Coexistence of the city with its rivers: study of the riverside landscape in Teresina, Piauí, Brazil

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9582

Keywords:

Urban rivers; Riverside landscape; Open spaces.

Abstract

Population growth and the disordered urbanization process directly affect rivers and their banks, causing negative effects, such as the destruction of riparian forest, problems related to public health, increased flood risks, in addition to affecting physical and visual. Thus, this study aims to analyze the different riverside landscapes between the Juscelino Kubitschek and João Isidoro França bridges, in the city of Teresina, Piauí, Brazil. For landscape analysis, visits were made in loco, photographic record, survey of aerial photographs and satellite images, cartographic maps, collected at the City Hall of Teresina and on the internet, as well as analysis of the local relations of the urban structure, through urban covers and their overlays. In view of the analyzes carried out, it was possible to perceive the relationship of five riverside neighborhoods in the city of Teresina. The east side of the Poti River presents occupation represented by the highest income class, the greatest diversity of uses concentrated in commercial activities and a large amount of empty land, which can be configured as an action of real estate speculation. The west side of the Poti River also presents a diversity of activities, concentrated on institutional uses. In both cases, the Riberinho parks are still poorly structured. Thus, the importance of incorporating nature and environmental issues in urban guidelines is emphasized, since the insertion of green areas in the context of large cities can contribute to a re-urbanization, even on a smaller scale.

Author Biographies

Denise Rodrigues Santiago, Arquiteta e Urbanista

Architect and Urbanist from the Federal University of Piauí. Researcher at the Urban Landscape Laboratory - LUPA / UFPI.

Karenina Cardoso Matos, Universidade Federal do Piauí

Architect and Urbanist, PhD in Architecture and Urbanism, Adjunct Professor at the Department of Civil Construction and Architecture at the Federal University of Piaiuí. Coordinator of the Urban Landscape Laboratory - LUPA / UFPI.

Wilza Gomes Reis Lopes, Universidade Federal do Piauí

Architect, PhD, full professor at the Department of Civil Construction and Architecture (DCCA), at the Technology Center (CT) and at the Masters in Doctorate in Development and Environment (PRODEMA) at the Federal University of Piauí (UFPI). Coordinator of the Urban Landscape Laboratory - LUPA / UFPI.

Ana Luíza Soares Falcão, Arquiteta e Urbanista

Architect and Urbanist from the Federal University of Piauí. Researcher at the Urban Landscape Laboratory - LUPA / UFPI.

Ingred Mendes Ribeiro Sampaio, Arquiteta e Urbanista

Architect and Urbanist from the Federal University of Piauí. Researcher at the Urban Landscape Laboratory - LUPA / UFPI.

References

Almeida, L. Q., & Corrêa A. C. B. (2012). Dimensões da negação dos rios urbanos nas metrópoles brasileiras: o caso da ocupação da rede de drenagem da planície do Recife, Brasil. Geo UERJ, ano 14, 1(23), 114-135.

Araújo, C. C. (2009). Trilhas e Estradas: a formação dos bairros Fátima e Jóckey Clube (1960-1980). 2009. 114 f. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI, Brasil.

Barcellos, V. Q. (2000). Os parques: Velhas ideias e novas experiências. Paisagem e Ambiente: ensaios, 13, 51-71.

Bezerra, O. G., & Melo, V. L. M. O. (2014). Valores da paisagem: os significados dos rios e manguezais da cidade do Recife. Paisagem e Ambiente, 34, 95-106.

Brandão, J. M. S., Guimarães, J. C. S., Ferreira, A. L. R., Silva, P. B. S., Cordeiro, T. S., Freitas, R. B. de, Calazans, G. M., Oporto, L. T., & Cordeiro, J. (2017). Caracterização de processos erosivos em área urbana no município de Itabira, MG. Research, Society and Development, 6(3), 189-210. https://doi.org/10.17648/rsd-v6i3.109.

Brasil. Presidência da República. (1965). Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965. Institui o Código Florestal. Brasília: Diário Oficial da União. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4771.htm.

Brasil. Presidência da República do Brasil. (1989). Lei nº 7.803, de 18 de julho de 1989. Altera a redação da Lei n. 4.771, de 15 de setembro de 1965, e revoga as Leis n. 6.535, de 15 de junho de 1978, e 7.511, de 7 de julho de 1986. Recuperado de http://www.planalto. gov.br/ccivil_03/leis/L7803.htm.

Brasil. Lei nº 10.257 de 10 de julho de 2001. Regulamenta os arts. 182 e 183 da Constituição Federal, estabelece diretrizes gerais da política urbana e dá outras providências. Estatuto da Cidade. Brasília: Diário Oficial da União. Brasília, 2001. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LEIS_2001/L10257.htm.

Brasil. Presidência da República do Brasil. (2012). Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da área nativa. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm.

Brocaneli, P. F., & Stuermer, M. M. (2008). Renaturalização de rios e córregos no município de São Paulo. Exacta, São Paulo, 6 (1), 147-156.

Cavalcanti, R. S., Melo, L. C. O. & Monteiro, C. M. G. (2015). Como resgatar a relação da cidade com os ambientes naturais: projeto Parque Capibaribe, Recife – PE. Cidades Verdes, 03(08), 33-48.

Chaves, Joaquim. R. F. (1994). Subsídios para a História do Piauí. Teresina: Fundação Cultural Monsenhor Chaves.

Chaves, Monsenhor. (2013). Obra completa. Teresina: Fundação Cultural de Cultura.

Costa, L. M. S. A. (2006). Rios urbanos e o desenho da paisagem. In: Costa, L. M. S. A. (org.) Rios e paisagens urbanas em cidades brasileiras. Rio de Janeiro: Viana & Mosley, Editora Prourb, 9-15.

Façanha, A. C. (1998). Evolução de Teresina: agentes, processos e formas espaciais da cidade.). Dissertação de Mestrado em Geografia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife. PE, Brasil.

Façanha, A. C. (2003). A evolução urbana de Teresina; passado, presente e... Carta CEPRO, 22(1), 59-69.

Fernández, F. & Villanueva, A. (2013) Plan de Renovación Urbana del entorno del río Manzanares en Madrid. Urban-e: Territorio, Urbanismo, Sostenibilidad, Paisaje, Diseño urbano. Recuperado de http://urban-e.aq.upm.es/miscelanea/view/plan-de-renovaci-n-urbana-del-entorno-del-r-o-manzanares-en-madrid/full.

Ferrando, Francisco J. A. (2010). Expansión urbana, plan regulador metropolitano de Santiago y corredor fluvial del río Mapocho inferior. Revista de Urbanismo, 22, 58-74.

Ghilardi, A. S., & Duarte, C. R. S. (2006). Ribeirão Preto: os valores naturais e culturais de suas paisagens urbanas. In: Costa, L. M. S. A. (org.) Rios e paisagens urbanas em cidades brasileiras. Rio de Janeiro: Viana & Mosley, Editora Prourb, 95-119.

Giordano, L. C. (2004). Análise de um conjunto de procedimentos metodológicos para a delimitação de corredores verdes (greenways) ao longo de cursos fluviais. Tese de Doutorado, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, SP, Brasil.

Gomes, P. C. C. (2002). A condição urbana: ensaios de geopolítica da cidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Guimarães, E. A. (2011). Parques lineares como agenciadores de paisagem: realidades e possibilidades do rio Tubarão no contexto urbano de tubarão, SC. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Herzog, C. P. (2013). Cidades para todos: (re) aprendendo a conviver com a natureza. Rio de Janeiro: Mauad X.

Kliass, R. G. (1993). Parques urbanos de São Paulo. São Paulo: PINI.

Lima, I. M. M. F. (2002). Teresina: urbanização e meio ambiente. ScientiaetSpes. 1(2), 181-206.

Lins, F. F., Loureiro, F. E. V. L., & Albuquerque, G. A. S. C. (2000). Brasil 500 anos – a construção do Brasil e da América Latina: histórico, atualidade e perspectivas. Rio de Janeiro: CETEM.

Lourenço, I. B. (2013) Rios urbanos e paisagens multifuncionais: o projeto paisagístico como instrumento de requalificação urbana e ambiental. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Macedo, S. S., & Sakata, F. G. (2002). Parques Urbanos no Brasil. São Paulo: Edusp.

Magnoli, M. M. (2006). Espaço Livre: Objeto de Trabalho. Paisagem Ambiente: ensaios, 21, 175-198.

Matos, K. C. (2017). A cidade ribeirinha: desafios e possibilidades para o planejamento urbano-ambiental dos rios Parnaíba e Poti. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Mello, S. S. (2008). Na beira do rio tem uma cidade. Tese de Doutorado, Universidade de Brasília, Brasília, Brasil.

Mumford, L. (2004). A cidade na história: suas origens, transformações e perspectivas. (4a ed.), São Paulo: Martins Fontes.

Pereira, A. S., et al. (2018). Metodologia da pesquisa científica. [e-book]. Santa Maria. Ed. UAB/NTE/UFSM. Recuperado de https://repositorio.ufsm.br/bitstream/han dle/1/15824/Lic_Computacao_Metodologia-Pesquisa-Cientifica.pdf?sequence=1.

Saraiva, M. G. A. N. (1999). O rio como paisagem: gestão de corredores fluviais no quadro do ordenamento do território. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Schlee, M. B., Coelho Netto, A. L., Tângari, V. (2006). Mapeamento ambiental e paisagístico de bacias hidrográficas urbanas: estudo de caso do rio Carioca. In: Costa, L. M. S. A. (org.). Rios e paisagens urbanas em cidades brasileiras. Rio de Janeiro: Vianna e Mosley, 33-35.

Silva, C. P. A. da, Souza, A. R. de, Olivo-Neto, A. M., Lemes, S. A. de L., Silva-Alves, V. D., Santos Filho, M. dos, Silva, D. J. da & Carniello, M. A. (2020). Diversidade florística da comunidade arbórea de mata ripária do rio Paraguai em áreas de planalto e Pantanal, Mato Grosso, Brasil. Research, Society and Development, 9(10), e2209108399. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i10.8399.

Silva, E. M., Barboza, E. N., Morais, J. M. P. de, Souza, J. H. A. de, & Oliveira, B. B. de. (2020). Análise de sensação térmica no município de Barbalha, Ceará. Research, Society and Development, 9(7), e98973795. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i7.3795.

Silva-Sánchez, S., & Jacobi, P. R. (2012). Políticas de Recuperação de Rios Urbanos na Cidade de São Paulo. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais. 14 (2), 119-132.

Silva, C. C. G., & Mello, S. C. B. (2017). Recife, Veneza Brasileira: repensando a mobilidade urbana a partir de seus rios. Cidades, Comunidades e Territórios. 34, 1-26.

Tardin, R. H. (2008). Espaços Livres: Sistemas e Projeto Territorial. Sobre a ordenação do Território a partir dos espaços livres. Rio de Janeiro: 7Letras.

Teresina. Prefeitura Municipal de Teresina. (1988) II Plano Estrutural de Teresina. Teresina: PMT.

Teresina. Prefeitura Municipal de Teresina. (2002). Lei nº 3.151, de 23 de dezembro de 2002. Institui o Plano de Desenvolvimento Sustentável – Teresina Agenda 2015 como o Plano Diretor de Teresina. Teresina: Diário Oficial do Município.

Teresina. Prefeitura Municipal de Teresina. (2006). Lei nº. 3.558, de 23 de dezembro de 2006. Reinstitui o plano diretor de Teresina, denominado Plano de Desenvolvimento Sustentável – Teresina Agenda 2015, e dá outras providências. Teresina: Diário Oficial do Município.

Teresina. Prefeitura Municipal de Teresina. (2019). Lei Complementar nº 5.481, de 20 de dezembro de 2019. Dispõe sobre o Plano Diretor de Teresina, denominado Plano Diretor de Ordenamento Territorial (PDOT). Recuperado de https://semplan.teresina.pi.gov.br/wp-content/uploads/sites/39/2020/02/Lei-n%C2%BA-5.481-Comp.-de-20.12.2019-PDOT.pdf.

Travassos, L. R. F. C. (2010). Revelando os Rios: Novos paradigmas para a intervenção em fundos de vale urbanos na cidade de São Paulo. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Published

06/11/2020

How to Cite

Santiago, D. R., Matos, K. C., Lopes, W. G. R. ., Falcão, A. L. S., & Sampaio, I. M. R. (2020). Coexistence of the city with its rivers: study of the riverside landscape in Teresina, Piauí, Brazil. Research, Society and Development, 9(11), e1209119582. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9582

Issue

Section

Human and Social Sciences