Studies with spontaneous plants in Brazil: a review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.29700

Keywords:

Scientometric analysis; Biodiversity; Spontaneous plants; Teaching; Usefull.

Abstract

Plants have been used by humans since the beginning of their history on the face of the planet, for various purposes, be they food, medicinal, ornamental and many others. However spontaneous plants, also known as weeds, unwanted plants and for other nomenclatures, have in common the ability to appear in the most diverse environments without being cultivated, thus growing spontaneously. As well as cultivated vegetables, these plants also have several uses and potentialities, however they are still low known to the general public. Therefore, this research aims to develop a scientometric analysis of studies with spontaneous plants in Brazil, in order to assess how the group is currently characterized, and indicate its possibilities for future studies in the country. The present review addressed studies in Brazil, through queries to through physical (archives, libraries and others) and digital databases (Alice, Google Scholar, Research Gate, Scielo and Scopus), within a time frame from 1980 to 2021, containing in their titles the term “plantas espontâneas”. The study concludes that there is still much to be addressed on the subject in the country, such as its anthroponic relationships, such as bioindicator, medicinal, non-conventional food plants (panc) and others.

References

Agostini-Costa, T. S., Silva, D. B. & Vieira, R. F. (2007). Recursos genéticos vegetais: fontes de alimentação e saúde. Capítulo 24, p. 762-806. In: L. L. Nass (Org.). Recursos genéticos vegetais. Brasília-DF: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia.

Alice – Acesso Livre à Informação Científica da Embrapa. (2022). Consulta à base de dados. https://www.alice.cnptia.embrapa.br.

Almeida, L. A. H., Sampaio, L. S., Santana, M. R. & Amaral, C. L. F. (2010). Seleção in vitro de mamona para resistência a estresse salino: foco nas plantas espontâneas. Irriga, 15(4), 414-421. 10.15809/irriga.2010v15n4p414

Altieri, M., Lana, M. A., Bittencourt, H. H., Venturi, M., Kieling, A. S., Comin, J. J. & Lovato, P. E. (2012). Aumento do rendimento dos cultivos através da supressão de plantas espontâneas em sistemas de plantio direto orgânico em Santa Catarina, Brasil. Agroecología, 7(1), https://revistas.um.es/agroecologia/article/view/171001.

Alves, E. M., Almeida, R. G., Helfenstein, F. B., Jung, R. F. & Geraldi, L. (2007). Incidência de plantas espontâneas e severidade da queima-das-folhas em função do espaçamento nos sistemas de produção de cenoura de base ecológica e convencional. Congresso Brasileiro de Agroecologia, 5. Guarapari-ES. https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/7433.

Alves, G. L. (2018). Composição florística e estudo fitossociológico de plantas espontâneas e produção do arroz em cobertura morta de palha de babaçu. Monografia de Mestrado, UEMA – Universidade Estadual do Maranhão, São Luís, MA, Brasil. http://repositorio.uema.br/jspui/handle/123456789/1228.Último acesso em: maio de 2022.

Arantes, A. C. C. (2016). Milho orgânico em consórcio com adubos verdes perenes: produtividade, nutrição e supressão de plantas espontâneas. Monografia de Mestrado, UFSCar – Universidade Federal de São Carlos, Araras, SP, Brasil. https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/8462.

Araujo, W. S., Gehring, C., Reis Frazão, T., Ferreira, P. F. A. & Ferreira, K. A. L. (2015). Efeito da aplicação de mulch de babaçu sob a composição da comunidade de plantas espontâneas. Cadernos de Agroecologia, 10(3). https://revistas.aba-agroecologia.org.br/cad/article/view/19826.

Balduino, B. C. G. & Fontanetti, A. (2020). Cultivo intercalar como método para supressão de plantas espontâneas na produção de milho orgânico. Cadernos de Agroecologia, 15(2). Disponível em: http://cadernos.aba-agroecologia.org.br/index.php/cadernos/article/view/5751 .Último acesso em: maio de 2022.

Balbinot Junior, A. A., Fonseca, J. A., Torres, A. N. L. & Balvaresco, A. (2003). Efeito da palha de ervilhaca sobre a incidência de plantas espontâneas e a produtividade do milho. Agropecuária Catarinense. 16(3), 50-54. https://publicacoes.epagri.sc.gov.br/RAC/article/view/1026.

Barata, C. E. A. & Bueno, A. H. C. (1999). Dicionário das famílias brasileiras. Ibero América.

Barbieri, R.L. & Stumpf, E.R.T. (2008). Origem e evolução de plantas cultivadas. Brasília-DF: Embrapa Informação Tecnológica, 909p.

Barbosa, F. S. (2011). Resistência genética do tomateiro e potencial de extratos de plantas espontâneas no controle alternativo de Neoleucinodes elegantalis (Guenée, 1854) (Lepidoptera: Crambidae). Monografia de Doutorado, UFRRJ – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ, Brasil. Disponível em: https://tede.ufrrj.br/jspui/handle/jspui/1273.

Barjud, M. B. & de Sousa Pinto, A. (2019). Importância dos grupos de pesquisa na graduação. Revista da FAESF, 3(3). https://www.faesfpi.com.br/revista/index.php/faesf/article/view/89.

Barros, E. R., da Silva Nina, N. C. & Oliveira, O. M. S. (2021). Fitossociologia de plantas espontâneas em agroecossistemas familiares de base ecológica Manaus-AM. Brazilian Journal of Development, 7(11), 105176-105185. https://doi.org/10.34117/bjdv7n11-238

Bellini, M. R., Moraes, G. J. D. & Feres, R. J. F. (2005). Plantas de ocorrência espontânea como substratos alternativos para fitoseídeos (Acari, Phytoseiidae) em cultivos de seringueira Hevea brasiliensis Muell. Arg. (Euphorbiaceae). Revista Brasileira de Zoologia, 22(1), 35-42. https://doi.org/10.1590/S0101-81752005000100005

Bensusan, N., Barros, A.C., Bulhões, B. & Arantes, A. (2018). Biodiversidade: é para comer, vestir ou para passar no cabelo? Para mudar o mundo! Editora Peirópolis, 418p.

Bento, G. P. & Bastiani, M. L. R. (2020). Plantas de cobertura do solo na inserção de fitomassa e supressão de plantas espontâneas em sistema de manejo agroecológico. Cadernos de Agroecologia, 15(2). https://cadernos.aba-agroecologia.org.br/cadernos/article/view/4685.

Bereshit, in: Tanakh Torá Português-Hebraico (2022). https://play.google.com/store/apps/details?id=com.ik.torahptfree.

Bíblia Sagrada (2011). Traduzida por João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil. (2a ed.), Sociedade Bíblica do Brasil. 1280p. https://pesquisa.biblia.com.br/pt-BR/RA/gn/29.

Bittencourt, L. A. & Paula, A. (2012). Análise cienciométrica de produção científica em unidades de conservação federais do Brasil. Revista Enciclopédia biosfera, 8(14). https://conhecer.org.br/ojs/index.php/biosfera/article/view/4020.

Bittencourt, H. & Franzener, G. (2013). Potenciais agentes de controle biológico de plantas espontâneas em agroecossistemas no estado do Paraná. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 8(5), 157-162. https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RVADS/article/view/2010.

Bittencourt, H. H. (2011). Controle biológico de plantas espontâneas em agroecossistemas. Monografia de Especialização, UFPR – Universidade Federal do Paraná, Dois Vizinhos, PR, Brasil. 10.13140/RG.2.1.2403.3447

Bittencourt, H. H., Lovato, P. E., Comin, J. J. & Lana, M. A. (2012). Efeito da adição de resíduos provenientes de culturas de cobertura de inverno na emergência de plantas espontâneas de verão. Congresso de Ciência e Tecnologia da UTFPR – Campus Dois Vizinhos, 67-71. Dois Vizinhos-PR. https://www.academia.edu/download/41521507/1133-5502-1-PB.pdf.

Boller, P. J. (2015). Atividade alelopática de extratos aquosos de carqueja e tiririca na germinação de plantas espontâneas em olerículas. Monografia de Graduação, UFFS – Universidade Federal da Fronteira Sul, Erechim-RS, Brasil. https://rd.uffs.edu.br/handle/prefix/420.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília-DF. https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

Brasil. (2010). M.A.P.A. - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Hortaliças não-convencionais: (tradicionais). Brasília-DF: Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo, 52p. https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/857646/manual-de-hortalicas-nao-convencionais.

Brunetto, G., Oliveira, B. S., Ambrosini, V. G., Couto, R. R., Sete, P. B., Santos Junior, E., Loss, A., Silva, L. O. S. & Gatiboni, L. C. (2018). Nitrogen availability in an apple orchard with weed management / Disponibilidade de nitrogênio em solo de pomares de macieira com manejo de plantas espontâneas. Revista Ciência Rural, 48(5), e20160895. https://doi.org/10.1590/0103-8478cr20160895

Brunetto, L., Perin, G. F., Castamann, A., Franco, A. M. P. & Galon, L. (2019). Convivência de comunidades de plantas de quinoa (Chenopodium quinoa Willd) com plantas espontâneas. Jornada de iniciação científica e tecnológica da UFFS, 9. https://portaleventos.uffs.edu.br/index.php/JORNADA/article/view/11543/8150.

Cabreira, W. V., Pereira, M. G., Mendonça, V. M. M., Moreira, R. P., Santana, J. E. D. S. & Leles, P. S. D. S. (2021). Effect of strategies for controlling spontaneous plants on the quality of soil organic matter and soil fertility / Efeito das estratégias de controle de plantas espontâneas na qualidade da matéria orgânica e fertilidade do solo. Revista Ciência Agronômica, 52(1), e20196697. https://doi.org/10.5935/1806-6690.20210012

Calixto, J. S., Brasileiro, B. G., Duarte, E. G., Paiva, M. S., Santos, L. F. & Cardoso, I. M. (2015). Plantas espontâneas como indicadoras da qualidade do solo. Cadernos de Agroecologia, 10(3), 1-5. https://revistas.aba-agroecologia.org.br/cad/article/view/18733.

Camargo, A. P. (2013). Aplicação de compostos polifenólicos de Canavalia ensiformis (L.) DC. e Mucuna aterrima (Piper & Tracy) Holland na germinação e na emergência de plantas espontâneas. Monografia de Mestrado, UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis-SC, Brasil. https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/107391.

CAPES – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Base de dados. (2022). Disponível em: https://www.periodicos.capes.gov.br. Último acesso em: abril de 2022.

Carbonera, R., Schiavo, J. & Moura, C. M. (2018). Fitossociologia de plantas espontâneas em área de pesquisa no noroeste do Rio Grande do Sul. Seminário de Iniciação Científica Unijuí, 26. Juí, RS, Brasil. https://publicacoeseventos.unijui.edu.br/index.php/salaoconhecimento/article/view/9570/8220.

Cardoso, M. O. (1997). Hortaliças não-convencionais da Amazônia. Embrapa, 150p.

Carneiro, F. M., Silva, M. J. P., Borges, L. L., Albernaz, L. C. & Costa, J. D. P. (2014). Tendências dos estudos com plantas medicinais no Brasil. Revista Sapiência: sociedade, saberes e práticas educacionais. 3(2) 44-75. https://www.revista.ueg.br/index.php/sapiencia/article/view/2954.

Carvalho, L. B, (2013). Plantas daninhas. Lages-SC, 82p. https://www.fcav.unesp.br/Home/departamentos/fitossanidade/leonardobiancodecarvalho/livro_plantasdaninhas.pdf.

Carvalho, W. P. & Machado, C. D. T. (2020). Levantamento fitossociológico de plantas espontâneas em corredores agroecológicos. Revista Brasileira de Agroecologia, 15(5), 213-221. https://doi.org/10.33240/rba.v15i5.23236

Carvalho, W. P., Malaquias, J. V. & Wanderley, A. L. (2021). Supressão de plantas espontâneas na cultura do milho (Zea mays L.) verde utilizando duas espécies de crotalária em sistema orgânico de produção. Revista Brasileira de Agroecologia, 16(4), 293-304. https://dx.doi.org/10.33240/rba.v16i4.23443

Concenço, G., Motta, I. D. S., Melo, T. S., Silva, L. B. X. & Mariani, A. (2015). Ocorrência de plantas espontâneas em café solteiro ou consorciado com braquiária. Cadernos de Agroecologia, 10(3). https://revistas.aba-agroecologia.org.br/cad/article/view/17063.

Costa, P. D. R. (2014). Interferência de plantas espontâneas no crescimento e acúmulo de nutrientes em plantas jovens de mamão em sistema orgânico de produção. Monografia de Mestrado, UFRRJ – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ, Brasil. https://tede.ufrrj.br/jspui/handle/jspui/4469.

Costa, P. M. A. & Silva, T. S. (2021). Levantamento fitossociológico de plantas espontâneas associadas as condições de solo no brejo paraibano. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 16(2), 224-228. https://doi.org/10.18378/rvads.v16i2.8324

Chaves, B., Aragão, D. & Vasconcelos, L. G. R. (2017). Produção inicial de biomassa de plantas espontâneas em diferentes preparos de área, no município de Igarapé-Açu, Pará. Seminário de iniciação científica da Embrapa Amazônia Oriental, 21. Belém-PA. http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/1076237.

Chiguachi, J. A. M. (2014). Preferência hospedeira e desempenho do ácaro branco em pimenta malagueta e em plantas espontâneas. Monografia de Mestrado, UFV – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, Brasil. Disponível em: https://www.locus.ufv.br/handle/123456789/3992.

Chitolina, D. (2017). Período de interferência de plantas espontâneas no estabelecimento da cultura da alfafa (Medicago sativa L.). Monografia de Graduação, UFFS – Universidade Federal da Fronteira Sul, Laranjeiras do Sul, PR, Brasil. https://rd.uffs.edu.br/handle/prefix/2927.

Coelho, F. M., Oliveira, S. G. D., Baliza, D. P. & Campos, A. N. D. R. (2014). Efeito de extratos de plantas espontâneas na germinação e no crescimento inicial do feijão comum. Revista Brasileira de Agroecologia, 9(2), 185-192. http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/rbagroecologia/article/view/15273.

Coelho, R. A., Ricci, M. S. F., Espíndola, J. A. A. & Costa, J. R. (2004). Influência do sombreamento com leguminosas arbóreas sobre a população de plantas espontâneas em área cultivada com cafeeiro (Coffea canephora). Agronomia, 38(2), 23-28. http://www.sbicafe.ufv.br/handle/123456789/1841.

Coelho, R. A., Ricci, M. S. F., Espíndola, J. A. A. & Costa, J. R. (2005). Influência do sombreamento sobre a população de plantas espontâneas em área cultivada com cafeeiro (Coffea canephora) sob manejo orgânico. Simpósio de pesquisas dos cafés do Brasil, 4. Londrina-PR. http://www.sapc.embrapa.br/arquivos/consorcio/spcb_anais/simposio4/p400.pdf.

Concenço, G., Motta, I. S., Correia, I. V. T., Silva, F. M. & Salomão, G. B. (2013). Infestação de plantas espontâneas em cafeeiro solteiro ou consorciado em sistema agroecológico. Revista Agrarian, 6(19), 22-28. https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/agrarian/article/view/1846.

Concenço, G., Motta, I. S., Santos, S. A., Alves, M. D. S., Melo, T. & Mariani, A. (2014). Cultivo consorciado de café com bananeira em bases agroecológicas reduz a incidência de plantas espontâneas. Seminário de Agroecologia da América do Sul, 1. Dourados-MS. https://revistas.aba-agroecologia.org.br/cad/article/view/16781.

Cordeiro, C. F., Kosmann, C. R., Estevez, R. L., Aleixo, V. & Peters, F. F. (2014). Reprodutividade e parasitismo de Meloidogyne incognita em plantas espontâneas do oeste paranaense. Scientia Agraria Paranaensis, 13(4), 277-282. DOI: https://doi.org/10.18188/1983-1471/sap.v13n4p277-282

Cordeiro, J. M. P. & Félix, L. P. (2014). Conhecimento botânico medicinal sobre espécies vegetais nativas da caatinga e plantas espontâneas no agreste da Paraíba, Brasil. Revista brasileira de plantas medicinais, 16:(3), 685-692. DOI: https://doi.org/10.1590/1983-084x/13_077

Correa, M. L. P., Galvão, J. C. C., Fontanetti, A., Lemos, J. P. & Conceição, P. M. D. (2014). Interferência do feijão-de-porco na dinâmica de plantas espontâneas no cultivo do milho orgânico em sistemas de plantio direto e convencional. Revista Brasileira de Agroecologia, 9(2), 160-172. https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/13337.

