Considerations regarding child violence and nurses' actions: an essay of the literature

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.6712

Keywords:

Child health; Nursing; Child violence.

Abstract

The concept of childhood is widespread in several areas of knowledge and common sense. It is through a social construction, over the centuries, that you can understand the place that knowledge about childhood and children occupies today. Based on this, the role that will occupy the course of its entire history is related to the implementation of public policies aimed at childhood and the current reality. This is a bibliographic review of the literature, with a qualitative and descriptive approach in order to relate how nurses' actions in the face of child violence and describe relevant considerations in the face of child violence. From this preliminary reading, 17 articles were selected that maintain consistency with the descriptors presented above and with the objectives of the study. After reflective reading, three categories emerged: Requirements for child health care in the face of violence; Repercussions of child violence on the child's growth and development; Nursing Contributions in the assistance to the child victim of Violence. Once started in the analysis categories, it moves on to the final stage of inference and discussion of the data used, using the backing or using the articulation between the content recorded in the scientific productions and a critical-reflexive attitude of the researchers. It is concluded that it is necessary the professional skill of a nurse in the identification of cases of abuse, whether sexual, domestic violence, among others, the same way that it is fundamental to be alert and recognize suspicious foreshadows and conduct.

Author Biography

Wanderson Alves Ribeiro, Universidade Iguaçu

Enfermeiro. Mestre pelo Programa Acadêmico em Ciências do Cuidado em Saúde pela Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da UFF, Niterói/RJ. Pós-Graduando em Alta Complexidade com ênfase em CTI (UNIGRANRIO0; Saúde da Família (UNIRIO); Informática em Saúde (UNIFESP); Nefrologia Multidisciplinar (UFMA); Pediatria e Neonatologia (FAVENI); Enfermagem em Oncologia (IBRA); Gestão de Redes de Atenção à Saúde (FIOCRUZ); Enfermagem em Estomaterapia (UERJ). Professor Substituto no Departamento de Enfermagem Fundamental da Escola de Enfermagem Anna Nery/UFRJ. Docente do Curso de Graduação da UNIG e UCB. E-mail: nursing_war@hotmail.com

References

Araújo, C. C. J., Coura, A. S., França, I. S. X. D., Araújo, A. K. F., & Medeiros, K. K. A. S. (2015). Consulta de enfermagem às pessoas surdas: uma análise contextual. ABCS Health sci, 40(1), 38-44.

Araújo Dantas, T. R., Gomes, T. M., da Costa, T. F., de Azevedo, T. R., da Silva Brito, S., & Costa, K. N. D. F. M. (2014). Comunicação entre a equipe de enfermagem e pessoas com deficiência auditiva [Communication between nursing team and people with hearing impairment]. Revista Enfermagem UERJ, 22(2), 169-174.

Bornholdt, L., Pauli, E., Hildebrandt, L. M., Kinalski, S. S., Van Der Sand, I. C. P., & Leite, M. T. (2019). Cuidados de enfermagem a indivíduos com surdez e/ou mudez em instituição hospitalar. Revista Enfermagem Atual In Derme, 89(27).

Brasil, M. S. (2008). Estatuto da Criança e do Adolescente/Ministério da Saúde. Brasília: Editora do Ministério da Saúde [on-line].

Brito, L. M., & Lavareda, W. D. C. (2015). O enfermeiro e os desafios da inclusão: outros “entrelugares” da formação e da prática profissional. Comunicação em Ciências da Saúde, 26(01/02).

Britto, F. D. R., & Samperiz, M. M. F. (2010). Dificuldades de comunicação e estratégias utilizadas pelos enfermeiros e sua equipe na assistência ao deficiente auditivo. Einstein (São Paulo), 8(1), 80-85.

Cunha, R. P. S., Pereira, M. C., & Oliveira, M. L. C. D. (2019). Enfermagem e os cuidados com pacientes surdos no âmbito hospitalar. Revista de Divulgação Científica Sena Aires, 8(3), 367-377.

Della Giustina, F. P., das Neves Carneiro, D. M., & de Souza, R. M. (2015). A enfermagem e a deficiência auditiva: assistência ao surdo. Revista de Saúde-RSF, 2(1).

Diocesano, T. F. A., & Berkenbrock, C. D. M. (2020). Infância Segura: um jogo colaborativo para a prevenção da violência sexual infantil. Revista Brasileira de Computação Aplicada, 12(1), 32-43.

Egry, E. Y., Apostólico, M. R., Morais, T. C. P., & Lisboa, C. C. R. (2017). Enfrentar a violência infantil na Atenção Básica: como os profissionais percebem?. Revista Brasileira de Enfermagem, 70(1), 119-125.

Faro, A. C. M., & Gusmai, L. D. F. (2013). Educação Inclusiva em Enfermagem: análise das necessidades de estudantes. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 47(1), 229-234.

Ferreira, Y. (2019). As dificuldades dos profissionais de enfermagem da Atenção Básica em prestar atendimento à Pessoa Com Deficiência (PCD) auditiva e/ou fala. Revista Científica do Instituto Ideia, 1(8), 233-250.

França, E. G., Pontes, M. A., Costa, G. M. C., & de França, I. S. X. (2016). Dificuldades de profissionais na atenção à saúde da pessoa com surdez severa. Ciencia y Enfermería, 22(3), 107-116.

Freitas, R J. M.; Moura, N. A.; Monteiro, A. R. M. (2016). Violência Contra crianças/adolescentes em sofrimento psíquico e cuidado de enfermagem: Reflexões da fenomenologia Social. Revista Gaúcha de Enfermagem (online). 37, 52887.

Frota, M. A., de Lima, L. B., de Paiva Oliveira, M. G., Nobre, C. S., do Couto, C. S., & Noronha, C. V. (2016). Perspectiva materna acerca da repercussão da violência doméstica infantil no desenvolvimento humano. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, 6(2).

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. Ediitora Atlas SA.

Gonçalves, M. J. R., & Silvano, A. G. N. (2019). A importância da comunicação eficaz no atendimento à pessoa com deficiência auditiva. Revista JRG de Estudos Acadêmicos, 2(5), 267-279.

Von Hohendorff, J., & Patias, N. D. (2017). Violência sexual contra crianças e adolescentes: identificação, consequências e indicações de manejo. Barbarói, (49), 239-257.

Köche, J. C. (2016). Fundamentos de metodologia científica. Editora Vozes.

Lawder, I. B., Takahashi, M. M. T., & de Oliveira, V. B. C. A. (2015). A abordagem do enfermeiro frente aos casos de violência sexual contra a criança. Anais do EVINCI-UniBrasil, 1(4), 1507-1519.

Lopes, C. L (2020). O Papel do Enfermeiro na Violência Sexual de Crianças e Adolescentes. Revista Psicologia & Saberes, 9(15), 125-140.

Machado, J. C., & Vilela, A. B. A. (2018). Conhecimento de estudantes de enfermagem na identificação de crianças em situação de violência doméstica. Rev. enferm. UFPE on line, 83-90.

Maia, J. N., Ferrari, R. A. P., Gabani, F. L., Tacla, M. T. G. M., dos Reis, T. B., & Fernandes, M. L. C. (2016). Violence against children: the routine of the professionals in the primary health care. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, 17(5), 593-601.

Marquete, V. F., Costa, M. A. R., & Teston, E. F. (2018). Comunicação com deficientes auditivos na ótica de profissionais de saúde. Revista Baiana de Enfermagem‏, 32.‎

Melo, R. A., de Lima Souza, S., Bezerra, C. S., & Fernandes, F. E. C. V. (2016). Assistência de enfermagem a criança e ao adolescente em situação de violência doméstica. ID on line Revista de Psicologia, 10(32), 245-259.

Minayo, M. C. D. S. (1989). O desafio do conhecimento: metodologia de pesquisa social (qualitativa) em saúde.

Miranda, R. S., Shubert, C. O., & Machado, W. C. A. (2014). A comunicação com pessoas com deficiência auditiva: uma revisão integrativa. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, 6(4), 1687-1706.

Nunes, A. J., & Sales, M. C. V. (2016). Violência contra crianças no cenário brasileiro. Ciencia & saude coletiva, 21, 871-880.

Pereira, E. L., de Almeida, C. M., de Queiroz, R. G., de Sá Rocha, R. A. S., Rocha, J. F., & Feitosa, F. D. S. Q. Entraves no atendimento ao paciente surdo: perspectiva dos profissionais da atenção básica.

Rodrigues, F. P. (2019). Violência infantil: uma experiência dos conselheiros tutelares. Revista Científica UMC, 4(3).

Rodrigues, F. P. (2019). Violência infantil: uma experiência dos conselheiros tutelares. Revista Científica UMC, 4(3).

Sá Fernandes, F., da Cruz, K. D., de Assis, B. F., de Assis, V. K. B., & Nery, F. S. (2017, December). O Olhar do Enfermeiro no Reconhecimento de Violência Sexual em Crianças e Adolescentes durante o Atendimento Hospitalar. In Congresso Internacional de Enfermagem, 1(1).

Sá, C. M. Q., de Lima, E. I. S., Ramos, F. M. C., da Silva, F. E. B., Oliveira, R. S., & de Araújo Carrilho, C. (2017). Atenção da equipe de enfermagem frente à violência sexual contra crianças e adolescentes. Mostra Interdisciplinar do curso de Enfermagem, 2(2).

Sanches, I. C. B., Bispo, L. P., Santos, C. H. D. S., França, L. S., & Vieira, S. N. S. (2019). O papel do enfermeiro frente ao paciente surdo. Rev. enferm. UFPE on line, 858-862.

Santos, L. (2018). A (des) construção de um conceito normativo de infância: relato de experiência como acompanhante terapêutico.

Santos, V. D. O. (2019). Acesso humanizado à pessoa com deficiência auditiva na emergência.

Santos Silva, N. G. P., & da Silva Andrade, E. G. (2018). Comunicação eficaz através da língua brasileira de sinais do profissional de enfermagem com os deficientes auditivos. Revista de Iniciação Científica e Extensão, 1(1), 11-17.

Silva, M. S., Milbrath, V. M., dos Santos, B. A., Bazzan, J. S., Gabatz, R. I. B., & Freitag, V. L. (2020). Assistência de enfermagem à criança/adolescente vítima de violência: revisão integrativa. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental, 114-122.

Silva Corrêa, C., Pereira, L. A. C., da Silva Barreto, L., Celestino, P. P. F., & André, K. M. (2010). O despertar do enfermeiro em relação ao paciente portador de deficiência auditiva. Revista de Pesquisa Cuidado é Fundamental Online, 2(2), 758-769.

Silva, P. S., Basso, N. A. D. S., & Fernandes, S. R. C. M. (2014). A enfermagem e a utilização da língua brasileira de sinais no atendimento ao deficiente auditivo. Revista UNINGÁ Review, 17(1).

Sommer, D., Franciscatto, L. G., Getelina, C. O., & Salvador, K. (2017). Caracterização da violência contra crianças e adolescentes: indicativos para a prática do enfermeiro. Revista de Enfermagem, 13(13), 14-28.

Trigueiro Filho, E. P. S., Silva, J. P. G. D., Freitas, F. F. Q., Alves, S. R. P., & Costa, K. N. D. F. M. (2013). Percepção de discentes de enfermagem sobre a comunicação com pessoas com deficiências visuais e auditivas. Rev. enferm. UFPE on line, 747-754.

Vaz, A. F. (2002). Aspectos, contradições e mal-entendidos da educação do corpo e a infância. Motrivivência, (19).

Veloso, L. U. P. (2015). Da silva LCL, De Sousa CR, Rodrigues PL. Violence profile in children 0-9 years of age treated. Rev Enferm UFPI.[Internet], 4(1), 97-105.

Wetterich, C. B., Barroso, H. C. S. M., & Freitas, D. A. (2020). A comunicação entre surdos e profissionais da saúde: uma revisão bibliográfica. Educação Profissional e Tecnológica em Revista, 4(1), 130-152.

Published

13/08/2020

How to Cite

Costa, L. G. da ., Costa, V. S. ., Silva, N. M. da ., Freitas, F. M. de ., Coutinho, M. T. ., Souza, C. A. de ., Eduardo, C. R. B. ., Ribeiro, W. A., Coutinho, V. V. A. ., Evangelista, D. da S. ., & Silva, A. A. da . (2020). Considerations regarding child violence and nurses’ actions: an essay of the literature. Research, Society and Development, 9(9), e79996712. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.6712

Issue

Section

Health Sciences