High School students' perception of the use of Medicinal Plants: a teaching tool in the disciplines of Biology and Chemistry in Quirinópolis, Góias, Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v10i17.24729

Keywords:

Practical class; Botany teaching; Ethnobotany; Folk Medicine; Dye method.

Abstract

The disciplines of Biology and Chemistry can be used as tools for the dissemination and expansion of ethnobotanical knowledge regarding the use of medicinal plants. The awakening of this knowledge in students contributes to the improvement of interest in experimental sciences and, consequently, provides a feeling of belonging to nature on the part of those involved. In this context, this research aimed to evaluate the perception of high school students about the use of medicinal plants in Quirinópolis, Goiás. The research was conducted with the application of questionnaire 1, followed by a practical class using the tincture method in the preparation of the medicine with medicinal plants, and, ending with the application of questionnaire 2. For the practical class, the students collected the plants and brought them to the Chemistry/Biology Laboratory. Most students said they use plants for medicinal purposes with guidance from family members. Twelve plant species were mentioned, the majority exotic, acquired for the most part from their own cultivation, and the most mentioned were Plectranthus barbatus Andrews, Chenopodium ambrosioides L., Matricaria chamomilla L. and Bidens pilosa L. The most used part was the leaves, the predominant form of preparation was infusion and the main use was for the treatment of flu. The practical class was considered by the students as an innovative experience with fruitful scientific knowledge. Most of them believe that knowledge about medicinal plants can contribute to the learning of Chemistry and Biology and the experience arouses interest in practical applications of scientific concepts addressed in the classroom.

References

Albuquerque, U. P., Cavalcanti, L. H. & Caballero, J. (2005). Structure and Floristics of Homegardens in Northeastern Brazil. Journal of Arid Enviroments, 62, 491-506.

Alves, H. K. D. R., Morais, I. L. de & Caes, A. L. (2018). Medicina popular no Cerrado e plantas medicinais usadas pelas irmãs raízeiras de Morrinhos, GO. In: FR dos Santos (Org.) Economia, Política e Sociedade: vicissitudes e perspectivas para a preservação do meio ambiente no Brasil. Curitiba: Editora CRV, 329-355.

Alves, R. J. R., Silva, M. A. D. da, Alves, R. M., Dvoskin, D. M., Moura, D. P. de & Silva, L. M. da. (2020). Influência alelopática do extrato aquoso de folíolos frescos de Mimosa tenuiflora (Willd.) Poir. sobre a germinação de Bidens pilosa L. Research, Society and Development, 9 (9), e752998061.

Arantes, A. A., Caldas, E. R. & Silva, K. G. A. (2003). O uso de plantas medicinais no município de Itumbiara, Goiás, Brasil. Práxis, 3, 43-56.

Araújo, C. R. F., Silva, A. B., Tavares, E. C., Costa, E. P. & Mariz, S. R. (2014). Perfil e prevalência de uso de plantas medicinais em uma unidade de saúde da família em Campina Grande, Paraíba, Brasil. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, 35, 233-238.

Arnous, A. H., Santos, A. S. & Beinner, R. P. C. (2005). Plantas medicinais de uso caseiro - conhecimento popular e interesse por cultivo comunitário. Revista Espaço para a Saúde, 6 (2), 1-6.

Balbinot, S., Velasquez, P.G. & Düsman, E. (2013). Reconhecimento e uso de plantas medicinais pelos idosos do Município de Marmeleiro – Paraná. Rev. Bras. Pl. Med., 15 (4), supl. I, 632-638.

Baptistel, A. C., Coutinho, J. M. C. P., Lins Neto, E. M. F. & Monteiro, J. M. (2014). Plantas medicinais utilizadas na Comunidade Santo Antônio, Currais, Sul do Piauí: um enfoque Etnobotânico. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 16 (2), 406 - 425.

Barros, A. T. (2011). Implantação de uma horta medicinal como estratégia de educação ambiental em uma escola pública de Patos-PB, Brasil. BioFar, 5 (2), 73-82.

Bezerra, N. R., Souza, M. L. L. de, Targino, M. P. S. C., Viana, D. K. S. & Vilar, D. A. (2020). Avaliação das condições de armazenamento e rotulagem de amostras Matricaria chamomila L. comercializadas no município de Campina Grande, Estado da Paraíba, Brasil. Research, Society and Development, 9 (10), e1929108331.

Blanckaert, I., Sweenen, R.L., Flores, M.P., López, R.R. & Saade, R.L. (2004). Floristic composition, plant uses and management practices in homegardens of San Rafael Coxcatlán, Valley of Tehuacán- Cuicatlán, Mexico. Journal of Arid Environments, 57, 39-62.

Brasil. (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Secretaria de Educação. Brasília: MEC. 136 p.

Brasil. (2011). Formulário de Fitoterápicos da Farmacopéia Brasileira. Brasília: ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Brasil. (2016). Memento Fitoterápico Farmacopéia Brasileira. Brasília: ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Brasileiro, B. G., Pizziolo, V. R., Matos, D. S., Germano, A. M. & Jamal, C. M. (2008). Plantas medicinais utilizadas pela população atendida no "Programa de Saúde da Família", Governador Valadares, MG, Brasil. Rev. Bras. Cienc. Farm., 44 (4), 629-636.

Calábria, L., Cuba, G. T., Hwang, S. M., Marra, J. C. F., Mendonça, M. F., Nascimento, R. C., Oliveira, M. R., Porto, J. P. M., Santos, D. F., Silva, B. L., Soares, T. F., Xavier, E. M., Damasceno, A. A., Milani, J. F., Rezende, C. H. A., Barbosa, A. A. A. & Canabrava, H. A. N. (2008). Levantamento etnobotânico e etnofarmacológico de plantas medicinais em Indianópolis, Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 10 (1), 49-63.

Carriconde C., Mores, D., Fritschen, M. V. & Cardozo Júnior, E. L. (1996). Plantas medicinais & plantas alimentícias. Recife: Universidade Federal Rural de Pernambuco. 153p.

Cavaglier, M. C. S. & Messeder, J. C. (2014). Plantas Medicinais no Ensino de Química e Biologia: Propostas Interdisciplinares na Educação de Jovens e Adultos. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 14 (1), 55 – 71.

Ceolin, T., Heck, R. M., Barbieri, R. L., Schwartz, E., Muniz, R. M. & Pillon, C. N. (2011). Plantas medicinais: transmissão do conhecimento nas famílias de agricultores de base ecológica no Sul do RS. Rev. Esc. Enferm., 45 (1), 47-54.

Clarindo, M. F., Strachulski, J. & Floriani, N. (2019). Curandeiros parintintin e benzedeiras: reprodução do saber popular de cura. Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, 15 (31): 105-124.

CNS (Conselho Nacional de Saúde). (2012). Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Disponível: <https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf>. Acessado em: 13.Jul.2018.

CNS (Conselho Nacional de Saúde). (2016). Resolução nº 510, de 07 de abril de 2016. Disponível: <http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf>. Acessado em: 14.Mai.2018.

De Souza, L. A., Andrade, M. S. de, Tormem, L. T. & Souza, P. A. de. (2020). Práticas populares aplicadas a dor de ouvido. Research, Society and Development, 9 (7), e418974206.

Dias, J. E. & Laureano, L. C. (2009). Farmacopeia Popular do Cerrado. Coordenação. Goiás: Articulação Pacari (Associação Pacari).

Fabro, M., Ramos, F. A., Israel, A. P. & Souza, P. A. (2020). Identificação das plantas medicinais utilizadas pelos moradores da região da AMURES (Associação dos Municípios da Região Serrana). Research, Society and Development, 9 (7), e994975230.

Fernandes, J. M., Lopes, C. R. A. S. & Almeida, A. A. S. D. (2021). Morfologia de espécies medicinais de boldo cultivadas no Brasil. Research, Society and Development, 10 (6), e42910615824.

Franco, E. A. P. & Barros, R. F. M. (2006). Uso e diversidade de plantas medicinais no Quilombo Olho D` Água dos Pires, Esperantina, Piauí. Revista Brasileira Pl. Med., 8 (3), 78-88.

Giraldi, M. & Hanazaki, N. (2010). Uso e conhecimento tradicional de plantas medicinais no Sertão do Ribeirão, Florianópolis, SC, Brasil. Acta Botanica Brasilica, 24, 395-406.

Goes, V. N., Palmeira, J. T., Moura, A. B. R., Andrade, M. A., Cavalcanti, R. B. M. S., Gomes, L. L., Lima, F. O., Sátyro, M. A. S. A., Oliveira-Filho, A. A. de, Anjos, R. M. dos, Figueiredo, C. H. M. C. & Alves, M. A. S. G. (2020). Potencial fitoterápico do Chenopodium ambrosioides L. na Odontologia. Research, Society and Development, 9 (7), e818974983.

Guarim Neto, G. & Morais, R. G. de. (2003). Recursos medicinais de espécies do Cerrado de Mato Grosso: um estudo bibliográfico. Acta Bot. Bras, 17 (4), 561-584.

Guimarães, B. O., Oliveira, A. P. de & Morais, I. L. de. (2019). Plantas Medicinais de Uso Popular na Comunidade Quilombola de Piracanjuba - Ana Laura, Piracanjuba, GO. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science, 8 (3), 196-220.

Heringer, T. A., Vilichane, I. J., Garcia, E. L., Krug, S. B. F. & Possuelo, L. G. (2021). O uso de plantas medicinais no âmbito da promoção da saúde no Brasil: uma revisão integrativa. Research, Society and Development, 10 (14), e414101422223.

Kovalski, M. L. & Obara, A. T. (2013). O estudo da etnobotânica das plantas medicinais na escola. Revista Ciência e Educação, 19 (4), 911-927.

Löbler, L., Santos, D., Rodrigues, E.S. & Santos, N.R.Z. dos. (2014). Levantamento etnobotânico de plantas medicinais no bairro Três de Outubro da cidade de São Gabriel, RS, Brasil. R. bras. Bioci., 12 (2), 81-89.

Lorenzi, H. & Matos, F. J. A. (2008). Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2.ed. Nova Odessa: Plantarum. 544p.

Loyola, C. O. B. & Silva, F. C. (2017). Plantas medicinais: uma oficina temática para o ensino de grupos funcionais. Revista Química Nova na Escola, 39 (1), 59-67.

Marmitt, D. J., Rempel, C., Goettert, M. I. & Silva, A. C. (2015). Plantas Medicinais da RENISUS Com Potencial Antiinflamatório: Revisão Sistemática Em Três Bases de Dados Científicas. Revista Fitos, 9 (2), 73-159.

Manzini, E. J. (1991). A entrevista na pesquisa social. Didática, 27, 149-158.

MEC (Ministério da Educação). (2018). Base Nacional Comum Curricular. Brasília. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf.>. Acesso em: 17 Dez. 2021.

Melo, M. N. S. M. P. de, Uceli, L. F., Gomes Filho, J. V. P. & Rezende, J. L. P. (2019). A utilização do tema “plantas medicinais” para contextualizar as aulas de botânica no Ensino Médio. Pedagog. Foco, 14 (11), 159-174.

Ministério da Saúde. (2009). Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/sus/pdf/marco/ms_relacao_plantas_medicinais_sus_0603.pdf.>. Acesso em 17 Dez. 2021.

Ministério da Saúde. (2012). Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na atenção básica. Ministério da Saúde. Brasília: Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica.

Ministério da Saúde. (2013). Resolução da Diretoria Colegiada - RDC nº 18, de 03 de abril de 2013. Dispõe sobre as boas práticas de processamento e armazenamento de plantas medicinais, preparação e dispensação de produtos magistrais e oficinais de plantas medicinais e fitoterápicos em farmácias vivas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

Ministério da Saúde (2021). Disponível em: <https://avasus.ufrn.br/local/avasplugin/cursos/cursos.php?search=plantas+medicinais>. Acesso em: 17 Dez. 2021.

Moraes, J. S., Santos, D. L., Fecury, A. A., Dendasck, C. V., Dias, C. A. G. M., Pinheiro, M. C. N., Souza, K. O. da, Silva, I. R. da & Oliveira, E. de. (2020). O uso da planta Cissus verticillata (Insulina) no tratamento do diabetes mellitus, em uma comunidade costeira do Pará, Amazônia, Brasil. Research, Society and Development, 9 (7), e443974273.

Morais, I. L. de, Aguiar, D. S., Rodrigues, S. M. & Arruda, R. (2021). O uso de plantas carnívoras como ferramenta para o ensino de botânica e para a educação ambiental. Research, Society and Development, 10 (14), e338101422153.

Nascimento, C. S., Claro, H. R., Lima, J. P. de, Oliveira, M. V. G. de, Delmondes, P. H. & Poleto, S. L. (2012). O uso de plantas medicinais na percepção dos estudantes, da Escola Estadual Marisa Mariano, de Barra do Garças-MT. Interdisciplinar: Revista Eletrônica da Univar, 8, 1-5.

Nunes, J.D & Dantas Moura, M. Z. (2007). Plantio de uma horta de plantas medicinais na Escola Estadual Dr. José de Grisolia. Biofar, 1 (1), 1-6.

Oliveira, D. F. de, Silva, C. G. da & Cardoso, S. P. (2018). Inibidor de corrosão ambientalmente seguro: avaliando extratos de Plectranthus barbatus Andrews. Research, Society and Development, 7 (12), e3712479.

Oliveira, E. R. & Menini Neto, L. (2012). Levantamento etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pelos moradores do povoado de Manejo, Lima Duarte - MG. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, 4 (2), 311-320.

Oliveira, L. R. (2015). Uso popular de plantas medicinais por mulheres da comunidade quilombola de Furadinho em Vitória da Conquista, Bahia, Brasil. Revista Verde, 10 (3), 25-31.

Oliveira, D.R., Leitão, G. G., Coelho, T. S., Silva, P. E. A. da, Lourenço, M. C. S., ARQMO & Leitão, S. G. (2011). Ethnopharmacological versus random plant selection methods for the evaluation of the antimycobacterial activity. Revista Brasileira de Farmocognosia, 21 (5), 793-803.

Pasa, M. C., Soares, J. J. & Guarim Neto, G. (2005). Estudo etnobotânico na comunidade de Conceição-Açu (Alto da Bacia do Rio Aricá Açu, MT, Brasil). Acta Bot. Bras., 19 (2), 195-207.

Patrocínio, D. C. B., Ribeiro, A. B. B. G., Fernandes, V. D. G., Alencar, L. B. B. de, Azevedo, J. D. F. de, Sousa, S. C. A. de, Cunha, S. M. D. da, Sousa, A. P. de & Oliveira Filho, A. A. de. (2020). Análise epidemiológica dos casos de intoxicações exógenas por plantas medicinais no estado da Paraíba. Research, Society and Development, 9 (7), e855975011.

Pereira, A. S., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J. & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica. Ed. UAB/NTE/UFSM. Disponível em: <https://repositorio.ufsm.br/bitstream/handle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1>. Acesso em: 17 Dez. 2021.

Pereira, K. B., Brum, V. S., Pijuan, P. L., Pessano, E. F. C. & Farias, F. M. (2021). O uso de plantas medicinais em uma unidade de estratégia de saúde da família na cidade de Uruguaiana. Educação Ambiental em Ação, XX (76).

Pinto, E. P. P., Amorozo, M. C. & Furlan, A. (2006). Conhecimento popular sobre plantas medicinais em comunidades rurais de Mata Atlântica - Itacaré, BA, Brasil. Acta Botanica Brasilica, 20 (4), 751-762.

Ramalho, M. P., Santos, S. L. F., Leina, N. M. C., Vasconcelos, M. O., Morais, I. C. O. & Pessoa, C. V. (2018). Plantas medicinais no processo de cicatrização de feridas: revisão de literatura. Revista Expressão Católica Saúde, 3 (2): 65-70.

Rocha, A. O. R. M. F., Vieira, R. J., Silva, E. H. P., Amaral, F. P. M. & Nunes, J. F. (2021). Uso do gel da camomila (Matricaria chamomilla L.) associado ao LED vermelho de baixa frequência no tratamento da acne vulgar. Research, Society and Development, 10 (15), e162101522627.

Rutkanskis, A.M.R.A. & Silva, C.T.A.C. (2009). Utilização de plantas medicinais pelos acadêmicos da área de saúde da Faculdade Assis Gurgacz no município de Cascavel Paraná. Cultivando o Saber Cascavel, 2 (4), 69-85.

Santos Júnior, P. S., Everton, G. O., Rosa, P. V. S., Souza, L. S., Conceição, F. O. V. A., Soares, L. B. C., Farias, W. K. S., Souza, L. S., Batista, C. L. C., Pinheiro, F. S., Araújo Neto, A. P. de & Mouchrek Filho, V. E. (2020). Atividade larvicida do óleo essencial de Alpinia zerumbet frente as larvas do mosquito Aedes aegypti. Research, Society and Development, 9 (8), e194985578.

Silva, F. L. A., Oliveira, R. A. G. de & Araújo, E. C. de. (2008). Use of medicinal plants by the elders at a family’s health estrategy. Revista de Enfermagem, 2 (1), 9-16.

Silva, A. C. M. da, Leite, R. S., Yoshida, E. H., Carneiro, H. F. P. & Santos, N. S. dos. (2019). O uso de três plantas medicinais populares no Brasil: uma revisão da literatura. Revista Saúde em Foco, 11, 435-444.

Silva, I. L., Alencar, L. B. B. de, Martins, B. A., Oliveira, E. N. de, Rodrigues Neto, S. C., Sátyro, M. A. S. A., Penha, E. S. da, Guênes, G. M. T., Figueiredo, C. H. M. C., Anjos, R. M. dos, Oliveira-Filho, A. A. de & Alves, M. A. S. G. (2020). Aplicações clínicas da curcumina (Curcuma longa) em desordens orais. Research, Society and Development, 9 (7), e228973789.

Silva, M. A. da, Almeida, F. H. O. de, Santos, D. C. T. dos, Silva, W. B. da & SILVA, F. A. da. (2021a). Análise da produção científica brasileira sobre etnobotânica: protocolo de scoping review. Research, Society and Development, 10 (14), e545101422493.

Silva, N. C. B., Regis, A. C. D. & Almeida, M. Z. (2012). Estudo Etnobotânico em comunidades remanescentes de Quilombo em Rio de Contas – Chapada Diamantina - BA. Revista Fitos, 7 (2), 99-109.

Silva, R. T. P. da, Araújo, C. F. L. de, Vivi-Oliveira, V. K. & Nascimento, V. F. do. (2021b). Construção de protocolo para elaboração de extrato de Cucumis anguria L. Research, Society and Development, 10 (10), e522101019019.

Silva, T.S.S. & Marisco, G. (2013). Conhecimento etnobotânico dos alunos de uma escola pública de Vitória da Conquista- BA sobre plantas medicinais. Revista de Biologia e Farmácia, 9 (2), 62-73.

Silveira, A. P. da & Farias, C. C. (2009). Estudo etnobotânico na educação básica. Revista do programa de pós-graduação – mestrado – Universidade do Sul de Santa Catarina, 2 (1), 14-31.

Silveira, A. S. da, Gomes, L. E. N. & Pereira Junior, A. (2021). Investigação sobre a interdisciplinaridade entre o ensino de Biologia, a Etnobotânica e a Educação Ambiental no Ensino Médio. Research, Society and Development, 10 (7), e3610716241.

Simões, C. M. O., Mentz, L. A., Schenkel, E. P., Irgang, B. E. & Sthmann, J. R. (1998). Plantas da medicina popular no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Editora da Universidade UFRGS.

Souza, C. D. & Felfili, J. M. (2006). Uso de plantas medicinais na região de Alto Paraiso de Goiás, GO, Brasil. Acta Bot. Bras., 20 (1), 135-142.

Souza, R. P., Holanda, J. N. P. de, Sousa, L. R. B. de, Oliveira, D. de, Souza, D. C. P. & Sousa, R. W. R. de. (2020). Desenvolvimento farmacotécnico e controle de qualidade de um gel crioterápico à base de extrato de gengibre, mentol e cafeína. Research, Society and Development, 9 (6), e110963513.

Souza, V. A. de, Lima, D. C. S. & Vale, C. R. do. (2015). Avaliação do conhecimento etnobotânico de plantas medicinais pelos alunos de Ensino Médio da cidade de Inhumas, Goiás. Revista Eletrônica de Educação da Faculdade Araguaia, 8, 13-30.

Stefanello, S., Kozera, C., Ruppelt, B. M., Fumagalli, D., Camargo, M. P. & Sponciado, D. (2018). Levantamento do uso de plantas medicinais na Universidade Federal do Paraná, Palotina – PR, Brasil. Revista Extensão em Foco, 15, 15-27.

Yin, R. K. (2009). Case study research, design and methods (applied social research methods). Thousand Oaks. California: Sage Publications.

Published

24/12/2021

How to Cite

MORAIS, I. L. de .; NASCIMENTO, L. A. do .; SANTOS, A. B. da S. .; GUIMARÃES, B. de O. . High School students’ perception of the use of Medicinal Plants: a teaching tool in the disciplines of Biology and Chemistry in Quirinópolis, Góias, Brazil. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 17, p. e202101724729, 2021. DOI: 10.33448/rsd-v10i17.24729. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/24729. Acesso em: 27 jan. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences