Indigenous resistance in western Paraná: the search for the recognition of the Tekora Guasu Guavirá indigenous territory in municipalities of Guaíra end Terra Roxa

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i11.33101

Keywords:

Indigenous land; Theory of indigenato; Itaipu; Paraná.

Abstract

The existence of Avá-Guarani community in western Paraná is the product at long process of resistance to the colonization of the Brazilian border and to public urbanization policies. However, the recent process of indigenous reoccupation generated reactions from producers linked to agribusiness, causing the establishment of social conflict that produced violence, hostility and disrespect for the Guaranis. Through bibliographic and documentary research and using the dialectical method, the present study aimed to analyze the historicity of the struggle and resistance process of that community, as well as the bases of the conflict. In addition, we sought to include aspects related to the judicialization of the conflict and the legal discussions about theory of indigenato and theory of time frame.

References

Alcântara, G. K. et al. (2019). Avá-Guarani: a construção de Itaipu e os direitos territoriais. ESMPU.

Alcim, I. (2011). Breve História das Reduções Jesuítico-Guaranis. Edições Loyola.

Andrade, S. A. (2014). A retomada dos territórios ancestrais: os Guarani e a Cidade Real do Guairá. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia. 24, 91-107.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília. Recuperado em 25 julho, 2020, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

Brasil. (1928). Decreto n. 5.484, de 27 de junho de 1928. Regula a situação dos índios nascidos no território nacional. Rio de Janeiro. Recuperado em 27 de março de 2021, de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1920-1929/decreto-5484-27-junho-1928-562434-publicacaooriginal-86456-pl.html.

Brasil. (1971). Decreto n 69.412, de 22 de outubro de 1971. Declara de interesse social, para fins de desapropriação, área de terras no Estado do Paraná. Brasília. Recuperado em 28 de março de 2021, de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1970-1979/decreto-69412-22-outubro-1971-418062-publicacaooriginal-1-pe.html.

Brasil. (1996). Decreto n 1.775, de 8 de janeiro de 1996. Dispõe sobre o procedimento administrativo de demarcação das terras indígenas e dá outras providências. Brasília. Recuperado em 11 de novembro de 2021, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d1775.htm.

Brasil. (1850). Lei n. 601, de 18 de setembro de 1850. Dispõe sobre as terras devolutas do Império. Rio de Janeiro. Recuperado em 27 de março de 2021, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l0601-1850.htm#:~:text=LEI%20No%20601%2C%20DE,sem%20preenchimento%20das%20condi%C3%A7%C3%B5es%20legais.

Brasil. (1973). Lei n. 6.001, de 19 de dezembro de 1973. Dispõe sobre o Estatuto do Índio. Brasília. Recuperado em 27 de março de 2021, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6001.htm#:~:text=LEI%20N%C2%BA%206.001%2C%20DE%2019,sobre%20o%20Estatuto%20do%20%C3%8Dndio.&text=Art.,e%20harmoniosamente%2C%20%C3%A0%20comunh%C3%A3o%20nacional.

Brasil. (2019). Superior Tribunal Federal (STF). ARE 803.462-AgR/MS. Terra indígena Limão Verde. Área tradicionalmente ocupada pelos índios (art. 231, § 1º, da Constituição Federal). Marco temporal. Promulgação da Constituição Federal. Não cumprimento. Renitente esbulho perpetrado por não índios: não configuração. Relator: Ministro Teori Zavascki. Brasília. Recuperado em 25 de março de 2021, de http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=7734834.

Brasil. (2009). Superior Tribunal Federal (STF). PET 3388. Ação popular. Demarcação da terra indígena Raposa Serra do Sol. Inexistência de vícios no processo administrativo- demarcatório. Observância dos arts. 231 e 232 da constituição federal, bem como da lei nº 6.001/73 e seus decretos regulamentares. Constitucionalidade e legalidade da portaria nº 534/2005, do ministro da justiça, assim como do decreto presidencial homologatório. Reconhecimento da condição indígena da área demarcada, em sua totalidade. Modelo contínuo de demarcação. Constitucionalidade. Revelação do regime constitucional de demarcação das terras indígenas. A constituição federal como estatuto jurídico da causa indígena. A demarcação das terras indígenas como capítulo avançado do constitucionalismo fraternal. Inclusão comunitária pela via da identidade étnica. Voto do relator que faz agregar aos respectivos fundamentos salvaguardas institucionais ditadas pela superlativa importância histórico-cultural da causa. Salvaguardas ampliadas a partir de voto-vista do Ministro Menezes direito e deslocadas para a parte dispositiva da decisão. Brasília. Recuperado em 25 de março de 2021, de http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=AC&docID=630133.

Brasil. (2021). Superior Tribunal Federal (STF). RE 1.017.365/SC. Voto Min. Relator Edson Fachin. Brasília, Supremo Tribunal Federal. Recuperado em 13 novembro de 2021, em http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/bibliotecaConsultaProdutoBibliotecaPastaFachin/anexo/RE1017365.pdf.

Brighenti, C. A. & Santos, R. D. (2017). Encobrimento indígena no processo de colonização do oeste do Paraná. Revista SURES, 9, 113-131.

Boff, L. (2014). Sustentabilidade: o que é – o que não é. Vozes.

Brundtland, G. H. (1987). Relatório Brundtland. Recuperado em 27 de março de 2021, de https://ambiente.files.wordpress.com/2011/03/brundtland-report-our-common-future.pdf.

Cti & Packer, I. (2013). Violações dos direitos humanos e territoriais dos Guarani no Oeste do Paraná (1946-1988): Subsídios para a Comissão Nacional da Verdade. São Paulo: Centro de Trabalho Indigenista – CTI. Recuperado em 13 de outubro de 2021, de https://biblioteca.trabalhoindigenista.org.br/documentos/violacoes-dos-direitos-humanos-e-territoriais-dos-guarani-no-oeste-do-parana-1946-1988-subsidios-para-a-comissao-nacional-da-verdade/.

Colavite, A. P. & Barros, M. F. (2009). Geoprocessamento Aplicado a Estudos do Caminho de Peabiru. Revista da Anpege, 5(5), 86-105. DOI: https://doi.org/10.5418/RA2009.0505.0007.

Comissão Yvyrupá - CGY. (2017), Guaíra e Terra Roxa: Relatório sobre violações de direitos humanos contra os Ava Guarani do oeste do Paraná. Recuperado em 10 de março de 2021, de https://acervo.socioambiental.org/sites/default/files/documents/gnd00054.pdf.

Cunha, M. C. (2018), Índios na Constituição. Novos estudos CEBRAP, 3 (37), 429-443. DOI: https://doi.org/10.25091/s01013300201800030002.

Freitag, L. C. (2001). Fronteiras perigosas: migração e brasilidade no extremo oeste paranaense (1937-1954). Edunioeste.

Freitag, L. C. (2007). Extremo - Oeste Paranaense: História Territorial, Região, Identidade e (Re)Ocupação. Tese (Doutorado) apresentado à Faculdade de História, Direito e Serviço Social, da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – UNESP. Recuperado em 30 de junho de 2022, de https://www.franca.unesp.br/Home/Pos-graduacao/liliane_2007.pdf.

Funai. (2018). Despacho n. 02, de 02 de setembro de 2018 no processo nº 08620.010333/2015-46. Resumo do Relatório Circunstanciado de identificação e delimitação da Terra Indígena Tekoha Guasu Guavirá. Diário Oficial da União: seção 1, 198, p. 29.

Funai. (2014). Portaria n. 139, de 19 de fevereiro de 2014. Diário Oficial da União: seção 2, 35, p. 43 p.

Funai. (2020). Portaria n. 418, de 17 de março de 2020. Diário Oficial da União: seção 1, 59, p. 98.

