Quality characteristics of bananas cv. BRS Vitória in high maturity cultivated in Bananeiras-PB

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.6854

Keywords:

Description; Phenolics; Bioactive; Physicochemical.

Abstract

The bananas from cv. BRS Vitória, were developed to be resistant to pests and offer sensory and nutritional characteristics to consumers, however, their use in processing can be restricted only when they are ripe. The work evaluated the physical, physical-chemical characteristics and bioactive compounds of bananas cv. BRS Vitória, in a high stage of maturation. The bananas were class 15 with an average of 15.17 cm in length and yellow in color with brown spots, presented constitution within the parameters established by MAPA for banana pulp with averages of 0.31 % for ATT, 4.74 pH, 24.00 ° Brix, SST/ATT ratio of 76.80, AT and RA of 19.21 %, humidity of 77.22%, ash of 5,30 %, being characterized as a good source of minerals. Regarding the bioactive quantity, bananas stood out for presenting 147.75 mgEAG.100g-1, being considered a high polyphenol index. Thus, we conclude that bananas cv. BRS Vitória, even at a high stage of maturity, have acceptable quality characteristics. However, the use for fresh consumption and processing can occur even at a high stage of maturity.

Author Biographies

Luiz Eliel Pinheiro da Silva, Universidade Federa da Paraíba

Departamento de Gestão e Tecnologia Agroindustrial, Bacharel em Agroindústria.

Nadson Líbio Bezerra Ferreira, Universidade Federa da Paraíba

Departamento de Gestão e Tecnologia Agroindustrial, Bacharel em Agroindústria.

Valdy Gomes dos Santos, Universidade Federa da Paraíba

Departamento de Gestão e Tecnologia Agroindustrial, Bacharel em Agroindústria.

Gilsandro Alves da Costa, Universidade Federa da Paraíba

Docente do Departamento de Gestão e Tecnologia Agroindustrial, Doutor em Ciências de Alimentos.

Leandro Firmino Fernandes, Universidade Federa da Paraíba

Técnico de laboratório do Departamento de Gestão e Tecnologia Agroindustrial, Doutor em Agronomia.

References

Alcântara, B. M., Castilho, L. G., & Clemente, E. (2014). Desenvolvimento e análise físico-química da farinha da casca, da casca in natura e da polpa de banana verde das cultivares maçã e prata. e-xacta, 7(2), 107-114.

Amorim, A. C. P. (2012). Desenvolvimento, avaliação físico-química e sensorial de bananada com propriedades funcionais.

Andrade, G. W. D. (2019). Análise do efeito de óleo vegetal na maturação de frutos de bananeira (Musa spp).

AOAC International. (1970). Official methods of analysis of the Association of Official Analytical Chemists. Official methods of analysis of the Association of Official Analytical Chemists.

de Azevedo, N. F., Barros, D. L., Coelho, E. F., PAMPONET, A., & PORTO, G. (2011). Análise físico-químicas da bananeira prata anã, sobre diferentes lâminas e densidade de plantas. In Embrapa Mandioca e Fruticultura-Artigo em anais de congresso (ALICE). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA AGRICOLA, 40., 2011. Cuiabá. Geração de tecnologias inovadoras e o desenvolvimento do cerrado brasileiro: anais. Cuiabá: SBEA, 2011. 1 CD-ROM. CONBEA 2011..

Batista, D. D. V. S., Cardoso, R. L., Godoy, R. C. B. D., & Evangelista-Barreto, N. S. (2014). Estabilidade físico-química e microbiológica de banana passa orgânica. Ciência Rural, 44(10), 1886-1892.

Batista, P. H. D., Feitosa, A. K., de Almeida, G. L. P., Pandorfi, H., & de Oliveira Silva, D. A. (2019). Avaliação Econômica da Produção De Banana Nos Municípios de Iguatu e Cariús-CE. Multi-Science Journal, 2(2), 72-74.

Barros, S. V. D. S., Muniz, G. I. B. D., & Matos, J. L. M. D. (2014). Caracterização colorimétrica das madeiras de três espécies florestais da Amazônia. Cerne, 20(3), 337-342.

Brasil (2018). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n°. 37, de 08 de outubro de 2018. Continuação, Anexo II, Parâmetros analíticos e quesitos complementares aos padrões de identidade e qualidade de polpa de fruta. Diário Oficial da União, 08 de outubro de 2018.

Borges, M. T. M. R. (2003). Potencial vitamínico da banana verde e produtos derivados.

Carvalho, V. S. (2015). Aproveitamento da casca de banana na elaboração de barras de cereais: avaliação dos compostos bioativos, características físicas e sensoriais.

Castricini, A., de Oliveira, P. M., Coelho, E. F., dos Santos, M. G., Rodrigues, M. G. V., & Martineli, M. (2018). Manejo da irrigação na qualidade pós-colheita de banana tipo prata. Water Resources and Irrigation Management-WRIM, 7(2-3), 1-13.

CEAGESP (2006). Programa brasileiro para a modernização da horticultura & produção integrada de frutas. Normas de classificação de banana. São Paulo: CEAGESP.(Documentos, 29).

Chitarra, M. I. F., & Chitarra, A. B. (2005). Pós‐Colheita de Frutas e Hortaliças: Fisiologia e Manuseio. 2nd edn (Lavras: UFLA).

da Fonseca Antunes, B., Pereira, J. R., Bohmer, B. W., Jansen, C., Otero, D. M., & Zambiazi, R. C. (2017). Determinação de Vitamina C e Atividade Antioxidante de Frutas Nativas do Brasil. Revista da Jornada de Pós-Graduação e Pesquisa-Congrega Urcamp, 1300-1310.

da Silva Oliveira, D., Aquino, P. P., Ribeiro, S. M. R., da Costa Proença, R. P., & Pinheiro-Sant'Ana, H. M. (2011). Vitamina C, carotenoides, fenólicos totais e atividade antioxidante de goiaba, manga e mamão procedentes da Ceasa do Estado de Minas Gerais. Acta Scientiarum. Health Sciences, 33(1), 89-98.

de Araújo Filho, J. R. (2017). A cultura da banana no Brasil. Boletim Paulista de Geografia, (27), 27-54.

de Souza, A. P. S., Cândido, H. T., dos Santos, T. P. R., & Leonel, M. (2019). Caracterização da maturação da banana ‘São Domingos’. Anais Sintagro, 11(1).

Fellows, P. J. (2018). Tecnologia do Processamento de Alimentos-: Princípios e Prática. Artmed Editora.

Ferreira, M. D., & Spricigo, P. C. (2017). Colorimetria-princípios e aplicações na agricultura. Embrapa Instrumentação-Capítulo em livro científico (ALICE).

Fonseca, M. P., Castricini, A., Souza, J., de Oliveira, P. M., & Coelho, E. (2016). Avaliação física das cultivares de banana prata-anã e brs platina sob diferentes lâminas de irrigação. In Embrapa Mandioca e Fruticultura-Artigo em anais de congresso (ALICE). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA, 24., 2016, São Luis. Fruticultura: fruteiras nativas e sustentabilidade. São Luis, MA: SBF, 2016.

do Carmo Freitas, E., Barreto, E. S., de Barros, H. E. A., Silva, A. C. M., & da Silva, M. V. (2015). Processamento e caracterização físico-química de farinhas de resíduos de polpas de frutas congeladas da Theobroma grandiflorum e Fragaria vesca. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, Campina Grande, 17(4), 425-432.

Giami, S. Y., & Alu, D. A. (1994). Changes in composition and certain functional properties of ripening plantain (Musa spp., AAB group) pulp. Food chemistry, 50(2), 137-140.

Godoy, R. C. B. D., Waszczynskj, N., Santana, F. A., Silva, S. D. O., Oliveira, L. A. D., & Santos, G. G. D. (2016). Caracterização físico-química de variedades de banana resistentes à sigatoka negra para fins industriais. Ciência Rural, 46(9), 1514-1520.

Hansen, O. D. S., Fonseca, A. A. O., Vieira, E. L., Cardoso, R. D. C., & Bittencourt, N. S. (2010). Caracterização fisica e quimica de banana tipo terra da variedade Maranhão em três estádios de maturação. In Embrapa Mandioca e Fruticultura-Artigo em anais de congresso (ALICE). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE FRUTICULTURA, 21., 2010, Natal. Frutas: saúde, inovação e responsabilidade: anais. Natal: Sociedade Brasileira de Fruticultura, 2010..

Hattenhauer, S. K. & Carvalho, R. I. N. (2016). Caracterização física e química da banana ‘Nanica’ em função da época de colheita e do diâmetro do fruto em Corupá, SC. Disponível em: http://publicacoes.epagri.sc.gov.br/index.php/RAC/article/view/73. Acesso em: 07 ago. 2020.

Lutz–OAL, O. A. (2008). Métodos físico-químicos para análise de alimentos.

Jesus, S. C. D., Folegatti, M. I. D. S., Matsuura, F. C. A. U., & Cardoso, R. L. (2004). Caracterização física e química de frutos de diferentes genótipos de bananeira. Bragantia, 63(3), 315-323.

Larrauri, J. A., Rupérez, P., & Saura-Calixto, F. (1997). Effect of drying temperature on the stability of polyphenols and antioxidant activity of red grape pomace peels. Journal of agricultural and food chemistry, 45(4), 1390-1393.

Lima, M. B.; De Oliveira, S.; Ferreira, Silva Cláudia Fortes. (2012). Banana: o produtor pergunta, a Embrapa responde. Brasília, DF: Embrapa Informação Tecnológica; Cruz das Almas: Embrapa Mandioca e Fruticultura, 2012..

Neris, T. S., Sousa, S., Loss, R. A., Carvalho, J. W. P., & Guedes, S. F. (2018). Avaliação físico-química da casca da banana (Musa spp.) in natura e desidratada em diferentes estádios de maturação. Ciência e Sustentabilidade, 4(1), 5-21.

Pereira, G. P. (2012). Compostos bioativos e atividade antioxidante em bananas (Musa sp.).

Pereira, J. C. R., Gasparotto, L., & Pereira, M. (2005). BRS Vitória: nova cultivar de bananeira do subgrupo prata para o agronegócio no Estado do Amazonas. Embrapa Amazônia Ocidental-Comunicado Técnico (INFOTECA-E).

PONTES, S. F. O. (2009). Processamento e qualidade de banana da terra (Musa sapientum) desidratada. Itapetinga, BA. Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia.

Ribeiro, J., Alves, T., Pereira, A. D. S., Rufino, M., Alves, R., & Corrêa, M. D. M. (2009). Qualidade, compostos bioativos e atividade antioxidante em frutos de cultivares de bananeira produzidas no Ceará. In Embrapa Agroindústria Tropical-Resumo em anais de congresso (ALICE). In: ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA EMBRAPA AGROINDÚSTRIA TROPICAL, 7., 2009, Fortaleza. Resumos. Fortaleza: Embrapa Agroindústria Tropical, 2009. p. 33..

Ribeiro, L. R., Oliveira, L. M. D., Silva, S. D. O., & Borges, A. L. (2012). Caracterização física e química de bananas produzidas em sistemas de cultivo convencional e orgânico. Revista Brasileira de Fruticultura, 34(3), 774-782.

Santos, E. H. F., Figueiredo Neto, A., & Donzeli, V. P. (2016). Aspectos físico-químicos e microbiológicos de polpas de frutas comercializadas em Petrolina (PE) e Juazeiro (BA). Brazilian Journal of Food Technology, 19.

Santos, W. W. V., de Oliveira Silva, K. R., Barbosa, R. C., de Oliveira, J. B., da Silva, J. S. A., & de Medeiros, E. V. (2019). Efeito de diferentes métodos de maturação sobre a qualidade da banana prata. Diversitas Journal, 4(3), 1092-1104.

Saraiva, L. D. A., Castelan, F. P., Shitakubo, R., Hassimotto, N. M. A., Purgatto, E., Chillet, M., & Cordenunsi, B. R. (2013). Black leaf streak disease affects starch metabolism in banana fruit. Journal of agricultural and food chemistry, 61(23), 5582-5589.

Silva, É. R. D. (2017). Efeito do uso de revestimento na conservação pós-colheita de Banana musa paradisiaca L.(Banana prata).

Souza, P. G., Carvalho, J. W. P., Queiroz, T. M., Guedes, S. F., Loss, R. A., & Plens, I. C. (2018). Parâmetros Físico-Químicos de Biomassas Elaboradas com Diferentes Variedades de Bananas Verdes. Global Science and Technology, 11(3).

Yuyama, L. K., Macedo, S. Η., Yonekura, L., Aguiar, J. P., & Yuyama, K. (2000). Perfil nutricional das diversas formas de consumo de Banana (Musa parasidiaca, variedade pacovã) da Amazônia Brasileira. Acta Amazonica, 30(4), 677-677.

Published

22/08/2020

How to Cite

Silva, L. E. P. da, Ferreira, N. L. B., Santos, V. G. dos, Costa, G. A. da, & Fernandes, L. F. (2020). Quality characteristics of bananas cv. BRS Vitória in high maturity cultivated in Bananeiras-PB. Research, Society and Development, 9(9), e381996854. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.6854

Issue

Section

Agrarian and Biological Sciences