Cristofel, J. P., Baldin, D., Scariot, E., Bittencourt, H. V. H. & Franzener, G. (2013). Potencial do extrato aquoso e tintura de plantas espontâneas medicinais no controle das doenças fúngicas em plantas cultivadas. Seminário de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFFS, 3(1). https://portaleventos.uffs.edu.br/index.php/SEPE-UFFS/article/view/1519.

Cruz, J. V. H. (2015). Fitossociologia de plantas espontâneas em pomar de goiabeiras pastejado por ovinos e comércio de carne ovina na Zona da Mata mineira. Monografia de Mestrado, UFV – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, Brasil. https://www.locus.ufv.br/handle/123456789/7666.

Cruz Neto, A., Costa, J. A. S., Oliveira, A. M. G., Costa, C. B. N., Schnadelbach, A. S., Albuquerque, A. F. A. & Barbosa, C. D. J. (2016). Plantas espontâneas em áreas de plantios de mamoeiro de municípios do Extremo Sul da Bahia. Jornada científica Embrapa mandioca e fruticultura, 10. Cruz das Almas-BA. https://www.alice.cnptia.embrapa.br/handle/doc/1061638.

Cruz Neto, A., Costa, J. A. S., Oliveira, A. M. G., Costa, C. B. N., Schnadelbach, A. S. & Barbosa, C. J. (2018). Identificação de plantas espontâneas em plantios de mamoeiro do extremo Sul da Bahia. Simpósio do papaya brasileiro, 7. Vitória, ES, Brasil. https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1099338/identificacao-de-plantas-espontaneas-em-plantios-de-mamoeiro-do-extremo-sul-da-bahia.

Cruz, W. P., Rodrigues, D. M., Sarmento, R. A., Ferreira Junior, D. F. & Ribeiro, F. R. (2013). Avaliação da diversidade de plantas espontâneas e a densidade de ácaros predadores em cultivo de pinhão-manso. Revista Brasileira de Agroecologia, 8(2), 176-184. https://orgprints.org/25590/1/Cruz_Avalia%C3%A7%C3%A3o%20da%20diversidade%20de%20plantas%20espont%C3%A2neas%20e%20a%20densidade%20de%20%C3%A1caros.pdf.

Cruz, W. P., Sarmento, R. A., Pedro Neto, M., Junior, D. F. F. & de Macedo Rodrigues, D. (2012). Análise faunística de ácaros fitoseídeos em pinhão-manso e plantas espontâneas associadas. Revista Agroecossistemas, 4(2), 17-32. https://periodicos.ufpa.br/index.php/agroecossistemas/article/view/1210.

Cruz W. P., Sarmento, R. A., Teodoro, A. V., Erasmo, E. A. L., Neto, M. P., Ignacio, M. & Ferreira Junior, D.F. (2012). Acarofauna em cultivo de pinhão-manso e plantas espontâneas associadas. Pesquisa agropecuária brasileira. 47:(3), 319-327. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-204X2012000300002

Damasceno, C. O., Oliveira, M. F. & Coelho, I. R. (2009). Estudo da ecologia sucessional de plantas espontâneas em área agrícola. Congresso de ecologia do Brasil, 9. São Lourenço-SP. http://www.seb-ecologia.org.br/revistas/indexar/anais/2009/resumos_ixceb/1345.pdf. Último acesso em: maio de 2022

Damasceno, C. O., Oliveira, M. F., Oliveira, R. P. C., Oliveira, A. C., Cruz, J. & Karam, D. (2010). Produção orgânica de milho e plantas espontâneas. Congresso nacional de milho e sorgo, 28. Goiânia-GO. https://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/bitstream/doc/868250/1/0524.pdf. Último acesso em: maio de 2022

Darwin, C. R. (1871). The descent of man, and selection in relation to sex. Londres: Ed. John Murray.

Deuber, R. (2003). Ciência das plantas infestantes. Jaboticabal-SP: FUNEP. 452p.

Diaz, N. S. (2014). Plantas espontâneas favorecem crisopídeos em plantio de pimenta malagueta. Monografia de Mestrado, UFV – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, Brasil. https://www.locus.ufv.br/bitstream/123456789/3985/1/texto%20completo.pdf. Último acesso em: maio de 2022

Dicio - Dicionário Online de Português. (2022). Pesquisa pela palavra “espontânea”. https://www.dicio.com.br/espontanea.

Didonet, A. D., Ferreira, E. B., Porto, R., Chaga, D. T. & Borges, J. D. (2011). Cultivo do feijoeiro comum, acúmulo de biomassa de plantas de cobertura de solo e de plantas espontâneas em um sistema agroflorestal agroecológico. Congresso nacional de pesquisa de feijão, 10. Goiânia-GO. https://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/bitstream/doc/915946/1/MC20.pdf.

Domingos, L. T. (2011). A visão africana em relação à natureza. Revista Brasileira de História das Religiões, 3:(9). https://filosofia-africana.weebly.com/uploads/1/3/2/1/13213792/luis_tomas_domingos_-_vis%C3%A3o_africana_bantu_da_natureza.pdf. Último acesso em: abril de 2022.

Duarte, M. I. M., Farias, E. S., Pereira, G. M. S., Santos, T. C. C. & Ferreira, E. S. (2019). Desenvolvimento de rabanetes (Raphanus sativus L.) com a presença de plantas espontâneas com adubação orgânica. Seminário de Pesquisa, Extensão, Inovação e Cultura do Território do Sisal (2), IFBA. https://revista.lapprudes.net/index.php/CM/article/view/411/402.

Embrapa – Empresa brasileira de pesquisa agropecuária. (2022a). Temas: plantas daninhas. https://www.embrapa.br/tema-plantas-daninhas. Último acesso em: março de 2022.

Embrapa – Empresa brasileira de pesquisa agropecuária. (2022b). Memória Embrapa. https://www.embrapa.br/memoria-embrapa/a-embrapa. Último acesso em: abril de 2022.

Emídio, S. S., Cardoso, J. C. & Ferreira, F. M. C. (2017). Cobertura vegetal morta no controle de plantas espontâneas na cultura do alface. Simpósio de pós-graduação em agroecologia, 6. Viçosa, MG, Brasil. https://www.simposioppgagroecologia.ufv.br/wp-content/uploads/2018/01/Anais-do-Simp%C3%B3sio-de-P%C3%B3s-Gradua%C3%A7%C3%A3o-em-Agroecologia-da-UFV-2017.pdf.

Espanhol, G. L., Albuquerque, J. A., Mafra, Á. L., Nuernberg, N. J. & Nava, G. (2007). Propriedades químicas e físicas do solo modificadas pelo manejo de plantas espontâneas e adubação orgânica em pomar de macieira. Revista de Ciências Agroveterinárias, 6(2), 83-94. https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/5368.

Falcão-da-Silva, M., Souza Filho, A. P. S., Gurgel, E. S. C., Bastos, M. N. C. & Santos, J. U. M. (2016). Plantas daninhas na Amazônia. Belém-PA: Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG). 188p.

Favero, C., Jucksch, I., Alvarenga, R. C. & Costa, L. M. (2001). Modificações na população de plantas espontâneas na presença de adubos verdes. Pesquisa agropecuária brasileira. 36:(11), 1355-1362. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-204X2001001100005

Favero, C., Jucksch, I., Costa, L. M., Alvarenga, R. C. & Neves, J. C. L. (2000). Crescimento e acúmulo de nutrientes por plantas espontâneas e por leguminosas utilizadas para adubação verde. Revista Brasileira de Ciência do Solo, 24(1), 171-177. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-06832000000100019

Favero, C., Jucksch, I.; Costa, L. M. & Casali, V. W. D. (2001). Plantas espontâneas e leguminosas introduzidas: adubação verde e interações entre populações. Revista Ceres, 48(278): 485-499. http://www.ceres.ufv.br/ojs/index.php/ceres/article/view/2739.

Ferreira, F. P., Guimarães, P. N., Ferreira, P. F., Santos, R. N. & Silva, M. R. (2019). Identificação de plantas espontâneas em área de produção de hortaliças em São Luís – MA. Revista de Agroecologia no Semiárido, 3(3):21. DOI: https://doi.org/10.35512/ras.v3i3.3651

Ferreira, J. C., Batista, N. S., Espindola, J. A. A., Araújo, E. S., Guerra, J. G. M. (2015). Análise fitossociológica de plantas espontâneas no cultivo orgânico do feijão vagem, em função da cobertura, adubação e inoculação. Semana científica Johanna Döbereiner, 15. Seropédica-RJ. https://ojs.cnpab.embrapa.br/index.php/scjd/article/view/2499.

Ferreira, L. S. (2016). Potencial de espécies locais na diversificação dos agroecossistemas, como culturas de cobertura, no manejo de plantas espontâneas. Monografia de Mestrado, UFRRJ – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ, Brasil. https://tede.ufrrj.br/jspui/handle/jspui/2087.

Fey, E., Costa, N. V., Seidel, E. P., Alban, A. A. & Challiol, M. A. (2020). Relato de experiência do controle de plantas espontâneas em cultivos orgânicos de soja, milho e feijão. Cadernos de Agroecologia, 15(2). http://cadernos.aba-agroecologia.org.br/index.php/cadernos/article/view/6156.

Fink, J. A. (2014). Atributos físicos em um pomar de citrus com diferentes formas de manejos de plantas espontâneas. Salão de iniciação científica da UFRGS, 26. Porto Alegre-RS. https://lume.ufrgs.br/handle/10183/114242?locale-attribute=en.

Frazão, V. N. & da Luz Silva, L. (2020). Efeito de extratos aquosos de plantas espontâneas do cerrado sobre a germinação de três gramíneas. Revista Ciência Agrícola, 18(3), 14-21. DOI: https://doi.org/10.28998/rca.v18i3.10482

Freitas, E. C., Amaral, D. S., Harwood, J. D., Sujii, E. R. & Venzon, M. (2014). A abundância e distribuição espaço-temporal de artrópodes predadores em pimenta-malagueta são afetadas pelo manejo de plantas espontâneas. Congresso brasileiro de entomologia, 25, 2014, Goiânia-GO. https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1006615/a-abundancia-e-distribuicao-espaco-temporal-de-artropodes-predadores-em-pimenta-malagueta-sao-afetadas-pelo-manejo-de-plantas-espontaneas.

Freitas, R. A. (2017). Controle de plantas espontâneas e aporte de nitrogênio em área cultivada com cafeeiro através do manejo de plantas de cobertura de solo. Monografia de Mestrado, UFRRJ – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ, Brasil. https://tede.ufrrj.br/jspui/handle/jspui/2583?mode=full.

Freyre, G. (2015). Nordeste. Global Editora e Distribuidora Ltda. 256 p.

Fries, L. V. (2018). Influência de coberturas de inverno na produtividade da soja e na população de plantas espontâneas. Monografia de Graduação, UFFS – Universidade Federal da Fronteira Sul, Laranjeiras do Sul, PR, Brasil. https://rd.uffs.edu.br/handle/prefix/2900.

Frizzera Junior, J. L. F., Bonadiman, P. A., Santos, T. L., Monteiro, J. F., Oza, E. F. & Prezzoti, L. (2020). Plantas de cobertura no manejo de plantas espontâneas. Cadernos de Agroecologia, 15(2). https://cadernos.aba-agroecologia.org.br/cadernos/article/view/4613.

Fukushi, Y. K. M. (2012). Manejo de plantas espontâneas no sistema consorciado de hortaliças. Projeto de pesquisa. UnB – Universidade de Brasília, Brasília-DF, Brasil. https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/780759/manejo-de-plantas-espontaneas-no-sistema-de-producao-organica-de-hortalicas.

Fukushi, Y. K. M. (2016). Consorciação de abobrinha italiana e repolho: Plantas espontâneas, artrópodes associados e viabilidade econômica do sistema. Monografia de Graduação, UnB – Universidade de Brasília, Brasília-DF, Brasil. https://repositorio.unb.br/handle/10482/20213.

Fukushi, Y. K. M., Junqueira, A. M. R. & Filha, R. R. (2014). Supressão de plantas espontâneas em sistemas consorciados de hortaliças. Revista Cadernos de Agroecologia, 9(3). https://revistas.aba-agroecologia.org.br/cad/article/view/16076.

Gama, J. C. M. (2009). Florística e fitossociologia de plantas espontâneas em comunidades antropizadas do cerrado em Minas Gerais. Monografia de Mestrado, UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais, Montes Claros, MG, Brasil. https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/NCAP-8A8GNQ.

Gama, J. C. M., Jesus, L. L. & Karam, D. (2007). Fitossociologia de plantas espontâneas em sistema de integração à lavoura-pecuária. Revista Brasileira de Agroecologia, 2(2), 929-932. https://revistas.aba-agroecologia.org.br/cad/article/view/2744.

Gomes, D. S., Bevilaqua, N. C., Silva, F. B. & Monquero, P. A. (2014). Supressão de plantas espontâneas pelo uso de cobertura vegetal de crotalária e sorgo. Revista Brasileira de Agroecologia, 9(2), 206-213. https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/user/setLocale/en_US?source=%2Findex.php%2Frbagroecologia%2Farticle%2Fview%2F15333.

Google Acadêmico. Consulta à base de dados. https://scholar.google.com.br/. Último acesso em: abril de 2022.

Guarnieri, A., Cruz, W. P., Sarmento, R. A., Erasmo, E. A. L., Santos, L. A. C., Souza Junior, M. R. & Rodrigues, D. M. (2010). Acarofauna associada às plantas espontâneas em cultivo de pinhão-manso (Jatropha curcas L.). Congresso brasileiro da ciência das plantas daninhas, 27. Ribeirão Preto, SP, Brasil. https://www.researchgate.net/publication/319186642.

Guglieri, A., Caporal, F. J. M., Vinci-Carlos, H. C. & de Medeiros Pinto, B. E. (2009). Fitossociologia de plantas espontâneas em um mandiocal implantado em pastagem cultivada em Mato Grosso do Sul, Brasil. Revista de Ciências Agrárias, 51(1), 127-142. https://cepnor.ufra.edu.br/index.php?journal=ajaes&page=article&op=view&path%5B%5D=147.

Holm, L. G., Doll, J., Hom, E., Pancho, J. & Herberger, J. World weeds: natural histories and distributions. John Wiley & Sons: New York. 1997. 1129 p.

Huziwara, E., Milhem, L. M. A., Fernandes, P. G., Rubim, R. F., Lousada, L. L., Esteves, B. S. & Freitas, S. P. (2010). Fitossociologia de plantas espontâneas no cultivo de hortaliças em Campos dos Goytacazes, RJ. Congresso brasileiro da mandioca, 13, p. 468-472. Botucatu, SP, Brasil. https://www.researchgate.net/publication/237830210.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2022). Divisão Regional do Brasil. https://www.ibge.gov.br/geociencias/organizacao-do-territorio/divisao-regional/15778-divisoes-regionais-do-brasil.html?=&t=legislacao-relacionada. Último acesso em: abril de 2022.

Jesus, L. L., Karam, D., Gama, J. D. & Oliveira, N. F. (2008). Fitossociologia de plantas espontâneas em sistema de plantio direto. Congresso brasileiro da ciência das plantas daninhas, 26. Ouro Preto, MG, Brasil. https://www.alice.cnptia.embrapa.br/handle/doc/491194.

Jesus, L. M., Souza, M. R., Silva, C. J. & Martins, J. C. (2021). Plantas espontâneas em área de pomar no IF baiano, campus Teixeira de Freitas e suas associações com insetos-praga. Seminário do Curso de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (1), 6(2), 32. https://revista.lapprudes.net/index.php/CM/article/view/649.

Jordão, I. T. (2018). Métodos de inoculação e efeito micoherbicida de fitopatógenos na germinação de plantas espontâneas. Monografia de graduação, UFFS - Universidade Federal da Fronteira Sul, Laranjeiras do Sul, PR, Brasil. https://rd.uffs.edu.br/handle/prefix/3743.

Jucksch, I., Favero, C., Costa, L. M. & Alvarenga, R. (1998). Modificações na população de plantas espontâneas pelo uso de Leguminosas como adubos verdes. Reunião brasileira de manejo e conservação do solo e da água, 12. Fortaleza-CE. p. 195-196. https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/482959/modificacoes-na-populacao-de-plantas-espontaneas-pelo-uso-de-leguminosas-como-adubos-verdes. Último acesso em: abril de 2022.

Kashiwaqui, E. A. L., Silva, T. G., Lisboa-Silva, F. R., Borghezan, H. L. M. & Kashiwaqui, E. A. L. (2014). Identificação de plantas espontâneas estabelecidas em cultivo de abacaxi ‘smooth cayenne’consorciado com feijão-de-porco em sistema agroecológico no município de Mundo Novo–MS. Revista Cadernos de Agroecologia, 9(4), 1. https://revistas.aba-agroecologia.org.br/cad/article/view/16735.

Kieling, A. S. (2007). Plantas de cobertura em sistema de plantio direto de tomate: efeitos sobre plantas espontâneas, atributos do solo e a produtividade de frutos em um processo de transição agroecológica. Monografia de Mestrado, UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil. https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/90311.

Kieling, A. S., Comin, J. J., Fayad, J. A., Lana, M. A. & Lovato, P. E. (2009). Plantas de cobertura de inverno em sistema de plantio direto de hortaliças sem herbicidas: efeitos sobre plantas espontâneas e na produção de tomate. Revista Ciência Rural. 39:(7), 20207-20209. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-84782009000700040

Kinupp, V. F. (2007). Plantas alimentícias não-convencionais da região metropolitana de Porto Alegre-RS. Monografia de Doutorado, UFRS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 562p. https://lume.ufrgs.br/handle/10183/12870.

Kinupp, V. F. & Lorenzi, H. (2014). Plantas Alimentícias Não-Convencionais (PANC) no Brasil: guia de identificação, aspectos nutricionais e receitas ilustradas. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora. 768p.

Kissmann, K. G. (1991). Plantas infestantes e nocivas. Tomo I. São Paulo-SP: BASF Brasileira S. A. 603p.

Kohn, R. A. G., Silva, A. C. S., Huber, A. C. K., Cavaçana, T. & Nunes, P. R. (2016). Alelopatia de resíduos da vitivinicultura no controle de plantas espontâneas. Revista Congrega Urcamp, 64-72. http://revista.urcamp.tche.br/index.php/rcjpgp/article/view/1908/1267.

Lana, M. A. (2007). Uso de culturas de cobertura no manejo de comunidades de plantas espontâneas como estratégia agroecológica para o redesenho de agroecossistemas. Monografia de Mestrado, UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil. https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/89920.

Lange, A. T. G., Kraemer, L. & Bianchi, V. (2019). Plantas espontâneas com propriedades medicinais identificadas em um levantamento fitossociológico numa área alterada no campus da Unijuí-Ijuí, RS. Congresso Internacional em Saúde, 6. Ijuí, RS, Brasil. https://www.publicacoeseventos.unijui.edu.br/index.php/conintsau/article/view/10774.

Lara, L. M., Oldoni, A. & Tavares, A. L (2015). Plantas espontâneas e seu sistema radicular na colheita da cebola. Congresso de iniciação científica da Universidade Federal de Pelotas, 24. Pelotas, RS, Brasil. https://cti.ufpel.edu.br/siepe/arquivos/2015/CA_01456.pdf.

Léis, C. M. (2009). Uso de dejetos suínos e absorção de nutrientes pela cultura do milho e plantas espontâneas. Monografia de Mestrado, UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil. https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/103241.

Lemes, M. A. L., Ferraz, J. M. G. F. & Yavorski, R. Y. (2021). Plantas espontâneas medicinais em quintais periurbanos. Revista Dialogando Saberes, 4, 114-132. https://revista.acfcacademus.com.br/index.php/academus/article/view/45.

Lima, A. K. O., Araújo, M. S. B., Santos, N. F. A., Melo, M. R. S., Sousa, V. Q., Pedroso, A. J. S., Borges, L. S. & Freitas, L. S. (2017). Composição florística e fitossociologia de plantas espontâneas em pastagens do gênero Brachiaria (syn. Urochloa) no nordeste paraense. Revista Agroecossistemas, 9(2), 339-349. DOI: http://dx.doi.org/10.18542/ragros.v9i2.4993

Lima, I. S. S., Campello, E. F. C. & Resende, A. S. (2014). Plantio de espécies arbóreas nativas fixadoras de N atmosférico ampliando a resistência à competição de plantas espontâneas na restauração de áreas degradadas. Semana científica Johanna Döbereiner, 14. Seropédica, RJ, Brasil. https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1011949/plantio-de-especies-arboreas-nativas-fixadoras-de-n-atmosferico-ampliando-a-resistencia-a-competicao-de-plantas-espontaneas-na-restauracao-de-areas-degradadas.

Lima, J. S. & Moreira, F. J. C. (2021). Plantas espontâneas hospedeiras de fungos associados ao oídio. Congresso brasileiro de fitopatologia, 52. Evento online, Brasil. https://www.researchgate.net/publication/355039220.

Lima, L., Ferreira, L. D. S. & Uzeda, M. (2019). Intensificação Ecológica a partir da biodiversidade local: abelhas, vespas e flores de plantas espontâneas da Mata Atlântica. Semana científica Johanna Döbereiner, 19. Seropédica, RJ, Brasil. https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1120333/intensificacao-ecologica-a-partir-da-biodiversidade-local-abelhas-vespas-e-flores-de-plantas-espontaneas-da-mata-atlantica.

Lima, L. K. S., Barbosa, A. J. S., Silva, R. T. L. & Araújo, R. C. (2011). Levantamento fitossociológico da população de plantas espontâneas em área de produção de banana. Revista Cadernos de Agroecologia, 6(2). 1-5. http://revistas.aba-agroecologia.org.br/cad/article/view/10918.

Lima, L. K. S., Barbosa, A. J. S., Silva, R. T. L. & Araújo, R. C. (2012). Distribuição fitossociológica da comunidade de plantas espontâneas na bananicultura. Revista verde de agroecologia e desenvolvimento sustentável, 7(4), 59-68. https://www.gvaa.com.br/revista/index.php/RVADS/article/view/1161.

Lima, L. K. S., Silva, J. S., Santos, J. P. S., Araújo, A. E. & Lopes, M. D. F. Q. (2014). Levantamento fitossociológico de plantas espontâneas na cultura do inhame sob produção orgânica. Revista ACSA - Agropecuária científica no semiárido, 10(2), 72-76. http://revistas.ufcg.edu.br/acsa/index.php/ACSA/article/view/290#:~:text=O%20inhame%20%C3%A9%20reconhecidamente%20como,%C3%A1rea%20de%20cultivo%20do%20inhame.

Lima, P. C., Moura, W. M., Garcia Júnior, E., Mendonça, E. S., Manabe, P. M. S., Santos, J. D., Reigado, F. R. & Reis, I. L. (2009). Avaliação de materiais orgânicos e plantas espontâneas na adubação e na sustentabilidade de agroecossistemas cafeeiros orgânicos e agroecológicos em comunidades de agricultores familiares. Simpósio de pesquisa dos cafés do Brasil, 6. Vitória, ES, Brasil. http://www.sbicafe.ufv.br/handle/123456789/2659.

Lorenzi, H. (2008). Plantas daninhas do Brasil: terrestres, aquáticas, parasitas e tóxicas. 4. ed. Nova Odessa-SP: Instituto Plantarum de Estudos da Flora. 620p.

Lucas, R. R. (2019). Efeitos da estrutura funcional de consórcios agroflorestais agroecológicos em estágio inicial sobre a estrutura da comunidade de plantas espontâneas. Monografia de Mestrado, UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil. https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/215172.

Macena, C. V. S. P., Cardoso, M. P., Santos, L. L. O., Santos, R. N. V. & Silva, M. R. M. (2020). Efeitos de leguminosas sobre as plantas espontâneas. Revista Cadernos de Agroecologia, 15(2). https://cadernos.aba-agroecologia.org.br/cadernos/article/view/4345.

Machado, M. R., Sara, J. G., Santos, D. A. G., Estevam, J. T., Santos, T. M. & Pires, L. L. (2006). Caracterização química dos frutos de jaracatiá oriundos de plantas espontâneas do município de Edéia, Goiás. Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão da UFG - CONPEEX, 3, Goiânia, GO, Brasil. https://projetos.extras.ufg.br/conpeex/2006/porta_arquivos/outras/1114407-MarianaResendeMachado.pdf.

Mafra, N. A., Miranda, I., Neto, S. V. C., Leal, E. S., Lacques, A. E. & Mitja, D. (2020). Composição florística e estrutura das plantas espontâneas das pastagens de Urochloa no norte do Amapá. Revista de Ciências Agrárias, 63, 1-7. https://ajaes.ufra.edu.br/index.php/ajaes/article/view/3297#:~:text=A%20composi%C3%A7%C3%A3o%20flor%C3%ADstica%20das%20plantas,Hyptis%20atrorubens%2C%20Desmodium%20barbatum%20ou.

Magnusson, W. E., Ishikawa, N. K., Lima, A. P., Dias, D. V., Costa, F. M., Holanda, A. S. S. D., Santos, G. G. A., Freitas, M. A., Rodrigues, D. J., Pezzini, F. F., Barreto, M. R., Baccaro, F. B., Emílio, T. & Vargas-Isla, R. (2016). A linha de véu: a biodiversidade brasileira desconhecida. Parcerias Estratégicas, 21(42), 45-60. https://ppbio.inpa.gov.br/sites/default/files/Magnusson_et_al_2016_Parc-Estrat_linha_do_veu.pdf.

Maia, S. M. F., Oliveira, T. S. & Oliveira, F. N. S. (2004). Plantas espontâneas na cobertura do solo e acúmulo de nutrientes em áreas cultivadas com cajueiro. Revista Ceres, 51(293) 83-97. http://www.ceres.ufv.br/ojs/index.php/ceres/article/view/2929.

Makoski, J. R. (2019). Características físicas do solo e plantas espontâneas em plantio direto de beterraba sob diferentes densidades de cobertura de milho. Monografia de Graduação, UFFS – Universidade Federal da Fronteira Sul, Laranjeiras do Sul, PR, Brasil. https://rd.uffs.edu.br/handle/prefix/3733.

Marinho, D. L. C. (2016). Supressão de plantas espontâneas com palha de babaçu na cultura do arroz. Monografia de Doutorado, UEMA – Universidade Estadual do Maranhão, São Liz, MA, Brasil. https://repositorio.uema.br/handle/123456789/99.

Marques, C. T. S., Silva, F., Maia, R. S. & Teles, S. (2013). Plantas espontâneas: identificação, potencialidades e uso. Cruz das Almas-BA: UFRB. 88 p. http://www.repositorio.ufrb.edu.br/bitstream/123456789/878/1/plantas%20espontaneas.pdf.

Marques, L. J. P. (2010). Composição florística de plantas espontânea em sistema de plantio direto na capoeira triturada e corte e queima. Dissertação de Mestrado, UEMA – Universidade Estadual do Maranhão, São Luís, MA, Brasil. https://www.scielo.br/j/pd/a/ZdPKQxm4NzP7YSsGf6s4x8B/?lang=pt.

Martinez, A. D. S. (2020). Plantas espontâneas em sistemas de produção agroecológico, composição bromatológica, produtividade de milho e silagem de milho planta inteira. Monografia de Doutorado, UNIOESTE – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, PR, Brasil. https://tede.unioeste.br/handle/tede/4905.

Martins, M. E. G. (2014). Diagrama de Venn. Revista de Ciência Elementar. 02:(01). DOI: http://doi.org/10.24927/rce2014.020

Maslova, I. (2018). Tradução comentada de mitos e lendas amazônicas do Nheengatu para o russo. Monografia de Mestrado, USP - Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8160/tde-22022019-175350/.

Matos Junior, F. T., Ponce, F. S., Lima, A. K. O., Santos, N. F. A., Melo, M. R. S., Sousa, V. Q., Borges, L. S. & Freitas, L. S. Incidência de plantas espontâneas em cultivares de pimentão, produzidas em diferentes coberturas mortas. Revista Agroecossistemas, 9(2), 339-349. https://periodicos.ufpa.br/index.php/agroecossistemas/article/view/5042.

Matrangolo, W. J. R., Oliveira, M. F., Albernaz, W. M., Silva, I. H. S. & Miranda, G. A. (2012). Percepção ambiental de produtores de milho relativa às plantas espontâneas na região Central de Minas Gerais. Seminário de gestão ambiental na agropecuária, 3. Bento Gonçalves, RS, Brasil. https://siambiental.ucs.br/congresso/getArtigo.php?id=194&ano=_terceiro.

Melo, D. A., Sediyama, T., Alves, J. M. A., Albuquerque, J. D. A. A., Silva, A. A. & Uchôa, S. C. P. (2019). Ocorrência de plantas espontâneas da vegetação natural na savana amazônica, Brasil. Revista Cultura Agronômica, 28(3), 367-375. DOI: https://doi.org/10.32929/2446-8355.2019v28n3p367-375

Melloni, R., Silve, E. M., Alvarenga, M. I. N., Melloni E. G. P. & Alcântara E. N. (2017). Impacto do controle de plantas espontâneas sobre propágulos de fmas e micorrização de cafeeiro. Revista Coffee Science, 12 (2), 207–215. http://www.coffeescience.ufla.br/index.php/Coffeescience/article/view/1229

Menezes, E. S., Santos, A. R., Massad, M. D., Dutra, T. R., Aguilar, M. V. M. & Mucida, D. P. (2019). Crescimento de mudas de Peltophorum dubium (Spreng.) Taub. sob interferência de plantas espontâneas e forrageiras. Revista BIOFIX Scientific Journal, 4(2), 153-159. https://revistas.ufpr.br/biofix/article/view/65897.

Mescka, L., Dutra, M. D. & Bianch, V. (2012). Densidade de cinco espécies de plantas espontâneas em três diferentes locais do campus Unijuí em Ijuí. Seminário de iniciação científica, 20. Ijuí, RS, Brasil. https://publicacoeseventos.unijui.edu.br/index.php/salaoconhecimento/article/view/17098.

Mesquita, N. F. (2018). Uso medicinal de plantas espontâneas presentes em área de cultivo agrícola. Monografia de Gradação, UFMA – Universidade Federal do Maranhão, Chapadinha, MA, Brasil. https://monografias.ufma.br/jspui/handle/123456789/2301.

Miguel, A. N. V. (2017). Plantas espontâneas em pastagem: potencial forrageiro e sua contribuição para sustentabilidade dos sistemas de produção. Monografia de Mestrado, Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios, Nova Odessa, SP, Brasil. https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/vtt-207394.

Model, N. S. & Favreto, R. (2009). Plantas espontâneas e daninhas identificadas em cinco épocas em área cultivada com abacaxizeiro em Maquiné, Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Pesquisa Agropecuária Gaúcha, 15(1), 57-64. http://revistapag.agricultura.rs.gov.br/ojs/index.php/revistapag/article/view/205#:~:text=Cynodon%20dacfilon%2D5%2C%20Paspalum%20notatum,no%20segundo%20ensaio%2D48%25.

Monteiro, J. F., Santos, T. L., Prezzoti, L., Frizzera Junior, J. L., Rodrigues, D. & Bonadiman, P. A. (2020). Potencial de uso de espécies de gramíneas e leguminosas no manejo de plantas espontâneas. Revista Cadernos de Agroecologia, 15(2). http://cadernos.aba-agroecologia.org.br/cadernos/article/view/4795/4269.

Moriconi, W., Queiroga, J. L., Ramos Filho, L. O., Passos, E. F. F., Oliveira, L. V. F. & Bueno, E. A. (2021). Efeito da cobertura do solo na ocorrência de plantas espontâneas em cultivos consorciados de hortaliças em agroflorestas. Congresso brasileiro de sistemas agroflorestais, 12. Evento online, Brasil. https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/231673/1/Moriconi-Efeito-cobertura-2021.pdf.

Motta, I. S., Schaffrath, V. R., Sena, J. O. A., Scapin, C. A. & Caldas, R. G. (2003). Plantas espontâneas em sistemas agroecológico e convencional, com videiras rústicas (Vitis labrusca). Congresso Brasileiro de Agroecologia, 1. Porto Alegre, RS, Brasil. https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/5939.

Moura, G. S., Jaski, J. M. & Franzener, G. (2016). Potencial de extratos etanólicos de propólis e extratos aquosos de plantas espontâneas no controle de doenças pós-colheita do morango. Revista verde de agroecologia e desenvolvimento sustentável, 11(5), 57-63. https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/7291943.pdf.

M.P.E.G. – Museu Paraense Emílio Goeldi. (2022). https://www.gov.br/museugoeldi/pt-br. Último acesso em: abril de 2022.

Nascimento, A. F. & Mattos, J. L. S. (2007). Produtividade de biomassa e supressão de plantas espontâneas por adubos verdes. Revista Agroecología, 2, 33–38. https://revistas.um.es/agroecologia/article/view/12151.

Nava, G. (2010). Produção e crescimento da macieira 'Fuji' em resposta à adubação orgânica e manejo de plantas espontâneas. Revista brasileira de fruticultura, 32:(4), 1231-1237. DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-29452010000400034

Nava, G. & Nachtigall, G. R. (2010). Resposta da macieira 'Fuji' a adubação orgânica e manejo de plantas espontâneas. Reunião brasileira de fertilidade do solo e nutrição de plantas, 29. Guarapari, ES, Brasil. https://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/bitstream/doc/870103/1/127162010.pdf.

Nina, N. C. S., Santos, R. S., Oliveira, O. M. S. & Nina, S. D. F. M. (2020). Fitossociologia de plantas espontâneas na cultura do cará roxo (Dioscorea trifida) sob manejo orgânico em Manaus-AM. Revista Cadernos de Agroecologia, 15(2). https://cadernos.aba-agroecologia.org.br/cadernos/article/view/4596.

Oliveira, B. S. (2015). Fontes de nitrogênio e manejo de plantas espontâneas em pomar de macieira. Monografia de Mestrado, UFSC – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil. https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/135156.

Oliveira, F. L., Silva, D. M. N., Teodoro, R. B., Quaresma, M. A. L., Favero, C. & Padovan, M. P. (2011). Inibição de crescimento de plantas espontâneas por leguminosas herbáceas perenes na Caatinga Mineira primeiro ano. Revista Cadernos de Agroecologia, 6(2). https://revistas.aba-agroecologia.org.br/cad/article/view/10963.

Oliveira, J. E. M., Lopes, F. S. C, Oliveira, J. V., Souza, A. M. & Oliveira, M. D. (2016). Cochonilha rosada Maconelicoccus hirsutus: inter-relações no ambiente produtivo de videira e plantas espontâneas. Congresso brasileiro de fruticultura, 24. São Luís, MA, Brasil. https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1056338/cochonilha-rosada-maconelicoccus-hirsutus-inter-relacoes-no-ambiente-produtivo-de-videira-e-plantas-espontaneas.

Oliveira, M. F., Karam, D., Cruz, J. C., Pereira Filho, I. A., Alvarenga, R. C., Oliveira, A. C. & Queiroz, L. R. (2007). Plantas espontâneas e produção orgânica. Comunicado técnico da Embrapa milho e sorgo. Sete Lagoas, MG, Brasil. https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/CNPMS-2009-09/20762/1/Com_149.pdf.

Oliveira, M. F., Queiroz, L. R., Oliveira, A. C., Cruz, J. C., Karam, D., Matrangnolo, W. J. R., Pereira Filho, I. A., Costa, T. C. C. & Alvarenga, R. (2008). Plantas espontâneas e produção orgânica de milho. Congresso nacional de milho e sorgo, 27. Londrina, PR, Brasil. https://www.alice.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/474002/1/Plantasexpontaneas.pdf.

Oliveira, M. N. (2011). Avaliação da capacidade de emergência de oito espécies de árvores do cerrado, milho, feijão-de-porco e plantas espontâneas sob diferentes quantidades de palhada de brachiaria. Monografia de Graduação, UnB – Universidade de Brasília, Brasília-DF, Brasil. https://bdm.unb.br/handle/10483/3258.

Oliveira, N. G. R. M., Sant'Ana, A. L., Silva, D. P. & Oliveira, T. G. R. M. (2020). Práticas alternativas de controle fitossanitário e de plantas espontâneas utilizadas por agricultores assentados do Território Noroeste Paulista. Revista Cadernos de Agroecologia, 15(2). http://cadernos.aba-agroecologia.org.br/cadernos/article/view/3941.

Padilha, G. H. Dinâmica espacio-temporal da comunidade de plantas espontâneas em sistemas integrado de produção agropecuária. Monografia de Mestrado, UFPR – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil. https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/70611.

Padovan, M. P., Carneiro, L., Bosquetti, L. D. B., Motta, I. D. S., Moitinho, M. & Salomão, G. D. B. (2012). Efeito de leguminosas herbáceas perenes consorciadas com a bananeira, sobre a ocorrência de plantas espontâneas em agroecossistema sob manejo ecológico. Revista Cadernos de Agroecologia, 7(2). http://www.aba-agroecologia.org.br/revistas/index.php/cad/article/view/13107.

Parizotto, C., Duarte, T. S. & Wieth, A. R. (2018). Desempenho agronômico e controle de plantas espontâneas no cultivo do pepineiro em sistema agroecológico. Revista Cadernos de Agroecologia, 13(2). http://cadernos.aba-agroecologia.org.br/index.php/cadernos/article/view/2136.

Parizotto, C., Duarte, T. S. & Wieth, A. R. (2020). Desempenho agronômico e controle de plantas espontâneas no cultivo do pepineiro em sistema agroecológico. Capítulo 6, 67-76p. In: J. C. Ribeiro. Impacto, excelência e produtividade das ciências agrárias no Brasil 3. Ponta Grossa-PR: Editora Atena. DOI: https://doi.org/10.22533/at.ed.4902021056

Partelli, F. L., Vieira, H. D., Paiva, S. F. & Espindola J. A. A. (2010). Aspectos fitossociológicos e manejo de plantas espontâneas utilizando espécies de cobertura em cafeeiro Conilon orgânico. Revista Semina: Ciências Agrárias. 31(3), 605-618. DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1679-0359.2010v31n3p605

Paulothomas, J., Maggi, M. F., Bettio, C. S., Santos, L. H. L. & Cunha, G. B. (2014). Espacialização de plantas espontâneas em culturas anuais sob manejo de plantio direto e agricultura de precisão. Congresso brasileiro de engenharia agrícola, 43. Campo Grande, MS, Brasil. http://conbea14.sbea.org.br/2014/anais/R0287-2.pdf.

Pellegrini, L. G., Nabinger, C., Carvalho, P. C. F. & Neumann, M. (2007). Diferentes métodos de controle de plantas indesejáveis em pastagem nativa. Revista Brasileira de Zootecnia, 36(5), 1247-1254. DOI: https://doi.org/10.1590/S1516-35982007000600005

Penoni, L. H., Gonçalves, F. P. R., Reis, J. E., Rocha, V., Vieira Filho, A., Andrino, M. A. & Monteiro, R. (2015). Levantamento florístico das plantas espontâneas da área de cultivo de café (Coffea arabica), do campus IFMG – Bambuí – MG. Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí, 8. Bambuí, MG, Brasil. https://www.bambui.ifmg.edu.br/jornada_cientifica/2015/resumos/sep/13.pdf.

Pereira, W. & Melo, W. F. (2008). Manejo de plantas espontâneas no sistema de produção orgânico de hortaliças. Circular Técnica da Embrapa hortaliças. Brasília-DF, Brasil. https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/780759/manejo-de-plantas-espontaneas-no-sistema-de-producao-organica-de-hortalicas.

Pires, L. L., Santos, D. A. G. D., Santos, T. M., Machado, M. R., Sara, J. G. & Estevam, J. T. (2006). Caracterização química de frutos de jaracatiá oriundos de plantas espontâneas do município de Rio Verde, Goiás. Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão da UFG - CONPEEX, 3. Goiânia, GO, Brasil. https://projetos.extras.ufg.br/conpeex/2006/porta_arquivos/outras/1121409-JordanaGabrielSara.pdf.

Pires, M. P., Costa, A. P. S., Saraiva, M. S., Matias, Y. C., Silva, R. T. L., Silva Junior, A. C., Nascimento, V. M. & Vieira, A. P. S. (2021). Desenvolvimento inicial de citros em função do manejo de plantas espontâneas e de combinações de copa e porta-enxerto. Capítulo 2, p. 12-21. In: P. H.A. Moura & V. F. C. Monteiro (Org.). Ciências agrárias, indicadores e sistemas de produção sustentáveis 3. Ponta Grossa-PR: Editora Atena. DOI: https://doi.org/10.22533/at.ed.0212129112

Pires, T. P., Costa, B. P., Silva, R. N., Assis, D. B. G. & Silva, M. R. M. (2016). Períodos de controle das plantas espontâneas em sistema de cultivo orgânico de quiabo. Revista Cadernos de Agroecologia, 10(3). https://revistas.aba-agroecologia.org.br/cad/article/view/17534.

Pitelli, R. A. O termo planta-daninha. (2015). Revista Planta Daninha, 33(3). DOI: https://doi.org/10.1590/S0100-83582015000300025

Queiroz, L. R., Galvão, J. C. C., Cruz, J. C., Oliveira, M. F., Alvarenga, R. C., Matrangolo, W. J. & Marriel, I. E. (2008). Supressão de plantas espontâneas por leguminosas anuais na cultura do milho verde, em sistema orgânico de produção. Congresso nacional de milho e sorgo, 27. Londrina, PR, Brasil. https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/29918/1/Supressao-plantas.pdf.

Queiroz, L. R., Galvão, J. C. C., Cruz, J. C. & Oliveira, M. F. (2010). Palhadas de leguminosas no manejo de plantas espontâneas e efeito na produtividade de milho verde. Congresso nacional de milho e sorgo, 28. p. 2187-2194. Goiânia, GO. Brasil. http://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/handle/doc/868210.

Rayol, B. P. & Alvino-Rayol, F. O. (2012). Uso de feijão guandú (Cajanus cajan (L.) Millsp.) para adubação verde e manejo agroecológico de plantas espontâneas em reflorestamento no estado do Pará. Revista Brasileira de Agroecologia, 7(1), 104-110. https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/10364.

Recalde, K. M. G. (2013). Cultivo da mandioca sob bases agroecológicas: estado da arte, adubação verde e supressão de plantas espontâneas no território do cone sul de Mato Grosso do Sul. Monografia de Mestrado, UFGD – Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, Brasil. https://repositorio.ufgd.edu.br/jspui/handle/prefix/682.

Reginatto, M. (2018). Potencial alelopático de plantas de adubação verde sobre a cultura do milho e plantas espontâneas. Monografia de Mestrado, UFFS – Universidade Federal da Fronteira Sul, Laranjeiras do Sul, PR, Brasil. https://rd.uffs.edu.br/handle/prefix/2136.

Reis Filha, R. D. (2013). Impacto da consorciação de culturas e aplicação de silício na produção de hortaliças, manejo de artrópodes e plantas espontâneas. Monografia de Mestrado, UnB – Universidade de Brasília, Brasília-DF, Brasil. https://repositorio.unb.br/handle/10482/13690.

Rena, F. C. (2013). Manejo de plantas espontâneas e fertilização nitrogenada em pré-semeadura do milho em plantio direto. Monografia de Mestrado, UFV – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, Brasil. https://www.locus.ufv.br/handle/123456789/5516.

Research Gate. Consulta à base de dados. https://www.researchgate.net/. Último acesso em: abril de 2022.

Rivero, Y. R., Andrade, D. J., Santos, Á. F. A., González, C. P. & Leite, G. W. P. Capacidade de colonização do ácaro-vermelho-do-amendoim Tetranychus ogmophallos em plantas espontâneas, cana-de-açúcar e sansão-do-campo. Encontro sobre a cultura do Amendoim, 14. DOI: https://doi.org/10.17648/amendoim-2017-72066

Rocha, F. I. (2017). Intensificação ecológica: Serviços ecossistêmicos e manejo da comunidade de plantas espontâneas em paisagens agrícolas. Monografia de Mestrado, UFRRJ – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, RJ, Brasil. https://tede.ufrrj.br/jspui/handle/jspui/2601.

Rodrigues, M. H. B. S., Pereira Junior, E. B., Andrade, F. E., Nascimento, D. M., Vale, K. S. & Hafle, O. M. (2017). Fitossociologia de plantas espontâneas sob cultivo agroecológico na bananeira no sertão paraibano. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, 12(1), 12-16. DOI: https://doi.org/10.18378/rvads.v12i1.4221

Rodrigues, R. M. (1989). A flora da Amazônia. Belém-PA: CEJUP. 463p.

Rosa, D. S., Oldoni, A., Milech, F. B., Abreu, M. D. D. & Machado, A. L. T. (2020). Hierarquização dos requisitos de clientes direcionado ao projeto de uma máquina para controle térmico de plantas espontâneas. Revista Brazilian Journal of Development, 6(4), p. 17629-17634. DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n4-073

Santos, F. I. C., Nachtigal, G. D. F., Garlich, N., Altenhofen, T. S. & Lima, D. L. (2010). Prospecção de inimigos naturais de plantas espontâneas. Encontro de iniciação científica e pós-graduação da Embrapa clima temperado, 3. Pelotas, RS, Brasil. https://www.alice.cnptia.embrapa.br/alice/bitstream/doc/868414/1/14200.pdf.

Santos, L. P. S., Santos, M. A., Almeida, G. S., Oliveira, G. B., Cunha, L. D. M. V., Martins, I. P. S. & Mota, W. F. (2014). Urina de vaca como alternativa de manejo de plantas espontâneas. Fórum de ensino pesquisa extensão gestão, 8. Montes Claros, MG, Brasil. http://www.fepeg2014.unimontes.br/sites/default/files/resumos/arquivo_pdf_anais/urina_de_vaca_no_controle_de_plantas_daninhas_-_livian.pdf.

Santos, R. N. V., Cardoso, M. P., Vinicius, C., Macena, S. P., Santos, L. L. O., Rosângela, M. & Silva, M. (2021). Dinâmica da decomposição dos adubos verdes na manutenção da fertilidade do solo, disponibilidade de nutrientes e manejo agroecológico de plantas espontâneas em hortaliças. Cap. 5, p. 118-127. In: L. M. H. García (Org.). Agroecologia: princípios e fundamentos ecológicos aplicados na busca de uma produção sustentável. Canoas-RS: Mérida Publishers. DOI: https://doi.org/10.4322/mp.978-65-991393-9-0.c5

Santos, S. A., Correia, I., Silva, F., Galon, L., Motta, I. D. S. & Concenco, G. (2013). Infestação de plantas espontâneas no final do período das chuvas em cafeeiro solteiro ou consorciado em sistema agroecológico. Jornada de iniciação à pesquisa da Embrapa, Dourados, MG, Brasil. https://www.cpao.embrapa.br/cdjipe2013/PDF/33.pdf.

Santos, T. R. (2017). Leguminosas, palha de café e plantas espontâneas no cultivo de milho verde. Monografia de Mestrado, UFV – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, Brasil. https://www.locus.ufv.br/bitstream/123456789/10426/1/texto%20completo.pdf.

Sartori, V. C., Klein, M., Zancan, L. R. D., Martini, A. & Tironi, S. P. (2019). Manejo cultural de plantas espontâneas na produção orgânica de mandioca. Jornada de iniciação científica e tecnológica da UFFS, 9. Chapecó, SC, Brasil. https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/934333/1/COT2012178.pdf.

Santos, V. M. (2019). Caracterização dos sedimentos do arroio dilúvio e avaliação do potencial de fitorremediação por plantas espontâneas do sistema para a carga de elementos potencialmente tóxicos. UFRS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, ES, Brasil. https://lume.ufrgs.br/handle/10183/201786.

Published

21/05/2022

How to Cite

TRINDADE, J. R. .; SANTOS, J. U. M. dos .; GURGEL, E. S. C. . Studies with spontaneous plants in Brazil: a review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e14111729700, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.29700. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/29700. Acesso em: 1 mar. 2024.

Issue

Section

Review Article