Funai. (2004). Relatório Circunstanciado de identificação e delimitação da Terra Indígena Guarani-Kaiowá Guyraroká. Diário Oficial da União: seção 1, 156, p. 40.

Giordani, R. C. F. (2015). Os guarani no oeste paranaense e a (re)constituição de territórios originários. Guaju - Revista Brasileira de Desenvolvimento Territorial Sustentável. 1 (1), 142-166. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/guaju.v1i1.43413.

Ipardes. (2019). Perfil avançado do município de Guaíra. Recuperado em 20 de março de 2021, de http://www.ipardes.gov.br/perfil_municipal/MontaPerfil.php?codlocal=195&btOk=ok.

ISA - Terra Indígenas no Brasil. Terra Indígena Tekohá Guasu Guavira. Recuperado em 20 de março de 2021, de https://terrasindigenas.org.br/es/terras-indigenas/5421.

Juzinskas, L. G. & Ayres, R. S. M. C. (2019). Breves apontamentos acerca de causas e consequências na adoção do marco temporal em matéria de terra indígena. Boletim Científico ESMPU. 53, 13-40. Recuperado em 04 de julho de 2022, de https://escola.mpu.mp.br/publicacoes/boletim-cientifico/edicoes-do-boletim/boletim-cientifico-n-53-janeiro-junho-2019/breves-apontamentos-acerca-de-causas-e-consequencias-na-adocao-do-marco-temporal-em-materia-de-terra-indigena.

Lima, I. T. C. (2006). Itaipu: as faces de um megaprojeto de desenvolvimento. Marechal Cândido Rondon. Germânica.

Lini, P. (2016). As Missões Jesuíticas e o Histórico de Escravidão Indígena na América do Sul. In: Souza, C. F. M. (Coord.); Mamed, D. O. et. al. (Org.). Os Avá-guarani no oeste do Paraná: (re) existência em Tekoha Guasu Guavira. Letra da Lei, 86-102.

Lakatos, E. M. & Marconi, M. A. (2003). Fundamentos de metodologia científica. Atlas.

Markun, P. (2009). Cabeza de Vaca. Companhia das Letras.

Masuzaki, T. I. (2015). A luta dos povos guarani no extremo oeste do Paraná. Mundo do Trabalho (Número especial da XV Jornada do Trabalho). Revista Pegada, (16), 75-88. Recuperado em 20 de março de 2021, de https://revista.fct.unesp.br/index.php/pegada/article/viewFile/3525/2881.

Masuzaki, T. I. (2016). A luta pela retomada da terra dos Avá-Guarani no oeste do Paraná/Brasil. XVIII Encontro Nacional de Geógrafos. A construção do Brasil: Geografia, ação política e democracia. Recuperado em 20 de março de 2021, de http://www2.fct.unesp.br/docentes/geo/bernardo/BIBLIOGRAFIA%20DISCIPLINAS%20GRADUACAO/PENSAMENTO%20GEOGR%C1FICO%202017/ENG_2016/ENG_2016_110.pdf.

Miras, J. T. (2017). Demarcação e Equivocação: uma reflexão a partir do caso da Terra Indígena Krῖkati. Revista de Antropologia da UFSCar. 9 (1), 131-150. DOI: https://doi.org/10.52426/rau.v9i1.183.

Mocellin, R. (2018). História Concisa do Paraná. Prisma.

ORGANIZAÇÃO NACIONAL DE GARANTIA AO DIREITO DE PROPRIEDADE – ONGDIP. Recuperado em 20 de março de 2021, de https://ongdip.wordpress.com/.

Prodanov, C. C. & Freitas, E. C. F. (2013). Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Feevale.

Pereira, D. M. D. B. O direito sob o marco da plurietnicidade/multiculturalidade. Recuperado em 24 de março de 2021, de http://www.mpf.mp.br/atuacao-tematica/ccr6/documentos-e-publicacoes/artigos/docs_artigos/o_direito_sob_o_marco_da_plurietnicidade_multiculturalidade.pdf/view.

Pereira, D. M. D. B. (2018). O marco temporal de 5 de outubro de 1988 – Terra indígena limão verde. In. Alcântara, G. K. et. al. (Org.). Índios, direitos originários e territorialidade. ANPR, 76-105. Recuperado em 27 de março de 2021, de http://www.mpf.mp.br/atuacao-tematica/ccr6/documentos-e-publicacoes/artigos/docs_artigos/indiospdf.pdf.

PRIORI, A. et al. (2012), História do Paraná: séculos XIX e XX. Maringá, Eduem.

Porto, P. (2019). Tekoha Jevy: Um breve panorama das retomadas guarani no oeste do Paraná. In. Amaral, W. R. & Ichikawa, E. Y. (Org.). Conflitos e Resistências para a conquista e demarcação de terras indígenas no oeste do Paraná: Os caminhos e as expressões do fortalecimento das lideranças e da cultura Guarani. Atena, 40-55. Recuperado em 23 de março de 2022, de https://www.atenaeditora.com.br/wp-content/uploads/2019/11/E-book-Conflitos-e-Resistencias-para-a-Conquista-e-Demarcao-de-Terras-Indigenas-no-Oeste-do-Parana.pdf.

Schneider, C. I. (2000). Nós e os outros: aspectos da formação de um consenso de comunidade (oeste do paraná, 1946-1960). História: Questões & Debates. 34, 225-259. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/his.v34i0.2666.

Secretaria da Agricultura e do Abastecimento do Estado do Paraná – SEAP. (2020). Recuperado em 19 de agosto de 2021, de http://www.agricultura.pr.gov.br/Noticia/Governo-entrega-cestas-basicas-comunidades-tradicionais-do-Oeste.

Silva, E. C. A. (2018). Povos indígenas e o direito à terra na realidade brasileira. Serviço Social & Sociedade. 133, 480-500. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0101-6628.155.

Silva, J. A. (2016). Parecer. Recuperado em 25 de março de 2021, de http://www.mpf.mp.br/atuacao-tematica/ccr6/documentos-e-publicacoes/artigos/docs_artigos/jose-afonso-da-silva-parecer-maio-2016-1.pdf.

Silva, J. F. M. et. al. (2007). Desenvolvimento local em Guaíra-PR: impasses e alternativas. Interações. 2 (8), 165-174. DOI: https://doi.org/10.1590/S1518-70122007000200003.

Silva, S. O. R & Ichikawa, E. Y. (2019). Os conflitos para a reconquista e demarcação de territórios Avá-Guarani no oeste do Paraná: a produção de representações sociais pela mídia. In: ______ (Org.). Conflitos e Resistências para a conquista e demarcação de terras indígenas no oeste do Paraná: Os caminhos e as expressões do fortalecimento das lideranças e da cultura Guarani. Atena, 117-127. DOI: 10.22533/at.ed.229192711.

Souza Filho, C. F. M. (2002). As novas questões jurídicas nas relações dos Estados nacionais com os índios. In: Lima, A. C. S. & Barroso Hoffmann, M. (Org.). Além da tutela: bases para uma nova política indigenista III. Contra Capa, 49-61.

Tribunal Regional Federal da 4ª Região – TRF4. Recuperado em 26 de julho de 2020, de https://www.trf4.jus.br/trf4/.

Varussa, R. J. (2019). Avá-Guarani e Ruralistas no processo de demarcação da Terra Indígena Guasu Guavirá (Oeste do Paraná, décadas de 2000 e 2010). Revista do Programa de Pós-Graduação em História Universidade Federal do Rio Grande do Sul. (26), 1-23. DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.93794.

Published

13/08/2022

How to Cite

LOPES, F. A. M. y; PEREIRA, M. T. .; SOARES, S. R. . Indigenous resistance in western Paraná: the search for the recognition of the Tekora Guasu Guavirá indigenous territory in municipalities of Guaíra end Terra Roxa. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 11, p. e22111133101, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i11.33101. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/33101. Acesso em: 28 sep. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences