Survey of the orchid population in Atlantic Forest fragments with transition to Savannah at Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais Campus Barbacena

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.28975

Keywords:

Orchidaceae; Floristic survey; Population density; Teaching.

Abstract

With the population's interest in species of the Orchidaceae family, there is a high rate of predatory capture, which can threaten the species in its natural habitat. In view of the above, this work aimed to map, identify and characterize the environment/habitat of the orchid population found in a fragment of Atlantic Forest with transition to the Cerrado at IFSEMG - Campus Barbacena, through a systematic floristic survey by plots. distributed in the area around the longitudinal transects. 10 transects were laid along the path, within the fragment, with a distance of 150 m between each one. There were 3 plots in each transect, each measuring 15 m2 (3x5 m) and separated by 5 m, totaling a sample area of ​​0.045 ha. The number of individuals in each plot, the diversity of genera and the relationship between the density of individuals and environmental factors, such as altitude, luminosity and distance from the trail, were evaluated. The study found 6 genera: Campylocentrum, Capanemia, Encyclia, Epidendrum, Oncidium and Polystachya, with the Oncidium genus having the highest density. The plots further away from the trail had a greater number of individuals. As for luminosity, higher density of orchids in the plot. The same goes for the brightness factor. Through the results, it is concluded that the orchids of the genera found in the fragment were registered in a greater number of individuals in the habitats of greater luminosity and height.

Author Biographies

Marília Maia de Souza , Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais

Doutora em Fitotecnia., Docente do Departamento de Agricultura do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais – Campus Barbacena, MG

Mônica Canaan Carvalho, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais

Doutora em Manejo Florestal pela Universidade Federal de Lavras

Glauco Santos França, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais

Doutor em  Ciências - morfologia sistemática e diverisade vegetal., Docente do Departamento Ambiental do Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais – Campus Barbacena, MG

Wesney da Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais

Engenheiro Agrônomo pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais (IFSEMG)– Campus Barbacena.

Carlos Henrique Milagres Ribeiro, Universidade Federal de Lavras

Mestrando em Fitotecnia pela Universidade Federal em Lavras

Roni Peterson Carlos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais

Engenheiro agrônomo pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais (IFSEMG) – Campus Barbacena.

Jusciléia Isabel Vieira da Paz, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais

Estudante de Engenharia Agronômica pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas Gerais (IFSEMG)– Campus Barbacena.

References

Araújo, P. O. Metodologia para Adequação das Escolas Agrotécnicas à Legislação Ambiental. Tese (Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais), 2009, 176 f. Tese (Dotourado em Ciências Florestais) – Universidade Federal de Lavras, 2009.

Azevedo, C. O., do Carmo Santos, M., & Marinho, L. C. (2021). Orchidaceae no município de Vitória da Conquista, Bahia: lista de espécies e similaridade florística entre áreas da Bahia e Minas Gerais. Paubrasilia, 4, e0065-e0065.

Barros, L, M, N., Fabio, V., Franklin, F., Samyra, J., Diogo, F., Eduardo, S., Julia, B., Felipe, P., Pablo, K, Danielli, M., Miguel, Z., Maria, F, L. (2013). Orchidaceae. In Livro Vermelho da Flora do Brasil.

Cantuária, P., Medeiros, T. D. S., Lima, R. B., Cantuária, M. F., de Almeida, B. R. D. F., Neto, B. D., & da Silva, J. B. F. (2018). O Potencial Econômico das orquídeas do Amapá. Revista Arquivos Científicos (IMMES), 1(1), 43-54.

Castellanos-Castro, C., & Torres-Morales, G. (2018). Guía para la identificación y el cultivo de algunas especies de orquídeas nativas de Cundinamarca. Pontificia Universidad Javeriana, Jardín Botánico de Bogotá “José Celestino Mutis”, Corporación Colombiana de Investigación Agropecuaria Corpoica, Instituto de Investigación de Recursos Biológicos Alexander von Humboldt, Gobernación de Cundinamarca. Bogotá, DC, Colombia.

Dressler, R. L (1993). Filogenia e classificação da família das orquídeas. Cambridge University Press.

Dressler, R. L (2005). Quantas espécies de orquídeas? Selbyana , 155-158.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (2018). Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: Embrapa Produção de Informação, 129-148.

Faria, R. T. D., & Colombo, R. C. (2015). Oncidium: a orquídea em expansão no cenário florícola. Horticultura Brasileira, 33(4), 533-533.

Ferreira, T. (2019). Orquídeas Chuva De Ouro (Oncidium) – Como Cuidar em 7 Passos. Orquídeas Blog.com. https://orquideasblog.com/orquideas-chuva-de-ouro/

Flora do Brasil 2020 under construction. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. http://floradobrasil.jbrj.gov.br/reflora/floradobrasil/FB11329

Govartes, R. et al. ‘World Checklist of Orchidaceae’. Kew: The Royal Botanic Gardens. 2016.

