The dichotomy of teaching in the face of emergency virtualization in education in the context of the Covid-19 pandemic

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i9.32163

Keywords:

Distance Learning; Emergency virtualization; Covid-19; Social isolation.

Abstract

With the advance of Covid-19 in the world it was generated a series of impacts on the activities performed by the population, through the limitations imposed by isolation and social distance. In this context, this study aimed to analyze from the teachers' inferences the positive and negative points of remote work in the emergency virtualization process. The qualitative methodology has been used with critical interpretations in this case study format. We conclude that remote work points out to several elements to rethink about the paradigms that emerges in education and that leads us to re-signify the teaching and learning process by means of the limitations imposed by the social isolation caused by Covid-19.

Author Biographies

Ronualdo Marques, Universidade Federal do Paraná

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (2009); Especialização em Educação e Gestão Ambiental pela Faculdades Integradas do Vale do Ivaí ? UNIVALE (2010); Especialização em Educação Especial pela Faculdades Integradas do Vale do Ivaí ? UNIVALE (2010). Especialização em Gestão Pública Municipal pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná ? UTFPR (2011). Especialização em Filosofia Contemporânea pela Faculdade de Administração, Ciências, Educação e Letras - FACEL (2012) Mestrado em Ensino de Ciências pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná - PPGFECT-UTFPR (2017); Graduação em Pedagogia no Centro Universitário Internacional - UNINTER (2018). Atualmente é Pós Graduando no Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Paraná ? UFPR. Membro do GPEACS - Grupo de Pesquisa sobre Educação Ambiental e Cultura da Sustentabilidade (UFPR), do Centro de Educação Ambiental e Preservação do Patrimônio (CEAPP-IPHAN-UFPR).

Diego Andrade de Jesus Lelis, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Possui graduação em Geografia (Licenciatura) pelo Centro Universitário Claretiano-CEUCLAR (2014) e em Filosofia pelo Instituto Santo Tomás de Aquino-ISTA. (2016). Possui Especialização na área de Tutoria em Educação a Distância e EJA, em Educação Especial e Ensino Religioso, e em Geografia, História e Sustentabilidade pela Faculdade Futura. É Mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná-PUCPR, membro Grupo de Pesquisa Criatividade e Inovação Docente no Ensino Superior (Cides) na mesma instituição e Bacharelando em Teologia pelo Centro Universitário Claretiano-CEUCLAR. É estudante licenciado para o treinamento de usuários do software de análise de dados qualitativos ATLAS.ti. Está doutorando em Educação no Programa de Pós Graduação em Educação- PPGE da PUCPR.

Carlos Eduardo Fortes Gonzalez , Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Professor Titular da UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Campus Curitiba, Departamento de Química & Biologia. Biólogo, Docente na área de Ciências ambientais. Doctor en Educación, UDE - Universidad de la Empresa, Montevideo, Uruguay (Reconhecido como equivalente ao título de Doutor em Educação pela UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre-RS). Pós-doutorado no PPGEdu - Programa de Pós-graduação em Educação pela UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. Pós-doutorado no PPGECT - Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciência e Tecnologia na UTFPR, Campus Ponta Grossa. Mestre em Tecnologia & Sociedade pela UTFPR, Campus Curitiba.

References

Arruda, E. P. (2020). EDUCAÇÃO REMOTA EMERGENCIAL: elementos para políticas públicas na educação brasileira em tempos de Covid-19. EmRede - Revista De Educação a Distância, 7(1), 257-275. https://doi.org/10.53628/emrede.v7.1.621

Barbosa, A. M., Viegas, M. A. S., & Batista, R. L. N. F. F. (2020). Aulas presenciais em tempos de pandemia: relatos de experiências de professores do nível superior sobre as aulas remotas. Revista Augustus, 25(51), 255-280.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Barreto, A. C. F., & Rocha, D. S. (2020). Covid 19 e educação: resistências, desafios e (im) possibilidades. Revista encantar, 2, 01-11.

Bogdan, R., & Biklen, S. (1994). Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto editora.

Brasil. (2020). Medida Provisória n. 934, de 1 de abril, 2020.

Brolezzi, A. C. (2014). Empatia na relação aluno/professor/conhecimento. Encontro: Revista de Psicologia, 17(27).

Caldeira, J. D. S., de Trabalho-Práticas, U. G., & nas Licenciaturas, E. (2013). Relação Professor-Aluno: uma reflexão sobre a importância da afetividade no processo de ensino aprendizagem. In Anais do XI Congresso Nacional de Educação (XI EDUCERE)/II Seminário Internacional de Representações Sociais, Subjetividade e Educação (II SIRSSE)/do IV Seminário Internacional sobre Profissionalização Docente (IV SIPD). Curitiba: PUC-PR.

Canal, S., & Rozek, M. (2021). Tempos de pandemia: reflexões sobre a escola, os sujeitos e suas diferentes necessidades. Brazilian Journal of Development, 7(1), 2674-2683.

Coelho, P. M. F. (2012). Os nativos digitais e as novas competências tecnológicas. Texto livre, 5(2), 88-95.

Contreras, J. (2002). A autonomia de docentes.

Costa, L. D. (2017). O uso das tecnologias digitais de informação e comunicação (TDIC) na prática pedagógica do professor de matemática do ensino médio. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, BR.

Coutinho, C. P., & Lisbôa, E. S. (2011). Sociedade da informação, do conhecimento e da aprendizagem: desafios para educação no século XXI.

Dal, R. (2008). Mais trabalho! A intensificação do labor na sociedade contemporânea. São Paulo: Boitempo.

Dias, P. (2008). Da e-moderação à mediação colaborativa nas comunidades de aprendizagem. Educação, Formação & Tecnologias-ISSN 1646-933X, 1(1), 4-10.

Esteve, J. M. (1999). Mudanças sociais e funções docentes. Profissão Professor. Portugal: Porto Editora.

Ferreira, L. L. (2019). Lições de professores sobre suas alegrias e dores no trabalho. Cadernos de saúde pública, 35.

Haddad, L., & Barbosa, A. (2020). Lições de quarentena: limites e possibilidades da atuação docente em época de isolamento social. Ponta Grossa. Práxis Educativa.

Formosinho, J., Machado, J., & Mesquita, E. (2015). Formação, trabalho e aprendizagem. Tradição e inovação nas práticas docentes. Lisboa: Edições Sílabo.

Freire, P. (2011). Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Editora Paz e Terra.

Freire, P. (2018). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Editora Paz e terra.

Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido. Editora Paz e Terra.

Garrison, D. R., & Anderson, T. (2005). El e-learning en el siglo XXI: Investigación y práctica. El e-learning en el siglo XXI: investigación y práctica, 0-0.

Giroto, C. R. M., Poker, R. B., & Omote, S. (2012). Educação Especial, formação de professores e o uso das tecnologias de informação e comunicação: a construção de práticas pedagógicas inclusivas. As tecnologias nas práticas pedagógicas inclusivas. Marília: Oficina Universitária, 11-24.

Goulart, M. B., da Costa, P. K. A., & Pereira, A. L. (2018). A integração das TDIC na formação inicial de professores de matemática no Brasil: uma análise a partir dos projetos pedagógicos. Olhar de Professor, 21(2), 351-367.

Hunt, T. (2010). O poder das redes sociais. Editora Gente Liv e Edit Ltd.

Kenski, V. M. (2010). Avaliação e acompanhamento da aprendizagem em ambientes virtuais, a distância. Educação a distância: desafios contemporâneos. São Carlos: EdUFSCar, 59-68.

Kenski, V. M. (2010). O desafio da Educação a Distância no Brasil. Revista Edu foco. (7), 1-13.

Lemos, A., & Cunha, P. (2003). Olhares sobre a Cibercultura. Editora Sulina.

Marques, R., & Fraguas, T. (2020). A Ressignificação da Educação: virtualização de emergência no contexto de pandemia da COVID-19. Brazilian Journal of Development, 6(11), 86159-86174.

Marques, R. M., de Assis, N. P., & de Salles Gomide, U. (2020). Trabalho & educação em tempos de pandemia e crise do capital. Trabalho & Educação, 29(1), 7-13.

Minayo, M. C. D. S. (2007). O desafio do conhecimento-pesquisa qualitativa em saúde. In O desafio do conhecimento-pesquisa qualitativa em saude (269-269).

Moraes, R. (1999). Análise de conteúdo. Revista Educação, Porto Alegre, (22)37, 7-32.

Moraes, M. V. G. D. (2011). Treinamento e desenvolvimento: educação corporativa: para as áreas de saúde, segurança do trabalho e recursos humanos. São Paulo: Érica.

Oliveira, D. C. D. (2008). Análise de conteúdo temático-categorial: uma proposta de sistematização. Rev. enferm. UERJ, 569-576.

Oliveira, H. D. V., & de Souza, F. S. (2020). Do conteúdo programático ao sistema de avaliação: reflexões educacionais em tempos de pandemia (COVID-19). Boletim de Conjuntura (BOCA), 2(5), 15-24.

Orso, P. J. (1996). A concepção de poder em Michel Foucault e as relações de poder na Universidade Estadual do Oeste do Paraná-Unioeste.

Pacheco, A. S. V. (2007). Evasão: análise da realidade do curso de graduação em Administração a Distância da Universidade Federal de Santa Catarina.

Paraná. (2020) Secretaria de Estado da Educação. SEED/SUDE/DIPLAN/Coordenação de Informações Educacionais.

Perrenoud, P. (2015). Dez novas competências para ensinar. Artmed editora.

Pessoa, W. R., & Alves, J. M. (2011). Motivação para estudar química: configurações subjetivas de uma estudante do segundo ano do ensino médio. Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Campinas-SP. ATAS DO VIII ENPEC.

Pontes, F. R., & Rostas, M. H. S. G. (2020). Precarização do trabalho do docente e adoecimento: COVID-19 e as transformações no mundo do trabalho, um recorte investigativo. Revista Thema, 18, 278-300.

Rozek, M. (2015). Subjetividade, formação e educação especial: configurações nas políticas de inclusão escolar. BAPTISTA, CR Escolarização e deficiência. São Carlos: Marquezine & Manzini/ABPEE.

Sacristán, J. G. (1998). Plano do currículo, plano do ensino: o papel dos professores/as. Compreender e transformar o ensino, 4, 197-223.

Sá, R. A. (2019). Escola, Cultura, Tecnologias Digitais na Escola Contemporânea: apontamentos das pesquisas na linha de Cultura, Escola e Ensino (2010-2015). Em R. C. C. Hagemeyer, R. A. Sá, & C. V. Gabardo (Orgs.), Diálogos epistemológicos e culturais (pp. 161-183). Curitiba: W&A Editores

Santana Filho, M. M. (2020). Educação geográfica, docência e o contexto da pandemia COVID-19. Revista Tamoios, 16(1).

Silva, J. R. (2020). Desafios de estudantes e professores de Bayeux–PB, durante a pandemia. REDE-Revista Diálogos em Educação ISSN 2675-5742, 1(1), 127-144.

Souza, T. M. D. S. (2017). Efeitos da precarização do trabalho na vida dos/as professores/as: Assédio Moral e adoecimento. Precarização do trabalho, adoecimento e sofrimento do professor. Terezina: EDUPFI, 165-198.

Schon, D. (1997). Os professores e sua formação. Publicações Dom Quixote.

Zaidan, J. D. M., & Galvão, A. C. (2020). Covid-19 e os abutres do setor educacional: a superexploração da força de trabalho escancarada. Pandemias e pandemônio no Brasil, 261-278.

Published

13/07/2022

How to Cite

MARQUES, R.; LELIS, D. A. de J. .; GONZALEZ , C. E. F. . The dichotomy of teaching in the face of emergency virtualization in education in the context of the Covid-19 pandemic. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 9, p. e39311932163, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i9.32163. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/32163. Acesso em: 13 aug. 2022.

Issue

Section

Education Sciences