Sexual behavior of elderly people and their vulnerabilities to sexually transmitted infections

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9641

Keywords:

Elderly health; Health vulnerability; Health education; Nursing.

Abstract

Objectives: to describe the sexual practices of elderly males and discuss their vulnerabilities to Sexually Transmitted Infections. Methodology: a descriptive, exploratory study with a qualitative approach developed in a university hospital in the city of Rio de Janeiro with 30 elderly people from November 2018 to January 2019, through semi-structured interview. The data were analyzed using the content analysis technique. Results and Discussion: The analysis pointed out 2 categories: The sexual practices of the elderly and Vulnerabilities of the elderly to sexually transmitted infections. It was found that, although the elderly have sexually active lives, there is a gap in knowledge about transmission and prevention strategies for sexually transmitted infections. This lack of knowledge increases the individual vulnerability that is referred to, information and protective behaviors or practices, highlighting the behavioral and rational bias, anchored in intersubjective relationships. Final Considerations: It becomes relevant to establish health education actions for the elderly, aimed at incorporating a safe sexual practice, based on demystifying information, regarding the training of nursing professionals, seeking to deconstruct the culture that sexual practice is not. performed in the elderly.

Author Biographies

Elizabeth Rose Costa Martins, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Graduação em Enfermagem pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1978)

Mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO (1994)

Doutorado em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ (2006)

Professor Associado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro -UERJ

Professor Colaborador do Programa de Pós-graduação da Faculdade de Enfermagem da – UERJ

Na área de ensino e pesquisa, atuando principalmente nos seguintes temas: enfermagem saúde do Homem e na Promoção a Saúde e Prevenção das IST/AIDS; saúde do adulto e idoso e Sistematização da assistência de enfermagem.

Pesquisador no Grupo de Pesquisa "Concepções Teóricas do Cuidar em Saúde e Enfermagem". Linha de pesquisa Fundamentos filosóficos, teóricos e tecnológicos para o cuidar em saúde e enfermagem, na UERJ.

Eliane de Lira Goulart Caminha, Universidade Veiga de Almeida

Residente de Enfermagem em Clínica Médica e Cirúrgica do Hospital Federal da Lagoa. Quinta colocada no Concurso para Residência da UNIRIO 2019 em Clínica Médica e Cirúrgica. Aprovada no Concurso para Residência em Saúde da Família da Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro 2019. Trigésima primeira colocada no concurso Acadêmico Bolsista 2017 da Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro, Modalidade: Rede Primária. Décima quarta colocada no concurso de acadêmico bolsista 2016 da Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro, modalidade: Saúde Coletiva.

Cristiane Maria Amorim Costa, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Graduação em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1985)

Especialização em Administração Hospitalar (1996)

Mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1998)

Especialização em Bioética (2010)

Doutorado no Programa de Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva (2015)

Professora Adjunta do Departamento de Fundamentos de Enfermagem. 

Professora do Programa de Pós-graduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva. Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

É membro do Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Tem experiência na área de Enfermagem e Bioética, atuando principalmente nos seguintes temas: sexualidade, educação, bioética, e justiça.

Beatryz Portella da Silva Correia, Universidade Veiga de Almeida

Bacharel em Enfermagem pela Universidade Veiga de Almeida - 2018. Convocada através do chamamento público para atuar na linha de frente contra o COVID-19 no HCAMP - RioCentro onde permaneci por três meses. Atualmente sou enfermeira líder de uma  unidade de pronto atendimento - UPA Rocha Miranda 

Thelma Spindola, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Graduação na Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro (1980)

Mestrado em Enfermagem na Escola Alfredo Pinto da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (1992)

Doutorado em Enfermagem na Escola Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro (2002)

Especialista em Enfermagem Obstétrica na Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2003)

É professora Associada do Departamento de Fundamentos de Enfermagem da Faculdade de Enfermagem - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, atuando na graduação e pós-graduação.

Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase na Pesquisa em Enfermagem e Enfermagem Obstétrica. Realizou estudos acerca do enfermeiro e a visão da profissão, o estudante de enfermagem e a profissão, saúde da mulher e enfermagem obstétrica, cuidado de enfermagem, gênero e sexualidade, consulta de enfermagem no pré-natal, o ambiente laboral associado aos riscos ocupacionais para os trabalhadores de enfermagem e as DST/HIV/Aids. É membro do grupo de pesquisa "Processos Sociocognitivos e Psicossociais do Cuidado de Saúde e Enfermagem de Grupos Populacionais" do Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e desenvolve estudos sobre a sexualidade da população jovem com enfoque para a prevenção de infecções sexualmente transmissíveis.

Raquel de Almeida Ramos Figueiredo, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Mestre em enfermagem pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Graduação em Enfermagem pela UERJ (2009). Pós graduação em Enfermagem Intensivista e especialização em Enfermagem Cirúrgica. Possuo experiencia em docência e assistência hospitalar e ambulatorial.

Karoline Lacerda de Oliveira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Acadêmica de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Participante da gestão administrativa da Liga de Trauma e Emergência de Enfermagem da Uerj, monitora de Biologia Celular, bolsista voluntária de iniciação cientifica na temática de Vulnerabilidade de homens jovens universitários diante das suas necessidades de saúde, membro do grupo de pesquisa na temática de saude do homem na linha de pesquisa de fundamentos filosóficos, teóricos e tecnológicos para o cuidar da saúde do homem tendo como orientadora Elizabeth Rose da Costa Martins. Foi voluntária do projeto de extensão Saúde é Brincadeira, realizado no Hospital Universitário Pedro Ernesto e ex participante de iniciação científica sobre "Asma e Poluentes ambientais" no Instituto de Medicina Social da UERJ

Andressa da Silva Medeiros, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Acadêmica de Enfermagem na Universidade do estado do Rio de Janeiro , Tecnica em Administração formada pelo Colégio Estadual Erich Walter Heinne (EWH), Bolsista de Iniciação Científica FAPERJ na temática da vulnerabilidade dos homens jovens universitários diante de suas necessidades de saúde como orientadora Elizabeth Rose Costa Martins, Membro do grupo de pesquisa na Temática da saúde do homem, na linha de pesquisa de Fundamentos filosóficos, teóricos e tecnológicos para o cuidar em saúde e enfermagem, na UERJ, , Monitora Voluntária da Disciplina de Farmacologia ministrada no quarto período da graduação , Integrante da Liga de Anatomia Humanada (LEAH) . Foi Ligante Acadêmica de Trauma e Emergência em Enfermagem ( LATREEnf / UERJ ), Foi Integrante na Liga Acadêmica de Saúde Mental de Enfermagem ( LIASME / UERJ )

Fabiana Cristina Silva da Rocha, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Mestre em Enfermagem pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ (2020), pós graduação em Enfermagem Oncologia Clínica pela Universidade Veiga de Almeida (2018) e graduação em Enfermagem pela Universidade Veiga de Almeida (2015). Atualmente é enfermeira do CMS Maria Augusta Estrella. Tenho experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Saúde do Homem, atuando principalmente nos seguintes temas: saúde do homem, saúde da criança,clinica médica, pré natal, oncologia, saúde do adulto.

Julia Sousa Martins de Almeida, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Veiga de Almeida (2015). Residência em enfermagem de clínica cirúrgica do Hospital Universitário Pedro Ernesto - FENF/UERJ (2018). Estomaterapeuta (pós-graduação em Estomaterapia na Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de janeiro - FENF/UERJ (2018). Atualmente iniciando o Mestrado Acadêmico na Faculdade de Enfermagem da Universidade do Estado do Rio de janeiro - FENF/UERJ (2019) e desenvolvendo o exercício profissional no Hospital Universitário pedro Ernesto (HUPE) no setor da UI Cirúrgica. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem. 

References

Araldi, L. M., Pelzer, M.T., Abreu, D. P. G., Saioron, I., Santos, S. S. C., & Ilha, S. (2016). Pessoas idosas com o vírus da imunodeficiência humana: infecção, diagnóstico e convivência. Rev Min. Enferm., 20, e 948. DOI: http://www.dx.doi.org/10.5935/1415-2762.20160017

Ayres, J. R. C. M., França, J. I., Calazans, G. J., & Saletti, F. H. C. (2003). O conceito de vulnerabilidade e as práticas de saúde: novas perspectivas e desafios. In D. Czeresnia, C. M. Freitas (Org.). Promoção da saúde: conceitos, desafios, tendências. 117-138 Rio de Janeiro: Fiocruz.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. Tradução Luís Antero Reto, Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70.

