The judicialization of antidepressant medicines in Brazil: Scope review

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v13i1.44838

Keywords:

Judicialization of health; Mental health; Depression; Pharmaceutical assistance; Essencial medications.

Abstract

Introduction: The judicialization of medicines has generated debates about the efficacy, effectiveness and efficiency of the Brazilian health system and the need for reforms to improve access to treatments. Objective: To map the process of judicialization of antidepressant medications in Brazil and its influence on the management capacity of pharmaceutical assistance in mental health care. Method: Scope review. Results: 35 scientific publications were retrieved. 9 were excluded due to duplicate records. 8 were removed because they did not meet the inclusion criteria. 2 were restricted access. 1 presented incompatible methodology. 15 were selected. Of the 15 works selected, 8 were articles, 4 master's theses, 2 doctoral theses and 1 undergraduate course completion work. There are, therefore, 6 publications from 2022, 5 from 2019, 3 from 2021, 2 from 2023 and 1 from 2020. Conclusion: It is inferred that judicial decisions in favor of the supply of medicines compromise the process of governance, planning, and management of the Unified Health System (SUS), damaging the budget/financing, increasing expenses, disorganizing the flow, and compromising its sustainability.

References

Bail, D. C. S. (2023). Judicialização do acesso a medicamentos e políticas públicas: Um estudo de caso do estado do Paraná de 2018 a 2020. [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal Tecnológica do Paraná]. Repositório Universidade Federal Tecnológica do Paraná.

Barros, R. D., Costa, E. A., Santos, D. B., Souza, G. S., Álvares, J., Guerra Junior, A. A., Acurcio, F. A., Guibu, I. A., Costa, K. S., Karnikowski, M. G. O., Soeiro, O. M., Leite, S. N. (2017). Acesso a medicamentos: relações com a institucionalização da assistência farmacêutica. Rev. De Saúde Pública, 51(2), 1-11. DOI: https://doi.org/1011606/S1518-8787.2017051007138.

Bastos, J. L. D., & Duquia, R. P. (2007). Um dos delineamentos mais empregados em epidemiologia: estudo transversal. Scientia Medica, 17(4), 229-232. https://revistaseletronicas.pucrs.br/index.php/scientiamedica/article/view/2806/2634

Bermudez, J. A. Z., Esher, A., Osorio-de-Castro, C. G. S., Vasconcelos, D. M. M., Chaves, G. C., Oliveira, M. A., Silva, R. M., & Luiza, V. L. (2018). Assistência farmacêutica nos 30 anos do SUS na perspectiva da integralidade. Rev. Ciência & Saúde Coletiva, 23(6), 937-1951. 10.1590/1413-81232018236.09022018. https://www.scielosp.org/pdf/csc/2018.v23n6/1937-1949/pt

Bezerra, T. M., Macedo Filho, N. A., & Soler, O. (2022). Regulatory frameworks and the role of the pharmacist in the veterinary drug market for companion animals: integrative review. Research, Society and Development, 11(4), e36411427604. https://doi.org/10.33448/rsd-v11i4.27604

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. [recurso eletrônico] — Brasília: Supremo Tribunal Federal, Secretaria de Altos Estudos, Pesquisas e Gestão da Informação, 2023. eBook (264 p.) Atualizada até a EC n. 131/2023. https://www.stf.jus.br/arquivo/cms/legislacaoConstituicao/anexo/CF.pdf e-ISBN: 978-85-54223-73-1.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições de promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e funcionamento dos serviços de saúde e dá outras providências. Portal da Legislação, Brasília, set. 1990. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8080.htm>. Acesso em: 14 jul. 2015.

