Pleasure and suffering in nursing work: integration review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i3.26573

Keywords:

Nursing; Workers health; Pleasure; Psychological stress.

Abstract

Work is fundamental to human beings, and it is through work that man inserts himself into society. The objective was to highlight the factors that generate pleasure and suffering in nursing work. This study is an integrative review carried out in the databases of the Latin American Health Sciences Literature, the International Literature on Health Sciences, and the Bibliographic Database in the Area of Nursing in ​​Brazil, using as descriptors: pleasure, suffering, nursing and work. The sample consisted of 15 articles, without a temporal cut. Most of the investigations occurred in 2011, and they address the nursing area in the hospital context. Pleasure factors that stand out are those related to the recognition given by patients and their families, and the direct assistance to the patient, and those of suffering emerge mainly due to the death of a patient. It is concluded that such feelings are influenced by the relationships in the work environment, and that by evidencing the factors of pleasure and suffering in nursing work it is possible to stimulate people to build a more collaborative, constructive and fulfilling workplace for themselves.

References

Bardin, L. Análise de conteúdo (2011). Portugal (PT), Geográfica Editora.

Bomfim, R.C., & Soares, D.A. (2011). Percepção de enfermeiros quanto ao trabalho na unidade de terapia intensiva: uma relação de prazer e sofrimento. C & D-Revista Eletrônica da Fainor, 4(1),130-143.

Cruz, E., Rollemberg, J.E., Souza, N.V.D.O., Correa. R.A., & Pires, A.S. (2014). Dialética de sentimentos do enfermeiro intensivista sobre o trabalho na Terapia Intensiva. Esc. Anna Nery Rev. Enferm, 18(3), 485-485, http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20140068.

Dal Ben, L. W., Carvalho, M. B., Souza, T. M. & Felli, V. E. A. (2004). A percepção da relação sofrimento/prazer no trabalho de auxiliares de enfermagem e técnicos de enfermagem em internação domiciliária. Revista Cogitare Enfermagem, 9(2), 73-81.

Dejours, C. (2007). Psicodinâmica do Trabalho: contribuições da Escola Dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. Atlas.

Dejours, C. (2006). A banalização da injustiça social. FGV.

Dejours, C. (2003). O fator humano. FGV.

Dejours, C. (2001). A banalização da injustiça social. FGV.

Dejours, C. (1994). Psicodinâmica do trabalho: contribuições da Escola Dejouriana a análise de relação prazer, sofrimento e trabalho. Atlas.

Dejours, C., Abdoucheli, E. & Jayet, C. (2011). Psicodinâmica do trabalho: contribuições da escola dejouriana à análise da relação prazer, sofrimento e trabalho. Atlas.

Fineout-Overholt, E., Melnyk, B. M., & Schultz, A. (2005). Transforming health care from the inside out: advancing evidence-based practice in the 21st century. Journal of professional nursing : official journal of the American Association of Colleges of Nursing, 21(6), 335–344. https://doi.org/10.1016/j.profnurs.2005.10.005.

Fonseca, M.L.G, & Sá, M.C. (2020). The intangible in the production of care: the exercise of practical intelligence in an oncology ward., Ciênc Saúde Coletiva, 25(1),159-68. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/csc/v25n1/en_1413-8123-csc-25-01-0159.pdf

Garanhani, M. L., Martins, J. T., Robazzi, M. L. do C. C., & Gotelipe, I. C. (2008). O trabalho de enfermagem em unidade de terapia intensiva: significados para técnicos de enfermagem. SMAD, Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool E Drogas (Edição Em Português), 4(2), 01-15. https://doi.org/10.11606/issn.1806-6976.v4i2p01-15

Gomes, L., Masson, L. P., Brito, J. C. E., & Athayde, M. (2011). Competências, sofrimento e construção de sentido na atividade de auxiliares de enfermagem em Utin. Trabalho, Educação e Saúde. v. 9 (Suppl. 1), p. 137-156. https://doi.org/10.1590/S1981-77462011000400007.

Gutierrez, B. A. O., & Ciampone, M. H. T. (2006). Profissionais de enfermagem frente ao processo de morte de pacientes em unidades de terapia intensiva. Acta Paul Enferm,19(4),456-461. https://doi.org/10.1590/S0103-21002006000400015

Kessler, A. I. & Krug, S.B.F. (2012). Do prazer ao sofrimento no trabalho da enfermagem: o discurso dos trabalhadores. Rev Gaúcha Enferm. 33(1), 49-55. https://doi.org/10.1590/S1983-14472012000100007

Lancman, S. & Sznelwar, L.I (Org.) (2004). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Paralelo 15.

Martins, J.T., Bobroff, M.C.C., Ribeiro, R.P., Soares, M.H., Robazzi, M.L.C.C., & Marziale. M.H.P. (2014). Sentimentos vivenciados pela equipe de enfermagem de um centro de tratamento de queimados. Esc. Anna Nery Rev. Enferm, 18(3), 526-526. http://dx.doi.org/10.5935/1414-8145.20140074

Martins, J.T., Robazzi, M.L.C.C., & Bobroff, M.C.C. (2010). Prazer e sofrimento no trabalho da equipe de enfermagem: reflexão à luz da psicodinâmica Dejouriana. Rev. Esc. Enferm. 44(4), 1107-11. https://doi.org/10.1590/S0080-62342010000400036

Mattos, T.A.D., Lange, C., Cecagno, D., Amestoy, S.C., Thofehrn, M.B., & Milbrath, V.M. (2009). Profissionais de enfermagem e o processo de morrer e morte em uma unidade de terapia intensiva. Rev. Min. Enferm. 13(3), 337-342.

Mendes, A.M.B. (2007). Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisas. Casa do Psicólogo.

Mendes, A. M. B., Vieira, A. P., & Morrone, C. F. (2009). Prazer, sofrimento e saúde mental no trabalho de teleatendimento. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 8(2), 151-158. 10.5329/360

Mendes, K. D. S., Silveira, R. C. C. P., & Galvão, C. M. (2008). Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 17 (4), 758-764. https://doi.org/10.1590/S0104-07072008000400018

Prestes, F. C., Beck, C. L. C., Silva, R. M., Tavares, J. P., Camponogara, S., & Burg, G. (2010). Prazer-sofrimento dos trabalhadores de enfermagem de um serviço de hemodiálise. Rev Gaúcha Enferm.,31(4),738-745.

Santos, J. L. G. dos, Prochnow, A. G., Silva, D. C. da, Silva, R. M. da, Leite, J. L., & Erdmann, A. L. (2013). Prazer e sofrimento no exercício gerencial do enfermeiro no contexto hospitalar. Esc. Anna Nery. Rev. Enferm. 17(1),97-103.

Shimizu, H. E., & Ciampone, M. H. (1999). Sofrimento e prazer no trabalho vivenciado pelas enfermeiras que trabalham em unidades de terapia intensiva em um hospital escola. Rev Esc Enferm USP. 33(1), 95-106. https://doi.org/10.1590/S0080-62341999000100010.

Shimizu, H. E., & Ciampone, M. H. T. (2002). As representações sociais dos trabalhadores de enfermagem não enfermeiros (técnicos e auxiliares de enfermagem) sobre o trabalho em Unidade de Terapia Intensiva em um hospital-escola. Rev. Esc. Enferm. USP, 36(2),148-155. https://doi.org/10.1590/S0080-62342002000200007.

Sousa, D. M., Soares, E. O., Costa, K. M. S., Pacífico. A. L. C., & Parente, A. C. M. (2009). A vivência da enfermeira no processo de morte e morrer dos pacientes oncológicos. Texto Contexto Enferm. 18(1), 41-47. https://doi.org/10.1590/S0104-07072009000100005

Souza, N. V. D. de O., & Lisboa, M. T. L. (2006). Os múltiplos e contraditórios sentidos do trabalho para as enfermeiras: repercussões da organização e do processo laboral. Ciênc. cuid. Saúde, 5(3), 326-334.

Souza, N. V. D. O., Correia, L. M., Cunha, L. dos S., Eccard. J., Patrício, R. A., & Antunes, T. C. S. (2011). O egresso de enfermagem da FENF/UERJ no mundo do trabalho. Rev. Esc. Enferm. USP, 45(1), 250-257. 10.1590/S0080-62342011000100035.

Souza, M. T., Silva, M. D., & Carvalho, R. (2010). Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein.,8(1), 102-126. https://doi.org/10.1590/S1679-45082010RW1134

Souza, S. K. G., Brito, M. A. A, Aguiar, I. C., & Menezes, B. S. (2017). Vivências de prazer e sofrimento no trabalho na percepção de profissionais de recursos

humanos. Rev Empreend Inov Tecnol., 4(2), 3-29. https://doi.org/10.18256/2359-3539.2017.v4i2.2020

Tavares, J. P., Beck, C. L. C., Silva, R. M. da, Beuter, M., Prestes, F. C., & Rocha, L. (2010). Prazer e sofrimento de trabalhadoras de enfermagem que cuidam de idosos hospitalizados. Esc. Anna Nery Rev. Enferm, 14(2), 253-259.

Traesel, E. S., & Merlo, A. R. C. (2011). Trabalho imaterial no contexto da enfermagem hospitalar: vivências coletivas dos trabalhadores na perspectiva da psicodinâmica do trabalho. Rev. bras. saúde ocup, 36(123). https://doi.org/10.1590/S0303-76572011000100005.

Traesel, E. S., & Merlo, A. R. C. (2009). A psicodinâmica do reconhecimento no trabalho de enfermagem. Psico, 40(1), 102-108. https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistapsico/article/view/3594

Published

24/02/2022

How to Cite

FERNANDES, M. N. da S.; CORONEL, D. A.; GAMA, D. M. .; FREITAS, P. H. .; VIERO, V. Pleasure and suffering in nursing work: integration review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 3, p. e32211326573, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i3.26573. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/26573. Acesso em: 19 jun. 2024.

Issue

Section

Review Article