F., & Joaquim, F. L. (2020). Enfrentamento de mulheres com câncer de mama. Research, Society and Development, 9(7), e165974018-e165974018.

Machado, M. X., Soares, D. A., & Oliveira, S. B. (2017). Significados do câncer de mama para mulheres no contexto do tratamento quimioterápico. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 27, 433-451.

Migowski, A. Silva, G.A.S. Dias, M.B.K. Diz, M.D.P.E. Sant’ana, D.R. Nadanowski, P. Diretrizes para detecção precoce do câncer de mama no Brasil. II – Novas recomendações nacionais, principais evidências e controvérsias. Cad. Saúde Pública; 34(6):e00074817, 2018.

Minayo, M.C.S. (2013) O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde.Revista e ampliada. São Paulo: Hucitec.

Paganini, J. (2016). Lei garante reconstrução da mama em seguida à retirada de câncer. Recuperado em 22 de março de 2020, <http://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2016/05/07/lei-garante-reconstrucao-da-mama-em-seguida-a-retirada-de-cancer>.

Paiva, A. D. C. P. C., Elias, E. A., Souza, Í. E. D. O., Moreira, M. C., Melo, M. C. S. C. D., & Amorim, T. V. (2020). Cuidado de enfermagem na perspectiva do mundo da vida da mulher-que-vivencia-linfedema-decorrente-do-tratamento-de-câncer-de-mama. Escola Anna Nery, 24.

Pereira, A.S. et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM.

Pontes, B. F., Quitete, J. B., dos Reis, R. F., da Silva, B. M. S., da Silva, M. T., da Silveira, S. S. D., & de Carvalho Castro, R. (2020). Outubro rosa: uma ação de cuidado no cenário das políticas públicas. Brazilian Journal of Development, 6(6), 34504-34518.

Reis, A. P. A., Panobianco, M. S., & Gradim, C. V. C. (2019). Enfrentamento de mulheres que vivenciaram o câncer de mama. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, 9.

Sousa, F. F. D. P. R. D., Freitas, S. M. F. D. M., Farias, A. G. D. S., Cunha, M. D. C. D. S. O., Araújo, M. F. M. D., & Veras, V. S. (2017). Religious/spiritual coping by people with cancer undergoing chemotherapy: integrative literature review. SMAD. Revista eletrônica saúde mental álcool e drogas, 13(1), 45-51.

Souza, V. R. D. S., Marziale, M. H. P., Silva, G. T. R., & Nascimento, P. L. (2021). Tradução e validação para a língua portuguesa e avaliação do guia COREQ. Acta Paulista de Enfermagem, 34.

Yoshinari, S. T. V., Júnior, G. H. Y., Masson, M. V., & de Mello, L. F. (2017). Vivência de mulheres frente ao câncer de mama: revisão da literatura brasileira/The experience of women facing breast cancer: a review of Brazilian scientific literature. Health Sciences Journal, 7(4), 20-25.

Published

25/12/2021

How to Cite

CIRQUEIRA, T. Q. P. .; FERREIRA, A. G. N. .; CUNHA, C. R. de S. .; SANTOS, F. D. R. P. .; DIAS, I. C. C. M. .; BEZERRA, J. M. .; FERREIRA, J. G. N. .; SANTOS, M. H. da S. dos .; COSTA JUNIOR, A. L. da . Coping strategies during the experience of breast cancer. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 17, p. e207101724523, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i17.24523. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/24523. Acesso em: 17 jan. 2022.

Issue

Section

Health Sciences