Spatial and temporal analysis of mortality from gastric cancer in Brazil, 2001 to 2020

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v11i14.36909

Keywords:

Stomach Neoplasms; Mortality; Time Series Studies; Spatial analysis.

Abstract

Objective: To temporally and spatially analyze mortality from stomach cancer in Brazil and its regions from 2001 to 2020. Methodology: This is an ecological study on mortality from malignant stomach neoplasms in Brazil and its regions, in the period from 2001 to 2020. 2001 to 2020. Data came from the Mortality Information System (MIS). Mortality Rates were calculated and standardized using the direct method. A temporal trend analysis was performed using the JoinPoint technique. Spatial analysis was performed using the Moran Global and Local Index. Results: In Brazil, 171,464 deaths from gastric cancer were recorded, in males with an average Standardized Mortality Rate (SMR) of 16.72 deaths per 100,000 males. The temporal trend, in males, was of decline in Brazil (Average Annual Percent Change - AAPC= -2.4% and in females -1.8% (p<0.05). The South, Southeast and Midwest presented reduction (AAPC=-3.0%, -3.5% and -2.9%, respectively). In the North the rates were stationary (p>0.05) and in the Northeast there was an increase (AAPC=0.8%). Regions such as the Southeast and South and part of the Northeast (Ceará) presented spatial clusters with high mortality rates in both sexes. Conclusion: The temporal trend showed that standardized mortality rates are on a slope in Brazil, in the South, Southeast regions and Central-West, while it was stable in the North and an increase in the Northeast. Cities in the Southeast and South and part of the Northeast showed clusters with high rates.

References

Ahmad, O. B., Boschi-Pinto, C., Lopez, A. D., Murray, C. J., Lozano, R., & Inoue, M. (2001). Age standardization of rates: a new WHO standard. Geneva: World Health Organization, 9(10), 1-14..

American Cancer Society. (2020). Key statistics about stomach cancer. https://www.cancer.org/cancer/stomach-cancer/about/key-statistics.html

Araújo, J. M. D. De; Andrade júnior, f. P. De (2020). Câncer gástrico: perfil da mortalidade de idosos no Ceará entre os anos de 2008 a 2018. https://editorarealize.com.br/artigo/visualizar/73380

Bailey, T. C., & Gatrell, A. C. (1995). Análise interativa de dados espaciais. Essex: Longman Científico e Técnico, 413 (8).

Barchi, L. C. R. (2020). II Consenso Brasileiro de Câncer Gástrico da Associação Brasileira de Câncer Gástrico. ABCD. Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva, 33.

Blackford, A. L., Canto, M. I., Klein, A. P., Hruban, R. H., & Goggins, M. (2020). Tendências recentes na incidência e sobrevida do câncer de pâncreas em estágio 1A: vigilância, epidemiologia e análise de resultados finais. JNCI: Journal of the National Cancer Instituto, 112 (11), 1162-1169.

Brasil (2016). Resolução No 510, de 07 de abril de 2016. Diário Oficial da União, Sec. 1.

Chiuchetta, J. V., & Magajewski, F. (2020). Tendência temporal da mortalidade por câncer de estômago em Santa Catarina no período de 1996 a 2016. Arquivos Catarinenses de Medicina, 49(3), 51-68.

Curtin, L. R. (1995). Padronização direta (taxas de mortalidade ajustadas por idade) (nº 6). Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, Serviço de Saúde Pública, Centros de Controle e Prevenção de Doenças, Centro Nacional de Estatísticas de Saúde.

da Silva, M. J. S., de Lima, F. L. T., O'Dwyer, G., & Osório-de-Castro, C. G. S. (2017). Política de Atenção ao Câncer no Brasil após a criação do Sistema Único de Saúde. Revista Brasileira de Cancerologia, 63(3), 177-187.

das Neves, I. S., Cruz, M. S. Q. V., de Jesus, D. L., Lima, F. G. F., Nazeba, K. V. J. F. O., & Júnior, M. A. C. M. (2021). Análise epidemiológica dos óbitos por câncer de estômago na região Norte do Brasil. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento, 10 (9), e39410917503-e39410917503.

de Araújo, J. M. D., de Andrade Júnior, F. P., & Maior, F. N. S. (2021). Tendência de mortalidade por câncer gástrico no nordeste brasileiro. Saúde (Santa Maria).

de Sá Camarço, M. F., Santos, L. A., dos Santos, R. E. V., Silva, H. S. V. B., Silva, V. A., Leitão, P. R. P., & Batista, J. F. C. (2022). Tendência da mortalidade por câncer dos órgãos da genital masculina no Brasil e regiões no período de 1980 a 2019. Interfaces Científicas-Saúde e Ambiente, 9(1), 146-158.

de Souza Giusti, A. C. B., de Oliveira Salvador, P. T. C., Dos Santos, J., Meira, K. C., Camacho, A. R., Guimarães, R. M., & Souza, D. L. (2016). Tendências e previsões de mortalidade por câncer gástrico no Brasil. Revista Mundial de Gastroenterologia, 22 (28), 6527.

Frazão, G. A. P., Arraes, G. G. D. M., Oliveira, K. F. P., Alvarez, M. A. M., Barreto, B. P. P., Deprá, J. V. S., & dos Reis Ferreira, T. C. (2021). Perfil epidemiologóico dos casos de câncer gástrico no Brasil de 2010 a 2020. Revista CPAQV–Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida, 13(1), 2.

Guerra, M. R., Bustamante-Teixeira, M. T., Corrêa, C. S. L., Abreu, D. M. X. D., Curado, M. P., Mooney, M., & Malta, D. C. (2017). Magnitude e variação da carga da mortalidade por câncer no Brasil e Unidades da Federação, 1990 e 2015. Revista Brasileira de Epidemiologia, 20, 102-115.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2018). Projeção da População do Brasil por sexo e idade.

Ito, M., Tanaka, S., & Chayama, K. (2021). Características e diagnóstico precoce do câncer gástrico descoberto após a erradicação do Helicobacter pylori. Intestino e Fígado, 15 (3), 338.

Lima-Costa, M. F., & Barreto, S. M. (2003). Tipos de estudos epidemiológicos: Conceitos básicos e aplicações na área do envelhecimento. Epidemiologia e Serviços de Saúde, 12(4). https://doi.org/10.5123/S1679-49742003000400003

Jacques Ferlay, I. S, Dikshit, R., Eser, S., Mathers, C., Rebelo, M., Parkin, DM, & Bray, F. (2014). Incidência e mortalidade por câncer no mundo: fontes, métodos e principais padrões no GLOBOCAN 2012. Int J Cancer, 136, 29.

Kim, H. J., Fay, M. P., Feuer, E. J., & Midthune, D. N. (2000). Testes de permutação para regressão de pontos de junção com aplicações em taxas de câncer. Estatísticas em medicina, 19 (3), 335-351.

Kocarnik, J. M., Compton, K., Dean, F. E., Fu, W., Gaw, B. L., Harvey, J. D., & Dhimal, M. (2022). Incidência de câncer, mortalidade, anos de vida perdidos, anos vividos com incapacidade e anos de vida ajustados por incapacidade para 29 grupos de câncer de 2010 a 2019: uma análise sistemática para o Global Burden of Disease Study 2019. JAMA oncology, 8 (3), 420-444.

Luzardo, A. J. R., Castañeda Filho, R. M., & Rubim, I. B. (2017). Análise espacial exploratória com o emprego do Índice de Moran. GEOgraphia, 19(40), 161-179.

Monteiro, A. M. V., Câmara, G., Carvalho, M. S., & Druck, S. (2004). Análise espacial de dados geográficos. Brasília: Embrapa.

Park, J. Y., Von Karsa, L., & Herrero, R. (2014). Estratégias de prevenção do câncer gástrico: uma perspectiva global. Endoscopia clínica, 47 (6), 478-489.

Resende, A. L. D. S., Mattos, I. E., & Koifman, S. (2006). Dieta e câncer gástrico: aspectos históricos associados ao padrão de consumo alimentar no estado do Pará. Revista de nutrição, 19, 511-519.

Silva, P. F. D. O., Souza, B. D. S. N. D., Melanda, F. N., Soares, E. D. F. G., Bringhenti, M. V., Lima, F. C. D. S. D., & Andrade, A. C. D. S. (2022). Incidência e mortalidade por câncer de estômago na Grande Cuiabá, Mato Grosso, 2000–2016. Revista Brasileira de Epidemiologia, 25.

Thrift, A. P., & El-Serag, H. B. (2020). Carga do câncer gástrico. Clinical Gastroenterology and Hepatology, 18 (3), 534-542.

Torre, L. A., Siegel, R. L., Ward, E. M., & Jemal, A. (2016). Taxas e tendências globais de incidência e mortalidade por câncer — uma atualização Taxas e tendências globais de câncer — uma atualização. Epidemiologia do câncer, biomarcadores e prevenção, 25 (1), 16-27.

Published

04/11/2022

How to Cite

HORA, B. K. S. .; PEREIRA, P. C. .; BRITO, M. S. .; CEDRAZ, M. E. S. .; BRITTO NETO, H. S.; MELO, A. C. C. de .; GOIS, Y. D. C. .; JESUS, C. V. F. de; BATISTA, J. F. C.; LIMA, S. O. . Spatial and temporal analysis of mortality from gastric cancer in Brazil, 2001 to 2020. Research, Society and Development, [S. l.], v. 11, n. 14, p. e550111436909, 2022. DOI: 10.33448/rsd-v11i14.36909. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/36909. Acesso em: 26 nov. 2022.

Issue

Section

Health Sciences