Vision of the Community Health Agent on the follow-up of the Newborn

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i10.33262

Keywords:

Family health strategy; Newborn; Community health agent.

Abstract

The neonatal period, corresponding to the 28th day of the baby's life, according to the Ministry of Health, is a period in which the newborn is exposed to physical and socioeconomic risk factors. Aiming at this, the Government instituted actions for health promotion and prevention aimed at NBs and one of them is focused on the first home visit of the Community Health Agent, which must be carried out until the fifth day of life, offering crucial guidelines for healthy development. the same. In this study we will address the knowledge and experiences related to the first visit of the newborn, aiming to know which actions and health promotions the ACS professional intends for users in this age group. The research was carried out in an observational, descriptive way, with a qualitative approach, through Bardin's theory, at the Sacramenta II Family Health Unit, in Belém-PA. It was evidenced that more than half of the professionals do not report difficulties during the handling with the newborn and their families due to the bond of trust created, however, they demonstrate a lack of knowledge about their skills and the need for training and planning.

References

Almeida, A. O. S., et al. (2021). Conhecimento dos Agentes Comunitários de Saúde sobre o calendário de vacinação infantil. Research, Society and Development. 10(7), e30010716591. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i7.1659.

Avanzi, S. A., et al (2019). Importância do apoio familiar no período gravídico-gestacional sob a perspectiva de gestantes inseridas no PHPN. Revista de Saúde Coletiva da UEFS, 9, 55-62.

Abrinq. (2020). Fundação Abrinq. Aleitamento Materno-Um Guia para toda a família. Brasília.

Amorim, T. S., & Backes, M. T. S. (2020). Gestão do cuidado de enfermagem a puérperas e recém-nascidos na Atenção Primária à Saúde. Rev Rene, 21, 30.".

Brasil.(2019). Ministério da Saúde. Observatório da criança e do adolescente. Taxa de mortalidade na infância. Brasília, Diário Oficial da República Federativa do Brasil.

Brasil. (2012). Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília. Ministério da Saúde.

Brasil. (2017). Ministério da Saúde. O papel do Agente Comunitário de Saúde. Brasília. Diário Oficial da República Federativa do Brasil.

Bardin, L. Análise de Conteúdo (rev. e atual.) Portugal: Edições 70.

Brasil. (2017). Ministério da Saúde. Portaria n° 2436 de 21 de setembro de 2017. Brasília. Diário Oficial da República Federativa do Brasil.

Barra, J. F., et al. (2020). Acessibilidade na atenção primária: como avaliam os profissionais de saúde?. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, 10.

Brasil. (2000). Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde: Programa de Humanização do Pré-natal e Nascimento. Brasília. SPS.

Costa, L. D., et al. (2020). Maternal difficulties in home care for newborns. Rev Rene, 21, e44194.

Chaves, V. C. B., et al. (2022). O trabalho do Agente Comunitário de Saúde como doação, abnegação e criação de vínculo: subjetividades produzidas. Revista Uruguaya de Enfermería, 17(1), e2022v17n1a1-e2022v17n1a1.

Dias, L. D. P. (2017). Atividades desenvolvidas por agentes comunitários de saúde: elaboração de roteiro para visita domiciliar.

Geremia, F. R. (2014). Atuação do agente comunitário de saúde na saúde da criança.

Januário, A. P. M., et al. (2021). Experiência materna no acompanhamento da criança na Atenção Básica: Uma abordagem qualitativa. Revista Brasileira de Enfermagem Online , 20 (1).

Livramento, D. D. V. P. D., et al. (2019). Percepções de gestantes sobre o pré-natal na atenção primária à saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem , 40 .

Lucena, D. B. D. A., et al. (2018). Primeira semana saúde integral do recém-nascido: ações de enfermeiros da Estratégia Saúde da Família. Revista Gaúcha de Enfermagem, 39.

Lima, R. O. D., et al. (2020). Intervenção de enfermagem-primeiro banho do recém-nascido: estudo randomizado sobre o comportamento neonatal. Acta Paulista de Enfermagem, 33.

Marba, S. T. M., et al. (2018). Sociedade Brasileira de Pediatria (Brasil). Departamento Científico de Neonatologia. Nascimento seguro. Rio de Janeiro.Documento científico.

Marcondes, E., et al. Pediatria básica - Tomo I: pediatria geral e neonatal. (9ª. ed.): Sarvier, 2002.

Minosso, K. C., et al. (2019). Práticas maternas frente aos problemas de saúde do recém-nascido no primeiro mês de vida. Rev. Soc. Bras. Enferm. Ped, 19(1), 32-38.

Oliveira, C. M. M., et al. (2019). Óbitos neonatais em uma unidade de terapia intensiva pediátrica, Belém, Pará, Amazônia oriental: diferentes realidades, diferentes perspectivas. Brazilian Journal of Development, 5(10), 20789-20799.

Oliveira, C. S. D., et al. (2015). Amamentação e as intercorrências que contribuem para o desmame precoce. Revista Gaúcha de Enfermagem, 36, 16-23.

Queiroz, A. M. T., Freitas, L. A., & Barbosa, L. D. C. (2021). Determinantes Psicológicos e Sociais Relacionados ao Desenvolvimento dos Transtornos Mentais no Puerpério: Uma Revisão Integrativa. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento , 10 (6), e51410616033-e51410616033.

Santos, S. G, Franco, D. S. D. C S, & Souza, L. F. D. (2020). A importância da enfermeira na educação permanente do Agente Comunitário de Saúde (ACS) na Estratégia de Saúde da Família (ESF). Brazilian Journal of Development, 6(12), 98517-98533.

Santos, W. J., et al. (2020). Avaliação do conhecimento dos Agentes Comunitários de Saúde sobre o conteúdo da Caderneta da Saúde da Criança. Jornal de Saúde e Ciências Biológicas, 8 (1), 1-5.

Saraiva, A. P. C, Silva, L. I. A., & Souza, S. L. C (2021). Orientações de enfermagem no cuidado ao lactente com choro excessivo: revisão integrativa. Revista Eletrônica Acervo Enfermagem, 15, e8846-e8846.

Silva, P. L. (2010). Fatores determinantes para a introdução de outros alimentos em crianças menores de seis meses em leite materno.

Silva, R. S. D. S., et al.(2020). Uso de pulseiras de identificação: implicações para a segurança da maternidade. Escola Anna Nery , 23 .

Silva, F. R., et al. (2021). A experiência do puerpério para as famílias: integrativa. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento , 10 (3), e2410312863-e2410312863.

Santos, D. A., et al. (2021). O papel do enfermeiro na orientação ao aleitamento de forma adequada: revisão bibliográfica. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento , 10 (15), e248101522655-e248101522655.

Teixeira, E. (2010). As três metodologias: acadêmica, da ciência e da pesquisa. In As três metodologias: acadêmica, da ciência e da pesquisa (pp. 203-203).

Tessari, W., et al. (2017). Percepção de mães e pais adolescentes sobre o aleitamento materno. Enfermagem em Foco, 10(2).

Published

10/08/2022

How to Cite

ALBUQUERQUE, W. B. M. de .; ARAÚJO, L. T. .; PAMPLONA, M. C. do C. A. .; COSTA, P. V. D. P. .; PEIXOTO, I. V. P. .; LEITE, M. R. .; CRUZ, M. de N. da S. . Vision of the Community Health Agent on the follow-up of the Newborn. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 10, p. e559111033262, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i10.33262. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/33262. Acesso em: 30 nov. 2022.

Issue

Section

Health Sciences