Conditions and access to health services for quilombola women and children: an integrative review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i7.30065

Keywords:

Maternal and Child Health; Ethnic Groups; African Continental Ancestry Group; Women's Health; Child Health; Health of Ethnic Minorities; Maternal Health; Health Services Accessibility; Brazil; Health teaching.

Abstract

Objective: To identify scientific evidence about the health conditions and access to health services of quilombola women and children. Methods: Integrative literature review carried out in the following databases: PUBMED, SciELO, LILACS and CINAHL. Results: A total of 1,714 records were evaluated in title and abstract. After careful reading and application of inclusion and exclusion criteria, 23 articles were selected for analysis. It was found that most of the selected publications were from the LILACS database, with 13 manuscripts, followed by CINAHL with 4 articles. Three articles were from SciELO and three from PubMed, all from Brazil, in Portuguese, English and Spanish, except for 2 articles only in English. The year of publication of the articles varied between 2013 and 2021. The findings showed precarious health conditions and difficulties in accessing health services, with the location of the quilombola community being a limiting factor, which causes numerous challenges, such as difficult access to health services and their precariousness. Conclusion: The results evidenced in this study were important to understand the health issues of this vulnerable group, raising reflections for health professionals, society and public policy makers about the importance of promoting greater access and better quality to women's and children's health of the quilombola population.

References

Almeida, A. H. V., Costa, M. C. O., Gama, S. G. N., Amaral, M. T. R. & Vieira, G. O. (2014). Baixo peso ao nascer em adolescentes e adultas jovens na Região Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 14(3), 279-286.

Amorim, M. M., Tomazi, L., Silva, R. A. A. D., Gestinari, R. D. S., & Figueiredo, T. B. (2013). Avaliação das condições habitacionais e de saúde da comunidade quilombola Boqueirão, Bahia, Brasil. Bioscience Journal, 29(4), 1049-57.

Anjos, R. S. A. (1999). Territórios das comunidades remanescentes de antigos A599 Quilombos no Brasil: primeira configuração espacial. Edição do autor.

Azevedo, A. B., Kassar, S. B. & Ferreira, C. M. X. (2020). Prevalência e fatores associados à anemia em crianças quilombolas de diferentes regiões brasileiras: estudo multicêntrico. Semana de pesquisa da UNIT, 5.

Barreto, C. T. G., Cardoso, A. M. & Coimbra JR., C. E. A. (2014). Estado nutricional de crianças indígenas Guarani nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 30(3), 657-662.

Benguigui, Y. (2002) As infecções respiratórias agudas na infância como problema de saúde pública. Boletim de Pneumologia Sanitária, 10(1).

Bezerra, V. M., Andrade, A. C. D. S., César, C. C., & Caiaffa, W. T. (2013). Comunidades quilombolas de Vitória da Conquista, Bahia, Brasil: hipertensão arterial e fatores associados. Cadernos de Saúde Pública, 29, 1889-1902.

Botelho, L. L. R. Cunha, C. C. A & Macedo, M. (2011). O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Revista eletrônica Gestão e sociedade, 5(11), 121-136.

Brasil. Ministério da Cidadania. Secretaria Especial do Desenvolvimento Social. (2015). Comunidades Quilombolas. http://mds.gov.br/assuntos/seguranca-alimentar/direito-a-alimentacao/povos-e-comunidades-tradicionais/comunidades-quilombolas

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. (2008a). Manual de Atenção à Mulher no Climatério/Menopausa. Editora MS.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e Aids. (2008b). Manual de Prevenção das DST/HIV/Aids em Comunidades Populares. Série Manuais, 83.

Brasil. Ministério da Saúde. (2004). Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: Princípios e diretrizes. Editora MS.

Brasil. Ministério da Saúde. (2013). Manual de Condutas Gerais do Programa Nacional de Suplementação de Vitamina A. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. (2016). Protocolos da Atenção Básica: Saúde das Mulheres. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. (2011). Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise em Saúde e Vigilância de Doenças Não Transmissíveis. (2021). Plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas e Agravos não Transmissíveis no Brasil 2021-2030. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério do desenvolvimento social. (2019). Gravidez na adolescência: impacto na vida das famílias e das adolescentes e jovens mulheres. https://crianca.mppr.mp.br/arquivos/File/publi/gravidez_adolescencia/informativo_gravidez_adolescencia_mds_2019.pdf

Cardoso, C. S., de Melo, L. O., & Freitas, D. A. (2018). Condições de saúde nas comunidades quilombolas. Revista de Enfermagem UFPE on line, 12(4), 1037-1045.

Cardoso V. V., Vieira, F. M. S. B. & Saraceni, V. (2020). Aborto no Brasil: o que dizem os dados oficiais?. Cadernos de Saúde Pública, 36.

Costa, E. S. & Scarcelli, L. R. (2016). Psicologia, política pública para a população quilombola e racismo. Psicologia USP, 27(2), 357-366.

Curi, P. L., Ribeiro, M. T. A. R. & Marra, C. B. (2020). A violência obstétrica praticada contra mulheres negras no SUS. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 72.

Melo, L. O. D. (2016). Atenção à saúde da criança quilombola menor de 2 anos: saberes e práticas de cuidado à luz da teoria transcultural. Dissertação de mestrado em Enfermagem. Universidade Federal de Alagoas.

Dias, J. A., Luciano, T. V., Santos, M. C. L. F. S., Musso, C., Zandonade, E., Spano, L. C. & Miranda, A. E. (2021). Infecções sexualmente transmissíveis em mulheres afrodescendentes de comunidades quilombolas no Brasil: prevalência e fatores associados. Cadernos de Saúde Pública, 37(2).

Diniz, M. E. C. G. (2008). Fecundidade e Genética em Kalunga: busca de associação entre dados demográficos e marcadores moleculares num remanescente de quilombo brasileiro. Dissertação de Mestrado em Ciências da Saúde. Universidade de Brasília.

Domingos, S. R. F. & Merighi, M. A. B. (2010). O aborto como causa de mortalidade materna: um pensar para o cuidado de enfermagem. Escola Anna Nery, 14(1), 177-181.

Durand, M. K., & Heidemann, I. T. S. B. (2020a). Saúde das mulheres quilombolas: diálogo com a literatura. Rev. Pesqui.(Univ. Fed. Estado Rio J., Online), 202-209.

Durand, M. K., & Heidemann, I. T. S. B. (2020b). Mulheres Quilombolas e o Itinerário de Pesquisa de Paulo Freire. Texto & Contexto-Enfermagem, 29.

Feitosa, M. O., Gomes, M. E. A., Fontoura, I. G., Pereira, C. S., Carneiro, A. M. C. T., de Oliveira, M. C., Viana, J. A., Fontoura, V. M., da Silva, K. C., Ribeiro, R. S., Vieira, P. C. S., Leite, S. G. V., Leal, L. P. A., Feitosa, A. N. A. & Fonseca, F. L. A. (2021). Access to Health Services and Assistance Offered to the Afro-Descendant Communities in Northern Brazil: A Qualitative Study. International Journal of Environmental research and public health, 18(2).

Fernandes, E. T. B. S., Ferreira, S. L., Ferreira, C. S. B. & Cardoso, V. B. (2021). Condições de vida de mulheres quilombolas e o alcance da autonomia reprodutiva. Escola Anna Nery, 25(2).

Fernandes, E. T. B. S., do Nascimento, E. R., Ferreira, S. L., Coelho, E. A. C., da Silva, L. R. & Pereira, C. O. J. (2018). Prevenção do câncer do colo uterino de quilombolas à luz da teoria de Leininger. Revista Gaúcha de Enfermagem, 39.

Fernandes, S. L. & Santos, A. O. (2019). Itinerários Terapêuticos e Formas de Cuidado em um Quilombo do Agreste Alagoano. Psicologia: Ciência e Profissão, 39, 38-52.

Ferreira, H. S. Lamenha, M. L. D. Jr. Xavier, A. F. S. Cavalcante, J. C. & Santos, A. M. (2011). Nutrição e saúde das crianças das comunidades remanescentes dos quilombos no Estado de Alagoas, Brasil. Revista Panamericana de Salud Pública, 30(1).

Ferreira, H. S. & Torres, Z. M. C. (2015). Comunidade quilombola na Região Nordeste do Brasil: saúde de mulheres e crianças antes e após sua certificação. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, 15(2), 219-229.

Freitas, D. A., Caballero, A. D., Marques, A. S., Hernández, C. I. V. & Antunes, S. L. N. O. (2011). Saúde e comunidades quilombolas: uma revisão da literatura. Revista CEFAC, 13(5), 937-943.

Fundação Cultural Palmares. (2019). Certificação Quilombola: certidões expedidas às comunidades remanescentes de quilombos (CRQs) atualizada até a portaria nº 34/2013. Diário Oficial da União.

Fundação Cultural Palmares. (2008). Quilombos ainda existem no Brasil. https://www.palmares.gov.br/?p=3041

Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). (2005). Situação da Infância Brasileira: O Direito à Sobrevivência e ao Desenvolvimento de crianças até 6 anos.

Galvão, T. F., Pansani, T. D. S. A., & Harrad, D. (2015). Principais itens para relatar Revisões sistemáticas e Meta-análises: A recomendação PRISMA. Epidemiologia e serviços de saúde, 24, 335-342.

Gomes, K. O., Reis, E. A., Guimarães, M. D. C. & Cherchiglia, M. L. (2013). Utilização de serviços de saúde por população quilombola do Sudoeste da Bahia, Brasil. Caderno de Saúde Pública, 29(9), 1829-1842.

Guimarães, N. M., Freitas, V. C. S., de Senzi, C. G., Frias, D. F. R., Gil, G. T. & Lima, L. D. S. C. (2021). Partos no sistema único de saúde (SUS) brasileiro: prevalência e perfil das parturientes. Brazilian Journal of Development, 7(2), 11942-11958.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2021). Base territorial, censos e povos e comunidades tradicionais. Instituto Nacional do Câncer. (2011). Dicas em saúde: exame preventivo do câncer de colo uterino (Papanicolau). Biblioteca virtual em saúde.

Jacintho, K. S., Cavalcante, K. O. R., De Oliveira e Silva, J. M., & Dos Santos, A. A. P. (2018). Fatores que influenciam na prevenção do câncer do colo do útero na comunidade quilombola. Cult. cuid, 151-157.

Leal, M. C., Esteves-Pereira, A. P., Viellas, E. F., Domingues, R. M. S. M. & da Gama, S. G. N. (2020). Assistência pré-natal na rede pública do Brasil. Revista de Saúde Pública, 54.

Leite, F. M. B., Ferreira, H. S., Bezerra, M. K. A., Assunção, M. L. & Horta, B. L. (2013). Consumo alimentar e estado nutricional de pré-escolares das comunidades remanescentes dos quilombos do estado de Alagoas. Revista Paulista de Pediatria, 31(4), 444-451.

Leite, I.B. (2000). Os quilombos no Brasil: Questões conceituais e normativas. Etnográfica, 4(2), 333-354.

Lima, K. D., Pimentel, C. & Lyra, T. M. (2021). Disparidades raciais: uma análise da violência obstétrica em mulheres negras. Ciência e Saúde coletiva, 3(15).

Liu, L., Oza, S., Hogan, D., Perin, J., Rudan, I., Lawn, J. E., Cousens, S., Mathers, C. & Black, R. E. (2015). Global, regional, and national causes of child mortality in 2000–13, with projections to inform post-2015 priorities: an updated systematic analysis. Lancet, 385(9966), 430-440.

Lucena, T. S., Costa, L. J. S. F., Santos, A. A. P. & Silva, J. M. O. (2020). Comunidade de remanescentes de quilombolas: práticas culturais de cuidado utilizadas no puerpério. Revista de enfermagem UERJ.

Mario, D. N., Rigo, L., Boclin, K. L. S., Malvestio, L. M. M., Anziliero, D., Horta, B. L., Wehrmeister, F. C. & Mesa-Martinez, J. (2019). Qualidade do Pré-Natal no Brasil: Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Ciência e saúde coletiva, 24(3).

Marques, A. S., Freitas, D. A., Leão, C. D. A., Oliveira, S. K. M., Pereira, M. M. & Caldeira, A. P. (2014). Atenção Primária e saúde materno-infantil: a percepção de cuidadores em uma comunidade rural quilombola. Ciência e saúde coletiva, 19(2), 365-371.

Matos, L. R., Pacheco, Z. M. L., Pinheiro, R. & Almeida, G. B. S. (2020). O desvelar do cuidar de si da mulher quilombola. Ciência, Cuidado e Saúde, 19.

Melnyk, B. M. & Fineout-Overholt, E. (2012). Evidence-based practice in nursing & healthcare: a guide to best practice. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins.

Mendes, C. Q. S., Cacella, B. C. A. C., Mandetta, M. A. & Balieiro, M. M. F. G. (2015). Baixo peso ao nascer em município da região sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Enfermagem, 68(6), 1169-1175.

Meneguessi, G. M., Mossri, R. M., Segatto, T. C. V. & Reis, P. O. (2015). Morbimortalidade por doenças diarreicas agudas em crianças menores de 10 anos no Distrito Federal, Brasil, 2003 a 2012. Epidemiologia e serviços de saúde, 24(4), 721-730.

Milagres, R. C. R. M., Nunes, L. C. & Pinheiro-Sant'ana, H. M. (2007). A deficiência de vitamina A em crianças no Brasil e no mundo. Ciência e Saúde Coletiva, 12(5), 1253-1266.

Morais, A. (2013). O Cuidado às Crianças Quilombolas no Domicílio à luz da Teoria Transcultural de Leininger. Dissertação de Doutorado em Enfermagem. Universidade Federal da Bahia.

Motta, M. E. F. A., Silva, G. A. P., Araújo, O. C., Lira, P. I. & Lima, M. C. (2005). O peso ao nascer influencia o estado nutricional ao final do primeiro ano de vida?. Jornal de Pediatria, 81(5), 377-382.

Nascimento, M. D. S. B., Vidal, F. C. B., Silva, M. A. C. N., Batista, J. E., Barbosa, M. C. L., Filho, W. E. M., Bezerra, F. B., Viana, G. M. C., Branco, R. C. C. & Brito, L. M. O. (2018). Prevalence of human papillomavirus infection among women from quilombo communities in northeastern Brazil. BMC Women's Health. 18(1).

Neres, M. B. (2015). Educação quilombola em Mesquita: um estudo da gestão da escola a partir do processo histórico, emancipatório e das relações de conflito. Dissertação de Mestrado em Educação. Universidade Católica de Brasília.

Neves, F. D. J. (2017). Fatores associados ao estado nutricional de crianças quilombolas menores de 5 anos na região Nordeste do Brasil. Dissertação de Mestrado em Epidemiologia em Saúde Pública. Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca, Fundação Oswaldo Cruz.

Nicolau, A. I. O., Moraes, M. L. C., Lima, D. J. M., Aquino, P. S. & Pinheiro, A. K. B. (2010). História reprodutiva de mulheres laqueadas. Acta Paulista de Enfermagem, 13(5), 677-683.

Oliveira, E. F. D., Camargo, C. L. D., Gomes, N. P., Campos, L. M., Jesus, V. S. D., & Whitaker, M. C. O. (2018). Consulta de acompanhamento do crescimento e desenvolvimento: significados de mães quilombolas. Escola Anna Nery, 22.

Oliveira, E. F. D., Camargo, C. L. D., Gomes, N. P., Couto, T. M., Campos, L. M., & Oliveira, P. S. D. (2019). Fatores relacionados à assiduidade de quilombolas às consultas de acompanhamento infantil. Revista Brasileira de Enfermagem, 72, 9-16.

Oliveira, S. K. M., Pereira, M. M., Freitas, D. A. & Caldeira, A. P. (2014). Saúde materno-infantil em comunidades quilombolas no norte de Minas Gerais. Cadernos de Saúde Coletiva. 22(3), 307-313.

Organização Pan-Americana da Ssúde. (2010). Linhas de cuidado: hipertensão arterial e diabetes.

Padilha, B. B., Diniz, A. S., Ferreira, H. S., Tomiya, M. T. O., & Cabral, P. C. (2017). Preditores antropométricos de hipertensão arterial sistêmica em mulheres afrodescendentes. Scientia Medica, 27(3), 3.

Palmeira, L. D. F. P. (2019). Percepção das mulheres quilombolas sobre a assistência que receberam no pré-natal. Trabalho de Conclusão do Curso de Enfermagem. Universidade Federal de Alagoas.

Passos, T. S., Almeida-Santos, M. A., Hora, A. B. & Oliveira, C. C. C. (2021). Uso de preservativo e vulnerabilidades para infecções sexualmente transmissíveis em comunidades quilombolas: estudo descritivo, Sergipe, 2016-2017. Epidemiologia e Serviços de saúde, 30(2).

Pazirandeh, S., Burns, D. L. & Griffin, I. J. (2020). Overview of dietary trace elements. UpToDate.

Pedro, A. O., Pinto Neto, A. M., Paiva, L. H. S. D. C., Osis, M. J., & Hardy, E. (2003). Idade de ocorrência da menopausa natural em mulheres brasileiras: resultados de um inquérito populacional domiciliar. Cadernos de Saúde Pública, 19, 07-25.

Pedrosa, B. S., Coelho, J. G., Tavares, M. C. S., Luz, A. R., Trindade, A. C. M., Nagao, G. M., Moreira, L. H. Lima, M. A. F. S., Esteves, T. B. V., Cúrcio, G. B. & Britto, V. E. (2021). Prevalência da anemia ferropriva no Brasil: análise quantitativa em população pediátrica. International Journal of Development Research, 11(4), 45881-45888.

Pereira, A. N., Macedo, D. A., Fernandes, E. T. B. S., Carvalho, B. T., Marques, G. C. M., & Ferreira, R. B. S. (2020). Percepção de mulheres quilombolas acerca da assistência pré-natal. Research, Society and Development, 9(11).

Pereira, C. O. J., & Ferreira, S. L. (2016). Experiências de mulheres quilombolas com planejamento reprodutivo e assistência no período gravídico-puerperal. Revista Feminismos, 4(2/3).

Peters, M. D. J., Godfrey, C., McInerney, P., Munn, Z., Tricco, A. C. & Khalil, H. (2020). Chapter 11: ScopingReviews. JBI Manual for Evidence Synthesis.

Pinho, L., Dias, R. L., Cruz, L. M. A. & Velloso, N. A. (2015). Condições de saúde de comunidade quilombola no norte de Minas Gerais. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental online, 7(1), 1847-1855.

Prates, L. A., Ceccon, F. G., Alves, C. N., Wilhelm, L. A., Demori, C. C., Silva, S. C. & Ressel, L. B. (2015). A utilização da técnica de grupo focal: um estudo com mulheres quilombolas. Caderno de Saúde Pública, 31(12), 2483-2492.

Prates, L. A., Cremonese, L., Wilhelm, L. A., Oliveira, G., Timm, M. S., Castiglioni, C. M., & Ressel, L. B. (2018). Ser mulher quilombola: revelando sentimentos e identidades. Revista Mineira de Enfermagem, 22, 1-9.

Prates, L. A., Possati, A. B., Timm, M. S., Bortoli, C. D. F. C. D., Bisognin, P., & Ressel, L. B. (2016). Características socioeconômicas e de saúde de um grupo de mulheres de uma comunidade quilombola. Revista de enfermagem UFPE on line, 103-111.

Queiroz, P. S. F., Miranda, L. P., Oliveira, P. S. D., Neto, J. F. R., Sampaio, C. A., Oliveira, T. L. & Silva, M. L. O. (2021). Obesidade abdominal e fatores associados em comunidades quilombolas do Norte de Minas Gerais, 2019. Epidemiologia e serviços de saúde, 30(3).

Santos, A. N. S., & Nascimento, E. R. (2019). Proposições de cuidado cultural à enfermagem frente a aspectos da saúde reprodutiva de mulheres quilombolas. Revista Baiana de Enfermagem, 33.‎

Santos, L. G. M. D. L., Ferreira, C. M. X., Azevedo, A. B., Santos, S. L. S., Kassar, S. B., Cardoso, M. A., & Ferreira, H. D. S. (2021). Evolução da prevalência de anemia em crianças quilombolas, segundo dois inquéritos de base populacional em Alagoas, Brasil (2008-2018). Cadernos de Saúde Pública, 37.

Santos, L. F. N. (2015). Condições de Nascimento de Crianças em Comunidade Quilombola. Dissertação de Mestrado em Enfermagem. Universidade Federal da Bahia.

Silva, A. R. F. S. (2018). Políticas públicas para comunidades quilombolas: uma luta em construção. Revista de Ciências Sociais, 48,115-128.

Silva, C. C., Sousa, M. C., Barroso, I. L. D., Araújo, A. M. V., Viana, J. A., de Araújo, S. M. N., Neves, A. F. & Figueredo, P. G. J. (2021). Análise do Pré-Natal Ofertado às Mulheres Quilombolas no Norte do Tocantins. Brazilian Journal of Development, 7(3), 31560-31579.

Silva, D. Q. & Soliva, T. B. (2020). Sobre a banalidade dos direitos reprodutivos das mulheres negras: um estudo na comunidade quilombola Baixão do Guaí. 44º Encontro da ANPOCS.

Silveira, V. N., Padilha L. L. & Frota, M. T. B. A. (2020). Desnutrição e fatores associados em crianças quilombolas menores de 60 meses em dois municípios do estado do Maranhão, Brasil. Ciência e Saúde coletiva, 25(7), 2583-2594.

Siqueira, S. M. C., de Jesus, V. S., Santos, L. F. N., de Oliveira Muniz, J. P., dos Santos, E. N. B., & de Camargo, C. L. (2018). Percepções de urgência e emergência pediátrica entre quilombolas: uma abordagem à luz de Leininger. Revista Enfermagem UERJ, 26, 21492.

Siqueira, S. M. C. (2014). Itinerários terapêuticos em urgências e emergências pediátricas em uma comunidade quilombola. Dissertação de Mestrado em Enfermagem. Universidade Federal da Bahia.

Souza, J. B. A., Santana, B. R., Resende, L. T., Gomes, M. M. N. & Murta, T. D. (2021). Mortalidade infantil brasileira por doenças respiratórias no período de 2009 a 2018. Ciências Biológicas e da Saúde: Pesquisas Básicas e Aplicadas.

Souza, M. T., Silva, M, D. & Carvalho, R. (2010). Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein, 8(1).

Taddei, J. A., Colugnati, F. & Cobayashi, F. (2006). Chamada nutricional: uma avaliação nutricional de crianças quilombolas de 0 a 5 anos. Políticas Sociais e Chamada Nutricional Quilombola.

Tavares, A. N. S., Almeida, A. M., Abrão, F. M. S. & Costa, A. M. (2018). Perfil das mulheres no climatério residentes em uma comunidade quilombola. Revista de enfermagem UFPE on line, 12(12), 3352-3359.

Vilar, R. R. L., Castro, C. B., Corrêa, J. R. V., Menezes, A. J. E. A. & Gato, M. F. (2001). Comportamento da renda e da mão-de-obra nas comunidades remanescentes de Orlximiná. Embrapa Amazônia Oriental.

World Health Organization. (2003). Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases. Report of a Joint WHO/FAO Expert Consultation.

World Health Organization. (2000). Nutrition for health and development: a global agenda for combating malnutrition. ‎

World Health Organization. United Nations Children's Fund (Unicef). (2004). Low birthweight: country, regional and global estimates.

Published

26/05/2022

How to Cite

SOUZA, K. de; BOECKMANN, L. M. M.; MELO, M. C.; MORAIS, R. de C. M. de; VIEIRA, A. B. D. .; SCHARDOSIM, J. M.; CAMPOS, M. C. T. de. Conditions and access to health services for quilombola women and children: an integrative review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 7, p. e31011730065, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i7.30065. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/30065. Acesso em: 7 jul. 2022.

Issue

Section

Health Sciences