Acute pelvic inflammatory diseases: approach to etiological aspects and pharmacological treatment

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i10.32485

Keywords:

Pelvic Inflammatory Disease; Recurrent Candida; Diagnosis; Pharmacological treatment.

Abstract

Pelvic Inflammatory Disease (PID) is the acute inflammation of the female upper genital tract, which can be triggered by recurrent vaginal candidiasis, which is one of the causes of its development, presenting frequently in a woman's life. OBJECTIVE: To evaluate the approach to the etiological aspects and the pharmacological treatment of acute pelvic diseases, emphasizing recurrent candida. This is a methodical literature review, with the proposal to carry out a search of scientific articles through electronic research, based on the data listed: Google Scholar, SCIELO (Online Scientific Electronic Library) and VHL (Virtual Health Library), PUBMED, between the years 2010 to 2022. Pelvic inflammatory disease is affected by STD's, and a sexually active life with multiple unprotected partners can be claimed as a risk factor. Candidiasis triggering PID, having a correct treatment such as changing eating habits that help to prevent unwanted Candida and consequently a non-development of PID.

References

Andrade, L. M. de. (2012). Candidíase vaginal: uma abordagem teórica. 2012. 29 p. Monografia — Faculdade De Educação E Meio Ambiente, Ariquemes-Ro,

Batista, Mi. S. G. (2011). Doença inflamatória pélvica aguda : do diagnóstico ao tratamento. MasterThesis].

Câmara, F. A. et al. (2021). Principais causas ginecológicas de dor pélvica aguda em mulheres. Femina, 49(2), 115-20.

Carvalho, A. F. F. (1015). Candida e opções terapêuticas: vacinas e antifúngicos. 2015. 85 p. Mestrado — Instituto Superior De Ciências Da Saúde Egas Moniz, Monte de Caparica-PT.

Chaves, G. D. B., Santos, M. S. & Cajueiro, S. D. Avaliação do nível de conhecimento de discentes dos cursos superiores de saúde a respeito da candidíase vaginal. Revista Saúde E Ciência, 4(1), 90-104.

Christóvão, R. G. et al. (2017). Espécies de candida predominantes em secreção vaginal de mulheres sintomáticas e não: uma revisão integrativa. Torres - Dossiê Área da Saúde, v. 1.

Correia, M. J., & C Lopes, A. M. (2022). Migração de dispositivo intrauterino: relato de caso. Revista Portuguesa de Clínica Geral, 38(1), 104-107

Costa, E. G. R., Campos, A. C. Camargo, & C Souza, Á. P. S. (2020). Terapias para o tratamento de candidíase vulvovaginal. RRS-FESGO, 3(2), 61-67.

Costa, J. V. L et al. (2017). Doença inflamatória pélvica/ pelvic inflammatory disease. 2017. 5 p. Artigo acadêmico — UNIFIA, Amparo, 6, 145.

Espinheiro, R. de F., Monteiro, M. C. C., Batista, R. H. P., Gomes, M. P. de O. M., Pantoja, R. E. de L., Araújo, S. A. N., Gomes, P. A. O., Monta Junior, M. C., Amaral, M. S., Lima, A. de M., Rodrigues, L. M. P., Pimentel, C. P., Silva, S. F. da., Carvalho, D. C. de, & Gomes, M. F. (2022). Aspectos da microbiota vaginal e a relação com a candidíase em mulheres gestantes: uma revisão de literatura. Research, Society and Development, 11(1), e2911124704. https://doi.org/10.33448/rsd-v11i1.24704

Firmiano, L. et al. (2020). Benefício dos Alimentos Usados como Terapia Complementar para Candidíase Vulvovaginal Recorrente / The Benefit of Food and its Usage as Complementary Therapy for Recurrent Vulvovaginal Candidiasis. ID on line Revista De Psicologia, 14(53), 913-925

Fukazawa, E. I. (2018). Influência da candidiase vulgovaginal recorrente na qualidade de vida. 2018. 87 p. Mestrado — FMUSP, 5p. 49.

Halbe, H. W., & C Cunha, D. C. (2010). Doença inflamatória pélvica. Diagn Tratamento., 15(3), 106-9.

Maia, J. R. S. et al. (2021). Fatores que determinam o desenvolvimento da doença inflamatória pélvica. DêCiência em Foco., 5(1), 77-89.

Menezes, M. L. B. et al. (2021). Protocolo Brasileiro para Infecções Sexualmente Transmissíveis 2020: doença inflamatória pélvica. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 30.

Morais, J. P., Tim, C. R., & Assis, L. (2020). Considerações sobre o uso da Ozonioterapia (O3) no tratamento de Endometriose. Research, Society and Development, 9(9), e403997616. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7616

Neto, J. D. et al. (2015). Doenças sexualmente transmissíveis em idosos: uma revisão sistemática. Ciência & Saúde Coletiva, 20(12), 3853-3864.

Pedro, É. M. et al. (2020). A prática da atenção farmacêutica nas drogarias: revisão de literatura. Temas em Saúde, 20(5), 48-64.

Prata, P. B. D. A. et al. (2012). Atenção farmacêutica e a humanização da assistência: lições aprendidas na promoção da adesão de usuários aos cuidados terapêuticos nas condições crônicas. O Mundo da Saúde, 36(3), 526-530.

Quinet, B. B. et al. (2012). Doença inflamatória pélvica: atualização. Rev Med Minas Gerais, 22(5), 50-54.

Rodrigues, M. T. (2014). Associação de cultura e diversidade genética de Candida com características clínicas e epidemiológicas de pacientes com diagnóstico de candidíase vulvovaginal. 2014. 97 p. Doutorado — Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora.

Romanelli, R. M. C. et al. (2013). Abordagem atual da doença inflamatória pélvica. Rev Med Minas Gerais, 23(3), 347-355.

Soares, D. M. et al. (2018). Candidíase vulvovaginal: Uma revisão de literatura com abordagem para Candida albicans. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research - BJSCR, 25(1), 28-34.

Tozzo, A. C. et al. (2021). Fatores associados a candidíase vaginal recorrente. Revista Multidisciplinar Em Saúde, 2(4), 32.

Published

24/07/2022

How to Cite

RIBEIRO, K. E. .; MARINHO , E. C. .; FRANCO , J. V. V. .; BRAZ, D. C. .; CAMPOS, L. S. .; LUZ, L. C. . Acute pelvic inflammatory diseases: approach to etiological aspects and pharmacological treatment. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 10, p. e111111032485, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i10.32485. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/32485. Acesso em: 30 nov. 2022.

Issue

Section

Review Article