Effects of the use of medicinal plants in pregnant women: a review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i14.36127

Keywords:

Medicinal plants; Pregnancy; Abortion.

Abstract

During pregnancy, the female body undergoes biochemical, physiological, and structural changes that require increased attention to ensure good development and maintenance of maternal and fetal health. During this period, women are more sensitive and, therefore, are more likely to experience symptoms that are recurrent at this stage (nausea, nausea, headaches, insomnia, among others). To minimize or put an end to these symptoms, pregnant women make use of plants with medicinal properties, which depending on the type or way in which it is administered, may be able to induce embryotoxic, teratogenic and abortifacient effects. Objective: To investigate the effects of the use of medicinal plants in pregnant women through a bibliographic survey of the specialized literature. Method: This is a narrative review of the literature, original and review scientific articles were selected in the time interval between the years 2012 and 2022. Obtained through research in the main electronic and open access databases: PUBMED, SCIELO, BIREME, LILACS. Results: Some studies showed that the knowledge of pregnant women regarding the action of some herbs is minimal or non-existent. And that plant species such as chamomile, cinnamon, fennel, ginger, mint, and pomegranate have in their composition, substances that can cause abortion in pregnant women. Conclusion: In view of the above, it is understood that the lack of information is one of the main factors that strengthens the use of some herbs during pregnancy, endangering maternal and fetal health.

References

Abreu da Silva, A. C., & Botelho de Santana, L. L. (2018). Os riscos do uso de plantas medicinais durante o período gestacional: uma revisão bibliográfica. Acta toxicológica argentina, 26(3), 118-123.

Almeida, I. S. (2021). Plantas medicinais na gestação: análise do grau de conhecimento das pessoas em relação aos seus efeitos prejudiciais (Doctoral dissertation).

Amaral Marcolino, D., & Correia-Santos, A. M. (2022). Utilização de plantas medicinais por gestantes de um Município do Sul Fluminense–Rio de Janeiro Use of medicinal plantsbypregnantwomen in a townshipofthesouth Fluminense–Rio de Janeiro. BrazilianJournalofDevelopment, 8(3), 17093-17104.

Camargo, F. R. (2015). Promoção da saúde Materno-Infantil: grupo reflexivo sobre o uso de plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos na gravidez e lactação.

Cabral, L. C., dos Santos, G. D., da Silva Macêdo, J., & Santana, L. A. (2021). Plantas Medicinais, Condimentos e o Saber Popular.Revista Saúde e Meio Ambiente, 13(01), 17-24.

Carneiro, F. M., Silva, M. D., Borges, L. L., Albernaz, L. C., & Costa, J. D. P. (2014). Tendências dos estudos com plantas medicinais no Brasil. Revista Sapiência: sociedade, saberes e práticas educacionais, 3(2), 44-75.

De Almeida Pires, C., Andrade, G. B., & de Oliveira, O. L. S. (2021). O uso de medicamentos fitoterápicos e plantas medicinais por gestantes. Revista Fitos,15(4), 538-549.

De Araújo, C. R. F., Silva, A. B., Tavares, E. C., da Costa, E. P., & Mariz, S. R. (2014). Perfil e prevalência de uso de plantas medicinais em uma unidade básica de saúde da família em Campina Grande, Paraíba, Brasil. Revista de Ciências Farmacêuticas Básica e Aplicada, 35(2).

De Araújo, C. R. F., Santiago, F. G., Peixoto, M. I., de Oliveira, J. O. D., & de Sousa Coutinho, M. (2016). Use of medicinal plants with teratogenic and abortive effects by pregnant women in a city in Northeastern Brazil. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia/RBGO Gynecology and Obstetrics, 38(03), 127-131.

De Carvalho, N. S., Bezerra, A. N., Viana, A. C. C., de Morais, S. R., & de Azevedo, D. V. (2020). Percepção de gestantes quanto ao uso de plantas medicinais e fitoterápicos: Uma revisão integrativa da literatura. Brazilian Journal of Health Review, 3(4), 9282-9298.

De Lima, M. B., dos Santos, S. L. F., Barros, K. B. N. T., de Oliveira Vasconcelos, L. M., & Pessoa, C. V. (2019). PLANTAS MEDICINAIS UTILIZADAS POR GESTANTES EM UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE. Revista UNIANDRADE, 20(2), 90-97.

De Melo, A., Anhesi, N., da Rosa, L. G., & Pereira, A. C. (2016). USO DE PLANTAS MEDICINAIS NA GESTAÇÃO. RETEC-Revista de Tecnologias, 9(2).

De Mendonça, R. C. F., de Morais, C. D. B., da Silva Feitosa, F. L., Coelho, J. L. G., do Nascimento Andrade, F. S., Ferreira, L. M., & Ribeiro Filho, J. (2021). Uso de Plantas Medicinais por Gestantes em uma unidade Básica de Saúde de Juazeiro do Norte-CE. Research, Society and Development, 10(3), e47610313202-e47610313202.

Duarte, A. F. S., da Costa Martins, A. L., Miguel, M. D., & Miguel, O. G. (2018). O uso de plantas medicinais durante a gravidez e amamentação. Visão Acadêmica, 18(4).

Galdino, D. (2012). Efeito do extrato hidroalcóolico de Cassia angustifolia na gestação de camundongos.

Gomes, M. B. A., de Almeida Galindo, E., & de Oliveira Lins, S. R. (2018). Uso de plantas medicinais durante o período gestacional: uma breve revisão. Brazilian Journal of Health Review, 1(2), 323-327.

Gorril, L. E., Jacomassi, E., Mella Junior, S. E., Dalsenter, P. R., Gasparotto Junior, A., & Lourenço, E. L. B. (2016). Risco das plantas medicinais na gestação: uma revisão dos dados de acesso livre em língua portuguesa. Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR, 20(1).

Lins, M. V., Medeiros, M. B. D., Silva, O. S. D., Silva, R. A. D., Maracajá, P. B., Lima, L. M. R., & Fernandes, H. F. (2020). Qualidade da composição do extrato de própolis verde sob influência do Bioma Caatinga. Revista Brasileira de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 7(16), 727-737.

Nunes, A. M. M., & Silva, V. A. (2021). O USO DE PLANTAS ABORTIVAS NO NORDESTE BRASILEIRO: UMA REVISÃO. Ethnoscientia-Brazilian Journal of Ethnobiology and Ethnoecology, 6(2), 100-112.

Pontes, S. M., Souza, A. P. M., Barreto, B. F., Oliveira, H. S. B., Oliveira, L. B. P. D., Saraiva, A. M., & Carmo, E. S. (2012). Utilização de plantas medicinais potencialmente nocivas durante a gestação na cidade de Cuité-PB. Comun. ciênc. saúde, 305-311.

Santana, D. S. D. M. (2018). Obtenção de óleo essencial de alfavaca (ocimum gratissimum) em diferentes partes da planta.

Santana, P. H. R. (2019). Plantas medicinais com fins terapêuticos utilizados por gestantes de Unidades Básicas de Saúde, Muritiba, Bahia.

Santos, L., Salles, M. G., Pinto, C., Pinto, O., & Rodrigues, I. (2018). O saber etnobotânico sobre plantas medicinais na comunidade da Brenha, Redenção, CE. Agrarian Academy, 5(09).

Silva, F. A., da Silva, W. B., Souza, C. A. S., dos Santos, A. R., & Silveira Filho, A. J. (2016). Tecendo Saberes sobre Plantas Medicinais: o resgate, a permanência e a construção do conhecimento popular na atenção básica do município de Aracaju. Experiências Exitosas de Farmacêuticos no SUS, 4(4), 184-188.

Silva, M. S. C., & de Melo Guedes, J. P. (2022). Segurança no uso de plantas medicinais e fitoterápicos durante a gestação. Research, Society and Development, 11(7), e4611729431-e4611729431.

Schiavo, M., Schwambach, K. H., & de Fátima Colet, C. (2017). Conhecimento sobre plantas medicinais e fitoterápicos de agentes comunitários de saúde de Ijuí/RS Knowledge on medicinal plants and herbal medicines by community health agents of Ijuí/RS. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, 9(1), 57-63.

Trindade, M. T., Bezerra, N. N., Starling, P. S., Viana, E. D. S. M., Torres, S. A. M., & Gusman, G. S. (2019). Atenção farmacêutica na fitoterapia. ANAIS SIMPAC, 10(1).

Published

20/10/2022

How to Cite

ARAUJO, I. S. de; FRANÇA, M. I.; SOUZA, T. F. M. P. Effects of the use of medicinal plants in pregnant women: a review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 14, p. e101111436127, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i14.36127. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/36127. Acesso em: 26 nov. 2022.

Issue

Section

Review Article