Brasil. (2015). Conselho Nacional de Justiça. Judicialização da saúde no Brasil: dados e experiência. 2015. Brasília; Conselho Nacional de Justiça; 2015. 142 p. tab, graf. | Integralidade | Fiocruz (bvsalud.org). https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/int-4716

Brasil. (2018). Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Assistência Farmacêutica no SUS: 20 anos de políticas e propostas para desenvolvimento e qualificação: relatório com análise e recomendações de gestores, especialistas e representantes da sociedade civil organizada. https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/assistencia_farmaceutica_sus_relatorio_recomendacoes.pdf

Brasil. (2018). Tribunal de Contas da União. Relatório de Auditoria Operacional Judicialização da Saúde no Brasil. https://www.tcu.gov.br/autenticidade.

Brasil. (2014). Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei n° 13.021, de 08 de agosto de 2014. Dispõe sobre o exercício e a fiscalização das atividades farmacêuticas.). https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13021.htm

Caetano, C. R. (2019). Judicialização do acesso a medicamentos no estado de Santa Catarina (2000-2018): Organização, causas, impactos e medidas de enfrentamento. [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina]. Biblioteca Universitária da Universidade Federal de Santa Catarina.

Carneiro, M. A., Oliveira, C. R. Mesquita, J. A., Zanon, P. E. H. S., Motta, P. G., Públio, R. N., & Valadão, A. F. (2019, mar. mai.). Solicitações judiciais de medicamentos em um município de Minas Gerais. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research. 25-32.

Carvalho, A. R., Souza, L. R., Gonçalves, S. L., & Almeida, E. R. F. (2021). Vulnerabilidade social e crise sanitária no Brasil. Cad. Saúde Pública, 37(9), 1-5. https://www.scielo.br/j/csp/a/q4HxP8Mvvh4PMPyTJWL4SGQ/

Catanheide, I. D., Lisboa, E. S., & Souza, L. E. P. F. Características da judicialização do acesso a medicamentos no Brasil: uma revisão sistemática. Physis Rev. De Saúde Coletiva, 26(4), 1335-1356, 2016. https://www.scielo.br/j/physis/a/WLkY6PMnhWf9gJk86BmndHf/

Corrêa, G. C. G., Campos, I. C. P. de, & Almagro, R. C. (2018). Pesquisa-Ação: uma abordagem prática de pesquisa qualitativa. Ensaios Pedagógicos, 2(1), 62-72. https://www.ensaiospedagogicos.ufscar.br/index.php/ENP/article/view/60

Correia, J. V., & Zaganelli, M. V. (2022). Determinações judiciais sobre medicamentos não padronizados: um estudo sobre as decisões do Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo. Cad. Ibero-amer. Dir. Sanit. 204-222. https://doi.org/10.17566/ciads.v11i4.782.

Espírito Santo. (2023). Procuradoria da República no Espírito Santo. Autuação. In: Glossário de Termos Jurídicos. [Vitória: Ministério Público Federal, 2023]. https://www.mpf.mp.br/es/sala-de-imprensa/glossario-de-termos-juridicos

Ercole, F. F, Melo, L. S., & Alcoforado, C. L. G. C. (2014). Revisão integrativa versus revisão sistemática. Rev Min Enferm., 18(1), 9-12. http://www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20140001

Fernandes, D. (2021). Quatro dados que mostram por que Brasil é um dos países mais desiguais do mundo. BBC News Brasil. https://www.bbc.com/portuguese/brasil-59557761

Franco, G. S. M. (2019). Acesso a medicamentos: Um estudo sobre judicialização e fornecimento de medicamentos. [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul]. Repositório Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Machado, F. L. S., Santos, D. M. S. S., & Lopes, L. C. (2021) Strategies to approach medicines litigation: An action research study in Brazil. Frontiers in Pharmacology. https://10.3389/fphar.2021.612426.

Mendes, K. D. S., Silveira R. C. C. P., Galvão C. M. (2008). Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm,17(4),758-64. https://www.scielo.br/j/tce/a/XzFkq6tjWs4wHNqNjKJLkXQ/#

Moher, D., Liberati, A., Tetzlaff, J., Altman, D. G., & The Prisma Group. (2009). Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses: The PRISMA Statement. PLoS Med., 6(7), e1000097. 10.1371/journal.pmed1000097

Moitinho, A. C. B. (2020). Judicialização da saúde: perfil do paciente e demandas do Sistema Único de Saúde no município de Limeira-SP. [Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Campinas]. Biblioteca da Faculdade de Odontologia de Piracicaba.

Murad, M. H., Asi, N., Alsawas, M., & Alahdab, F. (2016). New evidence pyramid. Evid Based Med, 21(4), 125-127. 10.1136/ebmed-2016-110401.

Oliveira, N. K. (2022). Judicialização de medicamentos no VI Departamento Regional de Saúde: análise descritiva e comparativa ao Estado de São Paulo. [Tese de Doutorado, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”]. Biblioteca da Faculdade de Medicina de Botucatu.

O’Neill, J., Tabish, H., Welch, V., Petticrew, M., Pottie, K., & Clarke, M. (2014). Applying an equity lens to interventions: using PROGRESS ensures consideration of socially stratifying factors to illuminate inequities in health. J Clin Epidemiol, 67, 56-64. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/24189091/

OpenAI. (2024). GPT-3.5: Language Models and Chatbots. ChatGPT é uma inteligência artificial de linguagem natural desenvolvida pela OpenAI, que usa uma arquitetura de rede neural para gerar respostas a perguntas feitas por usuários.

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). (2022). Pandemia de Covid-19 desencadeia aumento de 25% na prevalência de ansiedade e depressão em todo o mundo. OPAS. https://www.paho.org/pt/noticias/2-3-2022-pandemia-covid-19-desencadeia-aumento-25-na-prevalencia-ansiedade-e-depressao-em

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). (2023). Transtornos Mentais. Saúde e apoio. Escritório Regional para as Américas da Organização Mundial da Saúde. Brasília. https://www.paho.org/pt/topicos/transtornos-mentais

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). (2022). Um guia para a tomada de decisões informada por evidências, inclusive nas emergências de saúde. Washington, D.C.: OPAS. E-book. https://iris.paho.org/handle/10665.2/56649

Organización Mundial de la Salud (OMS). (2002). Perspectivas políticas sobre medicamentos de la OMS: Selección de medicamentos esenciales. Genebra: OMS. apps.who.int/medicinedocs/ pdf/h3006s/h3006s.pdf

Page, M. J., McKenzie, J. E., Bossuyt, P. M., Boutron, I., Hoffmann, T. C.; Mulrow, C. D.; & Moher, D. (2021). The PRISMA 2020 statement: an updated guideline for reporting systematic reviews. International journal of surgery, 372(71). http://dx.doi.org/10.1136/bmj.n71. https://www.bmj.com/content/bmj/372/bmj.n71.full.pdf

Pereira, A. M., Abrantes, M. L. F., Silva, M. S., Diniz, S. N., Gonçalves, I. D., Periera, R. M. S., & Santos, M. L. (2020). O impacto da judicialização dos medicamentos no Estado do Mato Grosso. Ensaios. 183-188.

Ratts, N. P., Alencar, G. O., Barreto, M. F. R., & Saraiva, E. M. S. (2019). Perfil das demandas judiciais para solicitação de medicamentos do município de Crato – CE. Cad. Cult. Cien. pp. 73-82.

Santos, A. C. V. G., Oliveira, G. D. de, Araújo, J. C. O., & Gomes, J. S. (2023). Protocolos clínicos e intervenções judiciais para o tratamento da Atrofia Muscular Espinhal – AME: um diálogo possível? Concilium, 23(21), 173-192. 10.53660/CLM-2430-23S35

Silva, E. L. P., Soares, J. C. F., Machado, M. J., Reis, I. M. A., & Cova, S. C. (2020, jan.). Avaliação do perfil de produção de fitoterápicos para o tratamento de ansiedade e depressão pelas indústrias farmacêuticas brasileiras. Brazilian Journal of Development. 3119-3135.

