Evaluation of different spacings in the vegetative and productive development of okra

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v13i3.45314

Keywords:

Okra; Quality; Production.

Abstract

Okra is a vegetable of great nutritional value, and its culinary versatility, as well as its adaptability to different climatic conditions, make it an interesting option for vegetable crops. However, aspects related to its development and management still require further study to allow for increases in productivity. Cultivation under different spacing can interfere with the emission of lateral branches, thus altering its production. Therefore, the objective of this study was to evaluate the influence of different row spacings on the vegetative development and production of the 'Santa Cruz 47' okra cultivar. A randomized block design was used, with five different row spacings (0.80; 0.90; 1.00; 1.10; and 1.20 m). It was observed that higher plant density reduced the number of productive stems and, consequently, resulted in a lower number of fruits per plant. However, this higher density provided the highest productivities, suggesting the importance of proper spacing to optimize okra production. These results provide valuable insights for farmers and researchers interested in maximizing the yield of this vegetable.

References

Bazán, U. R. A. (2006). Avaliação de germoplasmas de quiabeiro (Abelmoschus esculentus) quanto à resistência ao Oídio (Erysiphe cichoracearum). 47 f. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho.

Carvalho, N. M. & Nakagawa, J. (2005). Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4ed. Campinas: Fundação Cargill. 429 p.

Carvalho, S. P. & Silveira, G. S. R. (2015). Cultura do quiabo.

Cavalcante, L. F., Diniz, A. A., Santos, L. C. F., Rebequi, A. M., Nunes, J. C. & Brehm, M. A. D. S. (2010). Teores foliares de macronutrientes em quiabeiro cultivado sob diferentes fontes e níveis de matéria orgânica. Ciências Agrárias, Londrina. 31(1), 19-28.

Cunha, C. M. & Menezes, A. S. & Cristna, M. & Souza, M. R. & Silva, K. F. & Moreira, F. J. C. & Sales, M. L. M. (2014). Crescimento inicial do quiabeiro (Abelmoschus esculentus) cultivado com diferentes doses de esterco bovino. Agropecuária Científica no Semiárido, 10(4).

Embrapa. (2011). Sistema de Produção para a Cultura do Quiabo; Minas Gerais. Governador Valadares.

Ferreira, D. F. (2011). Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, Lavras, 35(6), 1039-1042.

Filgueira, F. A. R. (2000). Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. Viçosa: UFV, 302 p.

Filgueira, F. A. R. (2008). Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. Viçosa: UFV, 421 p

Filgueira, F. A. R. (2008). Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. Viçosa: UFV, 407 p.

Filgueira, F. A. R. (2012). Novo manual de olericultura. (3a ed.), Viçosa: Editora UFV, 474p.

Filgueira, F. A. R. (2018). Novo manual de olericultura. (4a ed.), Viçosa: Editora UFV, 371p.

Galvao, H. L. & Ferreira, A.P.S. & França, C. F. M. & Finger Fl. & Correa, P.C. (2011). Qualidade de quiabo pré-resfriado embalado com filme de PVC e armazenado em refrigeração. Revista Brasileira de Armazenamento, 36(1).

IBGE, Censo Agropecuário. (2022). IBGE: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Quiabo.

Jarret, R. L., Wang, M. L. & Levy, I. J. (2011). Seed oil and fatty acid content in okra (Abelmoschus esculentus) and related species. Journal of Agricultural and Food Chemistry. 59(8), 4019–24.

Mota, et al. (2008). Composição mineral de frutos de quatro cultivares de quiabeiro. Agrotec, 32(3).

Moura, A. P. D. & Guimarães, J. A. (2014). Manejo de pragas na cultura do quiabo. Brasília, DF: Embrapa Hortaliças, 12.

Paes, H. M. F. & Esteves, B. S. & Sousa, E. F. (2012). Determinação da demanda hídrica do quiabeiro em Campos dos Goytacazes, RJ. Revista Ciência Agronômica, 43(2).

Passos, F. A. & Melo, A. M. T, Tavares, M. & Yuri, V. A. (2014). Avaliação de cor e formato do fruto em quiabo. Horticultura Brasileira, Brasileira, v.18, suplemento, 647-648.

Santos, Y. & Silva, R. & Guimarães, L. & Guimarães, N. & Mendes, Í. (2006). Influência da utilização de esterco bovino no desenvolvimento vegetativo de mudas de quiabo.

Sediyama, M. A. N. et al. (2009). Produtividade e estado nutricional do quiabeiro em função da densidade populacional e do biofertilizante suíno. Bragantia, 68, 913-920.

Setubal, J. W. & Zanin, A. C. W. & Sittolin, I. M. (2009). Hábito de florescimento do quiabeiro cv. Amarelinho em função da população de plantas. In: Congresso Brasileiro De Olericultura, 44.

Setubal, J. W. & Zanin, A. C. W. & Sittolin, J. M. (2004). Hábito de florescimento do quiabeiro cv. Amarelinho em função da população de plantas. Horticultura Brasileira, 22(2), 482.

Setubal, J. W. & Zanin, A. C. W. & Sittolin, J. M. (2007). Produção de sementes de quiabeiro cv. Amarelinho: efeito da densidade de plantio e localização na planta. Horticultura Brasileira, 25(1).

Souza, I. M. D. E. (2012). Produção do quiabeiro em função de diferentes tipos de adubação. São Cristóvão: UFS - Universidade Federal de Sergipe, 66p. Dissertação Mestrado.

Trani, P. E., et al. (2013). Calagem e adubação para a cultura do quiabo. 4 p.

Wu, Y. et al. (2003). Densely planted okra for destructive harvest: II. Effects on plant architecture. HortScience, 38, 1365-1369.

Zanin, A. C. W. & Kimoto, T. (1980). Efeito da adubação e espaçamento na produção de sementes do quiabeiro. Revista Brasileira de Sementes, 2, 105-112.

Published

23/03/2024

How to Cite

MOURA JUNIOR, C. R. .; GONÇALVES, L. D.; DOMINGOS, M. G. Evaluation of different spacings in the vegetative and productive development of okra. Research, Society and Development, [S. l.], v. 13, n. 3, p. e9113345314, 2024. DOI: 10.33448/rsd-v13i3.45314. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/45314. Acesso em: 13 jun. 2024.

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences