Safety and efficacy of lisdexamfetamine dimesylate in attention déficit hyperactivity disorder: a literature review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v12i2.40259

Keywords:

Lisdexamfetamine dimesylate; Attention deficit disorder; Hyperactivity; Efficiency.

Abstract

Attention Deficit Hyperactivity Disorder (ADHD) is a neurological disorder that is associated with poor brain performance. Individuals with ADHD have dyslexia, a certain impulsiveness and difficulty concentrating, resulting in poor school development. Taking into account, about 2.5 million new cases are declared per year in Brazil, whether due to real necessity or mere mediocrity of the diagnosis. Lisdexamfetamine methylphenidate is the main representative of a new class of long-acting agents for the treatment of ADHD, in current scenarios it has been the drug traditionally used as first choice for the treatment of children and adolescents with ADHD. Therefore, the general objective of this study was to analyze the effects that lisdexamfetamine dimesylate has for individuals with ADHD. In the methodology, a literature review was carried out, including studies in Portuguese and published between 2017 and 2022. Data collection took place in PubMed, LILACS, Scielo and Google Scholar databases. In the results, the safety and efficacy of lisdexamfetamine dimesylate for patients with ADHD proved to be effective and positive. In the studies found, it was understood that this drug has as its mechanism of action the blockade of the reuptake of the neurotransmitter dopamine and the stimulus to its production and noradrenaline. This action is what makes the stimulant of this medicine effective.

References

Brito, J. R. & Cecatto, L. H. (2019). Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH): Um olhar voltado para os pais. Pepsic, 52(2), 67-79.

Castro, C. X. L. & Lima, R. F. D. (2018). Consequências do transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) na idade adulta. Pepsic, 35(106), 61-72.

Cerqueira, N. S. V. B. Almeida, B. do C. & Cruz Junior, R. A. (2021). Uso indiscriminado de metilfenidato e lisdexanfetamina por estudantes universitários para aperfeiçoamento cognitivo. Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação, 7(10), 3085–3095.

De JESUS, R. C.; Dos Anjos, S. N. S. & Neri, F. S. M. (2022). O tratamento farmacológico para o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade no desenvolvimento de crianças e adolescentes. Revista Contemporânea, 2(6), 1474–1488.

Gonçalves, C. DE S. & Pedro, R. M. L. R. (2021). Entre o TDAH e o aprimoramento cognitivo: Reflexões sobre a medicalização do mau desempenho escolar. Educação, Sociedade & Culturas, (60), 10-15.

Green, A. L. & Rabiner, D. L. (2012). What do we really know about ADHD in college students? Neurotherapeutics, 9(3),559-68.

Justo, J. M. (2018). O Consumo de Substâncias Psicoativas por Estudantes do Ensino Superior: Quais Fatores Estão Associados a Essa Prática? Repositório UFES. Espirito Santo, 312f.

Lara, A. M. de; et al. (2021). Evento atendimento farmacêutico acessível promovido pelo programa CRF-PR JR DA UEL. III PRÓ-ENSINO: mostra anual de atividades de ensino da UEL. Universidade Estadual de Londrina.

Leal, A. P. B. & Zica, L M. (2021). Impulsividade e transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH): efeitos de psicoestimulantes em padrões de comportamentos impulsivos de escolha em universitários diagnosticados com TDAH. Relatório final de pesquisa de Iniciação Científica apresentado à Assessoria de Pós-Graduação e Pesquisa; Brasília.

Louzã Neto, M. R. & Elkis, H.; et al. Psiquiatria Básica. (4a ed.), 2017.

Martinhago, F. (2018). TDAH nas redes sociais: caminhos para a medicalização da infância. Psicol. Conoc. Soc., Montevideo, 8(2), 68-83.

Melo, T. M. de. & Carvalho, A. S. de. (2020). O uso do metilfenidato em pacientes com TDAH. Revista Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação, 8(4), 891–900.

Minniti, G., et al. (2021). O consumo de drogas psicoestimulantes entre estudantes de medicina. Brazilian Journal of Health Review, 4(4), 17912-17921

Nascimento, M. H. F.; Fernandes, R. M. & Barbosa, A. de M. (2022). Lisdexanfetamina comparada a metilfenidato ou antidepressivos no tratamento de TDAH em crianças e adolescentes: revisão rápida de evidências. Rev Cient Esc Estadual Saúde Pública de Goiás “Candido Santiago”. 8(e80011), 1-17.

Neta, B. R. B; Neves, L. L. A. & Figueredo, M. L. R. D. S. A. S. (2020). Histórico de desenvolvimento e indicação terapêutica do Venvanse. FacUnicamps, [S.l], p. 1-18.

Okamura, A. M. (2019). Análise comportamental e neuroquímica de ratos tratados com doses repetidas de lisdexanfetamina na infância e periadolescência. 107 f. Tese (Doutorado em Farmacologia) - Faculdade de Medicina. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

Português, V. R., et al. (2022). Avaliação acerca do Zebrafish (Danio rerio) como modelo biomédico para determinação da toxicidade do dimesilato de lisdexanfetamina. Research, Society and Development, 11(5), 84-91.

Ribeiro, W. M. V. (2020). Efeito da terapia farmacológica e do treinamento resistido sobre respostas comportamentais no modelo experimental de TDAH. 50 f. Dissertação (Mestre em Ciências Fisiológicas, Fisiologia) - Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde, Departamento de Ciências Fisiológicas, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica.

Rocha, J. S. da; Dreon, M. & Valle, I. R. (2020). Patologização e medicalização de alunos com diagnóstico de TDAH. Atos de Pesquisa em Educação, [S.l.], 15(4), 1042-1064.

Sadock, B. J.; Sadock, V. A. & Ruiz, P. (2017). Compêndio de Psiquiatria: ciência do comportamento e psiquiatria clínica. (11a ed.), Artmed.

Santos, W. M. & Albuquerque, A. R. (2019). Intervenções escolares para o TDAH: Uma revisão da literatura (2000-2018). Psicologia: Teoria e Prática, 21(3), 182-204.

Siebert, A. G. (2017). As concepções e práticas de psicólogos escolares e clínicos referentes ao processo de ensino aprendizagem de crianças diagnosticadas com TDAH. xiv, 136 f., il. Dissertação (Mestrado em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde) – Universidade de Brasília, Brasília.

Silva, L. V. S. D. (2020). Farmacoterapia do transtorno do déficit de atenção. Repositório Institucional, Florianópolis, 1(10), 1-45.

Souza, I. T., et al. (2021). A evolução dos psicofármacos no tratamento da depressão. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research – BJSCR. 33(2), 109-114.

Takeda, T. (2021). Venvanse: Dimesilato de lisdexanfetamina. Takeda, 55(55), 1-17.

Tozzi, l. V.; amorim, m. P. V.; Velloso, r. S. M. & Santos, G. B. (2020). Uso de psicoestimulantes em estudantes do curso de Odontologia de uma universidade privada do sul de Minas Gerais. VITTALLE - Revista De Ciências Da Saúde, 32(3), 98–106.

Verissimo, J. M. & Reis, M. E. B. T. (2020). Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade na clínica psicanalítica. Revista Perspectivas em Psicologia. v. 24(1), 1-15.

Wolraich, M. L., Chan, E., Froehlich T., Lynch, R. L., Bax, A., Redwine, S. T., Ihyembe, D. & Hagan, J. F. J. R. (2019). Diagnosis and Treatment Guidelines: A Historical Perspective. Pediatrics. Oct. 144(4),16-82.

Published

13/02/2023

How to Cite

MACIEL , F. D. .; FONSECA, M. E.; FRANCO, J. V. V. .; AZEREDO , J. P. S. .; LIMA, A. M. de .; ALMEIDA , F. V. de .; SILVA , F. P. B. da .; AGUIAR , K. C. de .; LOBO, G. S. .; LEAL, J. P. de J. S. . Safety and efficacy of lisdexamfetamine dimesylate in attention déficit hyperactivity disorder: a literature review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 12, n. 2, p. e28412240259, 2023. DOI: 10.33448/rsd-v12i2.40259. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/40259. Acesso em: 29 may. 2024.

Issue

Section

Review Article