Ethics in mental health relationships: film analysis based on the stories of superheroes

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i1.25170

Keywords:

Mental health; Ethics; Nurse-Patient Relations; Interpersonal relations.

Abstract

Social relationships are of great importance in mental health as they influence the design of this care. The value of human relationships from the perspectives of what is health and what is disease is historically proven from civilizations. Professional behaviors can influence therapeutic relationships and can be a major hindrance to the promotion of mental health. Based on the ethical bias, it is necessary to highlight the professional-user relationship through embracement for the construction of the therapeutic relationship. Objective: This study aimed to analyze, through the exercise of film language, the ethical principles in the therapeutic relationship between health professionals and people in mental suffering. Methodology: Qualitative, exploratory research using the film analysis strategy. Information obtained from non-participant and indirect observation of the films: Avengers: Age of Ultron, Doctor Strange, Batman vs Superman: The Origin of Justice, Joker, Glass and; the miniseries: WandaVision. Results: From the analysis of the material, the information was organized into categories: The professional recognizing limits and limitations; Understand the dimensions of the user; Leverage user resources; Deal with and respect user limitations; Power relations. Conclusion: Based on plots based on stories of super heroes, the importance and, at the same time, the complexity of the mental health care process can be observed; and the ethical aspects that result in the promotion of mental health and depend on the behavior of professionals who work in psychosocial care.

References

Almeida, J. M. C. (2019). Política de saúde mental no Brasil: o que está em jogo nas mudanças em curso. Cad. Saúde Pública, 35(11), 1-6.

Araújo, L. S. & Bassalo, J. F. (2019). Modos de cuidado e saúde mental: apontamentos para uma prática psicossocial. Rev. NUFEN,.10(3), 137-153.

Barin, et al. (2020). Do trauma aos sintomas: um viés psicanalítico da franquia “It – A Coisa”. Research Society and Development, 9(4), 1-14.

Batista, E. C. (2018). A Saúde Mental e o Cuidado à Pessoa em Sofrimento Psíquico na História da Loucura. Rev Enfermagem e Saúde Coletiva, 3(2), 1-15.

Bossato, H. R., et al. (2021). Protagonismo do usuário na assistência em saúde mental: uma pesquisa em base de dados. Barbarói, 58, 95-121.

Campos, D. B. & Bezerra, I. C. & Jorge, M. S. B. (2018). Tecnologias do cuidado em saúde mental: práticas e processos da Atenção Primária. Rev. Bras. Enferm., 71, 2228-2236.

Coelho, R. S. & Velôso, T. M. G. & Barros, S. M. M. (2017). Oficinas com Usuários de Saúde Mental: a Família como Tema de Reflexão. Psicol., Ciênc. Prof., 37(2), 489-499.

Paula, K. V. S. (2008). A questão da saúde mental e atenção psicossocial: considerações acerca do debate em torno de conceitos e direitos. Physis, 18(4), 836-840.

Ferreira, M. A. (2020). Heróis de máscaras no sistema de saúde do brasil: a experiência da pandemia em sob pressão: plantão COVID. Revista GEMINIS, 11(2), 81-98.

Ferreira, T. P. S., et al. (2019). A família no cuidado em saúde mental: desafios para a produção de vidas. Saúde debate, 43(121), 441-449.

Flick, U. (2009). Introdução à pesquisa qualitativa. Artmed.

Freitas, A. D. G. & Leite, N. R. P. (2015) Linguagem fílmica: uma metáfora de comunicação para a análise dos discursos nas organizações. R. Adm., 50(1), 89-104.

Fuentes, J. C. (2017). Super heróis e outros mitos modernos: Aplicação pedagógica para reflexões filosóficas e formação ético-moral de jovens crianças. Revista do NESEF Filosofia e Ensino, 6(1), 71-82.

Gaino, L. V., et al. (2018). O conceito de saúde mental para profissionais de saúde: um estudo transversal e qualitativo. Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog., 14(2), 108-116.

Leite, N. R. P. & Nishimura, A. T. & Leite, F. P. (2010). O estudo do construto amor em administração: ciência ou senso comum? Revista Reuna, 15(2), 59-81.

Machado, D. Q. et al. (2012). Estudos observacionais em linguagem fílmica. Editora CRV.

Machado, D. Q. & IPIRANGA, A. S. R. & OLIVEIRA, F. C. (2012). Os Princípios da Bioética em Práticas de Desenvolvimento Sustentável: um Estudo Observacional no filme “Avatar”. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde, 14(3), 4-9.

Mendonça, S. M. (2019). Dignidade e autonomia do paciente com transtornos mentais. Rev. Bioét., 27(1), 46-52.

Munsterberg, H. (2003). A experiência do cinema: Antologia. Graal.

Penafria, M. (2009). Análise de Filmes - conceitos e metodologia(s). VI Congresso SOPCOM.

Peres, G. M., et al. (2018). Limites e desafios da rede de atenção psicossocial na perspectiva dos trabalhadores de saúde mental. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, 10(27), 34-52.

Ramos, A. C. & Calais, S. L. & Zotesso, M. C. (2019). Convivência do familiar cuidador junto a pessoa com transtorno mental. Contextos Clínic, 12(1), 281-302.

Reis, D. O., et al. Nem herói, nem vilão: elementos da prática médica na atenção básica em saúde. Ciênc. saúde colet., 23(8), 2651-2660.

Santos, P. R. (2016). A concepção de poder em Michel Foucault. Cadernos de Ciências Humanas, 16(28), 261-280.

Scudeler, R. P. (2020). Ensaio a respeito da desistintucionalização por meio da análise de discurso de profissionais da saúde mental. Brazilian Journal of health Review, 3(3), 6122-6140.

Sousa, F. S. P. & Jorge, M. S. B. (2019) O retorno da centralidade do hospital psiquiátrico: retrocessos recentes na política de saúde mental. Trab. educ. saúde, 17(1), 1-19.

Vanoye, F. & Goliot-Lété, A (2008). Ensaio sobre a análise fílmica. Papirus Editora.

Viegas, S. I. R. (2008). Olhar e memória na percepção cinematográfica. Princípios: Revista de Filosofia, 15(24), 31-44.

Published

11/01/2022

How to Cite

LIMA, J. L. R. de; SANTOS, M. A. dos; COMASSETTO, I.; SANTOS, A. A. P. dos; SANTOS, R.; ALBUQUERQUE, M. C. dos S. de. Ethics in mental health relationships: film analysis based on the stories of superheroes. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 1, p. e45911125170, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i1.25170. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/25170. Acesso em: 30 nov. 2022.

Issue

Section

Health Sciences