Perception of some riverine people, from the islands of the municipality of Abaetetuba-PA, about intestinal parasites

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i11.33540

Keywords:

Public Health; Riverside; Parasitic diseases.

Abstract

Objectives: To know and describe some perceptions, practices and evaluative aspects of people living along the Ajuai and Capim rivers, about cases of intestinal parasites, the main difficulties in accessing health care and the need for health education in these riverside locations. Methodology: This is an ethnographic study, developed in the riverside communities of the Ajuai and Capim rivers, in the municipality of Abaetetuba (Pará/Brazil), carried out through interviews with riverside people about the socioeconomic profile, forms of health treatment and common diseases affected in the communities, from June 2017 to July 2018. Results: The study showed that the interviewed residents report the existence of a community exposed to infections by enteroparasites, mainly due to the lack of basic sanitation and that makes use of practices care, such as the use of plants, because due to the distance from the Municipality, they do not have access to the medicines they need to fight the intestinal parasites with which they are affected. Conclusion: The findings of this study indicate the constant need for sanitary and health education actions for the population and, on the other hand, knowledge of health professionals about concepts and attitudes of certain populations in face of different situations in order to optimize the promotion and health prevention.

References

Almeida, C.F.C.B.R. & Albuquerque, U. P. (2002). Uso e conservação de plantas e animais medicinais no estado de Pernambuco (Nordeste do Brasil): um estudo de caso. Interciência, 27(6), 276-285.

Almeida, M. L., Spada, P. K. W. D. S. & Rodrigues, A. D. (2016). Prevalência de parasitos intestinais em trabalhadores de aviários de uma cidade no Sul do Brasil. RBAC, 48(4), 400-3.

Banhos, E. F., Moraes da Rocha, J. A., Pimentel, M. L., Batista, E. T. M. & Silva, L. M. (2017). Prevalence and risk factors for intestinal parasite infections in schoolchildren, in the city of Santarém, Pará State, Brazil. ABCS Health Sciences, 42(3).

Benítez, G., González-Tejero, M. R. & Molero-Mesa, J. (2010). Pharmaceutical ethnobotany in the western part of Granada province (southern Spain): ethnopharmacological synthesis. Journal of Ethnopharm, 129 (1), 87–105.

Brasil. (2014). E-Sus Atenção Básica: Manual do Sistema com Coleta de Dados Simplificada – Cds. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança: orientações para implementação. (2018). Brasília: Ministério da Saúde.

Busato, M. A., Dondoni, D. Z., Rinaldi, A. L. dos S. & Ferraz, L. (2015). Parasitoses intestinais: o que a comunidade sabe sobre este tema?. Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, 34(10). doi:10.5712/rbmfc10(34), 922.

Calvet, Mir L., Reyes-García, V. & Tanner, S. (2008). Is there a divide between local medicinal knowledge and Western medicine? A case study among native Amazonians in Bolivia. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine, 4(1), 18.

Diegues, A. C. & Arruda, R. S. V. (2001). Saberes tradicionais e biodiversidade no Brasil. São Paulo: Ministério do Meio Ambiente.

Elisabetsky, E. (1987). Pesquisa em plantas medicinais. Rev. Ciênc e Cultura, 39(8), 697-702.

Escobar-Pardo, M. L., Ortiz de Godoy, A. P., Strehl Machado, R., Rodrigues, D., Fagundes Neto, U. & Kawakami, E. (2010, novembro). Prevalência de Parasitoses Intestinais em Crianças do Parque Indígena do Xingu. Jornal de Pediatria, 86(6).

Ferreira, J. R., Volpato, F., Carricondo, F. M., Martinichen, J. C. & Lenartovicz, V. (2004). Diagnóstico e prevenção de parasitoses no reassentamento São Francisco em Cascavel – PR. Rev. bras. anal. Clin., 36(3), 145-146.

Fraxe, T. J. P., Witkoski, A. C. & Miguez, S. F. (2009). O ser da Amazônia: identidade e invisibilidade. Ciência e Cultura, 61(3): 30-32.

Geertz C. (1989). A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos.

Gomes, T.B. & Bandeira, F.P.S.F. (2012). Uso e diversidade de plantas em uma comunidade quilombola no Raso da Catarina, Bahia. Acta Botânica Brasilica, 26(4), 796-809.

Guimarães, L. A. M. & Grubits, S. (2007). Alcoolismo e violência em etnias indígenas: uma visão crítica da situação brasileira. Psicologia e Sociedade, 19(1), 41-51.

Iasbik, A. F., Pinto, P. S. de A., Guimarães-Peixoto, R. P. M., Santos, T. de O., Fernandes, F. M., Silva, L. F. da, . . . Araújo, J. V. (2018). Prevalência e transmissão de parasitoses intestinais em seres humanos da Zona da Mata, Minas Gerais, Brasil. Bioscience Journal, 34(3), 802-809. doi 10.14393/BJ-v34n3a2018-37037

Ibge. (2022, abril). Abaetetuba. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Recuperado de https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pa/abaetetuba/panorama

Jain, S. & Agrawal, S. (2005). Perception of illness and health care among Bhils: a study of Udaipur district in Southern Rajasthan. Studies of Tribes and Tribals, 3(1), 15-19.

Langdon, E. J. (2014). Os diálogos da antropologia com a saúde: contribuições para as políticas públicas. Ciência & Saúde Coletiva, 19(4), 1019-1029.

Lins, D. A. S. (2013). A benzeção em Santa Maria. A permanência de tradições de cura no contexto da contemporaneidade. Revista Latino-Americana de História, 2(6), 569.

Maia, S. M. S. & Silva, L. R. (2012). da. Saberes e práticas de mães ribeirinhas e o cuidado dos filhos recém-nascidos: contribuição para a enfermagem. Rev de enferm referência, (7), 131-138.

Medeiros, P. M. (2013). Why is change feared? Exotic species in traditional pharmacopoeias. Ethnobiology and Conservation, 2(3).

Menezes, R. A. O. (2013). Caracterização Epidemiológica das Enteroparasitoses Evidenciadas na População Atendida na Unidade Básica de Saúde Congós no Município de Macapá – Amapá (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde da Universidade Federal do Amapá.

Montagner, D. M. (1991). Mani Pei Rao: remédios do mato dos Marúbo. In: Buchillet D. (Org.). Medicinas tradicionais e medicina ocidental na Amazônia. Belém: MPEG.

Neto, C. B. G., Germano, J. W. & Furtado, L. G. (2016). O diálogo entre o saber tradicional e o saber médico-científico em uma comunidade tradicional de pescadores no litoral da Amazônia. VII Simpósio sobre Reforma Agrária e Questões Rurais. Araraquara, SP, Brasil. http://www.uniara.com.br/arquivos/file/eventos/2016/vii-simposio-reforma-agraria-questoes-rurais/sessao4/dialogo-saber-tradicional-saber-medico-cientifico.pdf.

Neves, E. R. (2010). Estudo das características culturais e socioeconômicas da aldeia indígena Jaraguá-Ytu, São Paulo, Brasil, correlacionando-as com a prevalência de parasitos intestinais (Dissertação de mestrado). Programa de Pós-Graduação em Ciências, Coordenadoria de Controle de Doenças da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo.

Nunes, J. G. S., Vale, J. de S., Reis, N. M. dos & Nascimento, D. P. do. (2022). População Ribeirinha e Promoção da Saúde. Revista Científica Da Faculdade De Educação E Meio Ambiente, 13.

Oliveira, E. C. S. & Trovão, D. M. B. M. (2009). O uso de plantas em rituais de rezas e benzeduras: um olhar sobre esta prática no estado da Paraíba. Rev bras de Biociências, 7(3).

Pio, I. D. S. L., Lavor, A. L., Damasceno, C. M. D., Menezes, P. M. N., Silva, F. S. & Maia, G. L. A. (2019). Traditional knowledge and uses of medicinal plants by the inhabitants of the islands of the São Francisco river, Brazil and preliminary analysis of Rhaphiodon echinus (Lamiaceae). Brazilian Journal of Biology, 79(1), 87-99.

Queiroz, M. K. da S., Rodrigues, I. L. A., Nogueira, L. M. V. & Silva, I. F. dos S. (2018). Fluxos assistenciais e a integralidade da assistência à saúde de ribeirinhos [Care flows and comprehensiveness of health care for riverside communities] [Flujos asistenciales y la integralidad de la asistencia a la salud de ribereños]. Revista Enfermagem UERJ, 26. doi.org/10.12957/reuerj.2018.26706

Reis, D. C., Araújo, M. E. C., Santos, S. S. L. D., Silva, S. S. D. C. & Pontes, F. A. R. (2012, dezembro). Araraiana e Combu: um estudo comparativo de dois contextos ribeirinhos amazônicos. Temas em Psicologia, 20(2).

Santos, P. H. S., Barros, R. C. S., Gomes, K. V. G., Nery, A. A. & Casotti, C. A. (2017). Prevalência de parasitoses intestinais e fatores associados em idosos. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., 20(2), 244-254.

Taquette, S. (2016). Análise de dados de pesquisa qualitativa em saúde. Anais do 5º Congresso Ibero-Americano em Investigação Qualitativa (CIAIQ2016) e do 1st International Symposium on Qualitative Research (ISQR2016). Porto, Portugal.

Vásquez, L. C. O. (2019). Parasitosis y antiparasitarios en niños. Medicina UPB, 38(1), 46-56.

Zeni, A. L. B., Parisotto, A. V., Mattos, G. & Helena, E. T. D. S. (2017). Utilização de plantas medicinais como remédio caseiro na Atenção Primária em Blumenau, Santa Catarina, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 22(8), 2703-2712.

Published

23/08/2022

How to Cite

RODRIGUES, A. P. F.; GOMES, E. L.; SANTOS, J. C. R. dos; BEZERRA, M. R.; SILVA, M. V. S. da; ANDRADE, M. A. de. Perception of some riverine people, from the islands of the municipality of Abaetetuba-PA, about intestinal parasites. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 11, p. e295111133540, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i11.33540. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/33540. Acesso em: 6 oct. 2022.

Issue

Section

Health Sciences