Family repercussion of the deinstitutionalization of the ent with mental disorder

Authors

DOI:

https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.10006

Keywords:

Deinstitutionalization; Mental disorder; Psychiatric reform; Psychiatric hospital.

Abstract

The deinstitutionalization of care for individuals with mental illness is one of the fundamental purposes of Psychiatric Reform in Brazil. Therefore, there is as a central phase, the resizing of the asylum with the argument of the gradual extinction of this circumstance, through the reduction of the number of beds and exchange for therapeutic services that are made available to the community. To identify the repercussions of the deinstitutionalization process for the family member of patients with mental disorders. Scientific articles were searched in the SCIELO, LILACS, BVS-BIREME databases, referring to the theme, with no distinct period. The inclusion criteria for the selection of the sample were: articles published in Portuguese, English, Spanish and European Portuguese that portrayed the theme under study, published and indexed in the referred databases. It can be seen that the greater predominance was given to the qualitative study with 12 articles (80%) due to being researches that mostly interpret qualitative data. It is understood, therefore, that living with the chronic condition becomes, in addition to the difficulties for the family member, a condition that alters the process of being healthy for individuals and groups.

References

Alegre-Agís, E. (2017). Internados en casa: del manicomio a la" institución doméstica total. Revista de la Asociación Española de Neuropsiquiatría, 37(131), 63-78.

Almeida, R. L. M., Pereira, H. M. B., Mcauchar, S. B. I., de Oliveira Magno, C., & Ferreira, A. P. (2019). Impacto da Desinstitucionalização na Qualidade de Vida de Indivíduos com Transtornos Psiquiátricos. Revista Eletrônica Acervo Saúde, 11(15), e 1233-e1233.

Araújo, N. C., de Araújo, T. M., do Carmo Araújo, T., & Freitas, A. M. C. (2019). Desinstitucionalização da saúde mental em um hospital psiquiátrico na Bahia, Brasil. Revista de Saúde Coletiva da UEFS, 9, 132-137.

Bessa, J. B., & Waidman, M. A. P. (2013). Família da pessoa com transtorno mental e suas necessidades na assistência psiquiátrica. Texto & Contexto-Enfermagem, 22(1), 61-70.

Bosi, M. L. M., Carvalho, L. B., Ximenes, V. M., Melo, A. K. D. S., & Godoy, M. G. C. (2012). Inovação em saúde mental sob a ótica de usuários de um movimento comunitário no nordeste do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 17, 643-651.

Brischiliari, A., & Waidman, M. A. P. (2012). O portador de transtorno mental e a vida em família. Escola Anna Nery, 16(1), 147-156.

Daltro, M. C. D. S. L., Moraes, J. C. D., & Marsiglia, R. G. (2018). Cuidadores de crianças e adolescentes com transtornos mentais: mudanças na vida social, familiar e sexual. Saúde e Sociedade, 27, 544-555.

Duarte, M. D. L. C., Carvalho, J. D., & Brentano, V. (2018). Percepción de los familiares acerca del grupo de apoyo realizado en una unidad de internación psiquiátrica. Revista Gaúcha de Enfermagem, 39.

Duarte, V. F., Neto, G. L., Rodrigues, L., & Campos, C. J. G. (2016). Ditos acadêmicos do ontem e do hoje acerca do papel da enfermagem no processo e rotina da desinstitucionalização. SMAD, Revista Electrónica en Salud Mental, Alcohol y Drogas, 12(2), 116-136.

Fagundes Júnior, H. M., Desviat, M., & Silva, P. R. F. D. (2016). Reforma Psiquiátrica no Rio de Janeiro: situação atual e perspectivas futuras. Ciência & Saúde Coletiva, 21, 1449-1460.

Filizola, C. L. A., Teixeira, I. M. D. C., Milioni, D. B., & Pavarini, S. C. I. (2011). Saúde mental e economia solidária: a família na inclusão pelo trabalho. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 45(2), 418-425.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa 4, 175. São Paulo: Atlas.

Kalam, A. F. A., Carbogim, F. D. C., Barbosa, A. C. S., Luiz, F. S., Paula, C. F. D., & Santos, A. S. P. D. (2017). Demandas dos familiares de pessoas com transtorno mental. Rev. enferm. UFPI, 11-17.

Lima, D. C., Bandeira, M., Oliveira, M. S. D., & Tostes, J. G. D. A. (2014). Habilidades sociais de familiares cuidadores de pacientes psiquiátricos. Estudos de Psicologia (Campinas), 31(4), 549-558.

Lopes, M. A. C. (2012). Os possíveis papéis do enfermeiro no campo da saúde mental no contexto da estratégia de saúde da família no Brasil. Recuperado de https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/BUOS-9DCHXL.

Machado, V. C., & Santos, M. A. D. (2012). O apoio familiar na perspectiva do paciente em reinternação psiquiátrica: um estudo qualitativo. Interface-Comunicação, Saúde, Educação, 16, 793-806.

Martinhago, F., & Oliveira, W. F. D. (2015). (Des) institucionalização: a percepção dos profissionais dos Centros de Atenção Psicossocial de Santa Catarina, Brasil. Saúde e Sociedade, 24, 1273-1284.

Mendes, K. D. S., Silveira, R. C. D. C. P., & Galvão, C. M. (2008). Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto & contexto enfermagem, 17(4), 758-764.

Salles, A. C. R. R., & Miranda, L. (2016). Desvincular-se do manicômio, apropriar-se da vida: persistentes desafios da desinstitucionalização. Psicologia & Sociedade, 28(2), 369-379.

Santos, Q. G., dos Santos Silva, G. W., Sobreira, M. V. S., & de Miranda, F. A. N. (2016). Os serviços de saúde mental na reforma psiquiátrica brasileira sob a ótica familiar: uma revisão integrativa/Mental health services in the brazilian psychiatric reform from the family perspective: an integrative review/Los servicios de salud mental en la reforma psiquiátrica brasileña bajo la óptica de la familia: una revisión integradora. Revista de Pesquisa, Cuidado é Fundamental Online, 8(1), 3740.

Simões, C. H. D., Fernandes, R. A., & Aiello-Vaisberg, T. M. J. (2013). O profissional de saúde mental na reforma psiquiátrica. Estudos de Psicologia (Campinas), 30(2), 275-282.

Siqueira, D. F., da Silva Xavier, M., Serbim, A. K., & Terra, M. G. (2018). Redes sociais de apoio no cuidado á pessoa com transtorno mental: reflexões. Revista de Enfermagem da UFSM, 8(4), 859-869.

Sousa, B. V. N., de Jesus, V. H. A., dos Santos, M. A. F., & do Nascimento, O. C. (2015). Centros De Atenção Psicossocial: Cobertura Da Microrregião De Cruz Das Almas–BA. Revista Brasileira de Saúde Funcional, 2(2), 24-24.

Vieira, A. M., Oliveira, M., Almeida, P. H., de Moraes Roncoletta, S. C., & de Souza Campos, A. (2018). Saúde mental e desinstitucionalização manicomial: a concepção da família como participante desse processo. TCC-Psicologia.

Published

17/11/2020

How to Cite

Batista, G. S. ., Barbosa, L. D. da C. e S. ., & Silva, M. E. D. da C. e . (2020). Family repercussion of the deinstitutionalization of the ent with mental disorder. Research, Society and Development, 9(11), e35991110006. https://doi.org/10.33448/rsd-v9i11.10006

Issue

Section

Health Sciences