Survey of two cases of visceral leishmaniose in the municipality of Caruaru – PE from 2012 to 2020

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i6.29151

Keywords:

Leishmaniasis; Notification; Observational study; Epidemiology.

Abstract

Objective: To survey the epidemiological profile of HVL from 2012 to 2020 in the city of Caruaru-PE. Methodology: Data were obtained from the Information System for Notification and Diseases. After this step, the data received statistical treatment, where graphs and tables were constructed using the excel @2010 software, which was used to perform the calculations to give greater precision to the results obtained. Results: 43 cases of HVL were confirmed. The highest incidence occurred in 2015 with 2.6%, the area of residence with the highest frequency was urban with 63%, the most affected age group was 1 to 4 years old with 32.6% and race /brown color presented 69.8% of the cases. Regarding the evolution of patients with HVL, 79.1% was related to cure. Conclusion: In view of the analyzed data, it is necessary that HVL control actions are intensified, the identification of cases happens in a timely manner, as well as the diagnosis and patient care.

References

Aires, D. C. G. (2017). Derivados tiossemicarbiônicos e tiazolidicônicos como possíveis candidatos ao tratamento da leishmaniose. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Almeida, C. P., Cavalcante, F. R. A., Moreno, J. O., Florêncio, C. M. G. D., Cavalcante, K. K. S., Alencar, C. H. (2020). Leishmaniose visceral: distribuição temporal e espacial em Fortaleza, Ceará, 2007-2017. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 29(5), e2019422.

Araújo, A. P. O., Telleria, E. L., Dutra, J. M. F., Júlio, R. M., Traub-Csekö, Y. M. (2012) Ruptura da matriz peritrófica pela alimentação de quitinase exógena reduz a fecundidade em fêmeas de Lutzomyia longipalpis. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, 107(4), 543–545.

Araújo, V. E. M., Pinheiro, L. C., Almeida, M. C. M., Menezes, F. C., Morais, M. H. F., Reis, I. A., . . . Carneiro, M. (2013). Risco Relativo de Leishmaniose Visceral no Brasil: Uma Análise Espacial em Área Urbana. PLOS Neglected Tropical Diseases, 7(11).

Arruda, L. P. S. (2019). Pernambuco: agravos à saúde relacionados a falta de saneamento. (Trabalho de Conclusão de Curso da Graduação), Universidade Federal de Pernambuco, Vitória de Santo Antão, PE, Brasil.

Badaró, R., Jones, T. C., Lorenço, R., Cerf, B. J., Sampaio, D., Carvalho, E. M., . . . Johnson Júnior, W. D. (1986). Estudo Prospectivo da Leishmaniose Visceral em Área Endêmica do Brasil. The Journal of Infectious Diseases, 154(4), 639–649.

Batista, F. M. A., Machado, F. F. O. A., Silva, J. M. O., Mittmann, J., Barja, P. R., Simioni, A. R. (2014). Leishmaniose: perfil epidemiológico dos casos notificados no estado do Piauí entre 2007 e 2011. Revista Univap, 20(35), 44-55.

Botelho, M. S. K., Castro, J. G. D., Calabrese, K., Seibert, C. S., Nascimento, G. N., Mariano, S. M. B., . . . Santos, M. G. (2017). Análise espacial da leishmaniose visceral no município de Palmas, Tocantins, Brasil. Hygeia - Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, 13(25), 18 – 29.

Brasil. (2017). Vigilância da Leishmaniose Tegumentar Americana. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Brasília: (7), 79.

Brazuna, M. J. C., Silva, E. A., Brazuna, J. M., Domingos, I. H., Chaves N., Honer, M. R., . . . Oliveira, A. L. L. (2010). Perfil e distribuição geográfica dos casos notificados de leishmaniose visceral em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, Brasil, de 2002 a 2009. Revista Da Sociedade Brasileira De Medicina Tropical, 45(5), 601–606.

Casanova, C., Motoie, G., Domingos, M. F., Silva, V. G., Silva, M. D., Galati, E. A. B., Galvis-Ovallos, F. A transmissão da leishmaniose visceral no município de Guarujá, litoral do estado de São Paulo, Brasil. Revista de Saúde Pública, 56:1.

Costa, D. N. C. C., Bermudi, P. M. M., Rodas, L. A. C., Nunes, C. M., Hiramoto, R. M., Tolezano, J. E., . . . Neto, F. C. (2018). Leishmaniose visceral em humanos e relação com medidas de controle vetorial e canino. Revista de Saúde Pública, 52.

Dantas-Torres, F.; Brandão-Filho, S. P. (2006). Visceral Leishmaniasis in Brazil: revisiting paradigms of epidemiology and control. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, São Paulo, 48(3), 151-156.

Desjeux, P. (2004). Leishmaniose: situação atual e novas perspectivas. Microbiology & Infectious Diseases, Oxford, 27(5), 305-318.

Farias, F. T. G., Junior, F. E. F., Alves, A. S. C., Pereira, L. E. (2019). Perfil epidemiológico de pacientes diagnosticados com leishmaniose visceral humana no Brasil. Revista Ciência e Desenvolvimento, 12(3), 485-501, 2019.

Galvis-Ovallos, F., Silva R. A., Silva, V. G., Sabio, P. B., Galati, E. A. B. (2020). Leishmanioses no Brasil: aspectos epidemiológicos, desafios e perspectivas. editores. Atualidades em Medicina Tropical no Brasil: Protozoários. Strictu Sensu, p.227-52.

Gontijo, C. M. F., Melo, M. N. (2004). Leishmaniose visceral no Brasil: quadro atual, desafios e perspectivas. Revista Brasileira de Epidemiologia, 7(3), 338-349.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. PNAD, 2007.

Lira, J. L. M., Calado, M. F., Oliveira, L. L. (2020). Perfil epidemiológico da coinfecção por HIV e leishmaniose visceral no estado de Alagoas, 2009–2019. Research, Society and Development, 9(10), e7249109203-e7249109203.

Lopes, E. G. P., Oviedo-Pastrana, M. E., Borges, L. F. N. M., Freitas, A. C. P., Dias, E. S., Silva, S.R., . . . Soares, D. F. M. (2016). Transmissão da leishmaniose visceral em cães em área de risco da região metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, 68(6), 1403–1412.

Maia, H. A. A. S., Alvaia, M. A., Silva, I. B. D., Júnior, J. B. (2018). Perfil epidemiológico dos casos de leishmaniose visceral em Feira de Santana, Bahia, no período de 2001 a 2015. Revista De Saúde Coletiva Da UEFS, 8(1), 70–74.

Menezes, J. A., Luz, T. C. B., Sousa, F. F., Verne, R. N., Lima, F. P., Margonari, C. (2016). Fatores de risco peridomiciliares e conhecimento sobre leishmaniose visceral da população de Formiga, Minas Gerais. Revista Brasileira de Epidemiologia, 19(2), 362-374.

Moschin, J. C., Ovallos, F. G., Sei, I. A., Galati, E. A. B. (2013). Aspectos ecológicos da fauna flebotomínea (Diptera, Psychodidae) da Serra da Cantareira, Região metropolitana da Grande São Paulo, Estado de São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia, 16(1), 190-201.

Nery, G., Becerra, D. R. D., Borja, L. S., Magalhães-Junior, J. T., Souza, B. M. P. S., Franke, C. R., . . . Melo, S. M. B. (2017). Avaliação da infectividade parasitária a Lutzomyia longipalpis por xenodiagnóstico em cães tratados para leishmaniose visceral naturalmente adquirida. Pesquisa Veterinária Brasileira, 37(7), 701-707.

Okumura, R. S. A. (2018). Perfil epidemiológico de Leishmaniose Humana no estado da Paraíba 2010 a 2015. (Trabalho de Conclusão de Curso da Graduação) Universidade Federal da Paraíba, PB, Brasil.

Oliveira, E. N., Pimenta, A. M. (2014). Perfil epidemiológico das pessoas portadoras de leishmaniose visceral no município de Paracatu-MG no período de 2007 a 2010. Revista Mineira de Enfermagem, 18(2), 365-375.

Organização Mundial de Saúde. (2018). Leishmaniasis: disease information. Retirado de: <http://www.who.int/Leishmaniasis/resources/en/>.

Pavli, A., Maltezou H. C. (2010). Leishmaniose, uma infecção emergente em viajantes. International Journal of Infectious Diseases, 14(12), 1032–1039.

Queiroz, M. J. A., Alves, J. G. B., Correia, J. B. (2004). Leishmaniose visceral: características clínico-epidemiológicas em crianças de área endêmica. Jornal de Pediatria, 80(2), 141-146.

Reis, L. L., Balieiro, A. A. S., Fonseca, F. R., Gonçalves, M. J. F. (2019). Leishmaniose visceral e sua relação com fatores climáticos e ambientais no Estado do Tocantins, Brasil, 2007 a 2014. Cadernos de Saúde Pública, v. 35(1), e00047018.

Rodrigues, A. C. M., Melo, A. C. F. L., Júnior, A. D. S., Franco, S. O., Rondomn, F. C. M., Bevilaqua, C. M. L. (2017). Epidemiologia da leishmaniose visceral no município de Fortaleza, Ceará. Pesquisa Veterinária Brasileira, 37(10), 1119-1124.

SINAN. Sistema de Informações de Agravos e Notificação. Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco, 2018.

Sousa, N. A., Linhares, C. B., Pires, F. G. B., Teixeira, T. C., Lima, J. S., Nascimento, M. L. O. (2018). Perfil epidemiológico dos casos de leishmaniose visceral em Sobral-CE de 2011 a 2015. SANARE-Revista de Políticas Públicas, 17(1).

Sousa-Gomes, M. L., Maia-Elkhoury, A. N. S., Pelissari, D. M., Junior, F. E. F. L., Sena, J. M., Cechinel, M. P. (2011). Coinfecção Leishmania-HIV no Brasil: aspectos epidemiológicos, clínicos e laboratoriais. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 20(4), 519-526.

Souza, Z. C., Brandespim, D. F., Agra, M. C. R., Mattos, L. S. (2014). Leishmaniose visceral canina e humana em Caruaru, Pernambuco, no período de 2005 a 2010. Revista de Patologia Tropical, 43(1), 57–68.

Published

30/04/2022

How to Cite

SILVA, L. S. e .; SANTOS, J. N. G. .; SILVA, A. de L. .; SOARES, E. N. L. . Survey of two cases of visceral leishmaniose in the municipality of Caruaru – PE from 2012 to 2020. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 6, p. e35111629151, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i6.29151. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29151. Acesso em: 25 may. 2022.

Issue

Section

Health Sciences