Brasil. (2009). Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: Plano de Ação Nacional. Brasília. Recuperado de http://portalsaude.saude.gov.br/i ages/pdf/2014/maio/21/CNSH-DOC-Plano-Nacional.PNAISH-2009-2011.pdf

Brasil (2013). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Estatuto do Idoso. (3a ed.), Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. (2012). Risco e Vulnerabilidade – Conceitos. Recuperado de http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/page/2012/50770/conceitos_de_risco

Lnerabilidade_pdf_32511.pdf&gt.

Brasil. Ministério da Saúde. (2017). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico- HIV/Aids. Brasília, DF: Ministério 20, 8- 18. 2017.

Dornelas, N. J., Nakamura, A. S., Cortez, L. E. R., & Yamaguchi, M. U. (2015). Sexually transmitted diseases among the elderly: a systematic review. Ciênc Saúde Colet., 20(12), 3853-64.

Gois, A. B., Santos, R. F. L., Silva, T. P. S., & Aguiar, V. F. V. (2017). Percepção do homem idoso em relação a sua sexualidade. Rev. Enfermagem em foco, 8(3), 14-18.

Guimarães, H. C. (2016). Sexualidade na terceira idade. Rev. Portal de Divulgação, 47(6), 37-40.

Martins, E. R. C., Medeiros, A. C., Oliveira, K. L., Fassarella, L. G., Moraes, P. C., & Spindola, T. (2020a). Vulnerabilidade de homens jovens e suas necessidades de saúde. Escola Anna Nery, 24 (1), e 20190203. DOI: https://doi.org/10.1590/2177-9465-ean-2019-0203

Martins, E. R. C., Oliveira, K. L., Medeiros, A. S., Fassarella, L.G., Franco, H. S., Rocha, F. C. S., Costa, G. M., Costa, C. M. A., Spindola, T., & Alves, F. S. (2020b.) Saúde do homem jovem e as práticas educativas na perspectiva da promoção a saúde. Research, Society and Development. 9(9), e400997351. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7351

Minayo, M. C. S. (2013). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo. São Paulo: Hucitec. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_artte xt&pid=S1413-81232007000400030

Oviedo, R. A. M., & Czeresnia, D. (2015). O conceito de vulnerabilidade e seu caráter biossocial. Rev. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, Botucatu, 19(53), 237-249.

Pereira, F. G. F., Pinheiro, S. J., Caetano, J. A., & Ataide, M. B. C. (2016). Características de práticas de educação em saúde realizadas por estudantes de enfermagem. Cogitare Enferm., 21(2):01-07.

Queiroz, M. A. C., Lourenço, R. M. E., Coelho, M. M. F., Miranda, K. C. L., Barbosa, R. G. B., & Bezerra, S. T. F. (2015). Representações sociais da sexualidade entre idosos. Rev Bras Enferm., 68(4):662-7.

Santos A. S., Arduini, J. B., Silva, L.C. F. (2014). Compreensão de idosos e familiares sobre sexualidade e HIV/Aids: estudo descritivo. Online braz j nurs. 13 (2), 175-185.

Vieira, K. F. L., Coutinho, M. P. L. & Saraiva, E. R. A. (2016). A sexualidade na velhice: representações sociais de idosos frequentadores de um grupo de convivência. Psicol. Cienc. Prof., 36(1),196-209.

Yoshida, V. C., & Andrade, M. G. C. (2016). O cuidado à saúde na perspectiva de trabalhadores homens portadores de doenças crônicas. Interface: Comuni., saúde, Educação. 20(58), 597-610.

World Health Organization. (2015). Sexually transmitted infections (STIs). Recuperado de http: ??www.who.int/mediacentre/factsheets/fs110/en/>.

Published

08/11/2020

How to Cite

Martins, E. R. C., Caminha, E. . de L. G., Costa, C. M. . A., Correia, B. P. da S. ., Spindola, T. ., Figueiredo, R. de A. R., Oliveira, K. L. de, Medeiros, A. da S., Rocha, F. C. S. da, & Almeida, J. S. M. de . (2020). Sexual behavior of elderly people and their vulnerabilities to sexually transmitted infections. Research, Society and Development, 9(11), e1569119641. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.9641

Issue

Section

Health Sciences