Profile of the most prevalent drugs in self-medication in the elderly

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i14.36241

Keywords:

Elderly; Self-medication; Profile.

Abstract

Self-medication of the elderly is a reality increasingly perceived by studies and by Pharmacy professionals. Many are the elderly who, without adequate information, end up self-medicating. This fact generates several damages to the health of this public. Thus, it is important to know which are the most prevalent drugs used by the elderly, in order to seek solutions to this reality. In view of this scenario, the present study aimed to identify the profile of the drugs most consumed in self-medication in the elderly. In the methodology, an integrative literature review was carried out based on periodical databases, PubMed, Google Scholar and Scielo, whose time frame was between the years 2017 to 2022. In the results, some aspects were found, such as pain relief and malaise are preponderant factors that lead the elderly to self-medicate and analgesics were the most used drugs by this public. In addition, it was also clear to observe the importance of the pharmacist, because it is through him that the incorrect and irrational use of medicines can be prevented, as well as the provision of correct information to the elderly.

References

Andrade, T. D. (2021). O papel farmacêutico frente à prática da automedicação em idosos no Brasil: uma revisão de literatura /Paripiranga,2021. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Farmácia) – apresentado à UniAGES, Paripiranga.

Araújo, B. N. et al. (2019). Automedicação e uso inadequado de medicamentos na terceira idade. Revista Saúde e Meio Ambiente – RES-MA. 8(1), 21-35.

Azevedo, R. C. T., Brito, F. F. & Brito, A. A. et al. (2020). O uso contínuo de anti-inflamatórios não esteroidais em idosos e a insuficiência renal aguda: levantamento bibliográfico. Brazilian Journal of Development. 6(9), 71751-60.

Barroso, R., Telles Filho, P. C. P.; Pinheiro, M. L. P. et al. (2017). Automedicação em idosos de estratégias de saúde da família. Revista de Enfermagem da Ufpe. 11(2), 156

Costa, C. M. F. N., Silveira, M. R., Acurcio, F. A. et al. (2017). Utilização de medicamento pelos usuários da atenção primária do Sistema Único de Saúde. Revista de Saúde Pública. P51 -57.

Dantas, K .D. (2019) Perfil de vendas de medicamentos anti-inflamatórios em farmácias comunitárias no município de Caicó-RN. 63 f. TCC (Graduação) - Curso de Farmácia, Centro de Educação e Saúde, Universidade Federal de Campina Grande, Cuité.

Ferreira, L. V; Oliveira, L. V; Araújo, B. G de; et al. (2021) Os riscos do uso dos Anti-Inflamatórios não esteroidais em Idosos. Brazilian Journals Of Developmen.t, Flórida, v. 7, n. 7, p. 74885-74889, 21 jun. 2021.

Garcia, A. L. F. (2018) [Avaliação do uso de medicamentos entre os participantes da universidade do envelhecer (UNISER) – BRASÍLIA/DF. Dissertação] Universidade de Brasília Faculdade de Ceilândia Programa de Pós-Graduação em Ciências e Tecnologias em Saúde. Universidade de Brasília.

Grando, A. C; & Becker, T. L. (2022) A automedicação em idosos: uma revisão da literatura. Revista Brasileira De Biomedicina, 2(1).

Gusmão, E. C.; Xavier, L. A Mota, G. A. et al. (2018) Automedicação em idosos e fatores associados. Revista Eletrônica Acervo Saúde, Rio de Janeiro, v11(2), 335-345, 29 dez.

Jesus, J. M. & Salazar, J. M. (2022) Automedicação na terceira idade: perfil epidemiológico de idosos na aquisição de medicamentos em drogarias de Imperatriz – MA. Brazilian Journal of Development, Curitiba, 8(6), 45359-45380, jun.

Júnior, E. L. S. ; & Gonzalez, L. F. C. (2021) Automedicação e Efeitos Psicológicos em Idosos Durante o Isolamento Social. Atena: Paraná.

Negrão, J. A. S. (2019) Os Malefícios da Automedicação na Terceira Idade. In: RSM – Revista Saúde Multidisciplinar; (5ª Ed.). 05-14.

Oliveira, S. B .V. et al. (2018) Perfil de medicamentos utilizados por automedicação por idosos atendidos em centro de referência. Einstein (São Paulo). 16(4), eAO4372.

Pereira, F. G. F. et al. (2017) Automedicação em idosos ativos. In: Rev enferm UFPE on line., Recife, 11(12):4919-28, dec.

Santos, T .O; & Bertollo, C. M. (2018) Reações adversas associadas ao uso de anti-inflamatórios não esteroidais em idosos. Revista Médica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 30(5), 19-23, 08 fev.

Secoli, S. R. et al. (2018) Tendência da prática de automedicação entre idosos brasileiros entre 2006 e 2010: Estudo SABE. Revista Brasileira de Epidemiologia. v. 21, n. Suppl 02.

Silva, J. P. & Batista, L. O. (2021) Impactos da automedicação em tempos de pandemia COVID-19. Revista de Divulgação Científica Sena Aires, 3(1) jan./jun.

Silva, T. C. A; Júnior, F. C. C. Silva, J. C. A.; et al. (2021) Automedicação em idosos da Atenção Básica. Revista Enfermagem Contemporânea, Salvador, 10(2), 188-196, 2 ago.

Souza, B. S. V.et al. (2020) A prática da automedicação no Brasil – Prevalência e fatores associados. E-Rac, [s. l 10(1), 10-15.

Souza, Z. A .D. et al. (2021) Fatores associados ao enfrentamento da pandemia da COVID-19 por pessoas idosas com comorbidades. Escola Anna Nery, 25.

Published

23/10/2022

How to Cite

CAMPOS, A. A. .; OLIVEIRA, F. R. de; ALENCAR, I. de S. S. .; FRANCO , J. V. V.; CREPALDI, V. .; VIANA, K. N. R. .; VALENTE, G. G. T. .; FERREIRA , G. S. .; BARBOSA, J. M. .; SOUZA, J. V. L. de. Profile of the most prevalent drugs in self-medication in the elderly. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 14, p. e181111436241, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i14.36241. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/36241. Acesso em: 26 nov. 2022.

Issue

Section

Review Article