Biodiversity in territorial relationship and resource: the case of camu-camu (Myrciaria dúbia; Myrtaceae) in the state of Amazonas-Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i11.33563

Keywords:

Camu-camu; Biodiversity; Resource; Production chains; Biotechnology.

Abstract

This study analyzes the camu-camu (myrciaria dubia; myrtaceae) as an element of biodiversity and territorial resource mediated by biotechnology. Considering the commercial dimensions that the fruit assumes in the state of Amazonas, the objective is to analyze plant biodiversity as a territorial resource. The investigation was carried out from 2014 to 2018 and included a bibliographic survey on camu-camu, as well as interviews and fieldwork in the municipalities of Manaus and Silves, AM. The camu-camu, as an element of plant biodiversity, is natural, but its use and constitution, as a territorial resource and component of production chains, is socially produced with greater or lesser aggregation of biotechnology, techniques or capital investments. The objective of this work was to approach plant biodiversity as a resource, through the analysis of the camu-camu fruit (myrciaria dubia; myrtaceae), characteristic of the Amazon plant biodiversity. In order to understand the relationship between society and nature engendered in these dynamics, we present aspects of the natural space and the socioeconomic space of the fruit, predominantly considering the relationships in the biodiversity market. From this point of view, there is a territorial dialectic characteristic of this market, moved, simultaneously, by contributions and obstacles to horizontality and verticality.

References

Ab’Saber, A. N. (2003). Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editoral. Revista geografia (UFPE). 29 (1), p. 252-8.

Arévalo Pinedo, R. (2007). Estudo da estabilização da polpa de camu-camu (Myrciaria dubia (H.B.K.) Mc Vaugh) congelada visando a manutenção de ácido ascórbico e de Antocianinas (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas – SP.

Benko, G. (1999). Economia, Espaço e Globalização: na aurora do século XXI. São Paulo: Hucitec, p. 133-9

Benko, G., & Pecqueur, B. (2001). Os recursos de territórios e os territórios de recursos. In: Geosul, Florianópolis, 6 (31), p. 31-50.

Billacrês, M. A. R. (2018). Mercado da biodiversidade e a cadeia produtiva de camu-camu (myrciaria dubia (h.b.k.) no estado do amazonas (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Amazonas, Manaus-AM.

Borém, A., & Giúdice, M. (2008). Biotecnologia e meio ambiente. Viçosa, Minas Gerais.

Calabi, D., & Indovina, F. (1972). Sobre o uso capitalista do território. In: Archivio di studi urbani e regionali, 4 (2), p. 55-9

Carvalho, A. C. A. (2010). Economia dos produtos florestais não madeireiros no estado do Amapá: Sustentabilidade e desenvolvimento endógeno (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido, Belém – PA.

Cassiolato, J. E., & Lastres, H. (2003). O foco em arranjos produtivos e inovativos locais de micro e pequenas empresas. In: Lastres, H. M. M., Cassiolato, J. E., & Maciel, M. L. (Orgs.) Pequena empresa: cooperação e desenvolvimento local. Relume Dumará Editora, RJ, p. 12

Coelho, M. C. N., & Monteiro, M. A. (2005). As economias extrativas e o subdesenvolvimento da Amazônia brasileira: contribuições do Prof. Stephen Bunker. Novos Cadernos NAEA. 8 (1), 5-17.

Cohen, B. J. (2014). A geografia do dinheiro. Editora Unesp, p.19

Cornejo, F. E. P., Silva, N. K. da, Matta, V. M., & Freitas, S. P. (2010). Obtenção de camu-camu em Pó com Elevado Teor de compostos bioativos. EMBRAPA.

Costa, R. C., & Ferreira, B. E. S. (2015). Técnicas, tecnologias e bioprodutos no amazonas. Cadernos Geográficos – 34.

Costa, R. C., & Nunez, C. V. (2017). Biodiversidade e Cadeia Produtivas: Potencialidades sinérgicas. In: Costa, R. C., & Nunez, C. V. (Orgs). Cadeias Produtivas & seus ambientes. Manaus: Editora INPA.

Courlet, C. (2001). Territoires et Regions: Les grands oubliés du développement économique. L’Harmattan.

Curti, J. M. ., Constantino, L. V. ., Ressutte, J. B. ., Katsuda, M. S. ., Furlaneto-Maia, L. ., & Spinosa, W. A. . (2021). Propriedades antioxidantes, características tecnológicas e físico-químicas de sorvetes de leite com adição de polpa de camu-camu. Research, Society and Development, 10(16), e585101623538. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i16.23538

Dallabrida, V. R. (2010). Desenvolvimento Regional: Por que algumas regiões e outras não? Santa Cruz do Sul: EDUNISC.

Dortier, J. F. (2006). Dicionário das Ciências Humanas. ClIMEPSI editores. 1. Lisboa.

Duarte, G. (2011). Dicionário de Administração. KBR.

Faria, L. A. E. (1988). Capitalismo, Espaço e Tempo. In: III Encontro Nacional de Economia Política. Niterói: UFF.

Ferreira, B. E. da S. (2015). Relação Sociedade e Natureza e Mercado da Biodiversidade em Manaus (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Amazonas.

Fine, B. (2001). Propriedade fundiária e renda da terra. In: Bottomore, T. (Org). Dicionário do Pensamento Marxista. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, p 480-2

Foladori, G. (2001). O metabolismo com a natureza. Critica marxista (Roma), São Paulo, 12, p. 50-62.

Fujita, M., Krugman, P., & Venables, A. J. (2002). Economia Espacial: Urbanização, prosperidade econômica e desenvolvimento humano no mundo. São Paulo: Futura.

Harvey, D. (2005). A produção capitalista do espaço. São Paulo: Annablume, 252 p.

Hernandez, M. S., & Barreira, J. A. (2010). (Comp.) Camu-camu. Bogotá, Colombia: Instituto Amazónico de Investigaciones Científicas-SINCHI.

Inga, H., Pinedo, M., Delgado, C., Linares, C., & Meija, K. Fenologia reproductuva de Myrciaria dúbia Mc Vaugh (H.B.K) Camu Camu. Folia Amazônica 12 (1-2): 99-106.

Kebir, L. (2010). Ressources Environnementales et Territoire. In: Zuindeau & Pecqueur (Org). Developpement Durable et Territoire. Septentrion.

Lefebvre, H. (2008). Espaço e política. Belo Horizonte: Editora UFMG, 192 p.

Lévêque, C. (1999). A Biodiversidade. São Paulo: EDUSC, 246 p.

Maeda, R. N., & Andrade, J. S. (2003). Aproveitamento do camu-camu (Myrciaria dubia) para produção de bebida alcoólica fermentada. Acta Amazônica, 33 (3) p. 489-496.

Miguel, L. M. (2007). Uso Sustentável da Biodiversidade na Amazônia Brasileira: experiências atuais e perspectivas das bioindústrias de cosméticos e fitoterápicos (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo-SP.

Miguel, L. M. (2012). A Biodiversidade na Indústria de Cosméticos: contexto internacional e mercado brasileiro (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo-SP.

Moraes de Souza, R. A. (2011). Qualidade de Polpa de Camu-camu [Myrciaria dúbia (H.B.K.) McVaugh], Submetida aos Processos de Congelamento, Pasteurização, Alta Pressão Hidrostática e Liofilização e Armazenada por Quatro Meses (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, Piracicaba-SP.

Moraes, A. C. R. (1982). As condições naturais e a estruturação do espaço agrário. In: Revista do Departamento de Geografia 1, DG/FFLCH/USP, São Paulo, 1 (10).

Nascimento, O. V. do ., & Silva, E. L. . (2021). CAMU-CAMU (Myrciaria dubia (HBK) McVaugh), um pequeno fruto rico em vitamina C como suplemento para imunidade . Research, Society and Development, 10(6), e27810615877. https://doi.org/10.33448/rsd-v10i6.15877

Nascimento Neiva, K., Nogueira Gonçalves, A. C., Gouvêa Bastos, B., de Meira Vasconcelos, A., & de Jesus Lopes, J. C. (2022). Bioeconomia: Um ensaio teórico sobre as dimensões das abordagens conceituais das partes interessadas. Ciência E Natura, 44, e16. https://doi.org/10.5902/2179460X67555 (Original work published 29º de setembro de 2021)

Neves, M. F., & Castro, L. T. (2010). O Método para construção de um projeto integrado de negócios sustentáveis. In: Neves, M. F., & Castro, L. T. Agricultura Integrada Inserindo pequenos produtores de maneira sustentável em modernas cadeias produtivas. São Paulo: Atlas, 15 p.

Neves, M. F., & Conejero, M. A. (2009). Cenário económico da produção de alimentos, fibras e bioenergia. In: Neves, M. F. (org.) Agronegócios e Desenvolvimento Sustentável. São Paulo: Atlas.

Oliveira, A. U. de. (1990). Modo Capitalista de Produção e Agricultura. São Paulo: Ática, 184 p.

Pecqueur, B. (2010). Le territoire comme entité d’innovation et de mobilisation des populations face à la mondialisation des échanges. In: Créativité et innovation dans les territoires, Rapport du groupe de travail présidé par Michel Godet.

Pecqueur, B., & Zuindeau, B. (2010). Espace, Territoire, Developpement Durable. In: Zuindeau & Pecqueur (Org). Developpement Durable et Territoire. Septentrion.

Pereira, A. M. (2013). Bioprospecção e conhecimentos tradicionais: Uma proposta institucional para a sua gestão no Brasil (Tese de Doutorado). Unicamp.

Ploeg, J. D. van der. (2008). Camponeses e impérios alimentares: lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalização. Porto Alegre: Editora UFRGS, 376 p.

Raffestin, C. (1993). Por uma Geografia do Poder. São Paulo: Ática, 6 (1), 136 p.

Raffestin, C. (2009). A produção de estruturas territoriais e sua representação. In: Saquet, M. A., & Sposito, E. S. Território e territorialidades: Teorias, processos e conflitos. Expressão Popular, p 17-36

Ribeiro, P. F. de A. (2012). Compositos Bioativos de Camu-Camu (Myrciaria dúbia) em função do ambiente de cultivo e do estádio de maturação (Tese de Doutorado). Viçosa, Minas Gerais.

Ribeiro, S. I., Mota, M. G. C., & Corrêa, M. L. P. (2002). Recomendações Técnicas para o Cultivo do Camucamuzeiro no Estado do Pará. Belém: Embrapa Amazônia Oriental.

Ribenboim, J. A. (2008). Produtos Agrícolas e mercados no agronegócio. In: Callado, A. A. C. (org.) Agronégocio. São Paulo: Atlas.

Sánchez, Joan-Eugeni. (1991). Espacio, Economia y Sociedad. Madrid: Siglo Veintiuno Editores.

Santos, M. (2008). O espaço dividido: Os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. Edusp.

Santos, M. (1997). Metamorfoses do Espaço Habitado: Fundamentos teóricos e metodológicos da Geografia. São Paulo: Editora Hucitec, 28 p.

Santos, M. (1999). O Dinheiro e o Território. GEOgraphia, 1(1), 8

Santos, M. . (2012). A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo: Editora Edusp, 392 p.

Saquet, M. A. (2009). Por uma abordagem territorial. In: Saquet, M. A., & Sposito, E. S. Território e territorialidades: Teorias, processos e conflitos. Expressão Popular, p 73-94

Schumpeter, J. A. (1997). Teoria do Desenvolvimento Econômico: Uma investigação sobre Lucros, Capital, Créditos, Juro e o ciclo Econômico. Editora Nova Cultural Ltda, 228 p.

Silva, C. S. da. (2012). O gênero Myrciaria O. Berg. (MYRTACEAE) na Amazônia Brasileira (Tese de Doutorado). Universidade Federal Rural da Amazônia.

Sousa, N. de J. de. (2009). Desenvolvimento Regional. São Paulo: Atlas, 420 p.

Sousa, R. M. de M. (2011). Ecoturismo e Desenvolvimento Comunitário em Silves-AM: A experiência da Associação de Silves pela Preservação Ambiental e Cultural – ASPAC (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Amazonas.

Souza, M. A. (2002). Política e Território: A Geografia das Desigualdades. Campinas, 5 jun. Texto apresentado no Fórum Brasil em questão. Universidade de Brasília. Disponível em: http://www.territorial.org.br/ins_biblioteca.htm

Souza, M. A. de. (2009). Meio ambiente e desenvolvimento sustentável. As metáforas do capitalismo. Cronos, Natal-RN, 10 (2), p. 101- 17.

Vergés, A. B. (2011). Os novos camponeses. São Paulo: Cultura Acadêmica. Cátedra Unesco de Educação do Campo e Desenvolvimento Rural.

Vieira, V. B., Rodrigues, J. B., Brasil, C. C. B., & Rosa, C. S. (2010). Produção, caracterização e aceitabilidade de licor de camu-camu (Myrciaria dúbia (H.B.K.) Mcvaugh). Alimentos e Nutrição, Araraquara, 21 (4) , p.519- 22.

Wanderley, M. de N. B. (2015). O campesinato brasileiro: Uma história de resistência. RESR, Piracicaba - SP, 52 (1), p. S025-S044, 2014 – Impressa em fevereiro.

Zamudio, L. B. (2007). Caracterização de vitamina C em frutos de camu-camu (Myrciaria dúbia (H.B.K) em diferentes estágios de maturação do banco ativo de germoplasma de EMBRAPA. Brasília.

Published

21/08/2022

How to Cite

BILLACRÊS, M. A. R. .; COSTA, R. C. .; NUNEZ, C. V. Biodiversity in territorial relationship and resource: the case of camu-camu (Myrciaria dúbia; Myrtaceae) in the state of Amazonas-Brazil . Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 11, p. e227111133563, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i11.33563. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/33563. Acesso em: 1 dec. 2022.

Issue

Section

Human and Social Sciences