Shea, B. J., Grimshaw, J. M., Wells, G. A., Boers, M., Andersson, N., Hamel, C., Porter, A. C., Tugwell, P., Moher, D., & Bouter, L. M. (2007). Development of AMSTAR: a measurement tool to assess the methodological quality of systematic reviews. BMC Med Res Methodol., 7(10). 10.1186/1471-2288-7-10.

Soler, O. Costa, B. W. B., Macedo, C. L., & Lima, G. C. (2023). Institucionalização da assistência farmacêutica nas 13 regiões de saúde do Estado do Pará [livro eletrônico]. Belém, PA: LPS Serviços. COSEMS/PA. https://observatoriofarma.ufpa.br/livro-institucionalizacao-da-assistencia-farmaceutica-para/

Soler, O., & Leitão, V. B. G. (2022). Caracterização dos municípios participantes [livro eletrônico]: análise da relação municipal de medicamentos do componente básico da assistência farmacêutica e processos de aquisição praticados pelos municípios brasileiros em 2018: Caderno 1. Organização Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems).

Souza, K. A. D. O., Souza, L. E. P. F. D., & Lisboa, E. S. (2018). Ações judiciais e incorporação de medicamentos ao SUS: a atuação da Conitec. Saúde em Debate, 42, 837-848. https://doi.org/10.1590/0103-1104201811904

Souza, M. N. (2021). Medicamentos antidepressivos: identificação do acesso por diferentes vias em Florianópolis, SC. [Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal de Santa Catarina]. Biblioteca Universitária da Universidade Federal de Santa Catarina.

Thiollent, M. (2022). Metodologia da pesquisa-ação. Cortez Editora, 136 p.

Tricco, A. C., Lillie, E., Zarin, W., O'Brien, K. K., Colquhoun, H., Levac, D., & Straus, S. E. (2018). PRISMA Extension for Scoping Reviews PRISMA-ScR): checklist and explanation. Ann Intern Med, 169(7), 467-73. https://doi.org/10.7326/M18-0850

Trindade, M. C. N. (2022). Judicialização do acesso a medicamentos: uma análise a partir da literatura e dos casos do Brasil e da Colômbia. 2022. [Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina]. Biblioteca Universitária da Universidade Federal de Santa Catarina.

Vaz, M. M. (2022). Uso de plantas medicinais no Sistema Único de Saúde: Uma revisão da produção científica no período de 2012 a 2022. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Gestão em Saúde) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Escola de Administração, Porto Alegre, 2022. https://lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/255766/001164227.pdf?sequence=1

Vaz, M. M., Costa, B. W. B., & Soler, O. (2023). A judicialização de medicamentos antidepressivos no Brasil: Revisão de escopo. https://osf.io/e7g2x/

Vieira, F. S. (2023). Judicialização e direito à saúde no Brasil: uma trajetória de encontros e desencontros. Revista de Saúde Pública, 1-10. https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2023057004579.

World Health Organization (WHO). (2014). Bigdeli, M., Peters, D. H., & Wagner, A. K. (Publishers). Medicines in Health Systems: Advancing access, affordability, and appropriate use. 114p. https://iris.who.int/bitstream/handle/10665/179197/9789241507622_eng.pdf

Yoshida, W. B. (2007). Editorial. Redação do relato de caso. J. Vasc. Bras., 6(2), 112-113. https://www.scielo.br/j/jvb/a/vnKt5ttNpdFMjf6dLcmnM4Q/?format=pdf

Published

22/01/2024

How to Cite

VAZ, M. M. .; SOLER, O. The judicialization of antidepressant medicines in Brazil: Scope review. Research, Society and Development, [S. l.], v. 13, n. 1, p. e10413144838, 2024. DOI: 10.33448/rsd-v13i1.44838. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/44838. Acesso em: 27 may. 2024.

Issue

Section

Health Sciences