Medeiros, J. D. Guia de campo, vegetação do Cerrado 500 espécies. Ministério do Meio Ambiente, Brasília, 2011. https://www.mma.gov.br/estruturas/sbf2008_df/_publicacao/148_publicacao14022012101832.pdf

Meireles, C, N., França, G, O, J, S, M, M. S. (2020). Orchidaceae no if Sudeste MG – Campus Barbacena. 10.22533/at.ed.74220040619.

Menini Neto, L., Alves, R. J. V., Barros, F. D., & Forzza, R. C. (2007). Orchidaceae do parque estadual de Ibitipoca, MG, Brasil. Acta Botanica Brasilica, 21, 687-696.

Menini Neto, L., Alves, R. J. V., Barros, F. D., & Forzza, R. C. (2007). Orchidaceae do parque estadual de Ibitipoca, MG, Brasil. Acta Botanica Brasilica, 21, 687-696.

Mota, N. F., Paula, L. F., & Viana, P. L. (2014). Guia prático de métodos de campo para estudos de flora. Bocaina Biologia da Conservação, 2.

Naime, U. J., da Motta, P. E. F., Carvalho Filho, A. D., & Baruqui, A. M. (2006). Avaliação da aptidão agrícola das terras da Zona Campo das Vertentes-MG. Embrapa Solos-Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E).

Neto, L. M. (2012). 10. Orquídeas do Cerrado Mineiro: Diversidade e Ameaças. Biodiversidade Em Foco, 56.

Neto, L. M, Assis, L. C. D. S, & Forzza, R. C. (2004). A família Orchidaceae em um fragmento de floresta estacional semidecidual, no município de Barroso, Minas Gerais, Brasil. Lundiana: International Journal of Biodiversity , 5 (1), 9-27.

Paiva Neto, V. B. D., Campos, G. D. O., Boaretto, A. G., Zuffo, M. C. R., Torrezan, M. D. A., & Benetão, J. (2013). Comportamento in vitro de Aspasia variegata, uma orquídea epífita do cerrado brasileiro. Ciência Rural , 43 , 2178-2184.

Pedroso-de-Moraes, C., Prezzi, L. E, de Souza-Leal, T., Canonici, T. F, Jr, O. R, & Silveira, P. (2015). Efeito de borda em orquídeas de um fragmento de floresta estacional semidecídua no sudeste do Brasil. Iheringia-Ser Bot , 70 , 115-127.

Putz, F. E, Blate, G. M, Redford, K. H, Fimbel, R., & Robinson, J. (2001). Manejo de florestas tropicais e conservação da biodiversidade: uma visão geral. Biologia da Conservação, 15 (1), 7-20.

Rahal, M. H., de Souza-Leal, T., & Pedroso-de-Moraes, C. (2015). Ecologia e distribuição espacial de orquídeas terrícolas em Floresta Estacional Semidecidual do município de Araras, São Paulo, Brasil. Iheringia, Série Botânica., 70(2), 217-228.

Rahal, M. H., de Souza-Leal, T., & Pedroso-de-Moraes, C. (2015). Ecologia e distribuição espacial de orquídeas terrícolas em Floresta Estacional Semidecidual do município de Araras, São Paulo, Brasil. Iheringia, Série Botânica., 70(2), 217-228.

Rêgo, G. M. S., Souza, R. M. D., Rivas, E. B., & Brioso, P. S. T. (2022). Detecção de Cucumber mosaic virus em espécies de Phaleonopsis importadas. Summa Phytopathologica, 47, 228-230.

Rodrigues, V. T. (2011). Orchidaceae Juss. aspectos morfológicos e taxonômicos. Instituto de Botânica São Paulo, São Paulo. 19p.

Serafim Filho, G. L., da Silva, J. L., & Periquito, M. C. (2021). Ocorrência e distribuição do gênero Catasetum Rich. ex Kunth

Suzuki, A. B. P., Bertoncelli, D. J., Alves, G. A. C., & de Faria, R. T. (2018). Criopreservação de sementes da orquídea brasileira em extinção Cattleya granulosa Lindl. Iheringia, Série Botânica., 73(2), 146-150.

Ulloa Ulloa, C., Acevedo-Rodríguez, P., Beck, S., Belgrano, MJ, Bernal, R., Berry, P. E, & Jørgensen, P. M (2017). Uma avaliação integrada das espécies de plantas vasculares das Américas. Science, 358 (6370), 1614-1617.

Published

25/04/2022

How to Cite

BONIFÁCIO, T. C. .; SOUZA , M. M. de .; CARVALHO, M. C. .; FRANÇA, G. S. .; SILVA, W. da .; RIBEIRO, C. H. M.; CARLOS, R. P. .; PAZ, J. I. V. da. Survey of the orchid population in Atlantic Forest fragments with transition to Savannah at Instituto Federal do Sudeste de Minas Gerais Campus Barbacena. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e21311628975, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.28975. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/28975. Acesso em: 18 may. 2022.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences