Analysis of psychic trauma in contemporary psychoanalytic production

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i3.26842

Keywords:

Trauma; Psychic suffering; Psychoanalysis; Social psychology; Contemporary.

Abstract

This article sought to address the issue of trauma in its contemporary psychoanalytic education. The aim of the article is to explore the theoretical complexity that permeates the concept of trauma in psychoanalysis, its repercussions on the subject's suffering and life history, and the forms of expression of psychological suffering today. In Freud and Lacan we have formulations that provide the theoretical framework for a thorough analysis of the conception of trauma. The selected material started from a bibliographic survey at the Virtual Health Library (VHL) and after the compilation of the texts, we used psychoanalytical discourse analysis as reading of the materials. We verified the different conceptions of trauma present in relation to the conception of trauma in psychoanalytic production, highlighting the relevance of the external factor in the examined researches, as a producer of psychic suffering, and the fundamental importance of the listening place, provided by the analyst, for elaboration of trauma on the part of the subject.

References

André, J. (2013). O a posteriori transferencial dos traumas do início da vida. Revista Ágora, 16(spe) 127-140.

Barin, C. A. G., Pereira, G. T., Madeira, L. A., Leonardi, V., Rossini, Y. M., & Carlesso, J. P. P. (2020). Do trauma ao sintoma: um viés psicanalítico da franquia “IT -A Coisa”. Research, Society and Development, 9 (4). https://doi.org/10.33448/rsd-v9i4.2768

Birman, J. (2007). Mal-estar na atualidade: a psicanálise e as novas formas de subjetivação. 6º ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Birman, J. (2011). Sujeito, Alienação e Desconhecimento. Sobre Lacan e o jovem Marx. Revista Tempo Psicanalítico, 43(2) 409-438.

Canavêz, F., & Herzog, R. (2012). A linguagem das resistências: considerações sobre o trauma na clínica psicanalítica. Revista Ágora, 15(2) 327-341.

Canavêz, F. (2015). O trauma em tempos de vítimas. Revista Ágora, 18(1) 39-50.

Caregnato, R. C. A., & Mutti, R. (2006). Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto & Contexto - Enfermagem, 15(4), 679-684. https://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072006000400017

Cardoso, M. R. (2018). Novo retorno do traumático na psicanálise hoje: Além do Mal-estar? Revista Ágora, 21(2) 149-157.

Castro, S. L. S. & Rudge, A. M. (2012). Notas sobre a clínica do trauma. Fracta: Revista de Psicologia, 24(1) 81-94.

Costa, A. M., Pacheco, M. L. L., & Perrone, C. M. (2016). Intervenções na emergência: a escuta psicanalítica pós-desastre na boate Kiss. Revista Subjetividades, 16(1) 156-167.

Dunker, C. I. L; Paulon, C. P. & Milán-Ramos, J. G. (2016). Análise psicanalítica de discursos: perspectivas lacanianas. Estação das letras e cores.

Dardot, P. & Laval, C. (2016) A nova razão do mundo: Ensaio sobre a sociedade neoliberal. Boitempo.

França, C. P. (2015). A psicanálise pode ajudar a deter a roda-vida da violência social? Revista Interinstitucional de Psicologia, 8(2), 234-247.

Ferreira, M.Z., & Neto, G. A. R. M. (2017). Vivências de abuso sexual incestuoso: traduções possíveis. Revista Brasileira de Psicanálise, 51(2) 179-193.

Freud, S. (2010). A fixação do trauma, o inconsciente. In S. Freud, Conferências introdutórias à psicanálise. 13364-381, Companhia das letras. (Trabalho original publicado em 1917).

Gomes, L. R. S., & Neves, A. S. (2016). A clínica de família: interrogações sobre o traumático, a dinâmica vincular e a violência como organizadores do grupo familiar. Estilos Clin., 21(1) 152-169.

Junior Souza, L. A., & Henderson, G. F. (2021). Testemunhos durante a pandemia: reflexões psicanalíticas sobre traumas, Estado, economia e morte. Saúde e Sociedade 30(3) 1-11. doi: https://doi.org/10.1590/S0104-12902021200435

Koltai, C. (2016). Entre psicanálise e história: o testemunho. Psicologia USP, 27(1) 24-30. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0103-6564D20150009

Laplanche, J., & Pontalis, J. B. (2016). O Vocabulário da Psicanálise. Martins Fontes.

Laplanche, J. (1987/1992) Novos fundamentos para a psicanálise. Martins Fontes.

Levy, G. (2010). L’ivresse du pire. Campagne Première.

Lustoza, R. Z. (2009). O discurso capitalista de Marx a Lacan: algumas consequências para o laço social. Revista Ágora, 7(1) 41-52.

Martins, K. P. H, & Rabêlo, F. C. (2020). A escrita da história e do luto nas catástrofes coletivas. Estudos interdisciplinares em psicologia, 11(3), 28-44.

Marcos, C., & D’Alessandro, C. (2012). Figuras psíquicas do trauma: uma leitura lacaniana. Revista aSEPHallus, 8(15). http://www.isepol.com/asephallus/numero_15/artigo_02.html

Moreno, M. M. A., & Junior, N. E. C. (2012). Trauma: o avesso da memória. Revista Ágora, 15(1) 47-61.

Neves, T. I., Santos, A. S., & Mariz I. A. S. (2017). A Violência e o seu Real: Zizek e a Psicanálise. Revista Subjetividade, 17(1) 45-54.

Orlandi, E. P. (2005). Michel Pêcheux e a Análise de discurso. Estudo da Lingua(gem), 1 (1) 9-13.

Orlandi, E. P. (2015). Análise de discurso: princípios e procedimentos. Pontes editores.

Palma, R. J. A. P., & Costa, A. M. M. (2015). Considerações sobre a relação entre trauma, pulsão e fantasia na estrutura da neurose. Revista Ágora, 18(2) 195-209.

Pêcheux, M. (1975) Semântica e discurso. Pontes editores.

Pêcheux, M. (1980). Abertura do colóquio. In: Conein, B., Courtine, J., Gadet, F., Marandini, M. J., Pêcheux, M (Orgs.), Materialismo discursivo (pp. 23-29). Campinas: Editora Unicamp.

Pêcheux, M. (1983) O discurso: estrutura ou acontecimento. Pontes editores.

Ratti, F. C., & Estevão, I. R. (2016) Violência, Acidente e Trauma: A clínica psicanalítica frente ao real da urgência e da emergência. Revista Ágora, 19(3) 605-619.

Ribas, R. F., Tomasi, L. O., & Macedo, M. M. K. (2016) Dimensões do excesso e de realidade: reflexões com base em uma experiência de escuta. Psicologia em Revista, 22(2) 428-446.

Rosa, M. D. (2018). A clínica psicanalítica em face da dimensão sociopolítica do sofrimento. Escuta/Fapesp.

Safatle, V. (2017). Introdução a Jacques Lacan. Autêntica.

Sagna, P. L. (2015). Os mal-entendidos do trauma. Revista Opção Lacaniana, 6(16) 1-18. http://www.opcaolacaniana.com.br/nranterior/numero16/texto3.html

Sanfelippo, L.C (2013) Dos conceptualizaciones del trauma en la obra de Sigmund Freud. Revista universitaria de psicoanálisis, 13 33-50.

Santoro, V. C. (2014). O que da verdade se pode dizer sobre o trauma? Revista Reverso, 36(68) 83-90.

Schestatsky, S. S. (2014). Violência na infância, trauma e vulnerabilidade à psicopatologia. Revista de Psicanálise da SPPA, 21(2) 277-303.

Torezan, Z. C. F., & Aguiar, F. (2011). O Sujeito da Psicanálise: Particularidades na Contemporaneidade. Revista Mal-Estar e Subjetividade, 11(2) 525-554.

Vieira, A. C. D., & Zorning, S. M. A. (2015). Ambiente violento, infância perdida? Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 18(1) 88-101.

Published

03/03/2022

How to Cite

SANTOS, G. da S. .; LIMA, L. A. G. . Analysis of psychic trauma in contemporary psychoanalytic production . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 3, p. e44311326842, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i3.26842. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/26842. Acesso em: 13 jun. 2024.

Issue

Section

Review Article